Jump to content
Arquitectura.pt


joaoneves

Membros
  • Content Count

    398
  • Joined

  • Last visited

Everything posted by joaoneves

  1. quais as dimensoes maximas para esses sabões?? ....pretendo fazer uma maquete de uma superficie sinuosa. Já tenho algumas possibilidades para a sua execução mas concerteza ha sempre soluções desconhecidas!!!!:)
  2. Antes de entrar para a Univ, telefonei para o departamento de relações internacionais da FAUTL. A senhora que me atendeu por pouco não me mandou para um determinado sitio. Insultou-me e disse que se eu entrasse na univ e voltasse a ir lá tentar saber mais informações que iriam haver consequências. tudo porque diz que só dá informações a pessoal do 4º ano da universidade. chamamos-lhes "gente" limitada?!?..
  3. Eu também tenho estado de olho nas universidades de Londres, porque também tenho algum interesse em fazer lá o 4º e 5º anos, mas a universidade que mais me falam é a South Bank. Sei que é possível fazer o 4º e 5º num "pacote" também de dois anos. No entanto numa resposta a um mail que lhes enviei não se mostraram muito aptos a colaborar no processo de transferência. =/
  4. Eu já fiz uma maquete em betão armado ( pilar e vigas adjacentes do mercado de santa maria da feira do arq. Fernando Távora em cimento com uns ferros metálicos com 2mm de espessura ) Apesar do trabalho que deu, deu bastante gozo e o resultado foi impecável. O peso também é um factor muito importante;)
  5. Confesso que costumo passar os fins de semana em Leiria, inclusive o apartamento pertence a um dos edifícios que se vê na foto mas nunca tive a disponibilidade mental para parar na ponte azul e observar com atenção. O que é certo, é quando desço para tomar o pequeno-almoço, já o parque está à pinha de crianças.
  6. Como frequentador assíduo das ruas leirienses agrada-me o facto do programa polis ter explorado diversas vias de requalificação de espaços, nomeadamente os atravessamentos ou conexões entre margens, as quais se encontravam um quanto que repelidas pelo desmazelo tido até então pelas águas do rio Lis. Desconhecia a autoria das pontes, mas apesar de algumas comportarem soluções formais pouco práticas ou eventualmente desviadas do contexto onde estão inseridas, a atitude conceptual e simultaneamente uma crítica aos modos de utilização que um mero local de passagem pode oferecer ao habitante, levam a reflexão acerca do modo como poderemos nós habitantes de um meio urbano, caracterizá-lo e aproveitá-lo de formas diferentes e usufruir dessa flexibilidade de utilizações, pois uma cidade deve ser antes de mais, um meio com uma estrutura-base concisa mas que seja elaborada em conformidade com o cidadão e com os possíveis hábitos futuros ou que seja necessário incutir-lhe e na efemeridade do amanhã, possibilitar uma metamorfose e/ou adaptação ao próprio meio ou malha nos quais este tipo de intervenções estão inseridas. Vou ver se passo pelas pontes brevemente com a máquina fotográfica para colocar aqui outras fotos.
  7. Caros colegas, Gostaria de saber se alguém tem alguma informação acerca do mercado de Santa Maria da Feira do arquitecto Fernando Távora. Já fiz uma pesquisa conjunta com os elementos do grupo, que nos permitirá apresentar um trabalho exaustivo sobre esta obra de arquitectura nacional, com entrega e apresentação para meados de Maio. Já temos referências para diversos livros, entre os quais o livro do próprio arquitecto com o espólio do mesmo, da editora Blau; temos também a referência do livro com a obra completa de Fernando Távora da editora Mondadori Electa. No entanto não é suficiente, nomeadamente a falta de desenhos rigorosos de qualidade, e alguma infromação acerca de críticas ao projecto e a própria história do mesmo. Fotografias ou outro tipo de informação é sempre bem vinda. Agradeço!! Agora que chovam informações =D abraços
  8. Por um lado é muito bom existir uma iniciativa destas com esta amplitude e pelo modo como vai propiciar a invesitgação e a melhoria da qualidade de vida dos seus habitantes. Mas quais os verdadeiros objectivos desta cidade, para os que a financiam? Qual a quantidade de energia e recursos gastos para a construção desta cidade? Não estou a contestar, mas estou a questionar.
  9. ja passei por lá com pessoal. Ficamos 10min parados a olhar para aquilo. É impressionante o modo como deixaram aquilo assim. Como não percebo muito de construções, não sei se foi uma boa solução ou não fazer daquela forma. Mas é estranho eles deixarem o próprio edificio já sem chão nalguns sitios e outros consegue-se ver as tabuas a cairem e as rachas de baixo a cima do edificio. Mas quem sou eu para questionar a o trabalho dos profissionais :p
  10. Bem...suponho que ...literalmente, ele esteja a pedir o contacto telefónico e o email dos arquitectos Pedro Pacheco e Marie Clement... =/ Quanto ao pedido de info, realmente não encontro o contacto.
  11. Num tópico relativamente recente não está presente um conjunto de fotografias de um novo casino lisboa em Macau?
  12. ...aguardamos então por uma "nova" proposta. Quanto à proposta referida no tópico, confesso que quanto à volumetria não estará assim tão exagerada, mas pelo sitio em que se encontra, deveria realçar mais transparência. Qualidade arquitectónica é relativa, mas é possível que outros projectos mais interessantes sejam apresentados.
  13. http://www.arquitectura.pt/forum/f11/asymptote-architecture-announces-the-design-of-penang-global-city-center-7873.html .....:cross-eyed:
