Jump to content
Arquitectura.pt


fadadolar

Membros
  • Posts

    103
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    1

Everything posted by fadadolar

  1. Há coisas que eu não percebo. Tem este forum espantosos edifícios a discussão e andam para aqui a perder tempo com um que é desinteressante, mal pormenorizado, com uma má articulação entre a cota baixa e a cota alta, com um arquitecto que acha que integrar um edifício num contexto consolidado é só usar granito parecido com o das ameias do Castelo. Lá por ser melhorzinho que muitas das coisas que se fazem neste país, não faz deste um bom edifício, e não me parece que o objectivo dos arquitectos seja premiar a mediocridade só porque o parte do resto é pior. Se for necessário, aqui vão exemplos tirados só das três primeiras páginas do forum de obras que merecem muito mais uma discussão honesta sobre o problema das intervenções em contextos urbanos consolidados e da recuperação de património: Museu da Moeda, Lisboa, Gonçalo Byrne Nova Praça de Lisboa, Porto, Nuno Merino Lisboa, Novo Museu dos Coches, Paulo Mendes da Rocha Museu de Sítio, Beja, Arquiespaço Lisboa, Projectos, Vários autores Lisboa, Edifício no Largo do Rato, Aires Mateus - Valsassina Portalegre, Requalificação do Colégio de S. Sebastião, Arquiespaço Lisboa, Recuperação do Capitólio, Alberto Souza Oliveira Viana do Castelo, Biblioteca Municipal, Siza Lisboa, Condomínio Sta. Catarina, Carrilho da Graça Porto, Casa da Música, OMA Cascais, Casa das Histórias e Desenhos Paula Rêgo, Souto Moura
  2. The grandly dramatic, elongated shape of Dramastaden recalls piles of timber or ice formations. This shape clashes with the typology of the Stone Town, while at the same time interacting with Kulturmagasinet and the Stone Town itself. The roof is crinkled, imparting distinctive shapes to the building. The east façade resembles stage curtains. This project has several spatial qualities, among them the competition's loveliest theatre auditorium, which is both stately and intimate. Insightful organisation of the theatre's functions notwithstanding, the choice of a long, narrow building at a great distance from Kulturmagasinet entails many functional difficulties and long lines of communication which can hardly be said to meet the desideratum of integration with Kulturmagasinet. The outward design goes in one direction, the interior design in another, which generates both geometric and structural problems. The Jury is also critical of the cramped goods reception area overlooking the Selångersån river, and of the positioning of the restaurant beneath the E4 highway and so close to it. The long south-facing piazza is a good shape and could become a fantastic piazza for the city, but the absence of eastern and western end points will make it windy and desolate for much of the year. FOnte: Sveriges Arkitekter
  3. The main quality of this project consists in an articulate approach to urban planning. The terminal point of the Stone Town has been defined by means of a park on a partly artificial peninsula outside its boundary. This is the most powerfully articulate of the projects choosing to create a building in clear contrast to the Stone Town. The arts centre and theatre is naturally sited in a park on the peninsula. The building has a character all of its own, with softly bulging, glimmering façades, like a huge illuminated sculpture in clear contrast to the Stone Town's concrete materials and regular geometry. The strong idea and pursuit of form, however, have proved detrimental to the arts centre and theatre in a number of respects. Because of the tall, compact shape, the theatre premises have to be stacked on top of each other, which makes for unpractical logistics indoors. The foyers running round the outside of the building on many storeys are sometimes cramped and often perplexing. The link to Kulturmagasinet occupies a secondary position one floor up, via the restaurant, which has been positioned with a view of the bay but without any patio access. The entrant has not complied with the brief's desideratum of developing the E4 highway into a boulevard with urban qualities. Instead, in keeping with the idea of a separate peninsula with a retracted shoreline, the E4 is carried on a bridge over and past the competition site. The main entrance has been placed in the east, while the western side of the building has only been allotted a subordinate entrance function with a small piazza formation. Fonte: Sveriges Arkitekter
  4. This scheme presents a very well-organised centre for theatre and the arts, powerfully linked with Kulturmagasinet, and with all functions accommodated beneath a roof deck which looks more like a landscape than a building. It is a signature building which, with its sloping level and an uprising stage section, presents a magnificent front towards the bay, while at the same time responding to the entrance piazza with a plain glass front. The building has the form of a sculpturally composed landscape, with a large stone-clad roof deck sloping towards the sea. This imparts character to the building and at the same time gives the people of Sundsvall an exciting place to frequent, with a glorious view of the bay. This project is entered from the piazza on the west side. However, its relatively low scale involves considerable spread at ground level, with the result that people wishing to get round the building will find themselves in for a long walk. The building's relation to the E4 highway feels unclear and does not support future development towards a boulevard in keeping with the city's vision. The