Jump to content
Arquitectura.pt


Edifício Comercial - Desconstrutivismo


Recommended Posts

Resolvi ter como base a obra de Eisenman, tendo como base as formas dos predios em volta e criando um "mix" entre eles. eis aqui um estudo inicial, o volume maior terá 64m de altura e a chaminé não quero coloca-la abaixo pois seria um crime para com a memoria do Bairro e pode ser vista no panorama anexado Podem falar o que quiser, me corrigam se estiver errado, pois as opiniões de vcs é muito importante.

Link to post
Share on other sites
  • Replies 52
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

Olá, Tal como referiste, a envolvente foi um elemento bastante importante na resolução da tua proposta. Assim sendo, deveria estar presente nos renders que fizeste. O "objecto" surge isolado e a única referencia que existe é a chaminé industrial. Penso que deves ponderar a escala do edifício face à envolvente, na medida em que um dos volumes que propões seja superior à chaminé... No geral, questiono-me bastante quando às formas e linguagens arquitectónicas que desenhaste... gostaria de perceber um pouco melhor a sua relação urbana e a sua materialidade. Um render interior também iria ajudar a perceber as tuas intenções espaciais. E agora uma curiosidade: O helicoptero aterra na plataforma e onde é que as pessoas entram para o edifício? :) Abraços

Link to post
Share on other sites

vou por a relação de entorno, mas ainda não tenho interiores pois isso é apena uma massa de estudo, tem muito ainda para ajeitar, e o helicoptero tb ainda é estudo não sei se será necessario ainda irei na Infraero pesquisar a necessidade, tais como quantidade de helicopteros aqui em salvador e o uso se for um grande uso deste meior transporte colocarei se não a cidade ja tem alguns que servem.

Link to post
Share on other sites

Edificação Comercial padrão Triple A Programa inicial Lobby / Street Mall - Supermercado -Lanchonetes/Restaurantes -20 lojas -1 Loja âncora -1 cinema Pavimentos Tipo Livres com apenas Core -Terraço 1 -Area de vivência Terraço 2 - Area de Vivencia 2 16º andar do volume maior Restaurante de Luxo Panorâmico

Link to post
Share on other sites

Atenção aos "recantos" gerados pelos volumes cúbicos. As brisas e os ventos arrastam alguns lixos que se acabam por acumular nesses recantos. As cidades estão cheias de recantos que por vezes se tornam dormitório dos sem abrigo. Aconselho-te a leitura de "Diagram Diaries" de Peter Eisenman. :) Abraços

Link to post
Share on other sites

sobre os "recantos" que vc se refere seria a partes com menos 90° geradas pela junção dos solidos?


Exactamente, o ponto de contacto dos sólidos gera espaços um pouco estranhos na vivência da cidade.
É um trabalho para a disciplina de projecto? De que ano?

Abraços :)
Link to post
Share on other sites

Sim é projeto, do 6° Semestre 4º ano,sobre os recantos então o que seria uma boa solução? para tal? não quero fechar meu empreendimento, pois seu primeiro pavimento é publico..... cração de jardins externo que se integrem com a parte interna do predio?? é meu primeiro predio comercial ja que no primero ano foi Casa, no 2º voltada mais para o social, e o terceiro urbanismo.. e tenho muitas duvidas

Link to post
Share on other sites

Atenção aos "recantos" gerados pelos volumes cúbicos. As brisas e os ventos arrastam alguns lixos que se acabam por acumular nesses recantos.

As cidades estão cheias de recantos que por vezes se tornam dormitório dos sem abrigo.

Aconselho-te a leitura de "Diagram Diaries" de Peter Eisenman.

:)
Abraços


São os chamados cantos para fazer chichi
Link to post
Share on other sites

Haha esses cantos são bastante usados, iclusive por mim, lembrei agora que no bairro ah uma festa muito famosa o dia 2 de fevereiro , dia de iemanja. será que esses cantos sofreriam???


Alguns são óptimos para quando se está mais aflito... :)

E será que esses teus espaços "não pensados" têm escala suficiente para serem usados?
Já pensaste no que acontece nos "recantos" do Museu Judaico em Berlim do Daniel Libeskind?

Imagem colocada
Link to post
Share on other sites

A relação da proposta com a envolvente parece-me um pouco conflituosa. Vê-se que a realidade em volta do edifício é muito variada e sem principios reguladores, mas daí a intruduzir um objecto ainda mais conflituoso... bem, digamos que tenho as minhas dúvidas, principalmente por não compreender o porquê dessa opção... A chaminé industrial é mantida como uma memória do passado, mas parece não passar disso mesmo, porque em nada se relaciona com o projecto... Penso que o que falta é mais alguma informação sobre os principios do projecto...

Não é incrível tudo o que pode caber dentro de um lápis?...

Link to post
Share on other sites

Ainda não tenho muitas infomações do que fazer, porem esse é um modelo base, inicial, meu conceito é inserir um objeto caótico em uma região caótica , uma região esquecida uma mero ponto de passagem sem nenhum significado atual, porem com uma historia grande de belos artistas plasticos, autores...., Sobre a Chaminé , Dreamer, é isso mesmo não tem nada haver com o projeto , não quero demolir pois conheco a historia do local, uma antiga fabrica de papeis que fora transferia para uma zona industrial e seu edificio ali instalada foi quase tombada porem forças do governo impediram seu tombamento e um instalação naquele predio de um "centro comunitário" como o Sesc Pompeia da Lina Bo Bardi, a população pediu naquela epoca um arquitetura melhor , uma boa intervenção ali poderia ter sido até a propria Lina Sobre o meu metodo de trabalho, ainda é um estudo de massa de uma forma surgida em um croqui, baseado nas formas mixadas de todos os predios adicionando alguns solidos em posições diferenciadas para dar um tom diferente, sim foi puramente estetico ainda tem muito para caminhar até sair do forno, perfeito como eu quero.

