Jump to content
Arquitectura.pt


X-acto

Membros
  • Posts

    134
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    2

Everything posted by X-acto

  1. o cv em video é sinal dos tempos, mas tal como ler as noticias na internet isso n é o mm q comprar o jornal! e convenhamos q c o video tem q se gramar até ao fim e já com o cv em papel pode-se ler na diagonal e saltar logo p as partes mais relevantes e q interessam ao empregador. acho q este cv video é uma alternativa q sem duvida pôe em evidência outras caracteristicas q o cv papel n pode pôr -e n tou a falar só da aparência, mas sim da linguagem n verbal! no entanto, nada substutui uma entrevista
  2. Caro Bninho, o procedimento normal de qualquer edificação é 1º pôr projecto de licenciamento na Câmara Municipal e só depois desta conceder a licença é que se constrói! E entre uma coisa e outra raramente decorre menos de um ano. No entanto, quando diz que o terreno já está legalizado isso pode querer dizer que o loteamento já foi aprovado e portanto a casa já só precisa de uma comunicação prévia à Câmara o que facilita e agiliza bastante o processo. Agora se a câmara municipal não aceita esta casa, já construída, porque os anexos e garagem não cumprem os parâmetros urbanísticos descritos na operação anterior de loteamento, das duas uma: ou faz obras para que estas construções passem a estar dentro dos parâmetros previamente aprovados ou então tem que os demolir para poder legalizar a casa. Não querendo fazer obras/demolições as consequências para si podem ir desde o pagamento de uma multa qualquer, à recusa de emissão de licença de utilização ou habitabilidade, o que na prática talvez se reflicta na interdição no acesso às infraestruturas públicas tais como a água,o gás, electricidade... isso não sei exactamente. Se quiser manter tudo como está, ao invés da simples comunicação prévia que julgo que foi o que foi feito em relação à casa, terá que meter então um projecto de licenciamento com esses anexos e garagem...mas caso eles não cumpram com os parâmetros para a zona, o projecto irá chumbar e volta ao mesmo ponto de partida com a diferença de ter perdido muito mais tempo e dinheiro pelo caminho
  3. Eu não subscrevo a opinião do colega que critica quem vem do cientifico-natural p arquitectura e nem acho que isso seja assim tão anti-natural... e se até já tiverem feito a geometria A, óptimo! Qto ao desenho, é um facto q nem todos os arquitectos desenham, mas tb nem todos são bons arquitectos... e sim existe uma relação entre os dois. Já agora, escreve-se Design (desculpem a correcção mas faz-me mm impressão ler como tava escrito no outro post) e não confundam nunca desenhador com arquitecto, pois a única coisa q têm em comum é usarem o mm software que enquanto o primeiro tem o 12º o segundo fez licenciatura antiga ou mestrado bolonha, mais estágio curricular, caso exista, e estágio profissional! Portanto nem q seja existem 6 anos de formação académica/profissional q os separam. De resto bons e maus profissionais há-os em todas as áreas.
  4. Este topico já aqui foi bastante debatido. Aconselho-vos a consultarem os vários posts q já foram publicados sobre este assunto. Eu tirei o curso no IST, e também foi por escolha minha pois tinha média para qualquer faculdade do país. Julgo que é um bom curso, e que dá uma boa preparação para a vida futura e também existe boa aceitação pelo mercado de trabalho. No entanto devo-vos alertar, candidatos a arquitectos, que infelizmente o mercado está saturadíssimo e não há trabalho para tantos profissionais. Não vos quero com isto cortar as asas e dizer-vos para desistirem à partida de arquitectura, mas no entanto se optarem por este curso não o deverão fazer de animo leve e deverão ponderar se é mesmo esta a vida que querem. É um curso muito trabalhoso, e no caso do IST não sobrava mesmo tempo para participar em concursos extra-curriculares e talvez seja essa a razão para não existirem alunos do IST a concorrer a concursos. Boas escolhas!
  5. uau!! tamanho optimismo! bem vindo e boa sorte!
  6. ...pois...neste caso, então nem se coloca a questão de estrutura do atelier q está mais do q resolvida...só foi pena o primeiro mês n ter podido ser mais acompanhado p detectar as falhas da estagiária atempadamente. Parece-me arqpatricio q confiou demasiado no q lhe foi dito. Contratar alguém apenas pelo CV e entrevista sem provas gráficas dadas, mto embora o q é posto no portfolio tb poder ser mentira. Há pessoas q fazem de tudo p conseguir o q querem e n lhes causa celeuma alguma mentirem descaradamente e empolarem as suas qualificações..depois há custa disto outras tantas pessoas honestas levam p tabela e são alvo de desconfianças injustificadas. Acho q acabou p ser vitima de logro e abuso de confiança, mas na prática o tempo e dinheiro q acabou p perder c isto, já n é recuperável. Há a OA e os processos disciplinares,mas n deve levar a lugar algum senão perder ainda mais tempo c o caso. Objectivamente e respondendo à sua pergunta, se eu me visse na sua situação despedia-a tal como fez assim q o beneficio da dúvida fosse esclarecido e c isso na seguinte contratação já seria mais cautelosa.