building is firmly organised. The big foyer is an open, accessible room which has been confidently divided up into smaller spatialities. Activities for children and youngsters are accommodated in small rooms borne up on pillars and thus occupy a central, significant position in the building. In other ways, though, this solution presents problems: the elevated facilities are more difficult for the public and staff to get to, and it seems hard to meet evacuation requirements without making big changes to the scheme. In addition, the basic idea of a sea view looking east seems rather undigested, and the exhibition gallery next to the stage unit is somewhat inaccessible and sidelined. For all its great qualities, this scheme entails a number of difficulties and uncertainties which the Jury believes may be hard to overcome. Ficha Técnica: Associates: Msc Robert Alewijnse, architect-director, Msc Chris de Weijer, architect-director, Msc Harrie Hupperts, commercial/technical director, Msc Rik den Heijer, team leader, Msc Carolina Sumares, assistant designer, Ba Patricia Cortijo Concha, assistant designer, Msc Evangelia Mitsiou, assistant designer, Bsc Muhsin Sagdic, drawer, Msc Tim Sluiter, assistant designer Fonte: Sveriges Arkitekter e DP6 Architectuurstudio
  5. 1º Classificado: Harri Mäkiaho, Tammerfors, Finland The Kräfta scheme is awarded first prize and recommended for realisation by virtue of the beautifully simple solution which at the same time offers exceptional spatial qualities. Kräfta is an obvious winner, with a convincingly simple manner which discreetly fits in with the context, in terms of material and scale, and at the same time achieves both beauty and absolute originality in its creation of a building with a dramatic expression all its own. Sundsvall will acquire the signature building called for in the competition brief. The project has a robust, simple structure which is judged capable of coping with a thorough development process without losing its basic qualities. Fundamentally, this project is a simple cube shape on the scale of the Stone Town, cut up into smaller volumes to create an open, communal foyer in the middle of it. This room is very dramatic and beautiful in shape, with open light slits as a foil to the solid volumes of the buildings. The focus of attention in this public building is clearly on the public. Both the piazza outside and the public inner space can be used for many different arrangements and activities. The building can be kept open frequently and people will be able to walk through it without any particular reason. The public can look out over the city and landscape from foyer and roof terraces, at the same time as residents will be attracted by the activity discernible inside the building. Like a city precinct, the scheme has no backs, which is a very important quality of this project. The entrance façade in the west, facing the new piazza, is articulated solely by means of a slightly greater distance between the closed volumes. The new piazza on the sheltered western side is judiciously proportioned. The restaurant is also sited on the western side, with an outdoor cafeteria basking in the evening sunlight. This project is almost completely detached from Kulturmagasinet, and can thus be suitably scaled and given a character of its own. Thanks to the slight displacement in relation to the gridiron layout of the Stone Town, no crannies will be created or dead ends experienced between the new building and Kulturmagasinet, even though the two are relatively close together. At the same time, the functional connection between Kulturmagasinet and the arts centre and theatre needs to be developed and opened up in the ongoing process, in order to clarify the connections and improve the potential efficiency of activities. The brief is accomplished within the proposed volume, but certain functions need to be developed in order to achieve better functionality, especially as regards goods reception, the backstage area, workshops and other working facilities, which have been given dark locations on the basement storey. The building could do with being elevated slightly so as to admit daylight to working premises and dispense with costly foundation work. The materials and technical solutions chosen for the project also need to be reviewed in the ongoing process. Given the structure and powerful form of the project, changes in a dialogue with the users are judged to be perfectly possible. Fonte: Sveriges Arkitekter
  6. Sobre o edifício, e há-que ter em conta que isto é uma opinião formada com base nas poucas imagens que há disponíveis do mesmo, parece-me que é sobretudo um objecto desinteressante, com uma volumetria monolítica e que não tenta contribuir para além da resolução do gaveto, na criação de novas relações espaciais no largo do Rato. O interior é uma solução espacial banal -só vi a planta que aparece no post 65. Já não há paciência para aqueles alçados com os vãos desencontrados, parece que os arquitectos perderam a capacidade de desenhar para além do óbvio. Sobre o processo de aprovação: que confusão! Gostava de saber quantos de vocês já tiveram problemas com aprovações de projectos nas várias câmaras do país, por motivos bem mais estapafúrdios e quantas vezes é que a Ordem vos deu o direito a mostrar o vosso lado da história em público? Pois, não têm o apelido Aires Mateus, é o que dá... Lichado, os projectos não são só aprovados consoante a legalidade ou ilegalidade deles, mas também conforme os objectivos de desenvolvimento que a Câmara tem para um determinado local, desde que dentro da lei.
