Jump to content
Arquitectura.pt


X-acto

Membros
  • Posts

    134
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    2

Everything posted by X-acto

  1. pensei q um dos termos de aceitação de participação no forum era o de n fazer publicidade! parece q me enganei! sendo assim vou preparar o meu portfolio e oferecer os meus prestimos tb aqui!
  2. encontar um conceito original...a origem da solução tem q ser tua! sugiro que n importes conceitos dos outros e penses p ti pp. encontrar ou propor uma solução passa sempre pelo confronto com os problemas e dificuldades. reformula o problema, o enunciado do projecto, e encontra a tua resposta. n penses tanto no resultado, q pode ser mto castrador, mas sim mais no processo.
  3. bom, n sou especialista em legislação, mas aqui vaio meu contributo. o projecto de alteração apenas contempla a alteração da fachada traseira, portanto só se altera a fachada traseira e n ha nehum regulamento q obrigue a alterar as varias fachadas simultaneamente. depois se os condominos estão todos de acordo, optimo, n percebo a questão, mas se os condominos estão em desacordo, quem é que vai pagar ao arquitecto a alteração?! mesmo q por livre iniciativa ele pagásse a obra, na câmara,o arquitecto tem que fazer prova da sua legitimidade face ao dono de obra e portanto dificilmente conseguiria...
  4. caros colegas, é um facto inegável que num pais como o nosso que nem precisa de arquitecto para assinar um projecto de arquitectura, haver mais de 15 000 arquitectos, já nem sei em qtos vai, é um remendo disparate. o problema nem é a concorrência directa que ao menos é justa, o problema é a outra... Qto ao Estado, devia ter um papel mais regulador e não permitir que abrissem tantas vagas para um mercado que já está mais do q saturado. Mas dá dinheiro, enganam-se uns tantos, muitos, e depois manda-se tudo po desemprego. Qto aos patronos e aos estágios não remunerados, acho que a questão é mais a da obrigatoriedade do estágio que a ordem impõe. pois a partir do momento q o estagio é obrigatorio, para no fundo aceder em pleno à profissão, e não existe mercado para empregar tantos recém-licenciados, é infelizmente uma sorte conseguir arranjar estágio seja ele remunerado ou não e a verdade é que a nem todos os ateliers, provavelmente até a maioria, têm lucro suficiente que lhes permita empregar mais pessoas e se as empregassem provavelmente prefeririam alguem com um pouco mais experiência q um recem-licenciado. Tou aqui a defender um pouco esta situação,mas atenção q já fui mto, mas mm mto critica em relação aos estagios n remunerados. tb pensei q se nos juntassemos e n permitissemos estagiar à borla, acabariamos com a rotatividade de estagiarios de que alguns ateliers se servem, mas a verdade é que precisamos do estagio p entrar na ordem e se n quisermos aceitar as condições quem sai mais a perder somos nós. Acho que como em todo o lado, há de tudo. há os ateliers q se servem desta situação para terem sempre uns trolhas a trabalhar que nem escravos e tb há outros ateliers que só aceitam dar estágios porque n lhes têm de pagar. em conclusão, julgo q o problema está na ordem.se excluisse o estagio, só era empregado quem visse o seu trabalho pago.
  5. em resposta ao Argos. infelizmente conheci bastante bem o edificio da xerox, pois fiz um trabalho sobre design ambiental, especificamente termica e iluminação sobre este edificio. os srs. foram muito simpaticos e facilitararm plantas, cortes, alçados. visitei o edificio e tive acesso ao consumo energetico do mesmo. o edificio para além de n ter piada alguma, é um cancro! pior só tvz a caixa geral de depositos, tb em lx, que depois ainda se põe a fazer publicidade aos não sei qtos paineis fotovoltaicos ou whatever que colocou na cobertura para minimizar o seu pp consumo. é verdade q nem tudo é mau desta empresa, tb há o fluviario q aparentemente, porque ainda n fui lá, tem qualidades...deve haver outros e até já vi mais qq coisa, mas tudo muito longe de deslumbrar e nada há que apague os maus edificios que já foram feitos.
  6. A côr que nós vemos provém da refexão da luz numa dada superficie e portanto não se pode em arquitectura falar da côr em abstracto. Já no design gráfico, quando se sabe muito bem qual vai ser o seu suporte, a sua superficie, torna-se mais fácil controlá-la. Acho interessante tentar perceber a psicologia das cores ou o papel que as cores desempenham no nosso bem-estar, todavia não nos podemos esquecer que o fenómeno é um pouco mais complexo do que arranjar um dicionário de cores, pois as cores quando conjugadas umas com as outras, devido ao fenómeno que kandisnsky chamou de ressonâncias, alteram o seu significado. É muito fácil de constatar isto, basta pensar que um vermelho quando perto de um azul, fica tendecialmente mais frio do que quando conjugado com um laranja que o torna mais quente. Por isso a côr é o mundo por explorar, tem que se fazer experiências para perceber como resulta.
  7. Só para ajudar à discussão: eu já participei num concurso limitado e por convite para requalificação de uma moradia de um cliente privado, portanto e embora a regra seja a adjudicação directa, às vezes os clientes tb abrem concurso. todavia, devo-vos dizer que a 1º fase do concurso não foi paga e portanto foi um investimento do atelier aonde estava que aceitou correr o risco. um risco calculado e que perdemos, sem justificação. Acho que havendo tantos arquitectos é uma boa estratégia para quem esteja com dúvidas sobre qual o arquitecto a escolher,abrir concurso. Em relação ao outro ponto q se falava, custa-me comentar um projecto baseado em renders exteriores! no geral , encontro muito disto por aqui, mas sou nova neste forum, posso tar enganada, vou ver melhor...
  8. mais outro....ufff...mais do mesmo. a estrutura a fazer o xadrezinho lá fora..enfim, aqui com um ar mais clean, mais bonitinho...mais outra fachada...faz lembrar a Xerox... mesmo sistema contrutivo
  9. Sinceramente nem conheço a obra deste atelier o suficiente para ter reparado no T como assinatura, não me interessa, mas pelo que tenho visto, é bem possivel que se sirvam de tão fraca imagem para dar uma imagem de marca qualquer... Não conheço mais porque o que conheço não me suscita mais do que repugnância! Bons exemplos disso, ou antes maus exemplos de arquitecura, são o edifício da Xerox e o edificio de escritórios perto do amoreiras, ambos em lisboa, péssimos! Gosto de pensar a Arquitectura como um processo integrado e controlado por uma, duas pessoas, embora seja benéfico uma equipa mais alargada com polivalências várias para pôr toda a máquina a funcionar, porque isto de ter um atelier não é só fazer projectos, também há muitas outras coisas e chatas que se têm de fazer. O ponto a favor que atribuo a estes senhores, é saberem-se mexer e num país em que realmente há muitos ateliers de vão de escadas como aqui já foi dito, os promontório graças a um grande investimento na sua auto-promoção começam a vingar, aqui e lá fora. "não há boa, nem má publicidade" e até já dão conferências!
×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.