Jump to content
Arquitectura.pt


kwhyl

Membros
  • Content Count

    430
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    3

Everything posted by kwhyl

  1. sr.aquitecto vitor nina, de quem eu nunca ouvir falar, mas já que se intitula profissional liberal vou-te tratar por tu,já que o teu discurso é tudo menos de um senhor arquitecto respeitável e respeitoso.... muito obrigada pela tua explicação de redes de segurança contra incendios...eu já tinha dito tudo,no meu palavreado de "juventude" como tu catalogas,aprendi numa aula de faculdade num dia que me apeteceu levantar as 9 para ir a uma aula agora,o que é que tu,sr, arquitecto, tens a ver com as nossas discussões, chame-lhes utópicas e infundadas de estudantes de arquitectura? já não melembro o nome do gajo,mas uma caramelo que como eu estuda arquitectura e não é ainda sr.arquitecto lembrou-se que uma vez ouviu que o siza violava leis contra incendios e mandou um bitaite para o ar eu que também não sei, disse que achava que não, e na minha linguagem de conversa de café (este forum não é mais que um café onde se discute arquitectura, e onde não se discrimina idades e conhecimentos de causa, só OPNIOES) disse que até agora nunca ninguem tinha levantado essa questão,nunca ninguem,oficialmente, criticou o Siza por isso,e então vamos deixar andar e ve se um dia lhe tiram o pritzker, se tirarem é porque o gajo é um corrupto a opnião surreal do gajo que a escreveu, mais a minha opnião surreal fazem parte de um movimento de opnião\discussão de pessoas que gostam de arquitectura, onde não se olha a fundamentos mas sim, ao puro PRAZER de mandar umas ideias e umas opnioes para o ar agora o que eu não admito é esse teu discurso superior de senhor mais velho, que atira com conhecimentos de rgeus e pdms, para parecer que tens grande cultura e no fim, dás simplesmente a tua opnião, que foi a de todos nós, á gostei da casa, acho que funciona muito bem........ quando quiseres entrar numa discussão poe-te ao nosso nível.. eu tou no 5º ano, pela tua maneira de ver devia mostrar-me superior os que estão no 3º, mas não o faço, respeito-os, as vezes roi-me mas aprendo com as ingenuidades deles e tento dar a minha opnião para que eles também aprendam qualquer coisa não precisamos da tua sabedoria narcisista...tenho dito
  2. li um bocado desta discussão, nem sei se lhe chamo discussão, mas indigei-me ..voçes continuam e continuarão sempre a dizer mal da faup não é? porque? já lá estudaram? já perceberam memo como funciona? o bom? o mau? (sim há mau também) a sério que nunca vou perceber e como não percebo porque da mesma forma que voces, não precebendo nada sobre a faup, vou perguntar porque? 1.toda a gente quer entrar na publica. nem que seja para não gastar o dinheiro dos pais, então porque dizem mal da pública? há aqui algum filhinho de papás ricos que quis mesmo, era mesmo o seu sonho entrar na privada? 2. é assim tão dificil entra na pública? tirar 20 a geometria (19.5) e um 14 de média final e entra nem que seja em évora e covilha? nem é preciso estudar, basta ser inteligente e curioso 3.e a faup em si?qual é o problema? eu só consigo perceber que voçês são uma cambada de ressabiados que tinham o sonho de entrar na faup e não foram inteligentes (ou espertos) e curiosos que chegeue para conseguirem 4.ou então são os professores das vossas faculdades que vos impingem o discurso e voçes repetem a pensar que dizem uma grande verdade bem fundamentada, eles,os profs, arquitectos, por sua vez ressabiados porque de onde se formaram nunca houve ninguem que conseguisse ser tão bom e tão reconhecido como os formados na faup 5.eu só consigo encontrar razões na dor de coto, mas gostava que alguem me soubesse explicar este fenómeno que perdura á anos, de dizer mal da faup ...só uma nota, sabem porque é que não há publicações de participação de estudantes da faup em concursos públicos? porque não temos tempo para eles, só isso.......