  7. Fica na Av. Infante Santo, nº58. De novo só arranjei imagens pequenas no Google, mas fica também aqui um link para um vídeo do site da promotora. O edifício está quase construído, se alguém arranjasse imagens dele agradecia. Link do filme
  8. www.altodosmoinhos.com Peço desculpa, mas não arranjei fotos no Google com qualidade para postar.
  9. As fotografias são da autoria de Arquiespaço e de Thorsten Humpel. O painel de azulejos é da autoria de mestre Rogério Ribeiro. Os agradecimentos à Arquiespaço pelos elementos cedidos.
  10. O SÍTIO ARQUEOLÓGICO DA RUA DO SEMBRANO “A história da arquitectura impõe os seus estatutos à investigação formal; a arqueologia da memória exuma os significados escondidos entre os estratos profundos dos tecidos urbanos e entre as recordações de quem os habita; a individualidade do lugar reafirma a sua própria primazia sobre a generalização da tipificação. (…) Se por um lado o «lugar» nos parece expressar, de algum modo e quase autonomamente, um edifício, por outro lado é verdade que este não pode surgir sem a intervenção de um pensamento generalizador, tipológico e formal.” Purini, Franco - L'architettura didáttica / Casa del Libro Editrice - Reggio Calabria /1980 (tradução livre) A área actual da escavação é de 280m2 que se poderá estender, pelo menos em parte, aos 320m2 do espaço público contíguo do Largo de São João. Mas isto significa que qualquer intervenção de requalificação do espaço urbano está sempre dependente da continuação da escavação arqueológica, sendo pois necessariamente precária. A área de intervenção não é suficiente nem as suas características viabilizam um núcleo museu, no sentido tradicional do termo. O futuro Museu Arqueológico de Beja aguardará portanto outro tempo e outro lugar. Serão pois parâmetros fundamentais de uma intervenção possível: § Uma solução que passe pelo garanta a continuidade da frente-rua, assumidamente tectónica, construída, estabelecendo a continuidade com os volumes dos edifícios existente. § A conservação do sítio arqueológico, deixando-o perceptível e a garantia da viabilidade da continuação dos trabalhos de escavação arqueológica. § A formalização de um espaço público ou equipamento público. A escala das construções confinantes é miúda e a qualidade arquitectónica dos edifícios que envolvem o local reside mais continuidade que na identidade de cada um, pois são patentes os hiatos, as variações de volumes, as quebras de plano, as inconsistências formais. A solução que a seguir se apresenta foi conseguida pela evolução de um modelo formal e funcional passo a passo construído em resposta a estas questões. A SOLUÇÃO “A mudança e a recorrência são o sentido do ser vivo: coisas passadas, morte por chegar, consciência do presente.” Kevin Lynch, De que tempo é este lugar Dois planos determinam as frentes da Rua de Sto. António e Rua do Sembrano, respectivamente. O primeiro plano, no alinhamento da fachada do edifício adjacente é opaco, em alvenaria forrada a mármore fétido de S. Brissos. Um vão marca a esquina, iniciando um eixo que atravessa o espaço e define o percurso de ligação até ao Largo de S. João. Enfatizando esta axialidade, uma clarabóia na cobertura permite a entrada de luz indirecta que, incidindo sobre a face inferior da laje de cobertura, a desmaterializa. O segundo plano, sobre a Rua do Sembrano, é tratado como membrana, seco sob o ponto de vista formal, mas translúcido do interior, diáfano pela transparência do mármore. Nos dois planos, a pedra tem gravado o desenho do sítio arqueológico. A cobertura plana encerra o espaço, em consola no troço final, para além da fachada móvel de vidro temperado agrafado. Esta última é um envidraçado desmontável, que irá avançando à medida que a escavação arqueológica for prolongada, transformando o espaço antes exterior, em interior. No total o espaço terá 6m de altura na zona coberta, 43 de comprimento total e 16 de largura média. Espaço que se entende dever ser então o de uma praça parcialmente coberta, travessia entre o Largo de São João e a Rua do Sembrano, lugar de encontro protegido dos rigores do Inverno e das calorinas do Verão. Por baixo, uma estação arqueológica que o vidro laminado cobre, que aqui se albergam memórias. Rasgada sobre o Largo de São João, a nave constituirá um espaço de acolhimento e de encontro, entre jornal e cigarro, entre memória e futuro. A cantaria existente será recolocada na Praça, estudando-se uma hipótese de desenho que a dignifique. Dois volumes em pedra seão bancos de estadia em conversas que se pretendem longas. Na fachada a Sul, que da Rua do Sembrano conserva a sua dimensão tectónica, estabilizando a frente-rua, escorrerá lentamente um planpo de água durante o Verão, gerando sedimentos, depósitos calcários, corroendo a pedra, que de memórias estamos a tratar. Pois é deste mármore, de “Trigaches ou de São Brissos”, que Beja é construída desde há 2.000 anos, que com ele estão revestidas as fachadas dos grandes edifícios, os socos e as molduras dos vãos do casario, que foram construindo memórias e ganhando a identidade do lugar.
