Jump to content
Arquitectura.pt


Porto Alegre | Fundação Iberê Camargo | Alvaro Siza Vieira


Recommended Posts

Saiu à uns tempos no suplemento "linha", pertencente ao Expresso.

Se existisse tal coisa como o "Siza Embriagado", o "Siza orfão das suas influências", o "Siza desenha ao sabor do vento", o "Siza, filho indisciplinado e bastardo da escola do Porto", acho que este edifício seria o exemplo Cabal. :)

Que é que se passou no tino do mestre? Esta numa de Kill Your Idols, um bocado anacrónico dada a decrépita idade do Arq.to.

http://i2.photobucket.com/albums/y8/lllRAKlll/Forum%20Arquitectura/Pim0001.jpg'> http://i2.photobucket.com/albums/y8/lllRAKlll/Forum%20Arquitectura/Pim0003.jpghttp://i2.photobucket.com/albums/y8/lllRAKlll/Forum%20Arquitectura/Pim0002.jpg '>In Linha, edição de 20 de maio de 2006 do Jornal Expresso

Também vos podia falar das rampas, que voluntariamente ficaram saídas, para ter o desnível correcto, e do facto de terem ficado angulosas, para o Engenheiro agarrar as consolas, sem que as mesmas vibrassem, entre outras coisas, (mariquices?) que não irei transcrever pelo excesso de labor, que os meus últimos dias de férias não permitem.

Isto tudo para afiançar, que eu gosto muito do Edifício.

E sim, dei-me ao trabalho de fazer um scan a esta coisa toda. É caso para dizer, If I Had a Tumor a Name It Arquitectura. (parafraseando, uma frase de um conhecido filme)

Edit: Adicionadas Imagens das maquetes (anexo álvaro)

Link to post
Share on other sites
  • Replies 52
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

realmente, olhando assim de fresco, ninguém diria que este é um projecto do arq siza vieira! mas no fundo, gosto do projecto, gosto daquelas rampas e do efeito que produzem, seja qual for o seu real propósito, e lembro-me de ter lido algures que o terreno disponivel para o projecto era muito pequeno, por isso...o senhor desenrascou-se bem.

Link to post
Share on other sites
Guest carlos.pedro

Alguns apontamentos extra:
1_Umas referências obrigatórias é a Lina Bo Bardi e as rampas do SESC Pompeia. As rampas e os acabamentos em betão fazem parte da cultura modernista brasileira. Também olhar outros nomes como Niemeyer, Lélé, Vilanova Artigas, Rino Levi, etc.
http://www.arcoweb.com.br/memoria/memoria30.asp

2_Artigo de um Catedrático de Porto Alegre publicado na Domus. É necessário estar registado para ler…bastante bom!
http://www.domusweb.it/domus2k6/source/contents/item.cfm?type=FTR&ID=55573

3_As fotos são de Leonardo Finotti. Convém pelo menos colocar os créditos quando se digitalizam imagens...

O melhor de tudo? A crise de identidade que muita gente deve estar agora a ter...

Link to post
Share on other sites
Pessoalmente gosto do projecto, não digo bastante, pois tenho algumas duvidas que eventualmente so se deciparão quando o observar com mais atenção...

O efeito das rampas não é nenhuma novidade, é algo que o nosso já bem conhecido FLW aplicou no Guggenhein de NY como o meu amigo |||ARK||| mencionou

Apesar de tudo este projecto foi algo que já andava planeado à algum tempo pela camara local. O Siza foi buscar as respectivas influências locais, bem como a influência de arquitectos brasileiros para poder ereger este edificio... o mesmo funciona como uma integração na paisagem, pois o terreno que se encontra na sua traseira e um terreno com um desnivel muito acentuado e deveras acidentado e o arquitecto não o quis moldar de forma a que o edificio se cozesse com o mesmo... antes o integrou em paisagem, altura, e até mesmo as rampas, apesar de ser um pormenor funcional, funcionam como uma extensão do edificio em função do terreno...

Só um pormenor pessoal... quando vi as primeiras maquetes finais deste trabalho, gostei mais do que o objecto arquitectonico final...

But... it´s just a though


Abraços Arquitectónicos
Link to post
Share on other sites

adoro esta obra do siza. dá gozo ver este projecto, tal como referi num tópico do Souto Moura, neste momento o Siza e Souto Moura estão a criar uma verdadeira linguagem nova, moderna, atraente e...portuguesa.
dá gozo ver este projecto...

quanto a interiores, não fiquem há espera de novidades, o próprio siza, na entrevista que deu no suplemento LINHA do jornal Expresso disse que era complicado inventar e criar algo novo. por isso o interior vai ser o habitual das suas obras.

fico há espera de , num futuro próximo, o siza nos surpreender mais uma vez.