  3. como dizia o meu professor, os modernistas é que tiveram sorte, podiam fazer boa arquitectura sem se procuparem com ista infindavel lista de burocracias estupidas ..mas no fundo, foram eles que as lançaram, com as suas procupações de conforto e de vida saudavel ...mas isto hoje chegou a um ponto de que um arquitecto é cada vez mais imaginativo, face á serie sem fim de leis que tem de saber ultrapassar para fazer boa arquitectura acho que não deviamos discutir a legabilidade ou não das obras do Siza, porque não sabemos mesmo, discutir arquitectura em geral, dar opnioes sim, mas isto já entra noutro campo ...o consenso é que as obras do siza são fabulosas e acredito que um dia ninguem lhe vai tirar o pritzker por meter luvas por baixo da mesa, como fizeram com o nosso nobel da medicina, actitude simplesmente estupida........
  4. pois,como tava a dizer, não percebo nada de pdms, assumo, nem tu, que não fazes a minima ideia se é do pdm ou do regeu, se soubesses sabias se era ou não legal,como não sabes atiras para o ar o termo regeu e fazes de conta que o usas para projectar eu nunca li nem sei de que trata o rgeu ...legal ou ilegalmente, como te disse não faço a minima ideia, nem me apetece saber, as obras do siza são fabulosas e não me custa nada que seja a custa de orçamento para luvas ou multas.... custa-me sim, os concursos públicos quinados que são para primos e amigos, agora se é um dos bons a fazer boa arquitectura ligeiramente irregular, venha ela, se ficar bonito melhor
  5. com isso também já me debati, não conheço pdms mas deve , claro, haver zonas em que é legar, basta o cliente que quer um muro alto comprar um terreno numa zona dessas quanto ao Siza,não devia "pintar" da cor de origem, mas que eu saiba ainda não morreu ninguém num Siza, é porque funciona, e o Siza mete tantas varandas e grandes vidraças no projecto que dá sempre para fugir quanto á outra permissa, em controle ambiental do 4ano da faup aprendes as leis de fuga contra incendios e só o facto de haver uma pátio, um espaço exterior descoberto é legal,podes sempre fugir para lá e esperar calmamente que os bombeiros, lentos, cheguem a lei de incendios diz ainda que,pelo meu paleio, se a tua casa tiver a arder, tu podes fugir para a varanda, que é exterior, queimas-te á mesma mas é a lei,e não estamos a descutir se a lei está bem feita ou não, simplesmente, é assim
  6. a isso tudo o que falas chama-se cidade, espaços de estar (praças, pracetas,largos) mais ou menos qualificados, e ruas, com actividades comerciais diurnas e nouturnas, quer seja st.catarina com lojas, quer seja a ribeira e miragaia com os seus bares. e toda uma vivencia de continuidade de percurso com paragens, não são assim sítios tão "especiais" e inovadores, são simplesmente as armas que a cidade dispoe para se desenhar ....... pensei que te referias a espaços de estar das pessoas, que de dia se dirigiam a uma espaço de estar como no estranjeiro,para passear o cão, ler um livro, almuçar uma sandes, isso não há no porto, e poucas há em portugal....no entanto adoro o meu país
  7. falaste bem asimplemind gostei do teu discurso...foi basicemente o meu mas quiseste fazer um texto mais descritivoe bem escrito ....mas tocaste aí num ponto crucial, aquile lugar nunca foi uma praça, e tal como eu disse, se não conhece-se o projecto de antemão nunca daria coma aquilo ..nunca ninguem viveu ali em termos de local de convivio e introduzir ali uma praça é sempre um acto heroico, de "vamos ver no que dá" mais uma vez, uma resposta ao facto da arquitectura nunca valer por si para resolver os problemas .......os professores da esap, que fizeram este projecto, não só pelaproximidade física ao local, quer como arquitectos em si deviam conhecer bem a zona,perceber os seus problemas, e perceber a extrema dificuldade em fazer viver uma praça naquele lugar, falharam então como arquitectos, ou simplesmente, não os critico, fizeram uma boa arquitectura (não existe esta frase, mas deixem-me inventar), lançaram as bases e simplesmente, "vamos ver no que é que dá, pode ser que se arranje uma maneira de aquilo funcionar" acontece que eu não entro por umas escadas escondidas num portico de garagem com uma grande viga metálica por cima........muito menos entro lá para sequer pensar que há uma praça ali a trás á frente do piolho,existe e sempre existiu uma praça, tem nome de praça e tudo, eu queria mesmo saber quais são os outros sítios a que te referes....