  7. arqpatricio, Na minha opinião para prevenir estes enganos que acontecem de parte a parte, nada como definir mto bem as regras do jogo logo desde o início: -organização do trabalho do atelier (pastas/ficheiros, layers, canetas/layouts/plotters, bibliotecas/catálogos, etc...), -competências e organigrama do pessoal (a quem e qdo é q pode expôr dúvidas), horário e calendário (férias) de trabalho, objectivos/metas a cumprir, -remuneração e possibilidade de prémios face desempenho. É claro q depois há q haver alguma flexibilidade e capacidade de encaixe de acordo c as circunstâncias q vão surgindo, mas se as linhas orientadoras forem logo dadas à partida, torna-se depois mto mais facil cumpri-las. Agora tenho q concordar c o outro colega em relação ao período experimental. É naturalíssimo q durante os primeiros tempos um novo colaborador ande um bocado às aranhas num atelier q n conhece e p isso este 1º mês precisa de 1 pouco mais de acompanhamento até p confirmar se a nova pessoa tem de facto o perfil q se pretendia. No seu caso, se tivesse podido estar mais presente neste 1º mês teria concerteza prevenido os outros 4/5 meses de engano. Se à colaboradora lhe tivessem logo apresentado as regras da casa, rapidamente voçê se teria apercebido q afinal o problema n era de desadaptação ao novo método de trabalho, mas sim inaptidão p o trabalho. Agora em relação ao autoCAD e normas de representação, pessoalmente ainda estou p ver 1 estagiário q os domine
  8. pintor, n fiz um comentário, estava a sugerir como tema da tese de mestrado integrado, fazer uma dissertação sobre os temas mais escolhidos pelos colegas arquitectos p concluir o curso. é começar p fazer 1 levantamento de todas as teses q já foram feitas dd q bolonha foi adoptado e ver se há matéria p estudo. se calhar daí percebe-se q há 1 tendência p determinados temas e tb q eventualmente cada 1 dos cursos de arquitectura gera p parte dos seus alunos mais interesse p determinada área. sociolgicamente pode ser mto interessante
  9. E fazer uma tese sobre as outras teses?! q temas têm os novos mestrado integrados escolhido? o q move a nova geração bolonha? útil sociológicamente e original
  10. cada um sabe de si, mas uma mulher-a-dias ganha facilmente mais de 5,5€/hora, um trolha 7€/hora e um qq empregdo de balcão tb chega ao final do mês com mais de 800€
  11. mmm...então MikeMoldao se nunca tiveste geometria descritiva isso muda de figura. aconselho-te a estudar qq coisa antes do ano começar: pegar nuns livros ou pedir a algum amigo q te dê umas explicações. Mais uma vez n te digo isto p puderes fazer a cadeira, mas porque e tal como o gibag disse estas cadeiras são no seu conteúdo essenciais p 1 arquitecto
  12. a analogia com o vomitado é devido à sua característica informe e compulsiva - sai de repente e é o que saiu! não há tempo p gdes reflexões
  13. E não tens de fazer exames de matemática A e geometria A para te candidatares?! Tive uma colega que veio do agrupamento 1, teve 1 ano de geometria B no 12º ano, mas depois estudou no verão p o exame de geometria A, fê-lo e entrou. A geometria n era nada dificil, qto ao desenho qto maior for a tua facilidade melhor, não necessáriamente para fazer a cadeira de desenho, mas para poder servir como ferramenta de trabalho para projecto. Nada como praticar. Aproveita o verão e começa a desenhar, revê conceitos de perspectiva, dá uma olhadela nas dicas de livros de desenho à mão livre, pega num bloco e vai para a rua (isto é o q o prof de desenho vai mandar fazer)
  14. A minha experiência é bastante singular e portanto volto-vos a dizer que provavelmente n serei a pessoa mais indicada p vos dar informação ACTUALIZADA sobre o curso, pois eu fiz parte do primeiro ano em que o IST abriu para Arquitectura e portanto durante todo o meu curso a minha turma e a outra serviram um pouco como cobaias. Sei que após a nossa passagem, o curso foi sendo optimizado, houve cadeiras que sairam, outras que mudaram de nome, outras que mudaram de ano ou de semestre e outras ainda que mudaram de programa. Acredito que as mudanças foram p melhor! A grande desvantagem que encontrei no IST foi devido a sermos novidade ainda não haver biblioteca de arquitectura, nem haver salas e espaço fisico com condições para acolher este curso, i.e, não havia uma oficina onde pudessemos fazer e guardar maquetes. Agora entretanto passaram-se 11 anos e portanto a biblitoteca melhorou (n sei se já é suficiente, mas dificilmente poderá concorrer com a da FAL) e qto às salas/oficinas desconfio q deve continuar na mm. Em relação ao ambiente, a minha experiência diz-me que dependia do ano. Havia anos em que parecia que se davam todos bem, havia outros onde se notava competição e atritos. Espero ter ajudado, boas escolhas!
  15. se é engenheiro civil como dizes, então p quê uma pergunta de estrutura num forum de arquitectura?! ou será antes uma pergunta no âmbito da legislação? eu pessoalmente n percebo a pergunta, daí ter pedido um desenho
