Jump to content
Arquitectura.pt


kwhyl

Membros
  • Content Count

    430
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    3

Everything posted by kwhyl

  1. luisxox não ligues á tónica dominante do que te dizem, são gajos que lhes correu mal o curso, a entrada no mundo de trabalho ou simplesmente não querem mais concorrência. a minha opinião é simples, como o mundo anda, não há nem cursos fáceis, nem cursos que tenham emprego garantido. como tal, tens de penar muito dentro e fora da faculdade. nesse sentido, pá, se gostas disto, de arquitectura, força, anda tirar o curso, serão os melhores 6 anos da tua vida, onde vais aprender muito, e não só de arquitectura, vai-te abrir os olhos para o que anda a tua volta e quando tiveres o canudo na mão és um gajo muito bem preparado com uma visão muito particular sobre o mundo... e daqui a 6 anos logo se vê como tá o mundo do trabalho, ou se ainda há mundo e se isto estiver ainda pior, o arquitectura é um curso que não te limita, pelo contrário... força...
  2. livros não sei. mas posso-te dar uma sugestão. desenha e representa o máximo que puderes. quanto mais desenhares mais garantias tens de o projecto sair o mais parecido com o que idealizas, porque nunca vai sair completamente como tu queres. caracteriza e promenorizada os mais que puderes os espaços e pormenores, cota-os, usa referencias a pontos concretos de medidas existentes e poe-te no lugar dos técnicos da construção que vão ler os teus desenhos, percebe que eles não têm a mesma formação que nós, que não sabem ler os nossos desenhos. apresenta sempre anotações escritas e desenhadas, assim quando houver dúvidas tens sempre uma garantia de que tudo estava bem explicadinho e já agora, acompanha tu também a obra o máximo que possas
  3. uma grande entrevista, muito esclarecedora... admito que como arquitecto, manuel salgado nunca me levantou grande destaque, talvez porque em tempos de estudante todos estamos mais interessados na poética do espaço, a estudar obras objectuais e esse não ser o seu campo de actuação primordial admito que como urbanista, não concordo com o seu modelo da expo, nem com o plano de pormenor das antas, considero duas grandes oportunidades perdidas para fazer um melhor urbanismo, mais consciente das necessidades para a continuidade do que os modelos estritamente contemporâneos, de fácil desatualização que respondem somente aos tempos de agora admito porem, que o manuel salgado encontrou, para mim, o seu campo de actuação por excelência, no planeamento administrativo. acredito que todas as autarquias (e governos) deveriam ter um arquitecto como figura quase central. a formação em arquitectura pode trazer muito ao cargo de governante, com a junção de um saber de ordenamento do território, património, modus vivendi das cidades, espaço, tempo, gestão global do problema. creio que começamos em Portugal uma nova era, a da compreensão da importância do papel do arquitecto também na gestão urbana, e não só como instrumento da consolidação do Poder.
  4. kwhyl

    Novo site

    JPMR obrigado pela tua resposta. consigo de certa forma dar-te razão, no sentido em que a generalidade dos portugueses não está esclarecido e informado sobre praticamente nada, quanto mais arquitectura. considero também, que não consigo compreender porque é que não há uma tentativa de sensibilização da população para a arquitectura, não há interesse por parte da ordem dos arquitectos ou dos poderosos media para "ensinar" questões ligadas à arquitectura, ao urbanismo, ao património... no entanto, continuo, se assim é, cabe-nos a nós, individualmente, face aos nossos clientes, câmaras, ou simplesmente amigos "ensina-los". já experimentas-te tentar propor ao cliente ou promotor uma outra solução? já lhe mostraste por exemplo livros ou imagens daquilo que tu consideras a "boa" arquitectura? já passaste tempo sentado com o cliente a contar-lhe a história da arquitectura? já tentas-te propor-lhe que fosse o pioneiro cliente a ter uma casa no algarve do género das que se fazem noutras partes do país e que com toda a certeza, tu compreenderas que são "melhores" é um rol de perguntas que tinha para te fazer, e que se tu também as fizeres ao cliente, e se conseguíres "ensinar-lhe" qualquer coisa todos ficaremos a ganhar. tu ficas mais realizado profissionalmente eu vou gostar mais de me passear pelo Algarve, onde vou muitas vezes e conheço a realidade. e ganha o país em qualidade de arquitectura, urbanismo e património para o futuro. a verdadeira arquitectura é aquela que provoca sentimentos, é certo, mas a tua provoca-me sentimentos ultrapassados e retrógrado que nem me apetece ter, nem gostaria que servissem de base a continuidade. não é o teu exemplo aquele que deve ser seguído, tu compreenderás isso, por isso ainda vais a tempo de te emendar, tenta convencer o cliente, se conseguíres estarás a dar um grande passo.
  5. kwhyl

