Jump to content
Arquitectura.pt


Na casa de Helenita, mal cabem os braços abertos...


Recommended Posts



Imagem colocada
Imagem colocada


Imagem colocada
Imagem colocada


Imagem colocada
Imagem colocadaImagem colocada

Na casa de Helenita, mal cabem os braços abertos

Casa 'apertadinha' construída em Madre de Deus (BA) tem menos de 2 m de largura para sustentar 3 andares. E ela ainda vai ganhar cobertura Veja galeria de fotos
Adriana Carranca, Juca Varella A casa não poderia estar em local mais apropriado: Madre de Deus, a menor cidade da Bahia - com apenas 11 km2, o equivalente a três Cidades Universitárias da Universidade de São Paulo (USP)-, a pouco mais de 50 km de Salvador, na Baía de Todos os Santos. Quem vê, logo percebe que alguma força divina a segura de pé. São três pavimentos equilibrados em uma área de menos de 2 metros de largura, abrigando duas salas, cozinha, três suítes e uma varanda. Tudo apertadinho. Abrindo os braços, é possível encostar as mãos nas paredes.

A pitoresca residência chegou ao conhecimento do Estado por uma foto enviada por Valter Real ao projeto FotoRepórter, em que qualquer pessoa pode registrar cenas do cotidiano e enviá-las à redação - as imagens selecionadas ganham destaque no site e podem ser publicadas no jornal.

A foto chamou a atenção da reportagem, que entrou em contato com a dona da casa, Helenita Queiroz Grave Minho, de 43 anos. O "projeto" foi de autoria dela própria. "Eu quis aproveitar tudinho o que tinha de terreno", disse a moradora, que vive com o marido, Marco Antonio, de 46, três filhos, a mãe, a irmã e um cachorro.

Tudo começou com um "quartinho de bagunça" que Helenita teve idéia de construir nos fundos da casa para guardar os brinquedos da filha, de 8 anos. Depois, Helenita ficou desempregada e resolveu aproveitar um "resto de terreno" para construir outra casa, que, alugada, seria uma fonte de renda.

O problema era o terreno, muito estreito. Marco Antonio achou maluquice da mulher. "Até o pedreiro achou estranho quando eu encomendei o serviço, mas eu disse para ele: 'Faz uma estrutura bem boa que eu vou subir uma casa aí.' E subi dois andares. Ainda dá pra mais um." Mesmo desconfiado, o pedreiro aceitou o serviço, mas foi logo avisando que aquilo "não daria certo de jeito nenhum". E desafiou: "Nem uma geladeira entra em uma casa dessas". De fato, os móveis tiveram de ser desmontados para entrar na casa. A geladeira foi colocada pelo vão nos fundos, onde a largura é um pouco maior do que na frente.

Terminada a obra com duas suítes, sala e cozinha, Helenita não se deu por satisfeita. Convenceu Marco Antonio a usar o dinheirinho guardado para completar a casa de seus sonhos com mais uma sala, outro quarto e banheiro e uma varanda. "Foram dois anos de luta", diz. E a casinha nova, que começou modesta, terminou maior do que a antiga.

Hoje, a primeira casa rende à família R$ 700 por mês de aluguel. Já a nova residência, Helenita não aluga nem vende "por nada". "Não troco a minha casinha por dinheiro nenhum", diz, orgulhosa de ver terminada a sua obra. "É mais forte e segura do que as outras. Não balança nem com vento forte."

No início, a prefeitura criou problemas, mas com a planta acabou aceitando a obra, que hoje virou ponto turístico da cidadezinha de 12 mil habitantes. Na frente da casa, há bancos onde os turistas passam o tempo sentados a observar a estranha construção. Alguns, mais curiosos, pedem para entrar e tirar fotos. Helenita deixa. O casal agora tem planos para construir um quarto pavimento, na cobertura, "aberto, para lazer, com churrasqueira e tudo".


Link:
http://www.estado.com.br/editorias/2006/07/18/cid-1.93.3.20060718.29.1.xml

Não é incrível tudo o que pode caber dentro de um lápis?...

Link to post
Share on other sites

Bem... Fabuloso Sem dúvida que me faz lembrar os meus primeiros anos de faculdade quando andava pelas ruas a absorver formas e cores por onde quer que fosse passando. Ao passear pelos chamados bairros clandestinos encontrava algumas vezes destes deslumbramentos. Corpos que nascem e se formam face as necessidades de quem neles habita. Este é o tipo de projecto que mesmo que o sonhemos e imaginemos, logo o adulteramos por ser impossível... é só sonho. Afinal parece que talvez não...

Link to post
Share on other sites

cena marada! e o interior...não está com aqueles acabamentos manhosos próprios destas casas manhosas! só prova que isto foi mesmo feito com gosto!! lembro-me de ter visto uma vez um exemplo parecido com este, também no brasil. se o encontrar, ponho-o por aqui. é uma prática relativamente corrente para estas bandas, estou a ver...lol

Link to post
Share on other sites
  • 4 months later...