  11. Fernando Sequeira Mendes, em Arquiespaço – Arquitectura e Planeamento, lda. Núcleo Museológico da Rua do Sembrano, Beja Projecto Geral de Arquitectura: Arquiespaço – Arquitectura e Planeamento, lda. Co-autor e coordenador do projecto: Fernando Sequeira Mendes, arquitecto Co-autor do projecto: Jorge Catarino Tavares Colaboradores: Rute Batista, Gabriela Sandor e Tiago Pereira, arquitectos Projecto de Estabilidade: Filipe Gueifão de Oliveira, engenheiro civil; Projecto de Instalações Eléctricas: Rúben Sobral, Engenheiro Electrotécnico Projecto de Instalações Mecânicas: José Galvão Telles, engenheiro mecânico Projecto de Instalações de Águas Prediais, Pluviais e Residuais: Filipe Gueifão de Oliveira, engenheiro civil;
  12. Parte 7: Memória Descritiva ANÁLISE HISTÓRICA D. João III eleva Portalegre a sede de bispado e, consequentemente, a cidade, colmatando um período de desenvolvimento que a levaria a assumir o papel central do território que se estende a norte da área de influência de Évora, até ao Tejo. D. Julião de Alva, bispo de Portalegre, instara em 1553, a fundação de um colégio na cidade cabeça do seu bispado. Em 1604 os Padres Vasconcelos e Castro iniciam o trabalho de missionação na diocese, a pedido do bispo e do município, instalando-se de seguida em casas alugadas, próximas da Igreja de Santa Maria. A chegada de mais alguns membros e o aumento dos benefícios não permitiram a construção do colégio, limitando-se a uma residência. Em 1631, o jesuíta P. Simão de Almeida, aplicou os bens que recebera em herança e, por essa doação, foi declarado o fundador do Colégio, começado a construir nos terrenos, edifícios e capela de S. Sebastião que os religiosos tinham entretanto adquirido. Pouco chegou até nós sobre o desenvolvimento da obra e não conhecemos o arquitecto. Sabemos que nos finais do séc. XVII a Igreja não teria ultrapassado as fundações e que o colégio nunca foi terminado, faltando a ala poente e a totalidade da ala Norte. Após a extinção da Companhia e consequente expulsão dos jesuítas, foram os edifícios adaptados a fábrica de lanifícios em 1771, por decisão do Marquês de Pombal, procurando tirar vantagens da possibilidade de obtenção da água necessária à manufactura das lâs. Em Janeiro de 1772, está em curso a sua adaptação e, em Abril dá-se início à tecelagem. Até 1781, a fábrica foi administrada pela Junta do Comércio. De 1788 até 1820 passou a gestão privada, por sucessivas sociedades e proprietários. A Guerra das Laranjas com Espanha, em 1801, causou graves prejuízos à fábrica com o roubo e destruição de equipamentos, prejuízos agravados com as Invasões Francesas. Em 1819 a fábrica encerra, sem interessados na sua gestão. É então vendida à viúva de Joseph Larcher, tintureiro oriundo de Metz, na Lorena. A família Larcher e Honório de Lima aministraram a fábrica até 1882, no que foi o mais longo e próspero período da fábrica de panos de Portalegre. A difícil situação financeira e o declínio profundo eram irreversíveis, quando em 1897 foi comprada por George Robinson, industrial inglês que fundara a primeira corticeira de Portugal: até à aquisição pelo município, em 2004, o Colégio e a Real Fábrica assistiram a um sem número de inquilinos e usos, numa senda de degradação e abandono que os conduziu à ruína. O Colégio e Igreja de S. Sebastião O Colégio de S. Sebastião é constituído por dois corpos, correspondendo o primeiro, a nascente, à igreja construída nos séc. XVI/XVII, com maior volume e perpendicular à rua,. Segue o modelo que a Companhia de Jesus fez construir desde finais do séc. XVI, com uma nave, ampla, de quatro tramos e capelas laterais comunicantes, coro alto sobre a entrada, tudo sobrepujado por um clerestório de três janelões rectangulares. Segue a tipologia de igreja-salão, que podemos referenciar a Jesu em Roma, de Vignola, ou com S. Giovanni em Florença: repete-se a nave ampla, as capelas laterais comunicantes, os sistemas de acessos e a enfatização do altar-mor. Dividida em três pisos, por sobrados de madeira, violentada na sua estrutura funcional, alterados os vãos e fragmentados os espaços, a Igreja era irreconhecível à data da sua aquisição. Adossado da Igreja para poente, fica o Colégio de S. Sebastião. Os edifícios dos colégios não se regiam por um modelo arquitectónico fechado e repetível, mas antes por um conceito geral, que em cada país ou região se adaptava às arquitecturas locais ou às possibilidades do lugar ou do contexto onde se inseriam. Os edifícios de Portalegre reflectem o ideário e a acção da Companhia no varrer de seiscentos: austeros e despojados, seguindo os cânones do que o historiador alemão Kubler chamou a arquitectura