Jump to content
Arquitectura.pt


Recommended Posts

... Pois é ARK.. com estas atitudes... com este galdiar de competências e incompetências não vejo fim à vista... Mais surpreendido fico com a tua posição... deveras irreflectida, irresponsável tecnicamente e deontologicamente incorrecta... O ARK envergonha-me com estas palavras... tenho que concordar com os pontos abordados pelo Vitor Nina. Mostram lucidez, ponderação e o caminho a seguir para o futuro do relacionamento arquitecto/ engenheiro...

Quem cria renasce todos os dias...
Agua-Mestra, Lda
Não sou perfeito, mas sou muito critico...

Link to post
Share on other sites
  • Replies 210
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

Top Posters In This Topic

Popular Posts

o dificil nao é entrar em eng. civil, de facto qq palerma entra... o dificil é sair... de facto é dificil entrar em arquitectura... mas qq palerma sai desse curso... de facto acho que voces nao tem a

loool provoca dor de cotovelo pois... a voces... pk nao sei porque raio, continuam incesantemente a atacar os engenheiros... gabas te de desenhar mil vezes melhor que eles? wooow incrivel, nao fosse e

... Pois é ARK.. com estas atitudes... com este galdiar de competências e incompetências não vejo fim à vista... Mais surpreendido fico com a tua posição... deveras irreflectida, irresponsável tecnicamente e deontologicamente incorrecta... O ARK envergonha-me com estas palavras... tenho que concordar com os pontos abordados pelo Vitor Nina. Mostram lucidez, ponderação e o caminho a seguir para o futuro do relacionamento arquitecto/ engenheiro...

Quem cria renasce todos os dias...
Agua-Mestra, Lda
Não sou perfeito, mas sou muito critico...

Link to post
Share on other sites
Deantologicamente incorrecto é a quota que pago à ordem, para de 6 em 6 meses ter em minha posse um ofício que me habilita a assinar projectos de Arquitectura, tal como vários técnicos sem formação para isso.

Deantologicamente incorrecto, era o espartilho às universidades para entrar na Ordem, enquanto assuntos como o 73/73, estão por resolver.

Deantologicamente incorrecto, é eliminar listas candidatas, por pura sede de poder.

Deantologicamente fútil, é assistir as reuniões no plenário da Ordem, sabendo como qualquer Arquitecto sabe, que aquilo é um poleiro e nunca se resolver nada, anos após anos, solenidades que resultam em nadas.

Deantologicamente incorrecto, é pensar que "já desde 73 que é assim", porquê mudar?

Deantologicamente incorrecto é ver que está aí o 60/2007 de 4 de setembro e está tudo na mesma porra.

Não me falem em Deantologicamente incorrecto, quando alguém abdica do cargo de Bastonário da OA, para chegar a tempo das Autárquicas de Lisboa. Esta ordem é uma vergonha, não há aqui deantologia nenhuma, a não ser uma enorme sede de poder.

Deantologicamente incorrecto porquê, se nos fazem o mesmo?

Não me falem portanto de dentologicamente incorrecto, quando andamos à mais de 30 anos nisso, não suporto esta hipocrisia.

Eis a solução Sr. Arquitectos, vivem em constante suspense, com a muito debatida e nunca resolvida situação do 73/73, a ordem não serve para nada, estão cansados de serem relegados para segundo plano no mundo da construção, os projectos de Arquitectura são feito por não Arquitectos, numa situação que configura injusta concorrência? Por outras palavras, a vossa intervenção é vista como "fútil", "meramente estética". Então, façam aos outros, aquilo que vos fazem, sem dó. Aprendam e assinem projectos de Engenharia.

Desculpem a sinceridade e a falta de uns adornos cor de rosa, é a flor do meu espírito, muito gaiato e ainda pouco sofisticado.
Link to post
Share on other sites
Deantologicamente incorrecto é a quota que pago à ordem, para de 6 em 6 meses ter em minha posse um ofício que me habilita a assinar projectos de Arquitectura, tal como vários técnicos sem formação para isso.

Deantologicamente incorrecto, era o espartilho às universidades para entrar na Ordem, enquanto assuntos como o 73/73, estão por resolver.

Deantologicamente incorrecto, é eliminar listas candidatas, por pura sede de poder.