  8. sinceramente não sei, mas acredito piamente que sim e mesmo que não fossem não achas de deviam ser como são? e se é uma casa pátio então tem de ser encerrada e não levar com o olhar curioso do visinho, foi uma escolha, muito acertada a meu ver.... ...a arquitectura, por vezes, tem de propor novas regras e sobrepor-se a algumas outras que decididamente não funcionam... ..para um jardim,pátio de uma casa funcionar tem de ser assumidamente resectivo a cada casa senão as pessoas são "obrigadas" a abrigar-se dentro de casa com medo de olhos alheios .......e se quiseres, sim, são regulamentares,porque o Souto em toda a sua obra construiu os muros da altura da casa, e só assim as suas casa resultam, reflectindo o conceito de privacidade é muito bonito todo o discurso de que o privado não existe, do fabuloso Mendes da Rocha, mas existe e tem de ser preservado.. conheces a obra do Campo Baeza,as casas? já viste a altura dos muros para o exterior? esses sim, são demasiado altos e em nada constribuem para uma integração da ideia de casa na cidade..apesar das casa dele interiormente serem de uma qualidiade.......não consigo arranjar adjectivos,... serem belas e a casas dos Aires Mateus?
  9. como projecto de arquitectura é muito bom, (não conheço mais nada desses arquitectos, mas gosto muito do projecto em si) o espaço é interessante, como arquitectura ...se é que me fiz entender, porque obviamente, a arquitectura, agora sim, não resultou,por falta de uso... ...faz lembrar uma tentativa de "copiar" no bom sentido,as praças encerradas, vividas, de guimarães, vila do conde, espanha e italia, e o principio é bom...o fim por vários motivos é que não foi........ tal como os arquitectos que o projectaram, também eu tenho o sonho de que aquilo algum dia venha a ser um praça,no verdadeiro sentido da palavra.. sinceramente, não sei como dar vida áquilo, posso especular, mas não agradaria ver aquilo a funcionar com dois polícias á esquina, como se vê aqui em roma, que creio ser a cidade mais vigiada do mundo... mas em geral as ditas praças do Porto não funcionam,não tem vida..adoro o desenho e mobiliario da praça da Batalha, mas admito que não funciona ... ....fiquei curioso para saber quais são as zonas que referiste que não sendo praças, fucnionam como espaço de convivio no Porto,para asseguir confrontar-te com uma opnião
  10. saber sabiam, mas os aqruitectos são também uns sonhadores, uns utopicos, uns idiotas (no sentido de gajos com grandes ideias e grandes espectativas) .....não conheço a "envolvente" ao projecto, quem sabe se eles não foram só os técnicos escolhidos para fazer aquilo, quem sabe se não entraram só na fase de projecto e não na fase de discussão,quem sabe se não foi concurso público ....claro que devia haver uma maior participação e discussão mas por outro lado já foram lançadas as bases, a parte da (boa) arquitectura está lá, falta secalhar um policionamento para já enquanto se espera por uma educação á população, uma consicencialização como havia nos tempos do SAAL...não sei, porque aquilo, não sendo,é um bairro social e uma praça num bairro social,,,,,....... o futuro parte pelo que já temos e re-re-quilificar aquilo, isso geraria uma grande discussão, que talvez venha a proposito como? com auxilio da arte? com auxilio da vigilancia policial? com auxilio dos estudantes? do turismo? ou deixar ver até que ponto éq ue os putos vão para lá brincar....
  11. desconfio que o meu professor de projecto do 4º, Carlos Prata, fez um dos edifícios da extinta, mas um das mais bem pensadas expos, expo98..... ........no Porto ainda não consegui descobrir,talvez algum de voçes me saiba dizer........
  12. o problema desta obra é sobertudo político e social..... .....muitas vezes fui ou simplesmente passo por essa "praça" (que de praça só tem o nome, porque uma praça implica uso) o probelma não passa pela arquitectura\desenho do espaço,passa sim pelo local em que foi introduzido,pelos moradores, pela droga...naquele sítio os unicos usufruidores do espaço seriam os moradores,que socialmente criticando, não são os habituais utentes de praças, de espaços de convivio, porque simplesmente não tem alturas de lazer (não falando na mítica tv) ......há também a impossibilidade de uso turístico face a ficar a meio caminho entre os aliados e a ribeira, escondida, se eu não fosse estudante de arquitectura e não me interessa-se por ler arquitectura, apesar de morar no porto, nunca daria com aquele espaço... .....sinceramente, acho que a dita obra, teria a qualidade para ser um dos melhores espaços da cidade, uma praça encerrada, com um cenário fabuloso do típico casario portugense, longe do movimento, com um bar ou dois, bem explorados seria sem dúvida o sítio onde eu passaria as minhas noites entre dois trabalhos de projecto......
