Jump to content
Arquitectura.pt


gibag

Membros
  • Posts

    255
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    2

Everything posted by gibag

  1. A primeira definição parece-me a mais correcta. O ponto mais alto do edifício é a cumeeira.
  2. Pondo de lado a questão da falta de concursos muito explorada na notícia. Em 1.º lugar, a noticia diz "estado pagou a arquitectos". FALSO. Estado pagou sim, a equipas projectistas. O que me espanta, se não me engano nas contas, é o custo médio de cada projecto, que fica em quase 200 000€ cada. Ou existem gabinetes muito "sortudos" (que é o que esta notícia dá a entender e que eu não acredito) Ou existem desvios por explicar.
  3. OK, boa atitude. Em relação ao desenho na arquitectura, o mais importante não é conseguir representar com exatidão o que se vé. É conseguir passar para o papel ideias e estes desenhos abrirem mais caminhos para novas ideias e soluções até chegar a algo que seja consistente. O desenho é a melhor ferramenta do arquitecto
  4. O desenho e a geometria são pilares fundamentais para a prática da arquitectura. Não se faz arquitectura sem dominar estas disciplinas. A questão não é se é complicada a adaptação. Se queres e gostas de arquitectura, nem deves pensar se é difícil a adaptação. Segues em frente e ultrapassas os obstáculos. Já agora se queres arquitectura porque não seguiste a área de desenho e geometria? se não sentires afinidade com o desenho e geometria, não te aconselho a seguir arquitectura.(opinião minha, obviamente)
  5. Num forum com estas características, cada utilizador retira aquilo que mais lhe convêm. Existem dúvidas, desabafos, notícias, opiniões... pessoalmente já retirei muito proveito profissional daqui, sobretudo no que diz respeito á legislação e soluções construtivas Os estudantes, e sobretudo os não-arquitectos têm frequentemente dificuldade em participar aqui com receio das respostas. disto não tenhamos dúvidas. Os ánimos aqui exaltam-se com muita facilidade. Nota-se muitas vezes um nervosismo latente. talvéz próprio da nossa condição ou situação actual.
  6. Atenção, para ser perito não basta ter os ditos 5 anos e as referidas licenciaturas. Não conheço os pormenores com exatidão, mas sei que se tem de tirar um curso que dura alguns meses e este paga-se bem. As componentes teórica e prática do curso são exigentes e para quem trabalha requer algum esforço e tempo extra. São muitas as desistencias a meio e a avaliação final deixa muitos de fora.
  7. Pavimentos autonivelantes a base de resina epóxi. Penso que pode ser colocado em paredes e fica com o aspecto que pretendes.
  8. OK. reformulo: não se vé em mais nenhum país desenvolvido (exluindo Inglaterra). A Inglaterra nunca foi muito europeísta, daí o seu "desprezo" pelas recomendações da UE. Já agora essa historia de desenhadores e eng. que fazem melhores projecto que arquitectos, já todos demos para este peditório. Também há enfermeiros melhores que médicos e escriturários melhores que advogados. A questão não está aí. Sabes bem.
  9. A situação em que ainda vivemos com 73/73 não se vé em mais nenhum país desenvolvido. A UE anda há muitos anos a "recomendar" Portugal para resolver isto, mas está perto, já só faltam 5 anosXD. Ver arquitectos que desprezam a importância da sua revogação é simplesmente lamentável e não será concerteza com estes que as coisas vão melhorar. Dizem-me: isto não vai resolver os problemas dos arquitectos e da arquitectura. Talvéz, não sou futurólogo. Mas vem resolver o problema de justiça e responsabilização profissional.
  10. Como ainda não foi promulgado pelo PR, não foi ainda publicado. Talvez no site da assembleia ou contactando a Ordem, que participou na sua redacção.
  11. Eu já trabalhei 1 ano ai num dos ministérios, tive portanto uma vivencia permanente com o lugar. Deve, no meu ponto de vista ser um espaço vazio com já foi aqui apontado. Até a estátua podia sair de lá. Um incremento de comércio, cafés e lojas não me incomodam. e organizar eventos e exposições de arte temporárias casam muito bem com este espaço.
  12. Vitor só agora li o teu comentário, A ficha técnica de habitação, quando se trata de habitação. Quando as funções são outras deve ser incluido na CT
  13. O autor do projecto é sempre o arquitecto ou arquitectos quando há co-autoria. Isto está relacionado com o Código dos direitos de autor. As engenharias não estão abrangidas por esse código. Geralmente o autor corresponde ao coordenador de projecto, mas aí poderá ser um eng. Isso acontece em projectos onde a engenharia é preponderante (pontes, estruturas viárias...) Atenção o PPS e a CT são coisas diferentes. Não confundir. ARK, se fizeres CT para um mero projecto de licenciamento estás de parabéns, porque é coisa rara de se ver.
  14. Deve começar a ser executado durante o projecto e concluído durante a obra. Os intervenientes são vários: os tais coordenadores de segurança em projecto e obra e os projectistas durante a fase de projecto. Deve ser coordenado pelo arquitecto coordenador do projecto de execução. Deve incidir especialmente nas questões de manutenção do edifício em geral, das infra-estruturas, equipamentos, etc. Deve também servir como um manual de utilização do edifício e deve identificar todos os intervenientes no projecto e obra. Até pode ser pró-forma, mas não devia.