Link to post
Share on other sites

na conferencia que Siza deu há mais de um ano no seguimento da sua exposição em Serralves foi extremamente cativante a forma como ele explicou este projecto utilizando uma linguagem tão simples! Segundo ele, a forma do edifício surgiu para compensar a linha do terreno que aí faltava. Ou seja, o morro tinha uma reentrância e ele nem toca no monte apenas acrescenta uma forma em continuaçao com a parede! genial :)

Link to post
Share on other sites

Segundo ele, a forma do edifício surgiu para compensar a linha do terreno que aí faltava. Ou seja, o morro tinha uma reentrância e ele nem toca no monte apenas acrescenta uma forma em continuaçao com a parede!


Desconhecia por completo esta justificação! :) E de facto, fui verificar ás maquetes do projecto, e tal se verifica!

(Como já foi aqui dito) Mais do que o legado de Frank Lloyd Wright em relação ás rampas, a plasticidade das rampas da Fundação Iberê, é herdada do SESC de Lina Bo Bardi, ora se veja:

'>
Link to post
Share on other sites
  • 3 weeks later...
  • 1 month later...

Por acaso tive a oportunidade de ver a maqueta desta obra, assim como os respectivos desenhos e creio que é bastante interessante e que se enquadra bastante bem na paisagem, gostei também da forma como as rampas expositivas se articulam com o restante edificio... não me parece que a idade do Siza o esteja a incapacitar de fazer boa arquitectura, bem pelo contrário, o homem é como o vinho do porto

Link to post
Share on other sites
  • 3 months later...
  • 4 weeks later...
  • 1 year later...
Primeira obra do arquitecto português na América Latina
Museu projectado por Siza Vieira no Brasil inaugurado em Maio Imagem colocada
26.03.2008 - 15h58
O Museu Iberê Camargo, projectado pelo arquitecto Siza Vieira em Porto Alegre, no Estado de Rio Grande do Sul, será inaugurado dia 30 de Maio. A obra que congratulou o arquitecto com o Prémio de Ouro na Bienal de Arquitectura em Veneza, há seis anos, foi também a primeira construção de Siza Vieira na América Latina.

O projecto para a construção do Museu foi vencedor de um concurso realizado por uma fundação criada em 1995, com o objectivo de divulgar a obra do pintor expressionista brasileiro Iberê Camargo (1914-1994), nascido no Rio Grande do Sul. Desde o início da construção, em Julho de 2003, o projecto do museu foi exibido nas principais cidades brasileiras e em países como Portugal, França, Itália, Espanha, China, Japão e Coreia do Sul.

A área de 8600 metros quadrados está localizada nas margens de um rio, o que permitiu a Siza Vieira tirar proveito do terreno escarpado para desenhar formas curvas para o prédio, em que o cimento branco surge como material principal. O objectivo foi criar um edifício que não surgisse como um “intruso no ambiente”, sendo por isso necessário “cumprimentar os vizinhos e estabelecer relações com o que está a sua volta", explicou.

Siza Vieira projectou, em cinco andares, nove salas de exposições, distribuídas nos três andares superiores, além de um grande espaço, no primeiro andar, para exposições permanentes. O museu terá 4000 obras, entre pinturas, gravuras e desenhos de Iberê Camargo, um auditório para 125 pessoas, um atelier de gravuras, salas para cursos e oficinas, e um centro de informação e biblioteca.

Para além do Museu em homenagem ao artista expressionista, o arquitecto português projectou também o Museu Aleijadinho, que está a ser construído na cidade de Congonhas, no Estado de Minas Gerais. A construção é dedicada ao escultor e arquitecto António Francisco Lisboa, de origem portuguesa, que viveu no Brasil no século XVIII. O Museu apresenta as obras do Aleijadinho, que ficou assim conhecido devido à doença que o deixou aleijado, deformando-lhe os pés e as mãos, mas não o impediu de esculpir.

Projecto para requalificação do eixo Prado-Recoletos de Madrid vai ser estudado

O projecto de Siza Vieira para a remodelação do eixo Prado-Recoletos de Madrid será submetido a um sistema normal de aprovação, de acordo com declarações proferidas pelo vice-presidente da Comunidade Autónoma Ignacio González. A decisão do Governo Regional poderá levar a um atraso de 9 meses da execução das obras, tal como escreve o jornal "El País". Contudo, o vice-presidente defende que é necessária a análise, "dada a envergadura do projecto bem como todas as alterações que implica assim o exige”.

