Jump to content
Arquitectura.pt


VMartin

Membros
  • Posts

    31
  • Joined

  • Last visited

Posts posted by VMartin

  1. Acho é piada as explicações!!!
    Do estilo:
    "um álbum com fotos da ex-mulher colocado num local de destaque na estante."
    "ele prometeu-lhe algo (ver 4) novamente e tornou a mudar de ideias…"
    "depois de assistir à vitória do seu clube de futebol o homem vai para a cama vestido com as roupas da equipa vencedora."
    "ele fez uma tatuagem com o nome de uma mulher."
    Etc...
    Não admira tanta expressão!...afinal a culpa é do homem, não?
    Já agora, um reparo.Acho que a ultima cara não é de submissão. É mais do estilo..."já não tens remédio!!!":D


  2. Corleoni, acho que antes de seres anarquista ou revolucionario, estás é revoltado. Já quando respondeste ao meu comentário, fizeste-o de forma agressiva e não muito educada.
    Talvez te estejas a esquecer que te encontras num local de debate e que por esse mesmo motivo, é normal haver pessoas com opiniões difrentes das tuas e que dessa mesma forma, possam entrar em colisão com os teus ideais. Já que te revelas tão respeitador e atencioso com os outros, deverias começar por prova-lo aqui mesmo, talvez mostrando-te mais brando em relação a opiniões diferentes das tuas.

    Antes de usarmos a palavra "estúpidos" devemos olhar para dentro. e Se mesmo olhando, verificamos que estamos correctos, devemos evitar esses adjectivos porque não estamos a cima de ninguém para fazer esses julgamentos...
    Todos têm direito à sua opinião. Mas chamar estúpido a um fumador não é de todo o mais alto nível da palavra "liberdade de expressão".


    Tá dificil entenderes! Tive o cuidado de ao usar a palavra, de a colocar entre aspas, como quem diz, é uma forma de expressão, mas que tu teimas em a entender literalmente!!!Aliás, fazes um pé de vento de tal maneira que agora mais parece que quem não partilha a tua opinião, tem em conta os fumadores como estupidos! E NINGUEM disse isso...nem eu!

    Quanto aos smoke points, não concordo. Umas das regras da vossa arquitectura é colocarem-se na pele das pessoas que vão "consumir" a vossa arte. Faltou-te isso no teu argumento do smoke point. Eu como fumador, quando estou num sítio razoavelmente grande, já me custa interromper o que estou a fazer para andar umas dezenas/centenas de metros para ir fumar. Se houvesse smoke poitns eu teria de acabar por andar muito mais. E pior. Como tb nunca gostei de respirar o fumo dos outros (e sempre tive cuidado com o fumo dos meus cigarros) o smokePoint seria um local de fumo muito mais concentrado.
    Um smoke point é marginalizar ainda mais os fumadores, e fechá-los num sítio onde eles próprios degradam mais a saúde.


    O que é que me faltou no argumento? Ser fumadora? Sim e sou! Portanto posso opinar por experiencia. Logo, quando me refiro a smoking points, não falo de espaços enclausurados para a pratica de fumo. Falo antes de espaços com capacidade de extracção, que permitam a permanencia das pessoas dentro ou sob o mesmo, com o maximo de dignidade. Já viste por exemplo quem trabalha numa grande superficie, que tenha meia hora para almoço e que ainda, por ser fumador, se tenha de deslocar ao exterior, sem o minimo de condições. De certeza nao é o teu caso, se não perceberias o que quiz dizer com smoking points.
    Alias, acho que seria um desafio aos arquitectos, a criação destes espaços. Quer sejam dentro ou fora dos edificios, quer surjam integrados ou completamente independentes. Agora a unica coisa que pretendia dizer com isto, é que gostaria de ver respeitada a dignidade de quem fuma por opção, em vez de nos encontrarmos plantados à porta ou entrada dos edificios, a fazer figura de estupidos ( será que agora entendes?) uma vez que deveria ser um momento de prazer, já que é isso que nós fumadores alegamos como desculpa ao facto de o tabaco fazer mal, mas não, ficamos parados e de pé, a olhar para ontem, muitas vezes sem local se não o chão, para apagar o cigarro!!!
    É só uma questão de igualdade. Quem não quer não fuma, quem quer fumar, que ao menos tenha dignidade e não seja "vitima" de descriminação!
    E é só...
  3. Antes de mais bem vindo!!! Sabes, sempre ouvi dizer que não importa se o caminho é longo e se nele te demoras mais que os outros, pois mais importante do que a chegada é a certeza de poderes chegar! E com essa vontade e paixão, rapaz, tás lá!!! Boa sorte e muita força!!! Se assim continuares de certeza que iremos ser colegas!!!!:D

  4. xiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii
    Como é que em pleno 2008, podes dizer essas barbaridades, se me permites a expressão?