portuguesa chã, com uma estrutura de espaço e qualidade construtiva notáveis, adaptados aos meios técnicos disponíveis, características que permitiram a sua adaptação a diferentes funções e garantiram a sua sobrevivência até aos nossos dias. A ele se acede por um alpendre que dá acesso ao vestíbulo, de feitura posterior e gramática barroca. À direita do vestíbulo, um corredor perpendicular à fachada principal conduz a diversos compartimentos, o maior dos quais, a norte, seria sacristia. O corredor articulava a ligação entre a sacristia, a nave da igreja e os altares. Do vestíbulo, agora em direcção a poente, sucedem-se os espaços abobadados que terminariam numa ala paralela à Igreja, a que se sucedia outra perpendicular, fechando um pátio, espaço claustral não terminado.Olhando a fachada Norte, percebemos falsos os dois últimos vãos da sequência das janelas de sacada, executados em argamassa imitando pedra, onde ficaria o arranque da ala poente. A escada de aparato arranca do corredor e sobe ao piso superior. Aqui, a tipologia dos espaços continua a estrutura murária, com pé direito de 5m, contra os 6,4m em baixo, no fecho das abóbadas. É magnífica a sequência dos espaços na sua secura jesuítica, com os janelões dos corredores a rematar os topos. Neste piso faltavam já algumas das abóbadas originais. A escada de caracol que conduzia à torre sineira permanece no cunhal da Igreja, conquanto as torres tenham, também elas, sido demolidas, deixando a fachada da Igreja sem escala e proporção. Por cima do altar-mor, a Sala do Capítulo com abóbada de berço ainda conserva a decoração em baixo relevo original. Embora não estejamos certos da autoria do projecto, é certo que o seu arquitecto estudou os modelos romanos e utilizou em Portugal técnicas construtivas e conceitos de espaço importados de Itália onde, com probabilidade, terá residido. Nomeadamente a Igreja e a sua abóbada, traduzem uma utilização e interpenetração de conhecimentos, que se estendeu pelo continente europeu. A Real Fábrica de Lanifícios O último quartel do século XVIII vê adossar um novo corpo à Igreja, desenvolvido na continuidade da fachada principal para nascente, três pisos e sótão, longo de mais de 50 metros, uma nave ampla com 11,5m até ao beirado e 17,5m na cumeeira, dividida em três pisos, protótipo das grandes naves industriais que veremos nascer nos finais do séc. XIX. As paredes em alvenaria de pedra suportam as cargas dos sobrados, a estrutura de madeira apoiando ainda em pilares de granito aparelhado. A estrutura da cobertura, em asnas complexas que descarregam a terças do vão os esforços sobre os pilares de granito, vencem os 18,3 m de largura da construção. Por fim, adossadas à fachada norte da Fábrica Real, uma série de construções relativamente recentes, espúrias e de má qualidade, degradavam o conjunto e eram limitativas da intervenção, procedendo-se à sua remoção. À data de aquisição pelo município o edifício estava em vias de aquisição como Imóvel de Interesse Público, pelo Ministério da Cultura de Portugal, e sujeito a medidas preventivas. O projecto e a obra foram aprovados pelo Instituto Português do Património Cultural. ESTADO DE CONSERVAÇÃO DO IMÓVEL ANTES DA INTERVENÇÃO O estado de degradação torna complexa a descrição das sucessivas alterações feitas ao conjunto dos dois edifícios. Não será difícil entender que a passagem de um colégio jesuíta a fábrica de tecidos significou uma profunda alteração dos espaços. A esta violenta alteração juntam-se as sucessivas adaptações das diferentes e desajustadas utilizações ao longo do século XX para chegarmos ao resultado devastador, que as fotografias revelam. Identificamos dois períodos distintos: as intervenções de séc. XVIII e a depradação do século XX. Na Igreja, do séc. XVIII, destacamos: . a destruição do coro; . a remoção dos altares; . a demolição do corredor de circulação nascente; . a destruição dos acessos entre os altares e a fachada Norte . a demolição do janelão da cabeceira do altar na fachada norte e a abertura de uma porta; . a demolição das paredes de alguns altares; . a demolição das torres sineiras e do frontão triangular; . a colocação da cornija na horizontal, abaixo do fecho da abóbada; . a remoção dos pórticos de entrada; . a demolição do nicho de St. Inácio de Loyola para inserrir escdas de acesso ao novo piso da Igreja; . o tapamento de vãos; . a introdução dos dois pisos intermédios, dividindo a nave em três pisos; . o preenchimento do vazio dos altares com pedra e tijolo; . a abertura de portas e janelas; . a remoção de toda a iconografia cristã. No corpo da Igreja, enfatizaremos, com especial relevância, a calamitosa