Jump to content
Arquitectura.pt


Wolfgangvondi

Membros
  • Posts

    9
  • Joined

  • Last visited

Everything posted by Wolfgangvondi

  1. Concordo... em que não se pode dissociar arquitectura do habitar ... mas se calhar por não ser presentemente habitada n perde automaticamente o estatuto de arquitectura... Caso tenha sido realizada originalmente com o intuito de habitar... Acho que essência da arquitectura esta na intenção com que é planeado, embora depois os resultados possam deixar ou não a desejar embora o uso ( ou desuso) possa a vir a ser adulterado / alterado... Sinceramente, vejo o edificado com que o sub produto da arquitectura e o processo de intenção como a arquitectura em sí. E muitas vezes parece-me que se pensa ao contrario...
  2. A não ser que já não sejam habitadas... ai é escultura! ; ) Desculpem-me o comentário. Não resisti.
  3. e aferir a esse espaço características que reflectem essa intencionalidade, certo? E sobre a questão: "Mas então como distinguir o que é construído pelo homem, com intencionalidade e é habitado como sendo ou não, arquitectura?" Que veio no seguimento do comentário de arqrosadasilva: "(...)estamos a esquecer algo é que: - nem tudo o que é construção mesmo que habitada é arquitectura... esta é a minha opnião. Existem coisas que não merecem o titulo."
  4. Isto está a ficar realmente interessante... Compreendo o que diz..... ( e concordo). Mas então como distinguir o que é construído pelo homem, com intencionalidade e é habitado como sendo ou não, arquitectura?
  5. Parece-me fazer tudo o sentido : ) E o contrario? também se pode aplicar?
  6. Parece-me bem. E sempre nos transporta de volta para o "campo seguro". ( e se.. deixa de ser habitado pelo ser humano? Ou nunca teve sequer esse propósito?) Se bem que o comentário que mais gostei até agora foi: Parece-me que a parte mais importante na arquitectura é a intencionalidade e o reconhecer / experiênciar Humano.
  7. Espaço criado? por quem? pelo Homem? Pela Natureza? Por um outro animal ( daqueles-não- sapiens-sapiens)? E a intencionalidade? é necessária existir para ser arquitectura? E se existir intencionalidade da minha parte mas te sentires mal no espaço criado por mim? E já agora.. e se a intenção for de fazer sentir mal? "Todo o espaço" ... o que é esse espaço?... o universo... ? : ) Em vez de criar espaço será que o arquitecto não o qualifica? Munido de intencionalidade. Edit. desculpem estas postas assim, atiradas ao ar ; )
  8. Viva, Bom, é pena é que não tenhamos o aluno a quem se destina o projecto... : ) O seu trabalho levantou-me algumas questões... Não sei se achará que tem interesse para sí pensar nelas... 1. A zona reservada para trabalho (atelie) é das Zonas mais pequenas em todo o edifício. Se reflectir as prioridades do aluno ( a quem se destina o hipotético refugio) para com a vida ficamos com a ideia de que a devoção à arquitectura é tímida. Pouco antes do dormir e das necessidades básicas? Para um único morador com tanto metro quadrado à sua disposição e sendo apaixonado por arquitectura não teria o anseio e desejo de transformar pelo menos um dos pisos no seu atelier e arranjar um cantinho para as outras actividades? 2. Cozinha numa das área de entrada. A minha livre tradução é: Refeições são para serem feitas fora de casa. Sera esta ideia que pretendia? 3. Sala de jantar... pareceu-me mais um espaço de passagem... bom... como já ficou assente que as refeições não são feitas em casa tudo bem... 4. Porquê quarto com casa de banho própria? Tendo em conta que só lá mora uma pessoa, e tem outra casa de banho no piso. Aqueles poucos metros quadrados eram melhor utilizados para uns "arrumos de material para maquetas e resmas de papel". 5.Qual é o ganho para o residente ao ter no R/C aquele recuo de faixada na zona de cozinha? Deve haver um para ele existir, mas não me pareceu estar assinalado/demonstrado. 6. Se bem percebi é restaurada e mantida a fachada de um antigo edifício anterior ao seu projecto... Quais são as relações que o novo ( o seu projecto) e o antigo ( a fachada restaurada) criam? não vi nenhum referencia a isso nos seus desenhos. Como é a transição entre o ritmo de se descer a rua e zona onde esta o seu projecto que aparentemente tem a cota nivelada? E na traseiras, na rua com cota superior... como é? Assim como alguma divagação sobre como será para quem se encontra na rua a descer.. qual é percepção que tem? Qual é a percepção que quem esta dentro de casa tem para o espaço entre casa e fachada e para alem da fachada para a rua? E se estiver num dos terraços? Acho que isto seria um elemento extremamente interessante a ser explorado, e tentar mostrar a quem vê os painéis/ desenhos. E finalmente falando dos painéis ... Gostei muito dos desenhos de levantamento das fachadas que fez, mas tente incluir um pouco mais de envolvente. Mas estao mto bons. Sugeria-lhe ainda para tentar criar uma maior margem à volta das áreas de textos. Seja mais obvio assinalar a sua area de intervenção.. principalmente na "planta de implementação". Não percebi o seu estudo solar. Que com certeza seria interessantíssimo tendo as particularidades do projecto. E finalmente... escala humana? onde está, pois bem sei que tem tudo muito bem cotado nos rigorosos.. mas e no seus estudos? mesmo sem existir o rigor da régua, deve manter sempre a relação de escala. É fundamental. (Atenção que, relação de escalas e desenho à escala são coisas diferentes.) Por falar em rigorosos.. parabéns pelos mesmos. E pelo trabalho. Para primeiro ano meu amigo, está excelente. Não leve a mal as questões que levantei. Primeiro porque é a minha "perspectiva". Segundo pq um trabalho interessante levanta sempre questões, e quando se está a explorar (aprender) quantas mais melhor. É esse o objectivo, ou não será assim? ; )
  9. Viva Lorran, Deves utilizar um corte (de preferência) ou alçado para obteres o comprimento de um dos segmentos que compõem uma das 4 faces do telhado. De seguida tens de obter nesse corte o ângulo ou, provavelmente ainda mais fácil de ser dps transposto para a maqueta, a altura entre a base e o ponto mais alto do telhado. Munido com estes dois dados, o cumprimento do segmento + a altura da base ao topo do telhado, não vejo que venhas a ter grandes dificuldades. Já agora, não sei se é o que estas a fazer ou não... Mas monta sempre a maqueta sob a impressão de uma planta. E não te esqueças da dica da Martazita em realizar um corte na K-line oblíquo de forma a que consigas encaixar sem problemas a K-line.
×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.