    Primeiro e antes de mais, aconcelho-te a reler o que escrevi. Penso que não foi uma barbaridade, mas sim, uma opinião sobre um tema manifestamente polemico, a qual pelos visto, não soubeste interpretar. Pois logo no inicio, quando me refiro à atitude do Estado em relação a "toda esta repressão (leia-se campanha) psicologica anti-tabagismo", penso ter sido suficientemente ironica para dar a entender que não sou própriamente a favor da nova lei e que apenas a acho inteligentemente aplicada: Repressão social, um factor psicologico aliado à luta contra o tabagismo = Manipulação indirecta!!

    Então eu não pago impostos como tu? Não tenho direito a sentir-me bem quando fumo um cigarro na rua, "sem" incomodar ninguém?


    Não me venhas com a treta dos impostos! Se me disseres antes que pelo facto de seres fumador, contribuies para as receitas do Estado e que com a nova lei, estas possivelmente serão afectadas. Ok! Mas em relação aos impostos, quem não fuma também os paga e nem por isso os vejo a usar esse argumento quando é necessario prestar cuidados medicos a alguem vitima do proprio fumo!

    Ora Ora... Eu, e toda a gente que eu conheço dos que fumam, estamo-nos nas tintas para o que a sociedade pensa em relação ao tabaco!



    Pois isso é algo que se nota logo no teu comentário. Tás-te tão "nas tintas" que a minha opinião (embora mal interpretada) te levou a manifestar-te desta forma. A verdade é que não ficaste indiferente e até posso quase dizer que noto alguma irritação e incomodo da tua parte, se não, não terias necessidade de te defender tão ferozmente.

    ...nem sequer te admito que olhes para mim com ar reprovador se por acaso te cruzares comigo na rua!

    Ora, ai está! Não admites que te reprove!!!Bem rapaz, leste o texto ao contrário e por estranho que pareça, serviu-te a "carapuça", o que nem era a minha intensão mas enfim! Só o simples facto de não admitires que te olhem de lado enquanto fumas o teu cigarro, especado no meio da rua, só porque dentro das 4 paredes não te o é permitido, revela que afinal não és assim tão indiferente e se tivesses lido aquilo que escrevi, em vez de reagires negativamente deste modo desenfreado, perceberias que apenas desejo alguma dignidade para aqueles que fumam, para que não sejam vistos como "estupidos" fumadores, que se sugeitam às intempéries pelo custo do seu próprio vicio. Se lesses, depreenderias que defendo a igualdade, portanto não compreendo bem que confusão te terá feito o meu comentário a 3 dias do 25 de Abril, quando eu evoco direitos iguais e tu nem sequer admites que te reprovem ou que se manifestem, ao que pergunto eu, qual de nós se assemelha melhor aos nosso querido Salazar?!

    Deixo-te um desafio! Relê aquilo que escrevi e depois faz-me compreender ( e de forma educada, por favor) porque te sentes tão atacado pela minha opinião, que em nada quer atentar contra a tua, mas ao que parece causou esse efeito.
    É que devo-te dizer que se há alguem que não está a ser receptivo és tu! Se és assim tão liberal e openmind como te defendes, deverias saber aceitar as opiniões dos outros em vez de atentares contra elas.

    Lê o que o JAG e o Connecty disseram ( e já agora obrigada meninos). Pelos vistos, foste tu quem não compreendeu a minha mensagem! Mas vou ser simpatica e dou uma ajuda!

    Digam-me qual a dignidade que oferecem a quem pretende fumar, visto que é uma opção? Ficar à porta?...e os "estupidos" dos fumadores, continuam plantados à porta...Já era altura de criarem smoking points decentes...algo que os possa permitir a "pratica do fumo" sem incomodar os outros, mas sem que com isso se sintam incomodados. Aí sim, estariamos todos de igual para igual!