  14. Posso parecer injusto e absurdo, mas o nosso "Espaço Lusíada" apesar do horário alargado, faz-me muita confusão determinadas atitudes por parte da universidade quanto ao funcionamento do mesmo. Passo a explicar: O horário do espaço é todos os dias úteis fecha ás 6h e abre ás 7:30h, menos aos domingos e feriados que abre ás 16h e fecha ás 6h e volta a abrir ás 7:30h. Esta semana aconteceu-me como me aconteceram já dezenas de vezes: Uma pessoa está a trabalhar, chega-se ás 5:45h estão a mandar-nos embora. Ora, se estamos com 20 000Kg de materiais espalhados plo espaço (ou por 2 salas extra que disponibilizam as vezes, junto ao espaço lusíada), e estamos a meio do trabalho, temos que arrumar tudo, fazer tempo até às 8h da manhã (aulas) ou até às 7:30h (hora de abertura da universidade). Não querendo parecer demasiado exigente, torna-se neurótico ter que tirar tudo de lá, para poderem ir 2 mulheres-a-dias fingir que varrem e fingir que limpam, enquanto nós vamos para o cais-do-sodré beber um café ou vamos para casa para tomar banho, ou simplesmente para o carro dormir e acordar lá para as 10h...faltando já ás 2 primeiras aulas. O que quero dizer com isto, é que apesar do horário ser alargado, é um total disparate esta quebra. É sabido que a maioria dos estudantes da univ. lusíada vivem nos arredores de lisboa (sou excepção ) e que é de todo ridículo terem que ir para casa a essa hora, sabendo que 10min depois têm que ir para as aulas. Quanto ao parque de estacionamento, é outra situação bizarra. Existe algures no trajecto "palácio"->"ar líquido" um parque de estacionamento fechado que se encontra disponível unicamente para professores e/ou membros da associação de estudantes (pelo que me disseram). Ora, se ambos os polos têm espaço suficiente no parque para todos os professores, e se o número de elementos da assoc. de estudantes não é assim tão elevado, que sentido faz manter o parque fechado ao estudante "comum"? Resultado: nunca vi o parque cheio a não ser em dias que lhes vou chamar de especiais, por desconhecer de alguma razão para tal acontecimento. O bar do "ar liquido" é mais caro que o bar do "palácio" (em diversos alimentos). A exploração é a mesma. É verdade que o que interessa nisto tudo é o tipo de ensino e o modo como conseguimos apreender conhecimentos e tornarmo-nos bons profissionais. Mas não será de todo conveniente, pelo preço que pagamos pelo ensino+instalações, proporcionar-nos melhores condições para que passemos mais tempo na faculdade a trabalhar e a investigar: "bolonha defende como principio quase primário" ; "lema da universidade: Fundação Minerva - Cultura - Ensino e Investigação Científica ... ONDE?
  15. Pois, as únicas imagens que encontrei estão no site do atelier, que mesmo assim não é possível guarda-las. Mas podem ser encontradas também na revista TC (espanhola, suponho eu) -> http://www.arquitextos.com/arquitextos-2-0-563.html Entretanto quando souber mais info acerca deste projecto vou publicando. De momento é tudo :p
  16. Sim, mas tendo em conta que o reitor afirma: "o curso de arquitectura da Universidade Lusíada é o melhor do país", tendo em conta as condições miseras da univ lusiada de lisboa, vou interpretar isso unicamente pelo ensino.
  17. Un sencillo esquema de tres barras separadas por patios sobre un zócalo queda desdibujado al aplicar una piel uniforme de lamas de hormigón que otorgan al edificio un aspecto tornasolado, opaco en escorzo y transparente desde el interior. La componente vertical de las lamas preside y ordena una plaza de nueva construcción y sugiere una relación con los libros de leyes que revisten habitualmente los bufetes de abogados y notarios. Las lamas se construyen a diferentes distancias y con diferentes ángulos para potenciar en algunos casos vistas desde el interior y en otros proteger visiones desde el exterior. El edificio se adapta con pequeños gestos a la geometría de los viales que lo rodean, pero en contraste presenta una fachada norte completamente lineal, justificada por el tren que pasa paralelo a la calle y para exponer claramente su orientación a la plaza. Cuando el sol inunde los patios algunas lamas de la fachada norte brillaran iluminadas por detrás en un efecto escenográfico. En planta baja se ubican las salas de vistas con una relación directa con el espacio público de la plaza, y en las plantas superiores las oficinas judiciales. Cuatro núcleos en las cuatro esquinas permiten los diferentes recorridos de jueces, abogados, acusados y público. FONTE: www.jordibadia.com
  18. Olá margarida! Sinceramente para comer minimamente bem (bem não é saudavel ou gosto...mas sim em quantidade) e beber bem tens o Caldas, que existe em pelo menos 3 sitios em Lx (por parcerias com outros restaurantes): Tens em Santos, na Av. da Liberdade e perto do castelo. Depois tens o "a bela adormecida" (acho que se chama assim) em Entrecampos que também comes bem e bebes uma sangria muito decente!! Mais info é só pedir.:p
  19. Na conferência " A casa da minha vizinha não é tão verde como a minha" na ordem, presenciei a apresentação desta instalação na sede da EDP. Apesar da boa iniciativa e do resultado final interessante, pergunto-me a mim mesmo, se por um lado a energia produzida provem de uma fonte renovável, a produção dos componentes dos moinhos mais a própria instalação não terá gasto mais energia do que a que se gerou aquando dos moinhos ligados? considero que por vezes deveria ter-se em conta todos os factores e colocar tudo numa balaça de modo a avaliar a viabilidade ou não de determinados projectos. Alguém tem o conhecimento dessa relação? cujo resultado terá sido percursor da concretização deste projecto?
  20. Gosto bastante da malha que envolve o edifício. A dinâmica entre a organização inteligente dos vidros e o modo como a luz os atravessa está muito interessante. Existe um restaurante japonês no Japão ( ) cujo tecto tem um jogo laminado semelhante que também lhe confere esta dinâmica (pode não ter muito a ver e estar redondamente enganado..mas valeu a intenção ).
  21. joaoneves