Deantologicamente fútil, é assistir as reuniões no plenário da Ordem, sabendo como qualquer Arquitecto sabe, que aquilo é um poleiro e nunca se resolver nada, anos após anos, solenidades que resultam em nadas.

Deantologicamente incorrecto, é pensar que "já desde 73 que é assim", porquê mudar?

Deantologicamente incorrecto é ver que está aí o 60/2007 de 4 de setembro e está tudo na mesma porra.

Não me falem em Deantologicamente incorrecto, quando alguém abdica do cargo de Bastonário da OA, para chegar a tempo das Autárquicas de Lisboa. Esta ordem é uma vergonha, não há aqui deantologia nenhuma, a não ser uma enorme sede de poder.

Deantologicamente incorrecto porquê, se nos fazem o mesmo?

Não me falem portanto de dentologicamente incorrecto, quando andamos à mais de 30 anos nisso, não suporto esta hipocrisia.

Eis a solução Sr. Arquitectos, vivem em constante suspense, com a muito debatida e nunca resolvida situação do 73/73, a ordem não serve para nada, estão cansados de serem relegados para segundo plano no mundo da construção, os projectos de Arquitectura são feito por não Arquitectos, numa situação que configura injusta concorrência? Por outras palavras, a vossa intervenção é vista como "fútil", "meramente estética". Então, façam aos outros, aquilo que vos fazem, sem dó. Aprendam e assinem projectos de Engenharia.

Desculpem a sinceridade e a falta de uns adornos cor de rosa, é a flor do meu espírito, muito gaiato e ainda pouco sofisticado.
Link to post
Share on other sites

Acho que estamos a aproveitar a ocasão para expor aqui a nossa opinião sobre porque é que a arquitectura é tão necessária, como o pão e a água, ou quase. Primeiro, sempre foi assim, desde todos os tempos. Arte anda de mãos dadas com a religião. E sempre foi bem paga! E se pagam por elas, e eu sinto-me um artista, eu vou lá fazer o serviço. Tens algum problema com isso?

Link to post
Share on other sites

Acho que estamos a aproveitar a ocasão para expor aqui a nossa opinião sobre porque é que a arquitectura é tão necessária, como o pão e a água, ou quase. Primeiro, sempre foi assim, desde todos os tempos. Arte anda de mãos dadas com a religião. E sempre foi bem paga! E se pagam por elas, e eu sinto-me um artista, eu vou lá fazer o serviço. Tens algum problema com isso?

Link to post
Share on other sites

Não pá, agora a última, vinda directamente do vulgo é que "isso é fútil" pá.


Não sr. arquitecto. O que é futil não é ser do vulgo, "pá". É não ter a mínima capacidade de dar uma resposta directa e certeira a uma questão simples e por-se a divagar pelo "ensino em portugal", o decreto lei 73/sei lá das quantas e mais buchas não sei de aonde.
Ninguém lhe perguntou nada sobre isso. Isso nunca este em questão.

I´m OUT TOO
Link to post
Share on other sites

Não pá, agora a última, vinda directamente do vulgo é que "isso é fútil" pá.


Não sr. arquitecto. O que é futil não é ser do vulgo, "pá". É não ter a mínima capacidade de dar uma resposta directa e certeira a uma questão simples e por-se a divagar pelo "ensino em portugal", o decreto lei 73/sei lá das quantas e mais buchas não sei de aonde.
Ninguém lhe perguntou nada sobre isso. Isso nunca este em questão.

I´m OUT TOO
Link to post
Share on other sites

Mas ficou alguma coisa por responder ainda? Não consigo ser mais claro...o 73/73 tem todo o relevo, aliás, é o âmago.


Não.
Rama deixou bem claro a sua questão, ou melhor, a sua incompreensão, e foi esta a frase que revoltou todos vós:
"arquitectura é fútil"
Porque é que não tentamos raciocinar um pouco sobre isto, e APENAS sobre isto?
Em primeiro lugar, vamos exprimentar substituir a palavra arquitectura ela palavra arte. "Arte é fútil"! assim ainda choca mais.

Desde que o Homem é Homem que é tb artista. Porque pinta as cavernas? Porque pinta os seus próprios corpos? Futilidade?? Aconselho-o a ler os "Tristes Trópicos" de Levi Strauss.
Arte é a prova da nossa humanidade, porque não há certezas de que algum outro animal seja capaz de sentir a beleza sublime, nenhum outro animal é capaz de ser poeta.
É a prova de que demos um passo em direcção a Deus.