O projecto de Siza Vieira visa a remodelação desde a circulação rodoviária M-30 até ao Paseo de la Reina Maria Cristina, passando pelos Embajadores, desde Atocha até Colón, numa área total de 160 hectares. Face à magnitude do projecto, Ignacio González defende um estudo que tenha em conta as quatro jurisdições envolventes e todas as supressões ou modificações necessárias, designadamente em ruas, tráfego, monumentos e colégios existentes na área.

Quanto à ideia de um túnel, o responsável afirmou apenas que é “uma alternativa possível”, mas “é ao município que cabe decidir”. Segundo Gonzalez, os túneis seriam uma solução uma vez que “Madrid tem uma tremenda experiência em construir túneis, e a M-30 é um exemplo, que tecnicamente é a obra mais complexa”.

in http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1323709
Brasil: Museu projectado por Siza Vieira é inaugurado em Maio, em Porto Alegre
São Paulo, Brasil, 26 Mar (Lusa) - O Museu Iberê Camargo, projectado pelo arquitecto português Álvaro Siza Vieira, em Porto Alegre, capital do Estado do Rio Grande do Sul, será inaugurado a 30 de Maio, informaram fontes da instituição.

Primeira obra de Siza Vieira na América do Sul, o projecto levou o arquitecto a vencer, em Setembro de 2002, o Prémio de Ouro da Bienal de Arquitectura, em Veneza.
Siza Vieira foi o vencedor de um concurso realizado por uma fundação, criada em 1995 para divulgar a obra do pintor expressionista brasileiro Iberê Camargo (1914-1994), nascido no Rio Grande do Sul.
Desde o início da construção, em Julho de 2003, o projecto do museu foi exibido nas principais cidades brasileiras e em países, como Portugal, França, Itália, Espanha, China, Japão e Coreia do Sul.
Localizado nas margens de um rio, numa área de 8.600 metros quadrados, o arquitecto aproveitou o terreno escarpado para desenhar formas curvas para o prédio, que tem o cimento branco como material principal.
"O edifício que surge é um intruso no ambiente. É preciso cumprimentar os vizinhos e estabelecer relações com o que está a sua volta", disse Siza à agência Lusa, durante uma de suas passagens pelo Brasil.
Siza Vieira projectou, em cinco andares, nove salas de exposições, distribuídas nos três andares superiores, além de um grande espaço, no primeiro andar, para exposições permanentes.
O museu terá 4.000 obras, entre pinturas, gravuras e desenhos de Iberê Camargo, auditório para 125 pessoas, atelier de gravuras, salas para cursos e oficinas, centro de informação e biblioteca.
No Brasil, Siza Vieira projectou igualmente o Museu Aleijadinho, que está a ser construído na cidade de Congonhas, no Estado de Minas Gerais.
Orçado em 2,2 milhões de euros, o museu é dedicado ao escultor e arquitecto António Francisco Lisboa, de origem portuguesa, que viveu no Brasil no século XVIII.
O artista ficou conhecido como Aleijadinho devido à doença que o deixou aleijado, deformando-lhe os pés e as mãos, mas não o impedindo de esculpir.
Filho de um mestre-de-obras português (Manuel Francisco Lisboa) e de uma escrava africana (Isabel), Aleijadinho é considerado pelos especialistas um dos mais importantes escultores de estilo barroco das Américas.
O novo museu ficará situado ao lado do Santuário Bom Jesus de Matosinhos, em Congonhas, que abriga as esculturas dos Doze Profetas de Aleijadinho, uma de suas obras mais conhecidas.
MAN.
Lusa/Fim
in http://ww1.rtp.pt/noticias/index.php?article=335501&visual=26
Link to post
Share on other sites
  • 1 month later...

Nova sede da Fundação Iberê Camargo
Primeira construção de Siza Vieira no Brasil inaugurada amanhã


O arquitecto português Siza Vieira assiste amanhã à inauguração da nova sede da Fundação Iberê Camargo, em Porto Alegre - a sua primeira obra em território brasileiro.

"Esta obra de Siza Vieira constitui uma inovação formidável em termos de arquitectura e soluções em engenharia", afirmou José Luiz Canal, o engenheiro civil que coordenou o projecto.

A nova sede da Fundação Camargo foi construída em betão armado em toda a sua extensão, sem utilizar tijolos ou elementos de vedação, formando contornos arredondados para destacar a forma e o movimento das rampas construídas nos pavimentos. "É o único edifício no Brasil que foi construído totalmente em betão branco, que dispensa pintura e acabamentos, além de oferecer leveza, harmonia visual e beleza escultural à obra", esclareceu José Luiz Canal.

