Jump to content
Arquitectura.pt


XXXXX

Membros
  • Posts

    361
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    19

Everything posted by XXXXX

  1. A 2 euros está a ser chulado! A 3 também! A 4 idem! A 5 é aceitável para quem está a começar. A 6 é bom para quem já é Arquitecto (paga quotas)! A 7 já tem 3 anos de experiência! A 8 guloso! De 9 para cima, já tem que ter experiência relevante, para o seu trabalho render alguma coisa... principalmente se tiver que aturar patrões... eles contam as horas todas, principalmente as pagas! Bocas do tipo: São habituais!
  2. XXXXX

    Roma

    Pergunte à Italiana do fórum.
  3. Fonte: Architectural Record
  4. E numa altura de sacrifícios, que este assunto se vai resolver... desculpem o optimismo!
  5. O Oscar quando projectou para Brasília, deu atenção às duas, digo até, foi o ponto alto da carreira. Eu não tenho nenhuma obsessão pelo termo funcional, aliás, provavelmente a maioria dos alunos a sair das universidades, hoje em dia, acredita que o binómio forma/função está datado e é a teoria do século passado, o que é verdade, mas não deixa de ser, em termos de conteúdo teórico, aquela que legou as melhores obras de Arquitectura que temos hoje em dia. Existem coisas absolutamente pirosas, feitas na dita moda brand new e outras absolutamente intemporais feitas à meio século. É mais difícil fazer simples e contido, do que expansivo e ornamental, a última, qualquer um faz. No seu caso, tem um cliente que provavelmente lhe deu liberdade de fazer uma coisa com cunho de autor e com alguma liberdade em termos de orçamento, o que é bom. Só a questão das rampas para o pessoal de mobilidade condicionada, poderá parecer menos bem, existe sempre a possibilidade de acoplar uma plataforma elevatória, eu se estivesse numa carreira de rodas, preferia rampas a plataformas.
  6. Apesar de ser um projecto onde o controlo de custos e a melhor solução funcional, não são objectivos em si, dado que projecta sem o uso de "paredes meias", opta por corredores compridos, para ir de um simples quarto à uma sala, rampas para deficientes são preteridas a favor de escadarias, a verdade é que, do ponto de vista estético, ao nível do observador o alçado de aproximação está bom, tem sentido de pertença em relação ao lugar, se existe sempre este jogo de forças entre a estética e a função, aqui a estética foi predominante.
  7. Cada Arquitecto é livre de definir as respectivas percentagens de pagamentos em função do andamento do processo. O problema geralmente não é com o Arquitecto, o problema geralmente é com o Empreiteiro, que quer poupar nos materiais, roubando nos isolamentos ou acabamentos que simulam materiais nobres, que de facto não o são. Depois do projecto aprovado, Dono de Obra e Empreiteiro tornam-se numa espécie de Best Friends, numa relação em que o segundo chula o primeiro, com um sorriso na cara. O seu problema não é com o Arquitecto, é sim com o Empreiteiro.
  8. Imagine que agora, andava aqui, post após post a clamar: Seria uma figura ridícula, no limite do desespero... muito comum em Torres Vedras!
  9. A guerra continua? A guerra já foi ganha, por nós Arquitectos, é só uma questão de anos até o normativo ser aplicado, claro que existe por aí muita malta estúpida (Arquitectos inclusive) que reiteradamente dizem, não há espaço. Ora Vejamos: Fiscalização. Direcção. Projectos de Arquitectura. Coordenação das Especialidades. Coordenação de Segurança e Saúde. Avaliação Imobiliária. Construção Civil. E por enquanto Projectos de Estruturas, Águas e Esgotos, com as limitações decorrentes da lei aplicadas aos Arquitectos. É só uma questão de tempo, até os Engenheiros fazerem a Engenharia e os Arquitectos fazerem a Arquitectura, já não há realmente é espaço para mais confusões, entre a distinção das funções.
×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.