  13. eu já lá estive.. fui com uma amiga mnha que tem o dom de saber pedir para entrar onde nunca ninguem entra ...gostei bastante, apesar de actualemente, e talvez devido á idade não vivesse lá, uma vez que é uma casa fechada para si e para os seus páteos, e eu preciso de contacto com o mundo exterior (tambem só me vejo a morar num prédio no centro da cidade, com grandes janelase boa acessibilidade á rua) mas é mesmo da idade, porque aos 40, com dois filhos, é a casa ideal para educar os putos....... ....é uma casa com espaço, onde se percorre bem o seu interior, e onde os pátios respiram, são colhedores, bem proporcionados. a sala é fabulosa,virada para um deles e com contacto por uma pequena porta para o outro,mais privado,o dos quartos. o pátio de entrada é também muito interesante, depois de passar o portão para o exterior há um grande pano de vidro que nos mostra a casa,uma arvore, um banco e gravilha no chão ...... mas o que mais me marcou foi como fazer de um corredor um bom espaço um corredor comprido que liga a entrada á cozinha, ao fundo, e há entrada da sala,onde uma pequena zona de escriótio, um lanternim e uns armarios\entrada dissimulada do wc animam o percusro que ppoderia ser penoso face á sua estensão ..... esta tipologia funcionou tão bem que Souto adaptou-a na integra ás casas em banda da avenida da boavista
  14. ...depos ainda esse mundo..nós ainda estamos na faculdade,eu estou no quinto nem sequer sabia que havia válvulas de uma cena qualquer que já nem sei o nome.. ...ainda estamos a discutir utopia quando se chega ao mundo de trabalho há todo um travamento da criatividade, todos os wanna be Siza que almejam a genealidade e a fama, vem que tem de desenhar válvulas, caixilhos, tectos falsos...começam a perceber que arquitectura é mais do que ideia, que é arte sim, também,mas também é tecnica e fodem-se,porque, primas-donas só queriam ser chefes de atelier, riscar sobre desenhos de outros, dar ideaias, mandar.... ....o que eu chamo de ser só bom passa também,por ser alguém que aceite trabalhar para outrem, quer como fase necessária e útil de aprendizagem , quer como forma de ganhar a vida, porque isto da arquitectura não e uma vida de facilitsmo, de pensar e mandar fazer.....
  15. o conceito de dicionario de ortogonalidade é algo recto, a 90º, se não percebi culpa o dicionario,ou a ti mesmo..... uma boa casa não implica, obviamente,ortoganalidade, ms isso é outra discussão, e uma curva dentro de uma casa até é bem interessante, como sempre se for bem feita... claro que um quarto pelo desnho da cama e dos armários pede ser ortogonal,assim como o wc e a cozinha, mas...há excepçoes... ...outro dia discuti com um tipo de Lisboa a mítica questão da ortogonalidade, e ele com aquele típico iscurso á lixboa, sem ofensa para os que não se inserem neste "movimento", cheio de rego e de 80 para dizer 8, batia numa tal de inovação e criatividade, enquanto eu defendia um mundo real de bancas de cozinha a 90 graus, de azuejos a 90 graus, de construção económica baseada na experiencia dos 90 graus, na arquitectura dos projectos ditos normais, de todos os dias que com um curto orçamento, precisamos de saber fazer bem, a 90 graus, com a inovação e criatividade dele.......é nisto que me baseio,são estes os meus argumentos...não tenho nada, até tudo a favor das curvas (não estou a responder ao teu post, estou só a falar) ....claro que a arquitectura é mais do que o gosto e não gosto,claro que arquitectura aprende-se em todo o lado,no bom, no mau,no que gostamos, no que não gostamos mas... não somos nós que contamos, são as pessoas e elas gostam ou não gostam, e nós temos de aprender com o que elas gostam ou não para fazermos evoluir ou pelo menos continuar a arquitectura, porque assima de tudo, frase chave que não me apetecia dize-la de tão obvia que é, em primeiro a arquitectura é sempre para as pessoas e nunca para os arquitectos.... eu adoro a casa da minha avó, sinto-me bem lá, é feia, escura, apertada e que? gosto,foi o pedreiro que a fez, que a projectou (ou intuitivamente a construiu) isso é uma discussão que tem de ser feita ......ás vezes penso que a arquitectura não serve para nada, que basta uma casa apertada e feia, mas com as nossas coisas e com os nossos para nos sentirmo lá bem ....onde entra a arquitectura e o arquitecto no meio disto?(vamos desenvolver este tópico?)