intervenção de um armazenista de mercearias, arrendatário do espaço inferior da Igreja, demolindo altares, picando paredes que forrou a azulejos de casa de banho, introduzindo lajes em betão nas capelas laterais e nos altares, arrasando escadas, removendo frescos, colocando sobre o pavimento original da igreja uma camada de 30 cm de betão. No Colégio, do séc. XVIII, destacamos: . o tapamento dos arcos do claustro; . a abertura do portão na fachada principal; . a demolição de paredes divisórias entre as celas do segundo piso; . a demolição de quatro abóbadas de celas do segundo piso; . a demolição da escada de serviço; . a introdução do sobrado no corredor de acesso, dividindo o espaço em dois pisos; . o encerramento da escada nascente da Sala do Capítulo; . a introdução do sobrado na Sala do Capítulo, dividindo o espaço em dois pisos; . o tapamento dos janelões da Sala do Capítulo. Na fachada principal da Fábrica Real, rasgaram-se dois portões e taparam-se alguns vão quando se adossaram construções pobres à fachada norte. O edifício encontrava-se em avançado estado de degradação, próximo do colapso estrutural, não sendo recuperáveis as estruturas de madeira, não visitáveis por ruína quando da aquisição pelo município. A envolvente urbana a sul do edifício estava profundamente degradada: ao longo da fachada da Fábrica Real um muro, com um talude em cima limitavam a percepção da fachada, neutralizando a sua monumentalidade. PRINCÍPIOS DA INTERVENÇÃO O primeiro passo da intervenção consistiu na análise interpretativa profunda dos edifícios, através da sua leitura in situ, pela investigação histórica e por sondagens materiais. A investigação fundamentou como primeiro princípio da intervenção, o da restituição tipológica. São essenciais à restituição tipológica a reintegração da estrutura murária primitiva com o seu verdadeiro traçado, bem como a recuperação das unidades espaciais que caracterizam os edifícios. Recuperar estas grandes unidades espaciais “pelo menos as fundamentais” é ratio sine qua non para que a intervenção tenha carácter de reabilitação tipológica. Para tanto, era fundamental eliminar compartimentações e subdivisões correspondentes, lotes funcionais de marcado carácter fragmentário, elementos agregados posteriormente e de construção pobre. O princípio da restituição tipológica implica também que a solução de projecto deixa claramente documentado o que sobre todos os aspectos poderia ser o projecto primitivo (anterior ao séc. XIX). Este exercício pressupõe um esforço analítico que justifica as decisões operativas, formando parte da sua própria memória. O segundo parâmetro é o da aceitação de um programa funcional, procedendo a ajustes ao plano de necessidades estabelecido, corrigindo e adaptando a solução em função da análise dos edifícios e do objectivo da sua recuperação tipológica. Este objectivo implica dar primazia à sua condição compositiva, sobre o programa funcional. Investigação histórica e técnica A descrição das etapas da investigação é demasiado complexa para poder ser resumida. Apoiada num levantamento arquitectónico rigoroso, no estudo das colecções de desenhos de projecto dos séculos XVII e XVIII, existentes na Biblioteca Nacional de Lisboa, e no estudo das colecções de projectos de colégios e edifícios da Companhia de Jesus, nomeadamente em Paris, na colecção do Cabinet des Estampes da Bibliothèque Nationale de France e em Roma, no acervo do Fondo Gesuítico, foi possível reconstituir o que teria sido o edifício original e encontrar soluções que garantiram os princípios de intervenção definidos. Realçamos duas questões: a identificação da semelhança entre o Colégio do Salvador na cidade de Elvas e o Colégio de Portalegre, foi fundamental no entendimento do edifício e na definição das soluções de projecto: os dois colégios são do mesmo arquitecto, desenvolvendo-se neste momento investigação que poderá permitir atribuir sem reservas autoria dos dois colégios. Este facto leva-nos à segunda questão relevante: foi atribuída a autoria do Colégio de Portalegre a Mateus do Couto, Arquitecto Real de D.Afonso VI. Esta atribuição fundamentou-se nos desenhos de 1678 para uma igreja jesuíta em Portalegre, pertença da B.N. de Lisboa. Alguns dos desenhos desta colecção, que dataríamos do 1º quartel de seiscentos, são os do edifício existente, pelo que supomos tratarem-se dos elementos que chegaram até nós, do projecto original. O corte e o alçado, assinados por Mateus do Couto, não correspondem à igreja construída e são posteriores aos restantes desenhos. O papel cultural, científico e civilizacional da Companhia de Jesus, com particular relevo no seu período inicial, desde