    Novo site

    envergonhado será a palavra certa realmente. já há muito tempo que não via um arquitecto a projectar? assim. aliás, quase que digo que não sabia que este tipo de construção era praticada por arquitectos, pessoas que frequentam uma escola onde, creio eu, se devia ensinar os princípios básicos da arquitectura moderna e preparar os futuros arquitectos para projectar para o seu próprio tempo. não sei se gosta da arquitectura que faz, ou se é mais uma espécie de "obrigação" em agradar clientes pouco esclarecidos mas parte da função do arquitecto é também esclarecer, informar, educar o seu cliente para o que é a arquitectura, o que é a sociedade onde vivemos, o nosso tempo e apresentar-lhe, mais uma vez, uma arquitectura que respeite a contemporaneidade. pense um pouco sobre a evolução da arquitectura, pense um pouco sobre a sua obra, se acha que ela se enquadra na época em que vivemos, e acredite que sem malicidade, gostaria que pudéssemos abrir uma discussão aqui no forum, uma vez terá com certeza uma palavra a contrapor as minhas criticas
  6. outro dia um amigo meu , através de um amigo dum conhecido bla, bla soube que existia um arquitecto que lhe dava estágio. todo contente, o meu colega pergunta quais são as condições oferecidas pelo futuro patrono, a qual o interveniente responde, para espanto dele, meu e agora, nosso. "pa, podes ficar la a trabalhar e nem precisas de lhe pagar" tou parvo!
  7. ó pa, para os teus primeiros 2 posts aqui no forum parece.me que estas a arranjar um "inimigo" para a vida... bem vindo ao forum puto, daqui a 2 meses já não estas a defender a tua faculdade, e mais um tempinho já tens raiva de todo e qualquer sujeito com o nome arq. atrás atirando justa ou injustamente a qualquer assunto que te pareça meritório de descarregares a tua descrença no funcionamento do mundo... com o decorrer do curso vais compreender que o facto de um gajo ser bom arquitecto muito raramente equivale a ser um bom professor. o graça dias, pelo menos a ensinar as bases de arquitectura teórica a putos do primeiro ano é bastante cativante e aquilo fica como ensinamento prá vida, mas também, grande arquitecto ele não é...
  8. ó urbano, não faço a mínima ideia se o graça dias ou os outros põem o ** na ual, nem me está a interessar. fico feliz que sim, pois a tua faculdade tem grandes nomes a dar aulas, como tal, nessa parte, grandes condições para se tornar na faculdade de referência em Lisboa, e no país... "a não ser que queiras especificar essa farpa" não me merece nenhum comentário
  9. não sei se é alguma lei ou parecido. acontece que pelo senso comum, que já não é pouco, a um recém licenciado devia ser garantido pagamento de 2 ordenados mínimos, (coisa que acontece nos programas i9jovem e similares) quantos de nós temos a felicidade de ganhar isso? e não falo só de arquitectos. ou então faz as contas, devíamos ganhar para o seguinte: a renda de um T1, o mínimo de móveis e electrodomésticos indispensáveis, luz,uma tv, um pc, água, gas, almoços em restaurantes perto do local de trabalho, jantares e petiscos em casa, jantar uma vez por semana fora, dois cafés diarios, uma noite de borga, 2 cinemas por semana, 2 filmes alugados por mes, a compra de um livro\revista por semana, uma viagem nas ferias, uma entrada num museu, passe de metro, gasolina (facultativo), uma ida ao médico, uma peça de roupa, caixas de preservativos ou pílula, cremes, pastas de dentes, gels de banho e champo e um extra diferenciado no seguimento da discussão: obviamente que nenhum membro do arquitectura.pt vai denunciar a sua entidade patronal, ou a de outrem. não vivemos numa sociedade assim tão alargada para não se pensar em represálias futuras. basicamente a questão é simples, só se mete nelas quem quer. quem for enganado, o pior que pode acontecer é passar um mês a ganhar traquejo, quem é que admite ficar o segundo mês? agora, obviamente que me provoca uma raiva terrível frases como " por principio não pago a estagiários", principalmente vindo de grandes barões da arquitectura nacional, com uma certa mediatização e influencia quer social, quer na ordem. obviamente conheço algumas citações, mas