Ok, não é tão necessário como o pão. Mas tb o ar é mais necessário do que o pão. Porventura isso faz o pão algo "fútil"?
Arte é Vida! Alguns já reconheceram, outros ainda não, ou nunca o farão. Mas mesmo os que não sabem isso conscientemente, são capazes de sentir aquela pele de galinha arrepiar-lhes o corpo inteiro.

Agora, que nem tudo o que fazemos é arte, isso é um assunto completamente diferente.
Link to post
Share on other sites

Mas ficou alguma coisa por responder ainda? Não consigo ser mais claro...o 73/73 tem todo o relevo, aliás, é o âmago.


Não.
Rama deixou bem claro a sua questão, ou melhor, a sua incompreensão, e foi esta a frase que revoltou todos vós:
"arquitectura é fútil"
Porque é que não tentamos raciocinar um pouco sobre isto, e APENAS sobre isto?
Em primeiro lugar, vamos exprimentar substituir a palavra arquitectura ela palavra arte. "Arte é fútil"! assim ainda choca mais.

Desde que o Homem é Homem que é tb artista. Porque pinta as cavernas? Porque pinta os seus próprios corpos? Futilidade?? Aconselho-o a ler os "Tristes Trópicos" de Levi Strauss.
Arte é a prova da nossa humanidade, porque não há certezas de que algum outro animal seja capaz de sentir a beleza sublime, nenhum outro animal é capaz de ser poeta.
É a prova de que demos um passo em direcção a Deus.

Ok, não é tão necessário como o pão. Mas tb o ar é mais necessário do que o pão. Porventura isso faz o pão algo "fútil"?
Arte é Vida! Alguns já reconheceram, outros ainda não, ou nunca o farão. Mas mesmo os que não sabem isso conscientemente, são capazes de sentir aquela pele de galinha arrepiar-lhes o corpo inteiro.

Agora, que nem tudo o que fazemos é arte, isso é um assunto completamente diferente.
Link to post
Share on other sites

Não.
Rama deixou bem claro a sua questão, ou melhor, a sua incompreensão, e foi esta a frase que revoltou todos vós:
"arquitectura é fútil"
Porque é que não tentamos raciocinar um pouco sobre isto, e APENAS sobre isto?
Em primeiro lugar, vamos exprimentar substituir a palavra arquitectura ela palavra arte. "Arte é fútil"! assim ainda choca mais.

Desde que o Homem é Homem que é tb artista. Porque pinta as cavernas? Porque pinta os seus próprios corpos? Futilidade?? Aconselho-o a ler os "Tristes Trópicos" de Levi Strauss.
Arte é a prova da nossa humanidade, porque não há certezas de que algum outro animal seja capaz de sentir a beleza sublime, nenhum outro animal é capaz de ser poeta.
É a prova de que demos um passo em direcção a Deus.

Ok, não é tão necessário como o pão. Mas tb o ar é mais necessário do que o pão. Porventura isso faz o pão algo "fútil"?
Arte é Vida! Alguns já reconheceram, outros ainda não, ou nunca o farão. Mas mesmo os que não sabem isso conscientemente, são capazes de sentir aquela pele de galinha arrepiar-lhes o corpo inteiro.

Agora, que nem tudo o que fazemos é arte, isso é um assunto completamente diferente.


Não querendo entrar em discussões alheias...
Pessoalmente choca-me mais a afirmação de que a arquitectura é fútil do que a arte é fútil.
Primeiro: quem diz que a arquitectura é fútil ou tem grandes argumentos ou então não sabe o que diz. Neste caso, baseado no que li, a afirmação que levou a tudo isto enquadra-se na segunda hipótese.
Segundo: assumir que a Arquitectura é uma arte sem reflectir muito sobre isso e sem argumentar sobre isso é em si uma barbaridade, porque é algo que ainda hoje não reúne consenso entre os próprios arquitectos.
Terceiro: (e aqui já é a forma como eu encaro a arquitectura e a arte) A arquitectura não é uma arte. A arte faz parte da arquitectura, sem dúvida, contudo a arquitectura tem que abranger outros campos diferentes, tanto técnicos como científicos, como até legais. É no saber controlar esta transdisciplinaridade que se encontra o desafio da arquitectura.
Link to post
Share on other sites
Guest
This topic is now closed to further replies.

×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.