  15. Está certo zedasilva, no entanto estes tecnicos já sabem há muito tempo, muito antes de tirarem esta formação que esta lei era provisória e que mais cedo ou mais tarde iria acontecer.
  16. Porqué?? Vão continuar a desenhar, penso eu.
  17. 5 anos é um prazo demasiado longo para ser seguro. Até lá muita coisa muda, políticas, governos, pessoas, ideias. Em 2014, Muitos pensarão se não será demasiado precipitada esta mudança. Argos, Em relação a isto "A participacao dos arquitectos na sociedade deve ser essencialmente na questao do planeamento do territorio" tem a minha concordância.
  18. Aí é que reside a nossa discrepância. Esta visão de que a sociedade deve reconhecer o arquitecto e a arquitectura é um pouco corporativa, assim como todas as outras classes profissinais querem ser reconhecidas (como recentemente vimos com os prof.) Que papel é que os arquitectos podem ter na educação para tantas culpas?? Podem fazer pressão junto do ministério, organizar eventos públicos. Nem de nós conseguimos cuidar quanto mais da educação da sociedade. Mas pronto, respeito a tua opinião.
  19. Kwhyl, Não presumas tanto sobre mim, antes confirma. Conheço bem a realidade do interior profundo porque sou de lá originário. O Sr. dos projectos na minha terrinha é desenhador, tem um gabinete, e emprega arquitectos e engenheiros. Por várias vezes alertaste para a necessidade de educar a sociedade para a arquitectura. A intenção é sem dúvida muito boa, resta saber se a sociedade quer, de facto ser educada neste sentido. Agora presumo eu. Não me parece.
  20. KWHYL, Vamos separar as aguas e ser objectivos: Os desenhadores nunca puderam assinar projectos, portanto para eles é igual. Não vão dar a assinar ao eng. dão ao arquitecto. Os eng. tinham nos proj de arquitectura um extra. Não acredito que possam haver muitos que só dependiam da arquitectura, portanto pouca diferença lhes faz. Os construtores, só se tiverem aquele curso de "tecnico de construção civil", mas ainda assim eles ganham a vida é nas obras. O fulano a que te referes que vive dos projectos das pequenas casinhas que assina, simplesmente não existe.(não literalmente, mas pela mínima expressão que tem)
  21. Argos, O 73/73 já era transitório. Agora é preciso um periodo transitório depois do transitório. Parece-me é que 5 anos é muito, bastava 1 ou 2 para os profissionais reorganizarem as suas prioriades laborais.
  22. lê melhor.... só daqui 5 anos :D
  23. não vamos pensar que se os projectos fossem feitos apenas por arquitectos todos esses edificios seriam energéticamente eficientes. Não vamos ser ingénuos. É um facto que se está a pôr a carroça a frente dos bois, como alguém já disse, mas não se esqueçam que apenas pode ser certificado aquilo que é mensurável e objectivo. Seria, de facto interessante um certificado de qualidade arquitectónica, mas como se mede e classifica isto...? de qualquer modo, percebo e concordo com o Fernando: a resolução do 73/73 sim, é bem mais prioritária. Em relação a esta actividade, actualmente quem pode está cheio de trabalho e a encher a carteira porque são poucos e ainda está tudo por certificar. Mas isto naõ vai durar muito, daqui poucos anos haverá muitos técnicos e pouco património construido por certificar. Apenas o novo em construção ou remodelação.
  24. joagin, Eu não me atrevi a distribuir culpas, mas em relação às diferenças entre Portugal e Espanha quanto à apropriação do espaço público são óbvias. tenho essa experiencia vivida e não apenas estudada. A Espanha que conheço, não é apenas a balnear. Existe uma tradição de sair à noite, não só por parte dos jóvens. Saem familias inteiras, crianças, bebes e idosos. Idosos todos vaidosos, elas pintadas e eles bem vestidos. enchem as ruas e praças pedonais dos centro históricos ao anoitecer. O comércio mantêm-se aberto até tarde e os espaço oferecem condições apropriadas. Assim sendo tenho dúvidas que as pessoas só saem porque têm atracções nos centro históricos. Penso sim que o comércio floresce e os Ayuntamentos(Municípios) apostam na qualificação dos espaços porque as pessoas o justifiquam e exigem. Os factores que fazem determinada pessoa rumar para um centro histórico vão muito mais além que uma aposta na sua atracção. já foram feitas apostas nalgumas cidades portuguesas em investir na qualificação dos espaços e na dinamização do sector privado e os resultados apenas acontecem em Julho e Agosto o que se configura insustentável. quando dizes "As pessoas decidem aonde vão segundo a capacidade de oferta desses sitios na supressão das suas necessidades/desejos" tenho a referir duas coisas: A relação pessoa-desejo é mútua. A pessoa vai atráz do desejo assim como o desejo vai atráz da pessoa. Os hábitos adquiridos, as modas, as questões sociológicas, económicas e muito mais, têm uma infuência tremenda nas opções das pessoas.
  25. Actualmente os motivos de atração resumem-se aos centros comerciais. centros comercias e centros hitóricos não casam muito bem, como sabemos, e os portugueses já fizeram a sua escolha.
×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.