sinceramente, não me cabe a mim relata-las se dos barões chateia, daqueles que como nós precisam do dinheiro não para comprarem bons carros,mas sim para viver desafogadamente é deprimente o envolvimento numa teia de desculpas e mentiras. é tão simples explicar que o patrono em questão não ganha muito, sim tem trabalho para transferir para colaboradores, mas não, não abdica, ou não pode abdicar de o equivalente a um ordenado minimo por mes. com esta sinceridade,só fica quem quer, e quem ficar lanço uma ideia. porque não,em vês de fazermos apenas o que nos é pedido,procurarmos também trabalho que podemos desenvolver em parceria com a nossa entidade patronal (porque se de estagiários falamos, deles precisamos não so do papel mas de um certo know how que ainda não dispomos), e assim todos podemos ficar a ganhar? a resposta para este tema passa pela sinceridade e confiança, se todos tivermos ninguém trabalha para dar carros de luxo ao patrão
  10. gibag, não era, obviamente, para ti a minha pergunta, nem sei porque é que quiseste responder...
  11. obrigado pelos vossos preços, são muito convidativos, lol a questão que me pus no decorrer desta discussão é a seguinte: vocês, que fazem 3d, apregoam, e muito bem, o vosso serviço como algo de muito trabalhoso e penoso, ao ponto de afirmarem que o "segredo" está em recusar trabalho, se o valor não corresponder ao trabalho despendido. no entanto, cabe-me perguntar se voces ao mesmo tempo que prestam serviço de renderização "para fora" também não o estão a fazer nos escritórios onde trabalham, para o vosso patrão, que vos cobra nada, excepto, a miséria mensal que nós nos dias de hoje recebemos por sermos arquitectos-colaborador? vejo muita queixa sobre o "mau pagamento" dos renderes, mas não vejo queixas a mensalidade generalizada que recebe um recem licenciado
  12. num domingo perto do natal passeei-me por Guimarães. as ruas repletas de gente encasacada freneticamente atrás de sacos de papel com embrulhos coloridos contrastavam com a pedra simples de uma arquitectura de tradição. a vida urbana por excelencia, ao exterior, de loja em loja, de café em café, de praça em praça, aquela gente, imune ao frio e à sua própria idade apenas procurava uma tarde bem passada, que resolvesse uma consoada ainda mais determinante para culminar em grande um ano de privações, de apetar o cinto ajudando o estado e a sí próprios a combater o defíce, ainda a crise da banca e do consumismo não afligiam as mentes ainda empregadas ou reformadas com uma pensão jeitosa que pagava os medicamentos e grandes jantaradas domingueiras em familia. para o ano, ou daqui a dois na pior das hipóteses, no mesmo domingo perto do mesmo natal, com crise ou sem ela, passear-me-ei por Guimarães com a mesma arquitectura como pano de fundo, as mesmas lojas coloridas de verde e vermelho, mas, com muito menos encontrões e gritos esotéricos de crianças fartas da lufa lufa do consumismo. as mesmas crianças, agora quentinhas fruto de um belíssimo e saudável ar condicionado não chorarão estridentes, as distancias foram encurtadas, a luz reinará em abundância, as cores serão mais fortes e apelativas, os pais natais sorrirão de dentes aguçados e encaminharam para dentro de espaços afectuosos, os encontroes de gentes e sacos serão muitos..... ...tudo isto noEspaço Guimarães
  13. ora aí está, contra todas as expectativas parece que está a nascer um belíssimo edifício nas costas da casa da música, um enquadramento ortogonal a contrapor a esquizóide casa de eventos.... vamos ver se o projecto de execução não estraga uma construção dominó leve coberta do material de revestimento mais contemporâneo que a sociedade já inventou, o painel solar um fim a aguardar com expectativas demasiados altas para se tornarem verdadeiras
  14. aqui esteve um discussão interessante que ninguém levou a serio, eu próprio gostaria também de perceber quanto leva um gajo que saiba fazer imagens 3d por as fazer, por isso faço um pergunta simples para quem já tiver feito este tipo de trabalho me esclarecer imaginemos que eu tenho um prédio urbano de 15 apartamentos em 4 pisos, necessito que me façam a modelação 3d e consequentes 5 imagens, duas do exterior, a sala tipo , a cozinha e o wc para promoção em cartazes na obra não me interessam tempos, quero um orçamento final? alguém sabe?, ou só me sabem elucidar sobre programas que fazem isso e preços por hora de trabalho?