  16. sonhador disseste que: "É em grande parte a mediatização recente da profissão e a esperança irreal de uma vida fácil que levará tantos jovens a querer seguir arquitectura". ........não concordo com o termo vida facil, acho que a vida de arquitecto terá de tudo menos de facilitismo. temos de lutar por conseguir projectos, saber "enganar" o cliente, saber esperar, saber gerir o tempo e dinheiro entre cada projecto. em termos de mediatismo, mais vale ir o big brother, mas portugal é assim... para além do mais que o arquitecto portugues não é uma figura mediática..algém conhece o Aires Mateus, o Adalberto Dias?...não...conhecem o Siza pq fez a pala e o Souto pq fez o estádio do Braga "O ensino tende a classificar os alunos segundo padrões injustos, levando a quem nem sempre sejam os mais talhados a seguir pela via pública e a que outros, porventura mais vocacionados, sigam pelo ensino privado... o resultado inevitavel são "mangotes" de arquitectos formados todos os anos..." .....concordo, ainda que contra mim fale, uma vez que estou na melhor faculdade de arquitectura de Portugal e pelo menos de Itália "não à mal que não dê em fartura, e será o mercado a fazer a selecção natural, o chamado "survival of the fitest" ......oxalá que assim seja, mas já viste como funcionam os quinados concursos públicos? já falaste com um arquitecto sobre isso? "Nem todos podem ser Sizas, mas não é negativo ter a ambição de um dia lá chegar, não pela fama, não pelo status, mas tão pura e simplesmente pela capacidade de com o seu trabalho chegar ao estatuto de génio..." ....não achas que há gente a mais a querer ser o Siza e gente a menos a querer ser só bom e depois, quem sabe, chegar a Siza?
  17. eu sou novo nesta ***** do escrever sobre arquitectura e ás vezes penso que tou a falar com os meus amigos que tiveram o mesmo tipo de formação que eu, mas sendo assim, vou mudar o discurso, porque voces não me entendem: ...gostar é uma palavra que eu aceito na arquitectura, posso gostar ou não gostar, e depois há o sempre "gosto mas não gosto de tudo e apesar de não gostar aprende-se sempre qualquer coisa"... ...a casa não tem de ser ortogonal, o souto não pode dizer isso porque eles ja as fez sem serem ortogonais ... conheces as obras que o Siza andar a fazer hoje em dia? não são ortogonais, são estranhas, curvas, com braços(não faz alusão a braços, é mesmo assim que se chama na arquitectura), com bolas no sitio das janelas, com coberturas curvas, paredes curvas...e eu gosto,portanto não me venhas com o discurso da ortogonalidade, vem-me com o discurso da boa ou má arquitectura ... e nessas obras do Siza, como nas curvas do Niemyaer, nas curvas do Aalto nunca tiveste que por metáforas, é só boa ou má arquitectura, com portas, janelas,paredes, as vézes curvas outras vezes rectas, desde que não entre chuva e isole do frio aceita-se tudo, tem é de funcionar e ser bonito ...eu nunca estive nessa obra, nem em parecidas, a casa da Musica serve como exemplo? mas não gosto,não por ser curvo ou recto, ou anguloso, ou de chapa ou branco,mas sim porque não me senti lá bem dentro, nem fora.........mas independente de gostar ou não, não precisei de dizer que aquilo era um diamante lapidado
  18. a tua analise está lá.. dizes que não gostavas de arquitectura cont. holandesa, mas foste la e gostaste da obra, acho bem ...o que critico é essa necessidade de catalogar, ou melhor, de arranjar metáforas para explicar a arquitectura ...quando explicas a um amigo teu uma obra dos mestres, do Siza, Tavora, ou vamos mais longe,não vamos aos mestres, vamos só aos bons, o Baeza, o Pawson, o Aires Mateus, entre outros como explicas "ah,o Pawson fez uma casa fantastica" "e como é?" "pa, usa paredes e portas e janelas como os outros, mas a proporção, a escolha dos materiais,os enfiamentos, está tudo equilibrado e parece-me bela" é assim que tu lhe respondes,porque estes arquitectos que eu falei já perceberam que uma casa, ou seja que objecto de arquitectura for,tem uma imagem reconhecivel,é feita de paredes,portas, janelas... e é com esses