Link to post
Share on other sites

Sobre o que falas, se ainda existem vestigios dessa tal fábrica de papel, porque não reaproveitá-los, inserindo-os na nova proposta?... Não sei se o existente tem interesse, ou sequer se é passível de ser recuperado condignamente, mas a ser possível, provavelmente faria mais sentido, do ponto de vista histórico, do que a mera manutenção da chaminé... até porque a fábrica era muito mais do que a chaminé...

Não é incrível tudo o que pode caber dentro de um lápis?...

Link to post
Share on other sites
  • 4 weeks later...

Os meus parabéns para todos vc's, por uma coragem notavel, em publicar este tipo de trabalhos. Já agora, e desculpem a repetição, mas os parabens pela escolha da faculdade. Não sou critico, nem mesmo excelente aluno, mas num quarto ano, um exercicio deste tipo? Pouco li dos textos aqui apresentados, mas na verdade, n percebo analise aqui feita ao Museu do Daniel Libesking, a beleza do mar n esta so nas ondas. Recantos, angulos agudos, esquinas, o k eu por vezes chamo de cosador de costas, isso é tema de abordagem para um novo projecto, pergunto eu? Geralmente são problemas, k nos alunos e futuros arquitectos vamos ter para resolver? Falam de Eiseman, de descontrotivismo, mas por detras de toda aquelas formas existem uma logica um pensamento um conceito. Desculpem a minha falta capacidade de raciocinio.

Link to post
Share on other sites

Os meus parabéns para todos vc's, por uma coragem notavel, em publicar este tipo de trabalhos. Já agora, e desculpem a repetição, mas os parabens pela escolha da faculdade. Não sou critico, nem mesmo excelente aluno, mas num quarto ano, um exercicio deste tipo? Pouco li dos textos aqui apresentados, mas na verdade, n percebo analise aqui feita ao Museu do Daniel Libesking, a beleza do mar n esta so nas ondas. Recantos, angulos agudos, esquinas, o k eu por vezes chamo de cosador de costas, isso é tema de abordagem para um novo projecto, pergunto eu? Geralmente são problemas, k nos alunos e futuros arquitectos vamos ter para resolver? Falam de Eiseman, de descontrotivismo, mas por detras de toda aquelas formas existem uma logica um pensamento um conceito. Desculpem a minha falta capacidade de raciocinio.


É por toda essa lógica de pensamento que confrontamos o trabalho do faroeste perante as suas afirmações:

Sobre o meu metodo de trabalho, ainda é um estudo de massa de uma forma surgida em um croqui, baseado nas formas mixadas de todos os predios adicionando alguns solidos em posições diferenciadas para dar um tom diferente, sim foi puramente estetico ainda tem muito para caminhar até sair do forno, perfeito como eu quero.


Não querendo por em causa o seu método de trabalho, parece-me que as formas e os espaços surgem um pouco "aleatóreamente".
Todas essas formas surgem através de uma evolução permanente... No caso do Museu do Libeskind, muitas das formas provêm de reminiscências e simbologias judaicas.

:)
Link to post
Share on other sites

não penso em trabalhar com simbologias do local em conversas com meu professor ele me explicou como iniciar a ideia, podria partir de uma continuidade do ritmo dos predinhos de 4 ou 5 andares assim aceitando a escala destes em relação ao meu a ideia dele seria criar uma coisa ortogonal com linhas paralelas e perpendiculares a rua ai eu dei a ideia de quebrar esta ortogonalidade deixando o espaço dinamico fazendo uma interação com um espaço verde que será posto fora e a parte interna partindo de traços como voce disse aleatorios como um escultura de Mario Cravo apartir deste partido urbanistico de "brincar com o caos" desconstruindo a malha urbana tirei minha primeira plantinhas esquematica do nivel um do Street mall com veias que se unem numa grande plaza ps. As marcas são somente uma brincadeira

Link to post
Share on other sites

Filtar a informação e referir o k relmente é importante, tona-se mais facil. Gostei desta ultima imagem, da brincadeira como fora chamado. Só me interrogo pq os percursos, k penso serem pedonais n se relacionam, havendo uma continuidade, nem alinhamentos. Um dos principios da casa da musica, o percorrer todo o edificio como k esse fosse uma continuidade da rua, pena n estar a ser ussado c tal, pois parece-me interessante, percorrer a "rua" e ver e ouvir, isso é arquitectura exposta nas nossas ruas, pelo menos algumas. Acho k esse "castanho" deve ser completamente fornecido a quem o pretender penetrar completamente publico. afinal o ké? habitação comercio

Link to post
Share on other sites

Filtar a informação e referir o k relmente é importante, tona-se mais facil.
Gostei desta ultima imagem, da brincadeira como fora chamado. Só me interrogo pq os percursos, k penso serem pedonais n se relacionam, havendo uma continuidade, nem alinhamentos. Um dos principios da casa da musica, o percorrer todo o edificio como k esse fosse uma continuidade da rua, pena n estar a ser ussado c tal, pois parece-me interessante, percorrer a "rua" e ver e ouvir, isso é arquitectura exposta nas nossas ruas, pelo menos algumas.
Acho k esse "castanho" deve ser completamente fornecido a quem o pretender penetrar completamente publico. afinal o ké? habitação comercio


um edificio de uso comercial com serviços para empresas de tecnologia ou não e outros profissionais alem deste street mall que coloquei a imagem.
Link to post
Share on other sites
  • 2 weeks later...

Please sign in to comment

You will be able to leave a comment after signing in



Sign In Now

×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.