  15. Pittral no meu entender, a única coisa que o teu professor quer que tu faças é que faças o teu trabalho sem copiares descaradamente uma referencia qualquer que um gajo tenhas no momento. quer que o trabalho saia da tua cabecinha sem perceber que veio da obra tal do arquitecto tal. se fizeres um projecto porreiro, tens boa nota e ele não te faz perguntas se não conseguires criar uma coisa engraçada, faz o que te diz o JVS e faz um belo texto a volta do teu projecto baseando-te em teorias que estejam "á frente" no seu tempo, neste tempo, compreendendo este tempo e arranjando uma solução que se adapte a este e não a uma coisa de há 20 anos atrás
  16. para o 2º ano sugiro para conheceres o mundo: o admiravel mundo novo do huxley, o sexus, do miller, (se os teus pais forem muito religiosos lê antes o plexus, ao verem a capa não precisas de responder a perguntas inconvenientes) um ou dois poemas avulsos do àlvaro de campos as cronicas do MEC no público o MEIN KANPF para o coração tremer com arquitectura bonita um qualquer manual de contrução civil o livro do Atget, em promoção dos 25 anos Tachen uma boa monografia do Siza uma boa monografia do Venturi uma boa monografia do Corbu o Mies at work o novo da Graça Correia sobre o Athouguia, com um belíssimo prefácio do Souto e nunca é cedo para começar a estudar gestão, economia, marketing, qualquer coisa que te ensine a procurar e cativar clientes, porque arquitectura é tudo o que não vais fazer quando quiseres ser arquitecto um escritório de arquitectura deve ser formado, além de ti por apenas 4 personagens um comercial (para te procurar e cativar clientes, investimentos, enganar meio mundo) um desenhador (que pode perfeitamente nos dias de hoje de ser um estagiário, para desenhar aquilo que tu não tens paciência para fazer) um construtor-chefe ( bem pago para executar e fiscalizar em obra todos os pormenores que tu achas que fazem a diferença, mas apenas na tua cabeça, uma vez que nunca ninguém irá perceber que o pladur não toca na cantoneira que agarra a chapa de cobre que cobre o caixilho. e um fotógrafo, que nos tempos da Internet, transformará a tua arquitectura naquilo que ela é hoje, imagem
  17. Quem é o ze manel das neves?
  18. uma pergunta(ou três): será que o conceito de espaço público em Portugal tem de sempre assentar no fim lucrativo? será que os portugueses não sabem "passear" em espaços que só dependem do seu valor patrimonial, simbólico, natural ou apenas "passeiam" em sítios onde haja montras? será que os portugueses sempre que "passeiem" ou se desloquem de um sítio para o outro têm de o fazer rodeados de montras que lhe apelem ao consumismo, não pode haver apenas o conceito simples de "passear" ou de "deslocar-se", fruto de necessidades ?
  19. dado que a nossa condição periférica à Europa e a nossa história nos fornece uma ligação privilegiada com África (e Brasil, América em geral) este é um excelente projecto, necessário à consolidação das nossas ligações. obviamente que o adjaye é um excelente arquitecto e vai fazer um belissimo projecto como nos tem habituado mas creio que o motivo da sua escolha é errado. vai-se buscar um londrino que só porque é preto nascido em África parece representar alguma coisa. a minha escolha cairia num arquitecto português nascido em África, como há muitos e bons, e assim a escolha teria muito mais sentido a nível das ligações Portugal- África
  20. dez anos depois, continuou-se a perder um grande momento da história de Portugal para desenhar urbanismo não a pensar nos modelos de hoje mas nos modelos que queremos construir para amanha. teimo com o zonamento, a separação franca de trabalho, lazer e habitação, e a concentração comercial num único equipamento (shopping) em detrimento de o fazer ao longo de ruas, de forma a criar uma unidade de vivência diária e não de polos horários de animação.. perdeu-se também um momento único de, perdoem-me o termo, bonita ou feia, criar uma coerência de linguagem que marque uma época e uma intervenção, aquilo que os antigos faziam e que, desleixadamente, se pede com a rapidez dos nossos dias... o bairro de Alvalade continua a ser o último grande gesto de urbanismo que Portugal conseguia desenhar.