elementos que eles trabalham depois o espaço, a luz, os sentidos, a proporção ...sabem o que é, para que serve, de que elementos dispoem, para fazer uma casa e em cada projcto não vão á essencia, não precisam de em cada projecto se por a pensar "ah, uma caa, abriga, recolhe, é como o ventre materno, precisa de ser acolhedora, quente"...tretas, uma casa é uma casa, nós só fazemos arquitectura e sabemos como é a arquitectura ...quando preciso de fazer uma casa vou ver como é que os bons fizeram e não me ponho a ler um livro de teoria poética da arquitectura para chegar á conclusão que a casa é como o ventre materno ...vou é pesquisar para saber fazer melhores paredes, melhores portas, melhores janelas... quanto a este projecto, tu não foste capaz de falar só em espaço, começaste muito bem, a dizer que gsostaste da praça e da relação com não sei que, curti o teus discurso, mas depois tiveste de meter a metafora, dizer que era engraçado porque era parecida com uma lapa que se alapou no cais ...ó pa, isto não era preciso ...é arquitectura feita de paredes,portas e janelas ou não? ...é bom o seu espaço? ...é uma obra bonita? ...sinto-me bem la dentro? são estas as questoes que devem ser postas e não se é mais parecido com um caracol se com uma lagarta
  19. resumindo ..principios do modernismo,tão todos lá, mas, com cores foi isso que verificaste? não ha mais nada que caracterize o neoplasticismo na arquitectura? só a introdução da cor? mas o modernismo portugues (obviamente, como todos sabemos,o estilo a portugal chega puro e nós é que o direcionamos para a nossa menaira portuguesa) também, por vezes, tem cor ...
  20. falaste bem, a tua analise está correcta e só vem correborar com a minha .....O tavora começou por baixo, so quis fazer bem, ás pessoas, boa arquitectura .....O Siza começou no SAAL, na obra social,para as pessoas, por baixo, mau aluno na faculdade, a começar na lápide da familia e na cozinha da avó...depois, uma visão minha,morreu-lhe a mulher, e virou-se de corpo e alma á arquitectura, e só assim, com dedicação, de bom passou a genial, as suas primeiras casas, em matsosinhos, como as de todos são só casas boas para gente comum ....o Niemayer sempre disse que os seus amigos e as suas mulheres estavam primeiro que a (sua) arquitectura Mas a questão é outra toda a gente começa por baixo, verdade demasiado óbvia para ser referida(excepto o Souto de Moura, que com um background monetário pode recusar projectos, filtrando só para aqueles que lhe interessavam) o meu ponto de vista passa por analisar outra questão: nos últimos anos abriram tantas escolas públicas e privadas de arquitectura, o mercado daqui daqui a 5, 6 anos vai estar tão saturado de arquitectos que.... ...imaginem se todos tivessem uma (humilde) consciencia social! imaginem que cada um dos arquitectos que saem dessas faculdades recem criadas (ou das mais antigas e prestigiadas) todos, fossem aquilo de que eu chamo, bons arquitectos ...que houvesse tantos que qualquer, projecto, do mais anónimo ao museu mais prestigiado, necessita-se de um bom arquitecto o que eu venho a defender é que é impossível, com tantos arquitectos que se vão formar a curto prazo, que todos nós tenhamos um percurso, no ambito do programa, que tiveram o Siza, o Souto, o Aires Mateus... ...e assim, tenho vindo a defender, nestes ultimos topics, que com o aumento exponencial de arquitectos a sair das jovens "escolas" de arquitectura, vai haver arquitectos para os pequenos projectos, a casa mais humilde, o prédio, a repartição de finanças, a sala de espera do centro de saúde.. .. ..e a nossa missão,não é almejar o sucesso e os prédios, mas é fazer esses pequenos projectos que até agora, as prima-donas não podiam fazer porque se tinham de preocupar com museus e igrejas vamos só ser bons e não querer ser os génios, porque quando alcansarmos essse ponto não nos lembramos que há alguem a adoecer ainda mais numa sala de espera de um centro de saude,porque o espaço, é feio (não tenho medo de utilizar esta palavra) e não tem luz, nem uma vista interessante..... ....