    Paris

    Já encomendei esse livro, que se encontra esgotado em tudo o que é livraria. 2ª já ca canta. Muito interessante, o pensamento
  22. Este atelier de arquitectos têm umas obras extremamente interessantes. A materialidade aplicada é muito diversificada e inteligentemente aplicada. Fica aqui o site para mais info: http://www.tvh.se/main.php
  23. joaoneves

    Asae?

    Também já fecharam a cantina da FA da Lusíada de Lisboa. Além das condições precárias, segundo dizem encontraram lá ratos. O que é de também suspeitar... é a discrepância de preços entre a cantina da faculdade de arquitectura e das outras faculdades: a entidade exploradora é a mesma, mas na cantina da FA é mais caro. Outra: esta semana o bar do "palácio" (onde frequenta gente de quase todos os cursos), esteve fechada pelo menos 2 dias porque a lusíada alugou aquilo para servir os almoços (e qui çá jantares) para os elementos da conferencia internacional de epidemiologia (acho eu). Na prática os estudantes ficaram sem o direito de usufruirem de mais um espaço para o qual pagam. Foi o bar, e são salas de aulas, alugadas para acções de formação e exames extra universidade. Enfim... foi um aparte mas é de loucos! passamos a pagar + 15€ por mês de propinas, reduzem os honorários a grande parte dos professores, e ainda põem-se a alugar espaços da universidade... a mim cheira-me a desvios:money: Quanto à ASAE, acho muito bem. Em Fátima, o ano passado, houve um assalto aos estabelecimentos na véspera do dia 13, mas este ano repetiu-se um episódio parecido e já estava tudo bem. Foi mal intencionado de inicio, mas mudou a mentalidade dos comerciantes locais. É fundamental esse controlo, principalmente em Lisboa. Foi nesta cidade que já vi mais atentados à saúde pública em tão curto espaço de tempo.
  24. Só para que fique um tópico completo, convém que coloques a fonte dessa informação. Deixo apenas aqui o site do atelier BAK arquitectos: www.bakarquitectos.com.ar
×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.