  21. mais uma achega ao facilitismo. as tecnologias, que cada vez mais se assumem ao serviço do ser humano, tem como missão facilitar-lhe tanto a vida que gradualmente nos estão a retirar um factor importantíssimo nas qualidades do ser humano. o factor de escolha e decisão sou um pessimista e um céptico das novas tecnologias, creio que não necessitamos de um terço delas, e as restantes servem apenas um propósito de controle á liberdade de escolha do ser humano, são de grande utilidade, mas se não existissem...
  22. primeira reacção: uma raiva tremenda sobre todos os autarcas e investidores que continuam a acreditar que tudo se resolve com um modelo Shopping segunda reacção: um baixar de braços face à estupidez generalizada, um baixar de braços à minha própria impotência, um baixar de braços à aceitação do modus vivendi dos portugueses que assenta num enorme desconhecimentos dos valores patrimoniais e dos valores urbanos terceira reacção: critica construtiva: nos últimos anos temos vindo a compreender que o desenvolvimento urbano dos sítios, principalmente no Porto, em no Portugal em geral assenta única e exclusivamente no seguinte: quando há um problema, há uma solução o shopping. se o bolhão está a cair de podre, transforma-se em shopping, se ao lado de um shopping há um terreno vazio, outro shopping (via catarina - grand plaza) se ao pé da Câmara municipal há um volume novo sem uso, shopping (trindad domus), se uma grande superficie, o ikea, está sozinho numa zona industrial. anexasse-lhe um shopping... a baixa do Porto, e as suas zonas adjacentes,neste momento têem o via catarina, grand plaza, trindade domuns, bom sucesso, peninsula, brasilia, central shopping, dolce vitta, parque nascente e... s.bento shopping, em gaia mais o arrábida e o gaia shopping em matosinhos o norte e mar em gondomar, esposende, maia.... é este o modelo de desenvolvimento que queremos? eu não
  23. "Desculpem o desabafo, não pretendo com isto ofender ninguém mas custa-me ouvir respostas que ofuscam a essência do poste. Ás vezes se soubessem, exactamente, a razão de certas perguntas evitariam comentários como estes. pois marco, a questão é que da forma como expuseste o teu "problema", sem explicares as tuas dificuldades, longe de mim pensar na "verdadeira" razão. Não acho que os meus projectos valham grande charuto para os não disponibilizar em cad ao mundo, a questão é que não me parece de bom tom fazer essa proposta aos utilizadores deste forum, sem te conhecerem a ti ou as tuas razões. folgo,sinceramente, em saber que lutas diariamente pelo sonho, creio, de ser arquitecto.. sem grandes meios de disponibilidade temporal, e a estudar numa faculdade com uma biblioteca, acredito, diminuída, sugiro-te que pesquises muito bem na net, porque hoje em dia encontras muita coisa útil que também vem em livros, ou que complementam esses mesmo livros. sugiro também, e uma vez que ao estudares e trabalhares estás a fazer um esforço suplementar de abdicação de certos "prazeres" da vida, que utilizes o teu tempo de férias laborais para dares umas voltas por aí e veres in loco a boa arquitectura que Portugal ainda vai tendo, com facilidade te deslocas a Lisboa, e um fim de semana no Porto, a segunda cidade do país, é um luxo que só os pequenos países como o nosso pode fomentar. quando ao treino de 3d, se não tens bases de cad, inventa-as, não precisas de ter projectos fabulosos para fazeres renderes fabulosos, não achas? boa sorte
  24. lol é cada coisa que se lê neste forum. não te chega ver obras de arquitectura, ler livros, ver revistas,pesquisar na net e aqui no forum, trocar ideias com os teus colegas de curso, ir a outras faculdades passear pelas salas, ver as maquetes, ver as anuárias e as exposições dos melhores trabalhos....?
  25. e? não há desenho, só há redesenho.....
×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.