a fundação por Inácio de Loyola até 1773, data da sua extinção pelo Papa Clemente XIV, foi de importância crucial para a sedimentação de uma identidade europeia e para expansão da influência dos países europeus no período da expansão marítima. Os legados desta odisseia civilizacional perduram ainda, pese embora os seus aspectos mais criticáveis, mesmo que avaliados à luz do contexto político e social do mundo de quinhentos a setecentos. Na base deste esforço, de uma dimensão até então nunca vista - existiam no ano de 1749, 83 casas professas e casas de provação, 699 colégios, 176 seminários e pensionatos, 335 residências e 273 missões por todo o mundo, com particular incidência no espaço europeu – a Companhia de Jesus disponibilizou à Europa do Renascimento e do Barroco as bases científicas que necessitava para a sua expansão, integrando neste acervo de conhecimento o que de novo chegava de países e culturas distintas e distantes. Trabalho de conservação e utilização de métodos construtivos tradicionais Foi critério da intervenção a recuperação e restauro de todos os elementos de significado formal ou documental existentes. Foram submetidos a restauro os frescos da sala do piso 1 e os frescos da cabeceira da igreja que encimam o altar mor, bem como o tecto em baixo relevo da Sala do Capítulo. A porta de entrada do Colégio, com probabilidade do final do século XVII, que tinha sido retirada do edifício, foi restaurada e recolocada. As quatro abóbadas em falta, no piso 1, foram reconstruídas com os materiais e técnicas de seiscentos. O princípio da restituição tipológica, aproximando os edifícios da sua estrutura murária original, facilita a consolidação estrutural, na medida em que restabelece as continuidades dos elementos construtivos. Os completamentos de paredes entretanto demolidas e as ligações às estruturas existentes foram executadas com a inserção de grampeamentos e injecções de caldas de cimentos não retractéis e resinas de poliester. Todo o edifício incluindo as abóbadas, foi consolidado com armaduras de redes metálicas e betões não retrácteis. As coberturas foram executadas com estruturas de madeira laminada, reduzindo o peso e evitando asnas. Materiais e resultados obtidos Os dois edifícios utilizam um leque estrito de materiais: estuque branco, granito cinza de grão fino, idêntico ao existente, aço pintado a cinza, vidro, madeira de cerejeira em carpintarias e mobiliário e de bubinga em pavimentos ou vãos exteriores. Assume-se a contemporaneidade formal e material de todos os elementos construtivos que foi necessário introduzir, por não existirem os elementos originais: portas, janelas, fechamento do claustro, por exemplo. O granito utilizado é idêntico ao do edifício original e proveniente da mesma formação geológica. A linguagem desajectivada do desenho dos novos elementos procura ser consentânea com a secura formal e a austeridade patente quer no colégio jesuíta, quer na nave fabril. A procura de um discurso formal coerente levou o projecto a um exercício de desenho integral. Como exemplo, a necessidade de cadeiras de auditório formalmente relacionadas com os materiais, as formas existentes e a espacialidade da igreja, levou ao desenvolvimento de um modelo próprio, que foi executado por um fabricante sediado em Barcelona. Posteriormente à obra começou a ser comercializada no mercado internacional, pelo fabricante. A intervenção na Real Fábrica assumiu características distintas. Tratando-se de uma nave única, sem uma estrutura resistente, nem uma compartimentação de espaços, (as divisórias existentes eram elementos precários que resultaram das necessidades dos diveros utilizadores), o projecto procurou recuperar o conceito de espaço amplo, com os meios técnicos e os materiais actuais. Face aos 18m de largura, o edifício foi rasgado verticalmente ao centro, espaço que remata numa clarabóia na cobertura, pontuado nos extremos por dois núcleos de acessos verticais. recuperou-se a percepção da sobre dimensão da da nave, que as caixas dos elevadores e os elevadores integralmente em vidro, não interrompem. Ocupado exclusivamente pelos serviços municipais, a compartimentação dos espaços é executada com divisórias amovíveis, permitindo a variação dos espaços em função da evolução da estrutura funcional do município. O projecto envolveu materiais e equipamentos produzidos em todo o espaço europeu, nalguns casos desenvolvidos especificamente para os equipamentos aqui sediados, como é patente no desenvolvimento do modelo da poltrona do Centro de Congressos, ou na solução da tela de projecção, que sobe do pavimento, evitando perturbar a leitura do espaço da antiga Igreja.
