Jump to content
Arquitectura.pt


Viana do Castelo | Coliseu de Viana do Castelo | Eduardo Souto Moura


Recommended Posts

Arrancam no início de 2008 as obras de construção do Coliseu de Viana do Castelo, uma obra da autoria do arquitecto Souto Moura e que vai nascer na frente ribeirinha da cidade, num investimento de 11,2 milhões de euros. A empreitada foi adjudicada esta sexta-feira pela Câmara Municipal de Viana a um consócio constituído por duas empresas, entre as quais a Alberto Mesquita, responsável pelas obras da Casa da Música, no Porto, ou do Pavilhão Multiusos, em Lisboa.

“É uma empresa que nos merece absoluta confiança tecnicamente”, afirmou o autarca Defensor Moura, comentando a adjudicação da empreitada, que deverá “arrancar em breve”, para estar concluída “dentro de 18 meses”. O equipamento contará com capacidade máxima de 4000 pessoas e uma “vocação especial” para grandes exposições, circo, congressos e espectáculos musicais. A expectativa da autarquia é de inaugurar o equipamento em 2009, ainda integrado nas comemorações dos 750 anos da fundação do município.

Formalmente, o edifício define-se por uma mesa onde pousará uma caixa de alumínio, e todos os equipamentos necessários para o funcionamento das diversas actividades promovidas no seu interior: ar condicionado e toda a rede de condutas, posto de transformação, grupo de emergência, caldeira, depósitos de água, pára-raios. A imagem global pretende estar associada à Arquitectura naval, havendo uma relação com a imagem do navio Gil Eannes.
O Pavilhão Multiusos será um espaço vocacionado para eventos culturais e desportivos.
Os acessos principais são realizados nos topos Norte e Sul, existindo nos restantes alçados, entradas de serviço.
O seu interior será amplo e permeável, possibilitando a visão sobre o rio ao nível do piso de entrada. Pretende-se que a sua transparência o torne o mais leve possível, junto dos outros edifícios.
A altura prevista é de 10.65m, até ao topo da estrutura metálica, e de 8.15m medido até à cobertura.
O recinto do pavilhão encontra-se enterrado 3.5 metros relativamente à cota de entrada, realizando-se a transição das duas cotas através de duas bancadas.

Fonte: www.radiogeice.com e www.vianapolis.pt
Link to post
Share on other sites
  • Replies 53
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

coliseu hehe nome curioso!

Há o livro das edições ASA da autoria de Cannatá e Fernandes com todos os desenhos de execução deste projecto "Pavilhão Multiusos de Viana do Castelo"


Pois existe... só que tenho andado à procura e já não o encontro à venda! Na altura que saiu vi-o e estava muito bom!
Link to post
Share on other sites

Naquela primeira imagem sugere ser um contraponto com a biblioteca, formando um conjunto com os restantes edifícios ao centro e respectiva praça. Pelo que se vê do ponto de vista urbano, que é pouco, parece que em volta vai ter menos espaço público do que a biblioteca, que será o edifício "espelho" se considerar-mos o meio da praça como eixo, e só não será assim por causa das galerias ao nível térreo. No entanto noto algum desiquilibrio formal... pelo menos assim ao longe, com a imagem pequena e sem se ver (quase) nada do edifício em si...

Não é incrível tudo o que pode caber dentro de um lápis?...

Link to post
Share on other sites
  • 1 month later...

"Arranca segunda-feira a construção do Coliseu de Viana do Castelo, da autoria do arquitecto Souto Moura e que vai ’nascer’ na frente ribeirinha da cidade, fruto de um investimento de 11,2 milhões de euros. A empreitada foi adjudicada pela autarquia a um consócio de duas empresas, entre as quais a Alberto Mesquita, responsável pelas obras da Casa da Música, no Porto, ou do Pavilhão Multiusos, em Lisboa. "É uma empresa que nos merece absoluta confiança tecnicamente”, afirmou Defensor Moura. A obra deverá ser consignada pela câmara segunda-feira, pelo que os trabalhos avançam para o terreno logo de seguida.
A empreitada deverá estar concluída dentro de 18 meses e equipamento contará com capacidade máxima de 4000 pessoas e uma “vocação especial” para grandes exposições, circo, congressos e espectáculos musicais. A implantar a 7,5m do rio Lima, numa área de 3792 m2 e elevando-se nove metros acima do solo, o piso térreo do Coliseu será totalmente em vidro “garantido a transparência entre a cidade e o rio”, explicou o presidente da Câmara. Permitirá a prática “de todo o tipo de modalidades desportivas” com um espaço de jogo de 44 por 26 metros, uma altura livre de 10,27m, quatro balneários e 1500 lugares. Assente em quatro pilares que sustentam toda a cobertura e o piso 3,55 metros abaixo do nível do solo, terá condições “ideais” para a realização de eventos culturais, como peças de teatro e projecção de cinema. Eventos com assistência em pé o número de espectadores poderá chegar aos 4000, através da transformação do recinto de jogo em espaço para plateia. A construção será assegurada em 60 por cento pela venda ao Estado, por parte da câmara, de dois edifícios em construção na Praça da Liberdade – a poucos metros do futuro Coliseu -, para receberem serviços de três ministérios, para além de fundos comunitários."



Fonte: www.radiogeice.com

Link to post
Share on other sites

Sem querer ser demasiado "venenoso", até porque gosto da intervenção geral do VianaPolis, acho que seria interessante debruçar-nos um pouco sobre a diferença entre "multiusos" e "coliseu". Será um espaço de espectaculos, ou também terá exposições, actividades, eventos... Se imaginarmos na perspectiva da "encomenda" esta simples troca de denominação pode condicionar bastante o projecto, uma vez que o mesmo assume o seu programa. Sabemos que o Arq.º Eduardo Souto Moura desenhou um pavilhão multiusos...será que tinha desenhado da mesma forma um coliseu? Estas pequenas questões fazem o dia da dia da arquitectura e dos arquitectos, as "denominações" induzidas por outros, que por vezes compreendemos, e outras desconhecemos, são uma constante. Eu pessoalmente acho que o arquitecto devia participar do nome da "coisa"... Sobre o projecto, sublinho que deve ser analisado em conjunto com o Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha e Campo d´Agonia, uma vez que este condiciona a sua implantação, volumetria e induz os espaços vazados que mantêm a relação entre a frente ribeirinha, pré-polis, com o rio (relação que deve ser entendida como um tributo ao Arq.º . Fernando Távora)

Link to post
Share on other sites
  • 2 weeks later...

Please sign in to comment

You will be able to leave a comment after signing in



Sign In Now

×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.