Jump to content
Arquitectura.pt


gibag

Membros
  • Posts

    255
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    2

Everything posted by gibag

  1. Fernando, Assim que a ficha é aprovada pela CAM, mando um recibo verde com retenções e IVA e algumas semanas depois depositam no NIB que forneci. Para já tudo correu normalmente e faço isso há 1 ano e meio.
  2. A primeira é sempre a mais difícil. 1º lé as instruções de aplicação do NRAU. que estão em PDF no site. Aqui tiras as dúvidas quase todas e sabes o que deves ou não fazer e quais os critérios de avaliação. Normalmente não voltam a contactar e para pagar cada CAM tem o seu sistema. Para lisboa é preciso registar actividade com o Município e depois entregar recibo verde com o valor. Na tua área reservada na net podes seguir a evolução do processo. O valor é 72€ por vistoria, mas se forem 2 no mesmo prédio os valores são diferentes. Conselhos que posso dar: levar boa maquina fotográfica e tirar muitas fotos referentes a todos os aspectos a analizar. Eu não preencho a ficha no local, prefiro em casa através das fotos e mais concentrado. Não te esqueças de nada porque não podes lá voltar Tempos: entre 30min a 1h na vistoria e outro tanto para o preenchimento da ficha Muita atenção as instalações de gás. Nos casos que é obrigatório o certificado de inspecção.
  3. Pelos vistos não percebeste, se leres alguns comentários anteriores com atenção (excluindo do Seraph mas que tem todo direito a expressar a sua opinião) percebes que qualquer pessoa pode fazer um estudo prévio... Não há aqui ferida nenhuma nem palavras proibidas, penso eu. O discurso do vocés isto e nós aquilo não leva a lado nenhum. Boa sorte para o teu Estudo Prévio.
  4. Isto, de facto, é o que a Ordem diz, mas não tem qualquer valor legislativo ou seja, não é lei. O que a lei diz está no 73/73, como estamos farto de saber. Mais uma coisa. O estudo prévio não se consubstancia num licenciamento nem pode servir de base para uma empreitada. É apenas uma apresentação de intenções e ideias, que não implicam mais do que isso. Portanto na minha perspectiva, pode ser executado por não arquitectos. não podem é dar o salto para as fases subsequentes, onde existe responsabilidade técnica. Numa pesrpectiva ética, não faz muito sentido elaborar um estudo prévio para um cliente, este aprova-o, sabendo que não lhe poderá dar continuidade. Senão entramos de novo em "esquemas"
  5. Em Lisboa passa pelo Parque Expo e CCB. Neste fórum encontras muitas obras na "arquitectura nacional" que podem ter interesse.
  6. Isto é um forum de engate ......boa.....:foto:
  7. Portaria n.º 701-H/2008 de 29 de Julho Marco, Esta recente portaria, e também a anterior, prevé que a assistencia a obra faz parte dos compromissos dos projectistas quando iniciam o projecto. É uma questão pertinente porque sabemos que muitos projectistas se baldam nesta fase. Mas o facto, e o que está na lei, é que temos de dar essa assistencia sempre que necessária sem cobrar mais por isso. Mas isso não impede que se contrate uma assistencia mais permanente e intensiva com o Arquitecto, pena é que quando isso acontece é um engenheiro que fica com esse papel...
  8. Gosto do sentido de humorXD Já agora não me chames de gigab, que não sou um computador... Quanto ao resto tudo bem, vens desenvolver o que referi no meu post das 10h05.
  9. Agros, Os grandes promotores com projectos de grande escala não são levados por bons angariadores. Aqui, o preponderante são as redes de conhecimentos e relações profissionais nestes círculos muito herméticos. Um promotor que pretende desenvolver um grande empreendimento irá contratar os seus projectistas de confiança com quem se relaciona. Se estes o desiludirem, não vai lançar nenhum concurso público nem tão pouco solicitar entrevistas com gabinetes de projectistas. Irá perguntar aos seus pares do seu círculo de conhecimentos quem é que lhe aconselham para desenvolver o projecto. Ou então contrata um gabinete de topo (com nome sonante).
  10. Essa não percebi Argos, a mim parece-me que quem é bom a angariar clientes não precisa de procurar emprego, fica com os clientes para ele e já tem emprego....
  11. Não é assim tão simples Vanda, O Código dos Direitos de Autor incide sobre projectos e obras de arquitectura mesmo que inacabados. Portanto um cliente ao desvincular-se de um arquitecto e contratar outro para continuar o projecto, das duas uma, ou obtem autorização do primeiro para continuar o projecto original ou faz outro projecto novo. Os clientes normalmente, desconhecem esta situação.