    Corleoni, não me digas que não te fazem fazer figura de estupido, quando te obrigam a ficar plantado no meio da rua, à chuva e ao frio, só para fumares um cigarrito? Pois é isso que por vezes me fazem sentir...percebes agora???:D
  5. Olá! Muitas vezes, perante programas do genero, surgem-me essas duvidas e parece que bloqueio! Quando isso me acontece, recorro sempre a diagramas, de modo a poder organizar previamente o espaço e como este se distribui. É claro que não passa de uma representação pictorica, mas é um bom ponto de partida. Se souberes como os espaços se articulam entre si, depois é só dar-lhes forma e caracteriza-los e desse modo, sabes que a organização não fica comprometida, pois foi préviamente estudada. Espero que isso te ajude! Bom trabalho!!! :D

  6. Devo dizer antes de mais, que concordo com a lei. Alias devo confessar que acho extremamente inteligente da parte do Estado, toda esta repressão (leia-se campanha) psicologica anti-tabagismo. Hoje já se começam a sentir algumas diferenças na atitude das pessoas. Ao passarmos nas ruas, são raras as vezes que não encontramos dispostos diante de um qualquer estabelecimento com etiqueta vermelha, não sei quantos individuos agarrados aos seus cigarros, esteja sol ou chuva, frio ou calor, cada vez mais com um ar envergonhado, sob o olhar repreensivo dos muitos transeuntes. Ser fumador, começa então a ser motivo de chacota e descriminação. E começa a pesar na consiencia,para além da carteira, não o facto do tabaco fazer mal ( pois isso sempre se soube) mas por a prórpia sociedade não aceitar os quem fuma. Ora é ai que acho que as coisas não funcionam. Alguem disse anteriormente e muito bem, que a nossa liberdade acaba onde a dos outros começa. Pois, mas então trocaram-se os papeis. Digam-me qual a dignidade que oferecem a quem pretende fumar, visto que é uma opção? Ficar à porta? Hummm e depois também à porta ficam todas a pontas de cigarros que se vão acumulando. Tudo bem que já se vêem os tais cinzeiros urbanos ( já agora, gostei da expressão) mas não se encontram à porta dos estabelecimentos e seria quase ridiculo, porta sim, porta não, encontrar um! Mas a verdade é que as pontas lá se vão acumulando até alguem as limpar e os "estupidos" dos fumadores, continuam plantados à porta... Já era altura de criarem smoking points decentes, não me refiro é claro, aos escassos metros quadrados que existem em alguns aeroportos, que resultam num "enlatado" de fumadores, a olhar para lado nenhum, mas algo que os possa permitir a "pratica do fumo" sem incomodar os outros, mas sem que com isso se sintam incomodados. Aí sim, estariamos todos de igual para igual!

  7. Mas enfim, sou caranguejo com ascendente em capricornio e pelo que ouvi dizer é dos "piores" caranguejos. Que sorte a minha!! :D Aproveitando que isto já parece uma consulta da Maya, alguem me faz um prognostico para 2008? :)

  8. Pois é JAG devias tornar a coisa mesmo internacional. Português, Brasileiro, Inglês...e os Franceses, Espanhois, Alemaes, Holandeses e por ai fora... A meu ver devias editar a tabela de votações. É só uma sugestão e pronto, confesso que fiquei curiosa com os 4 votos dos "outros" , apenas sei que um deles que é Italiano... :D

  9. Não seria necessario, uma obra tao dispendiosa e tão invulgar naquele local. Faria muito mais sentido em Gondomar por exemplo, para criar referencias numa cidade difusa, sem simbolos.