  21. disseste aí em meia dúzia de linhas umag rande verdade,obvia demais para merecer um post ...tá tudo certo,quem é genial é genial e pronto mas eu defendo uma arquitectura só boa, anónima, simplesmente gajos bons que não precisam de fazer museus e igrejas, gajos que fazem casas melhores, ruas melhores, gajos que se preocupem unicamente em fazer bem, isolar do frio e da chuva, fazer interiores que deixem os utilizadores respirar e que no fim de aplicarem a forma funcional cubram com aquilo que os leigos chamam de beleza e que nos, com medo da palavra e com a mania de um certo intelectualismo,chamamos de espaço e aplicamos um adjectivo elaborado para o qualificar ....o que eu digo é que estamos cheios de génios, sizas, soutos e aires mateus (génios) que são mesmo bons e não fazem a minha casa e a tua, porque se têm de preocupar com projectos maiores ...eu defendo a arquitectura de todos os dias eu defendo uma arquitectura anónima na casa, no prédio, no hall de entrada, no café, na repartição de finanças, na sala de espera do centro de saúde defendo uma boa arquitectura naquilo que até hoje não vem sendo tratado, porque os bons, esses ocupam-se de casas para ricos e museus para o povo não ir .....defendo a boa arquitectura em cada espaço que necessite ser vivido, e defendo os gajos que não querem ser prima-donas dos museus e das igrejas, mas que querem ser só bons e fazer boa arquitectura onde ela é mais precisa ....por isso, tou-ma cagar se vou ser bom, gostava de ser, mas sinceramente, sem paleio de falso humilde, gostava mesmo é de transformar os espaços curriqueiros de todos os dias,a queles que as pessoas precisam de usar em bons espaços ..não é isso que é preciso? não é destes arquitectos que precisamos? os génios já temos, queremos os outros
  22. mas existe um tal de "espaço neoplástico" ou é apenas uma vertente colrida do modernismo? há diferenças? desculpa ser directo de mais mas que? são mais ortogonais que os modernistas? mais limpos? mais despojados? ainda mais minimalistas? .....escreveste aí umas linhas muito bem escritas, mas não me ilucias-te é que se é modernismo puro, colorido, então não pod ser nenhum movimeno autonomo ....em que consta os principios aplicados á aquitectura do de stijl?, sem teoria, só pelo que observaste e anlisaste
  23. "a ideia que fica é da tipica e vernacular casa holandesa, no caso de amsterdão com as suas caracteristicas próprias de relações com os canais, com as suas cores, as suas texturas, a sua organização, etc etc.... " ó sergio, onde é que tu ves ali uma casa? ás vezes penso que tenho um visão um bocado retrógrada, porque eu não consigo ver ali uma casa ..e as cores onde estão? os holandeses tem uma tradição de arquitectura tão bonita, tão simples e funcional,não percebo porque é que se lembraram de se desligar de toda uma tradição e começar a construir, cmo é que eu lhe chamei, qualquer coisa como ummonte de gordura coberta de alcatrão, onde tu vês..uma casa
  24. será que amesterdão precisa de uma imagem de um barco encalhado com a proa (ou poupa, nunca sei) no seu porto? será que a arquitectura precisa de recriar algo, que não seja arquitectura por si?portas, janelas, paredes, coberturas, chao..? será que a arquitectura das paredes e das aberturas já não é um "objecto" reconhecido o suficiente que agora temos de copiar outros elementos que não parecem arquitectura, meter-lhes portas, janelas, isolar do frio e da chuva e vivermos debaixo disso? acho que uma casa já tem uma forma própria, reconhecivel acho que um museu " " " " " " o que é que vem a seguir fazer casas que pareçam árvores e nuvens? (ai já há a casa nuvem ou museu nuvem...)
  25. a arquitectura só se percebe mesmo no sítio... ...nunca tive a oportunidade de ir a amesterdão, mas talvez me fizesse bem porque simplesmente não dou valor á arquitectura de ponta Holandesa, sempre estranha aos meus olhos, com conceitos pouco, digamos, reais.. ..se eu fosse crítico poético de arquitectura diria que é um bocado de gordura coberta de alcatrão que se colou á beira rio...como não sou, digo o mesmo porque não consigo caracterizar esta obra de nenhuma outra maneira, não consigo inseri-la em nehuma corente, em nenhuma linha de pensamento, basicamente não sei donde partiu ....mas nada como estar lá ao pé e entrar, sentir e perceber se é boa arquitectura e cagar para teorias anexas e bases de criação... ............algém já lá foi?
×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.