  16. Bom, apesar de ter o feito o curso no IST, n sei se vos posso ajudar mto, pq qdo o fiz ainda foi antes de bolonha e portanto neste momento n sei como o curso está. Em relação às matemáticas e fisicas, para quem vem do agrupamento I não tem qq tipo de problema, pois tiveram a mm matemática que vindos do agrupamento de artes. Se não tiveram física depois do 9º ano, tb dá p contornar, pq há imensas disciplinas na área que fazem uma abordagem progressiva : estática, resistencia de materiais, analise e concepção de estruturas, concepçao e dimensionamento de estruturas, geotecnia e fundações, fisica de contruções... é claro que do choque inicial ninguém se livra, mas depois não é problema Quanto à matemática é q n sei, mas na minha altura o exame de matemática A era especifica, e portanto quem n a tivesse feito nem se podia candidatar A meu ver a pior cadeira, é mm probabilidades e estatistica- que é uma cadeira comum a todas as engenharias e matemática aplicada, o q p nós arquitectos se torna dificil qb. Qto às matemáticas n é q sejam faceis, mas são só duas e os exames são bastante acessiveis. Recomendo-vos que oiçam a opinião tb de alguém q já tenha feito o curso com o novo plano curricular- com o mestrado integrado, pois julgo q o curso sofreu bastantes alterações
  17. ?!? não tem um desenho para perceber melhor a questão? de qualquer forma essa pérgola, devido à força da gravidade, terá que descarregar o seu peso próprio nalgum sitio
  18. peço desculpa pela perca de aspas do post anterior q citei de Luis Manata
  19. subscrevo totalmente! muito bem frisado estes 5 anos de "experiência" impostos pelas ordens. é que na verdade o que se passa é que por "experiência" a OA compreende somente o pagamento das cotas! a OA não está a velar pelo bem de ninguém: n protege os arquitectos juniores nem acrescenta em qualidade o serviço pelos seus membros prestado. outro ponto aqui tb q considero mto bem levantado é que os arquitectos q agora se estão a voltar para esta especialização, n o fazem, na sua grande maioria, p se encostar à arquitectura e fazer uns dinheiros, como aqui neste topico já foi maldosamente sugerido p alguém ...o q se passa é q o mercado está complicado e nem todos têm a sorte de poder estar a projectar
  20. bom...as ordens regulam o funcionamento das respetivas classes porfissionais....em relação a isso, esse conflito deverá ser resolvido pelas partes envolvidas: estado e ordem
  21. a liberdade de expressão tem muito a ver com o prof de projecto q te vai calhar. há realmente arquitectos mais formatados q têm dificuldade em aceitar outras abordagens/linguagens arquitétonicas. p mim um bom prof é aquele q consegue transmitir conhecimentos, abrir horizontes, sem no entanto interferir na linguagem. não vim da faup, portanto n te poderei dar as melhores informações, mas o q te posso dizer é q em portugal só houve verdadeiramente uma doutrina- a escola do porto, todas as outras faculdades n chegaram a fazer escola atenção "escola" como modelo de apredizagem, modo de pensar, modo de operar... entretanto já se passarm muitas decadas, nasceram muitas outras faculdades, e entrámos na grande era da troca de informação e comunicação, portanto n sei se esta realidade ainda se manterá válida
  22. n é preciso anos nenhuns de experiência p tirar o doutoramento! e até se pode fazer directamente logo a seguir aos 5 anos da antiga licenciatura, sem passar pelo mestrado antigo, desde que se terminasse com média igual ou superior a 16... isto em portugal. em contrapartida p vários paises estrangeiros n é preciso esta nota, basta cartas de recomendação. agora com bolonha, n sei ao certo, mas deve-se manter os mesmos critérios parece-me um abuso por parte das ordens profissionais este controle sobre as opcções profissionais dos seus membros efectivos q já fizeram prova das suas aptidões. n me parece muito constitucional... é q, convenhamos, uma coisa é exigirem os 5 anos de experiencia p os profissionais puderem tutorizar estagios, q acho bem, mas outra bem diferente é esta de vedarem acesso a uma especialização dentro da prórpia área profissional
  23. muito bem, então peço-lhe q contra-argumente, sou toda ouvidos
  24. é possivel q no meu curso realmente tenha tido formação mais especifica q os de engenharia, n me admirava nada, mas no entanto eu n estou a dizer q n é preciso formação e nunca disse isso. é preciso é n confundir formação com avaliação de conhecimentos. seja aonde for q se obtenha essa formação despois há q ser aprovado no exame da adene p poder em pleno exercer a função de perito qualificado. aonde ponho muitas ressalvas é nessa exigência das ordens, quer dos arquitectos, quer dos engenheiros, em exigir 5 anos de pratica profissional p se puderem inscrever p exame! n concordo com este requesito, nem vejo justificação p tal
  25. esse fenómeno que refere de projectar "à maneira de " tem um nome - má arquitectura! e acredite q a formação q tive n foi em nada superficial.
×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.