  13. O melhor é, sabendo a rua e o número de polícia, fazeres uma busca no site do Arquivo Municipal, onde deverás descobrir o número de processo. Depois é requereres a consulta do processo -dá para fazer através do site, se tiveres um nome de utilizador e password ou podes fazer o registo na altura- e depois é esperares até te marcarem um dia para a consulta do processo. Para confirmares o dia da consulta é só veres no site, no separador que diz "Os meus pedidos". Regra geral não demora muito tempo entre fazeres o pedido e a data da consulta, mas depende de onde se encontra o processo. Podes sempre telefonar para o arquivo, depois de teres o pedido aceite, e tentar que te marquem para o mais cedo possível.
  14. Fernando Sequeira Mendes e Jorge Catarino Tavares, em Arquiespaço – Arquitectura e Planeamento, lda. Reabilitação e Requalificação do Colégio e Igreja de S. Sebastião e Real Fábrica de Lanifícios de Portalegre Prémio Nacional de Arquitectura Alexandre Herculano 2006 Prémio Turismo de Portugal “Valorizar o Espaço Público” 2007 – Categoria Ambiente Cidade Menção Honrosa Prémios Excelência Autárquica 2007 Projecto Geral de Arquitectura: Arquiespaço – Arquitectura e Planeamento, lda. Co-autor e coordenador da equipa projectista: Fernando Sequeira Mendes, arquitecto Co-autor do projecto: Jorge Catarino Tavares Colaboradores: Gabriela Sandor, Rute Batista, Tiago Pereira, Gonçalo Robalo, Henrique Proença, Magda Mariquito, Alexandra Oliveira, arquitectos Apoio Logístico e Gestão Integrada: Graça Semedo, Rita Costa Projecto de Estabilidade: João Appleton e Vasco Appleton, engenheiros civis em A2P lda. Projecto de Instalações Eléctricas e Sistemas de Comunicação: Rúben Sobral, Engenheiro Electrotécnico Projecto de Instalações Mecânicas: José Galvão Telles, engenheiro mecânico Projecto de Abastecimento de Gás: Fernando Correia, engenheiro civil Projecto de Instalações de Águas Prediais, Pluviais e Residuais: José Cantinho Pereira, engenheiro civil Projecto de Sistemas de Segurança: António Portugal, arquitecto Fiscalização: Jorge Castanheira, engenheiro civil; Dalila Calado, arquitecta; Ricardo Almeida, engenheiro mecânico Contrutor: Teixeira Duarte, S.A. Fabricante das Cadeiras de Auditório: Figueras International Seating Restauro de Arte: Carmen Almada, Luís Figueira em Junqueira 220 lda. Dono da Obra Câmara Municipal de Portalegre Data de Conclusão da Obra 2006 Fotografias Arquiespaço e Thorsten Humpel
  15. Vão a http://www.dublincoastaldevelopment.com/ e cliquem para ver o vídeo. Vale a pena. [ame=" "]YouTube - Dublin Coastal Development[/ame]
  16. Se houvesse algum(a) paisagista no forum era bom ter a opinião dele(a) sobre a profissão e o seu âmbito.
  17. Ouvi o Jacques Herzog em conferência há uns anos e, independentemente de criarem edifícios bonitos, irritou-me a falta de discurso crítico dele sobre as suas obras, como se aquilo que construísse não tivesse um impacto no território e nas populações e fossem só exercícios estéticos casuísticos. Convém dizer que foi na altura em que eles lançaram um perfume chamado "Roterdão" que supostamente captava as fragrâncias da cidades (incluindo, diziam eles com um ar muito entusiasmado, o de cão de rua) e fizeram um exposição onde mostravam não as obras mas os materiais que tinham utilizado em diferentes edifícios que, pelo fausto todo (betão com gravação de insectos, maquettes douradas...), era o equivalente a ver-se uma exposição de ornamentos arquitectónicos no séc. XIX.
×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.