    Acho que te estás a esquecer que a obra em questão foi resultado de um concurso, ao qual apenas concorreram 3 gabinetes ( ao que parece mandaram o Toyo Ito passear se não seriam 4). Seja como for, o local destinado à implantação foi previamente escolhido pela organização e não deixado ao critério dos concorrentes. Se actualmente ao olharmos para a Casa, sentirmos que esta cria referencias na Boavista, é perfeitamente compreensivel, atendendo que esta avenida se tornou num "carnaval de estilos" e dada a sua extensão, é normal que a Casa da Musica se imponha como um ponto de referencia. No entanto, não sei se tiveste oportunidade de ver os outros projectos concorrentes, mas devo-te dizer, que qualquer um deles marcaria essa mesma diferença, infelizmente por aspecto negativos. Logo feliz Casa da Musica by Koolhaas!!!
    Em relação a ser implantada em Gondomar, tenho as minhas duvidas. Aí sim, talvez podesse aplicar algumas barbaridades que já ouvi dizer em respeito à obra, pois surgiria completamente desintegrada a nivel de contexto, numa "cidade difusa" e "sem simbolos". Aí talvez resultasse apenas como um elemento do mera referencia, fruto de uma sociedade burguesa, sedenta de ostentação, como tu próprio disseste, "igual ao povo Romano que n se importava de passar 30 anos de fome, para chegar ao fim e dizer: Nós temos o maior Coliseu!!!!!!"

    Já agora, em tom da piadinha, não me admira nada que um dia destes, a Camara do Porto substitua a Torre dos Clerigos pela Casa da Musica, dada a tamanha referencia que a obra parece provocar na cidade. :D
  10. Devias era pedir desculpa quando não dás a tua opinião. As conversas estão cá exactamente para todos participarem. :)


    Devia pedir desculpa por não manifestar a minha opinão? Desculpa, mas não tem sido isso que tenho feito?...não percebi...
  11. A titulo de curiosidade, uns meses antes do concurso para a Casa da Musica, Koolhaas "despediu" um cliente devido a algumas imcompatibilidades e atritos gerados entre eles, tendo ficado apenas o projecto de uma habitação, a Y2K, muito semelhante a nivel formal, à nossa Casa da Musica, mas numa escala habitacional.
    Aquando o concurso, pela informação que tenho, Koolhaas "reformulou" o projecto da Y2K, "convertendo-o" engenhosamente, num espaço publico destinado à musica. Claro que a Casa da Musica, não foi um aproveitamento de algo feito e enfiado na gaveta. Mas a ideia e o conceito inicial, advêm sem duvida, nem que seja das semelhanças evidentes entre os dois projectos.
    Actualmente a obra que vemos na Boavista, sofreu muitas alterações ao nivel do projecto desde a sua eleição no concurso até à sua consepção. Pelo que também sei, todo o espaço exterior do edificio, era inicialmente plano. Possivelmente devido ao espaço destinado às lojas ( que ainda se encontra encerrado), não constante no projecto inicial e a algum equipamento, que "obrigaram" a toda aquela superficie ondulante que erradamente a meu ver, leva muitos a especular que a intenção do autor, seria reforçar o impacto que o "grande meteorito" ( infelizmente já vi e ouvi muita gente chamar-lhe assim) causou ao "aterrar" na Boavista.

    Bem, esquecendo estas trivialidades e atendendo à tua questão, deixo ficar um link que penso ser interessante a nivel construtivo e uso de materiais embora não sei se te ajude:
    http://www.ordeng.webside.pt/Default.aspx?tabid=1017

    Boa sorte!:icon_joy:

  12. Portanto se este artista, já era reconhecido como tal… se diz que é arte… temos que aceitar, apesar de não se gostar nem se achar isso como tal.


    Acho que não é o autor quem dita se a obra é ou deixa de ser arte.`É a propria sociedade que lhe atribui esse "estatuto". Se reparares ao longo da História da Arte, quantos foram os autores que em vida viram-se frustrados pelo seu anonimato e que após a sua morte, obtiveram o reconhecimento das suas obras com Arte? Não é o artista quem denomina a sua obra enquanto Arte, mas sim a importancia que a sociedade lhe atribui. Sem "publico" o artista não é artista e a sua obra não é arte mas sim um mero oficio.

    Muitos podem não gostar das pinturas do Dali e ate mesmo dizer que aquilo, para eles não devia ser considerado arte… com achava um professor meu… mas apesar disso ele reconhecia que o era.