Em 2002, a maqueta do projecto de Siza Vieira foi premiada a nível internacional com o troféu Leão de Ouro, na bienal de arquitectura de Veneza, o que constitui um facto inédito em toda a América Latina.

Novo edifício em sintonia com o meio ambiente

O prédio foi construído na margem direita do Rio Guaíba, na região Sul de Porto Alegre e conta com nove salas para exposições, distribuídas pelos três andares do edifício. A temperatura e a humidade interior da obra projectada por Siza Vieira são administradas através de um controlo inteligente monitorizado de modo a garantir a protecção do acervo de Iberê Camargo.

"O sistema de ar condicionado produzirá gelo à noite, quando o custo de energia é mais barato, para assim refrigerar o ambiente durante o dia, reduzindo os custos da operação e maximizando a utilização de energia", explicou o coordenador do projecto.

O novo projecto de Siza Vieira dedica uma atenção especial ao meio ambiente. "A água da chuva vai ser reutilizada nas casas de banho e haverá uma estação de esgoto que se encarrega de tratar os resíduos sólidos e líquidos", indicou o engenheiro José Luíz Canal.

A água tratada resultante do processo de tratamento do esgoto servirá para regar todos os espaços verdes em volta do edifício. No andar de acesso principal à Fundação existe um átrio espaçoso que foi projectado com o propósito de dar visibilidade aos andares superiores. Esse átrio também poderá ser utilizado para diversas intervenções artísticas.

O atelier de gravura do pintor Iberê Camargo, as salas para cursos e oficinas de arte, o auditório com disponibilidade técnica para cinema e o parque de estacionamento para 100 veículos ficam no subsolo.


in: http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1330492
Link to post
Share on other sites

ANULAÇÃO E SUBSTITUIÇÃO Arquitectura: Siza Vieira na inauguração da nova sede da Fundação Iberê Camargo
2008-05-29 11:37:56

Porto Alegre, 29 Mai (Lusa) - O arquitecto português Siza Vieira assiste sexta-feira à inauguração da nova sede da Fundação Iberê Camargo, a sua primeira obra em território brasileiro.

"Esta obra de Siza Vieira constitui uma inovação formidável em termos de arquitectura e soluções em engenharia", afirmou à Lusa José Luiz Canal, o engenheiro civil que coordenou o projecto.

A nova sede da Fundação Camargo foi construída em betão armado em toda a sua extensão, sem utilizar tijolos ou elementos de vedação, formando contornos arredondados para destacar a forma e o movimento das rampas construídas nos pavimentos.

"É o único edifício no Brasil que foi construído totalmente em betão branco, que dispensa pintura e acabamentos, além de oferecer leveza, harmonia visual e beleza escultural à obra", esclareceu José Luiz Canal.

Em 2002, a maqueta do projecto de Siza Vieira foi premiada a nível internacional com o troféu Leão de Ouro, na bienal de arquitectura de Veneza, o que constitui um facto inédito em toda a América Latina.

O prédio foi construído na margem direita do Rio Guaíba, na região Sul de Porto Alegre e conta com nove salas para exposições, distribuídas pelos três andares do edifício.
A temperatura e a humidade interior da obra projectada por Siza Vieira são administradas através de um controlo inteligente monitorizado de modo a garantir a protecção do acervo de Iberê Camargo.

"O sistema de ar condicionado produzirá gelo à noite, quando o custo de energia é mais barato, para assim refrigerar o ambiente durante o dia, reduzindo os custos da operação e maximizando a utilização de energia", explicou o coordenador do projecto.

O novo projecto de Siza Vieira dedica uma atenção especial ao meio ambiente. "A água da chuva vai ser reutilizada nas casas de banho e haverá uma estação de esgoto que se encarrega de tratar os resíduos sólidos e líquidos", indicou o engenheiro José Luíz Canal.
A água tratada resultante do processo de tratamento do esgoto servirá para regar todos os espaços verdes em volta do edifício.

No andar de acesso principal à Fundação existe um átrio espaçoso que foi projectado com o propósito de dar visibilidade aos andares superiores. Esse átrio também poderá ser utilizado para diversas intervenções artísticas.

O atelier de gravura do pintor Iberê Camargo, as salas para cursos e oficinas de arte, o auditório com disponibilidade técnica para cinema e o parque de estacionamento para 100 veículos ficam no subsolo.

A nova Fundação Iberê Camargo foi orçada em 20 milhões de euros. A inauguração está marcada para as 17:00 de sexta-feira.

JVP

Lusa/Fim

keywords: cultura

in http://aeiou.visao.pt/Pages/Lusa.aspx?News=200805298381077

Link to post
Share on other sites

Please sign in to comment

You will be able to leave a comment after signing in



Sign In Now

×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.