Arquitetura popular brasileira. Aqui também temos casas estreitas!

A residência, que abriga duas salas, cozinha, três suítes e uma varanda, pertence a Helenita Queiroz Grave Minho, 43 anos, e seu marido, Marco Antonio, 46 anos. Além dos dois, vivem na apertada casa três filhos, a mãe de Helenita, a irmã e um cachorro.
No terreno estreito, Helenita, ao ficar desempregada, resolveu construir uma casa para alugá-la, o que poderia ser uma fonte de renda. Marco Antonio achou maluquice, mas resolveu contratar um pedreiro, que, desconfiado, disse que nunca daria certo, afirmando que nem uma geladeira caberia na casa. E não coube. Os móveis da família tiveram que ser desmontados para entrar na casa.
Ao fim dos dois anos de obras, os donos ficaram satisfeitos com a residência, que era maior que a antiga. Assim, Helenita resolveu se mudar para a casa estreita e alugar a outra, que hoje rende um aluguel de R$ 700 por mês. A prefeitura da cidade de 12 mil habitantes criou problemas, mas após a apresentação da planta, acabou aceitando o novo ponto turístico da cidade, onde turistas sentam-se em bancos em frente à casa para tirar fotos. "

"Adriana Carranca, Juca Varella
A casa não poderia estar em local mais apropriado: Madre de Deus, a menor cidade da Bahia - com apenas 11 km2, o equivalente a três Cidades Universitárias da Universidade de São Paulo (USP)-, a pouco mais de 50 km de Salvador, na Baía de Todos os Santos. Quem vê, logo percebe que alguma força divina a segura de pé. São três pavimentos equilibrados em uma área de menos de 2 metros de largura, abrigando duas salas, cozinha, três suítes e uma varanda. Tudo apertadinho. Abrindo os braços, é possível encostar as mãos nas paredes.

A pitoresca residência chegou ao conhecimento do Estado por uma foto enviada por Valter Real ao projeto FotoRepórter, em que qualquer pessoa pode registrar cenas do cotidiano e enviá-las à redação - as imagens selecionadas ganham destaque no site e podem ser publicadas no jornal.

A foto chamou a atenção da reportagem, que entrou em contato com a dona da casa, Helenita Queiroz Grave Minho, de 43 anos. O "projeto" foi de autoria dela própria. "Eu quis aproveitar tudinho o que tinha de terreno", disse a moradora, que vive com o marido, Marco Antonio, de 46, três filhos, a mãe, a irmã e um cachorro.

Tudo começou com um "quartinho de bagunça" que Helenita teve idéia de construir nos fundos da casa para guardar os brinquedos da filha, de 8 anos. Depois, Helenita ficou desempregada e resolveu aproveitar um "resto de terreno" para construir outra casa, que, alugada, seria uma fonte de renda.

O problema era o terreno, muito estreito. Marco Antonio achou maluquice da mulher. "Até o pedreiro achou estranho quando eu encomendei o serviço, mas eu disse para ele: 'Faz uma estrutura bem boa que eu vou subir uma casa aí.' E subi dois andares. Ainda dá pra mais um." Mesmo desconfiado, o pedreiro aceitou o serviço, mas foi logo avisando que aquilo "não daria certo de jeito nenhum". E desafiou: "Nem uma geladeira entra em uma casa dessas". De fato, os móveis tiveram de ser desmontados para entrar na casa. A geladeira foi colocada pelo vão nos fundos, onde a largura é um pouco maior do que na frente.

Terminada a obra com duas suítes, sala e cozinha, Helenita não se deu por satisfeita. Convenceu Marco Antonio a usar o dinheirinho guardado para completar a casa de seus sonhos com mais uma sala, outro quarto e banheiro e uma varanda. "Foram dois anos de luta", diz. E a casinha nova, que começou modesta, terminou maior do que a antiga.

Hoje, a primeira casa rende à família R$ 700 por mês de aluguel. Já a nova residência, Helenita não aluga nem vende "por nada". "Não troco a minha casinha por dinheiro nenhum", diz, orgulhosa de ver terminada a sua obra. "É mais forte e segura do que as outras. Não balança nem com vento forte."

No início, a prefeitura criou problemas, mas com a planta acabou aceitando a obra, que hoje virou ponto turístico da cidadezinha de 12 mil habitantes. Na frente da casa, há bancos onde os turistas passam o tempo sentados a observar a estranha construção. Alguns, mais curiosos, pedem para entrar e tirar fotos. Helenita deixa. O casal agora tem planos para construir um quarto pavimento, na cobertura, "aberto, para lazer, com churrasqueira e tudo". "


Fontes: Estado de São Paulo e Noticias Terra
Link to post
Share on other sites

Please sign in to comment

You will be able to leave a comment after signing in



Sign In Now
×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.