    Claro que pelo facto de algo ser considerado Arte, não implica que tenhamos de gostar e apreciar essa obra. Alias, a meu ver, algo para ser Arte, não tem de ser bonito ou agradavel. Essas questões são sempre muito subjectivas. Arte é algo extremamente dificil de definir especialmente nos dias de hoje, em que a palavra surge aplicada em todos e mais algum contexto, quase sempre banalizada. Mas aquilo que acaba por declarar algo como Arte, é, a meu ver, a importancia e significado que uma sociedade atribui a determinada obra ou atitude num determinado contexto, tempo e espaço, que a torna intemporal e intransmissivel, caracterizando uma epoca, cultura ou sociedade, podendo critica-la abertamente ou simplesmente compactuar com ela.

    Se disserem, que acham mal a atitude deste artista, apoio a 100%.
    Agora dizer, só por não se gostar, que não é arte.


    Em relação à questão do Guillermo Vargas, trata-se antes de mais de uma questão etica geradora de polemica, sem duvida. Mas não a posso aceitar como Arte pois julgo se não estou errada, que nem lhe foi atribuido esse "estatuto". Não considero, pelo facto de Vargas ser tomado como artista, que tudo aquilo que faça é Arte. É preciso o reconhecimento prévio pela sociedade, não atraves da irreverencia e controvercia que a sua atitude gerou, mas por qualquer simbologia e importancia que a façam reconhecer como obra de Arte.

    Já vi muitas fotografias, artísticas sobre o terrorismo, fome, guerras… e são fotos muito boas. Se aplicarmos essa filosofia, esses fotógrafos estão a usar a desgraça dos outros para proveito próprio!


    Sem duvida que há inumeras e excelentes fotos de todas essa catástrofes, humanas ou naturais, mas neste caso há que ter em conta que o fotografo apenas se "apropria" dessas desgraças, não as recria ou provoca. Elas acontecem por motivos alheios ao do fotografo e este apenas as regista. Seria sim comparável se o fotografo as provocasse para proveito proprio como no caso de Vargas...

    Deixo-te uma questão JAG, com o objectivo de perceber melhor o que defendes :)

    Porque dizes que aquilo que Vargas fez, é Arte? Só porque o "artista" a apresentou como tal?
  13. Portanto se este artista, já era reconhecido como tal… se diz que é arte… temos que aceitar, apesar de não se gostar nem se achar isso como tal.!


    Nessa sequencia logica, desculpa, mas se Hitler, que já era reconhecido como ditador...se dissesse que era ditadura...tinhamos que aceitar, apesar de não se gostar nem se achar isso como tal...pois...mas se o mesmo Hitler vivesse sozinho no mundo, já mais seria ditador pois não teria ninguem a reconhecer a sua ditadura.

    Percebes? É a sociedade mais uma vez... não é o autor que define a obra como arte :)
    (explico-me melhor amanha, agora tá tarde :p)
  14. Antes demais, desculpem-me por me intrometer na conversa, mas devido ao tema, não consegui ficar em silencio. Acho que independentemente de ser ou não ser arte ou uma "mera" crueldade comparavel a um acto terrorista, lembrem-se antes de todas as pessoas que diariamente morrerem à fome, vitimas da guerra e das diferenças sociais, etnicas, religiosas e etc, pessoas que matam os fetos que trazem no ventre, ou que sem motivo aparente se matam umas às outras cometendo todo o tipo de atrocidades e por ai fora... E agora perguntem-se porquê. Eu só encontro uma resposta: HOMEM. E agora pergunto eu, porquê usar um animal, que nem faz parte da nossa sociedade nem das regras que a regem, para passar a mensagem de que nós, humanos, pessoas, nos estamos bem a marimbar para aquilo que nos passa em redor. Já todos sabemos que com o mal dos outros podemos nós. Basta ligar a televisão!!! Então porque deixar morrer à fome um animal sob pretexto de nos consciencializar, a nós, às pessoas, da nossa conduta egoista e indiferente?! Acho que o "artista" falhou de certo o objectivo da mensagem ao ter usado um "veiculo" inapropriado. Ou talvez tenha acertado em cheio se o proposito foi a irreverencia e provocação ou quem sabe o estrelato ( estas coisas que suscitam polemica, infelizmente trazem muitas vezes a fama). Seja como for, deu que falar e de certo ficará num qualquer lugar recôndito da memoria de muitos, e no provavel esquecimento de outros tantos, o desgraçado do animal que para provar a crueldade do ser humano, acabou morto de fome numa galeria de arte!

×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.