  12. Palácio Nacional da Pena em 2º !!! Uma amalgama de referencias estilisticas fora de tempo e de contexto em 2º, num forum de arquitectura. Alguém me explica como??
  13. Tendo em conta que na sequência do envio de um currícuo vem a entrevista, os critérios de apresentação e comunicação serão então avaliados. A entrevista é mais completa que o video porque permite interacção e dialogo. Em relação à importância da apresentação e comunicação, depende de quem contrata. Existem gabinetes que só querem mão-de-obra silenciosa, porque não é suposto sair da frente do monitor. Outros precisam de apoio para saídas e reuniões, convém uma boa apresentação. Outros precisam de alguém que também assista à obra. Aí a comunicação e experiencia são fundamentais. Outros querem "Gajas boas", não sei porqué.... Resumindo..... depende do objectivo do contratante.
  14. Com maquete e 3D talvéz se justifique. Atenção aos direitos de autor para o caso de fazeres o Estudo Prévio e o cliente se desvincular a seguir. O teu Estudo Prévio não pederá ser "copiado" por outro a menos que o autorises.
  15. Em relação à imagem tenho 3 situações a apontar: - No mozaico das paredes, a primeira fiada a contar de cima está cortada. Só quando não há alternativas é que se faz isso. A olho, parece-me que metes 4 sem cortes. - No mozaico do pavimento as juntas estão sobredimensionadas. - Sou da opinião que ver o exterior pela janela seria positivo, criava alguma descompressão e para efeitos de marketing esses pormenores interessam sempre. Em relação às orientações, quando o enquadramento paisagistico é interessante, o ideal é virado a Norte porque o sol não provoca contra-luz e ilumina a paisagem a nossa frente durante todo o dia, potenciando as cores, formas e profundidade. Actualmente existem soluções que permitem colocar vãos em qualquer posição sem que tenham consequências negativa ao nível térmico. Tudo depende da filosofia do projecto.
  16. Voltando ao projecto, Tenho em boa conta o trabalho de Souto Moura mas pelas imagens apresentadas, está longe daquilo a que nos habituou. Souto Moura opta por aquele volume branco, saliente e com envidraçado recolhido. Esta solução é muito fotogénica mas já foi mais que explorada e utilizada nos últimos 15 anos. Sinceramente, já enjoa... É uma espécie de receita para o projecto ter um ar contemporáneo. Em relação as rampas, actualmente com a legislação das acessibilidades tem de ser, ou isso ou um elevador.
  17. Esta recorda-me Ronda no sul de Espanha, Cidade eregida a beira de uma falésia ingreme com quase 200 metros. http://images.google.pt/imgres?imgurl=http://www.johnhbradley.com/photos/032903ronda/dscn4696.jpg&imgrefurl=http://www.johnhbradley.com/pictures2.asp%3Fvar%3D032903ronda&usg=__0bIYbh_QdoA6nhdBH0VVJmDW0vE=&h=640&w=480&sz=108&hl=pt-PT&start=115&sig2=W-oeymyqBiNuGvAhzSfJOw&tbnid=tv9hir4VRkQuJM:&tbnh=137&tbnw=103&ei=P0yASd_TIdCs-gbW1bTFBA&prev=/images%3Fq%3Dronda%2Bspain%26start%3D100%26ndsp%3D20%26hl%3Dpt-PT%26sa%3DN
  18. Contrariamente a generalidade dos comentários aqui inseridos, não faço uma conexão tão obvia entre o vanguardimo com a arquitectura efémera. Poderá haver projectos que refletem essas duas realidades (efémera e vanguardista). No entanto, a Arquitectura efémera não contempla a "durabilidade" temporal e soluções construtivas permanentes, que podem ser amplamente exploradas na âmbito da arquitectura vanguardista. A arquitectura efémera pode colar-se a qualquer corrente arquitectónica, podendo ser até bastante convencional.
  19. dá andar a recusar trabalho...:foto:
  20. Não tinha muito que fazer, no momento. é o que
  21. Kwhyl. Estás a meter tudo mo mesmo saco. Para ti quem faz 3d, trabalha para um escritório e ganha pouco por lá. Eu não trabalho em nenhum escritório e licenciei-me há 9 anos, e haverá muitos noutras situações. piores e melhores. Cada caso é um caso. Em termos de orçamento eu não desco abaixo de um determinado limite para todo o tipo de trabalho que exerço, não só com o 3D. Não só pela dignidade, mas sobretudo pela qualidade.
  22. Desafiadora da gravidade e negação da hortogonalidade como sempre. Muitos projectos, muito marketing e (relativamente) pouca obra realizada.
  23. Em duas horas e meia, eu chamo-lhe talento...
  24. (sem conhecer o Projecto, mas andaria por aí) Para o exterior 700€= 550+75+75 Para as interiores um modelo expecífico para cada compartimento 750€=250x3 Tudo 1450€ Não sendo este o meu mercado típico de trabalho, tem vindo a aparecer, se o cliente acha caro, prefiro não fazer. é um trabalho minucioso e desgastante. E não te esquecas que normalmente os clientes gostam de fazer experiencias no final.
×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.