Jump to content
Arquitectura.pt


Mr.Arch

Membros
  • Content Count

    9
  • Joined

  • Last visited

About Mr.Arch

  • Rank
    Turista
  • Birthday 09/07/1964
  1. Meu caro GIBAG, parece-me que referi a ausência de arrumos e espaços de tratamento de roupas como necessidades a suprir e não tanto como causa directa da existência de marquises. A remoção de paredes (para tornar as marquises comuncantes com os espaços contiguos), parece-me um dado adquirido, que dificilmente poderá ser alterado. Digo dificilmente, porque mais uma vez, e vai-me desculpar tem a ver com "vontade politica" em alterar as leis ou eventualmente fazê-las aplicar quando elas existem. Isto não é de modo algum um "lavar de mãos", e como referiu «insinuações de mau gosto sobre os politic
  2. :margarida_beer: Apresento-me aqui de óculos escuros e sorriso amarelo, indumentária necessária, quando se fala de "marquises", esse flagelo urbano de apropriação de um espaço (varanda), que tem uma função especifica de relação com o exterior - ser o "pátio elevado". Ora a apropriação do espaço para fins, que não os préviamente definidos, é já de si uma subversão da ordem pré-establecida, como é também o paradigma muito português da apropriação indevida daquilo que não é seu por direito. A ilegalidade da dita "marquise", começa quando aumentamos a área habitável do fogo. Isto por si só altera
  3. Já ouviu falar das placas WEDI? Pode eventualmente ser uma alternativa interessante, por ter boa resistência mecânica; ser um material leve, e que permite a aplicação de qualquer tipo de acabamento por cima e que eventualmente poderá ter preços equiparáveis ao EPS (há! e é um material que não tem quase desperdicio em obra).
  4. Bom eu trabalho com o Windons XP + 2GB de Ram + Pgráfica NVídia de 512mb e processador P4 de 3.2GB e já fiz dois projectos de execução completos, sendo cada um composto por 3 edifícios de 4 pisos + caves, e espaços verdes adjacentes, e a máquina não vacilou! Claro que se quiser executar RENDERS de Alta Definição, o assunto pia mais fino (Algumas horitas para consumar o facto), mas tudo o resto funciona na perfeição.
  5. Concordo com o Gonçalo Dias Cardoso, quando diz que temos de escolher um programa que preencha as nossas necessidades, e se encaixe na nossa metodologia de trabalho. No entanto a nossa profissão cada vez mais vive da "imagem", e da facilidade de comunicação entre as várias partes envolvidas; não só técnicos, como cliente final! Penso que pela sua versatilidade o REVIT supera as restantes alternativas, até mesmo o incontornável Autocad, que por ser um programa generalista de desenho técnico, falta-lhe a especificidade! A solução paramétrica apresentada pelo REVIT, não só é simples de utilizar,
  6. Caro Fernando Ribeiro, Estou disponível de momento, porque a minha empresa fechou portas(reflexo da crise ou não). Tenho experiência em REVIT - começei com o 5.1 Caso não tenha contratado ninguém agradecia seu contacto. Melhores Cumprimentos, João Santos - 917884607
  7. A mais valia de uma qualquer recuperação, será sempre o dialogo entre a intervenção de recuperação - acto por si só contemporâneo - e as pré-existências. A percepção do que se deve preservar, e o que se deve modificar, é que introduz valor ao objecto de intervenção. Parece-me que aqui se atingiu um equilíbrio perfeito entre ambas as partes, o que torna este projecto numa peça arquitectónica muito bem conseguida. A questão dos ditos acrescentos, é pertinente, no entanto é sempre necessário ponderar numa recuperação, o ambito da mesma! Devemos singir-nos ao mero "repor" dos elementos tipológicos
  8. Será que podemos levar ao extremo o conceito de casa, reduzindo-a à mais pura equação tecnológica do problema habitar?! É licito pensar que se pode viver realmente bem numa "caixa" que nos resolve os problemas de energia, mas que no fundo tem a imagem de uma central fotovoltaica?! Não estamos perante mais uma "moda" gerada pela crise energética, e efectivamente o amarrar da criação arquitectónica a mais uma pesada condicionante técnica - a auto-suficiência energética?! Não caminhamos a passos largos para a extinsão da Arquitectura enquanto disciplina humanista e porque não dizê-lo artistica?!
  9. Como "outsider" acabado de aterrar, parece-me que o discurso critíco sobre este imóvel, transparece a necessidade que naturalmente existe para colarmos ou sobrepormos a nossa maneira de ver a arquitectura, ao estar do autor do projecto em análise. Creio que antes de tudo é necessário analizar o contexto temporal e territorial do projecto, e ter em conta que uma construção como esta tem necessáriamente duas partes; o autor de projecto, e a pessoa que fez a encomenda! Muitas vezes uma obra para se concretizar não pode ser apenas a expressão pura do traço do autor, mas o reflexo de um jogo de ced
×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.