Jump to content
Arquitectura.pt


FDionisio

Membros
  • Posts

    40
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    2

Posts posted by FDionisio

  1. Castro e Michaeloureiro O problema não é só dos Arqº ou Engº, é mais basto. Achar que a opinião dos juristas da Ordem resolve o problema, é o caminho que leva á minha afirmação anterior. Imaginem que a Ordem Arqº diz que são 60m. O SNPC diz que são 30m. A Ordem dos Engº diz que são 60m. Quando apresentares o Projecto ao SNPC eles, não vão querer saber da opinião dos juristas da Ordem A ou B, vão pela opinião dos juristas e técnicos deles. Por ultimo, prevalece SNPC, se discordares e quiseres levar ás ultimas consequências, só te resta o tribunal administrativo. A Ordem Tu ou eu, só nos resta obedecer. O tribunal administrativo anda devagarinho muito devagarinho. O teu cliente não vai poder esperar (colocar mais uma escada é mais barato :) ). Foi por esta ordem de ideias que discordei do Michaeloureiro. Embora a minha noção seja os 60m, entre duas escadas.

  2. Em Português o que está escrito é "A distância máxima a percorrer". Traduzindo distancia entre um ponto (+ desfavorável) e a escada. Como esse ponto está no centro das duas escadas, a distancia entre duas escadas é 60m. O Português e a Lei são bem claros, se o Português e a Lei não chega façam a representação geométrica do vosso problema, ajuda a perceber. 60m para mim é um dado e não uma opinião.

  3. A procura de uma menor poluição no uso dos nossos abrigos (edifícios), leva ao aparecimento de novas noções, que alguns formulam novas directrizes, exemplo disso é o que designa por Arquitectura Sustentável. No passado longínquo imitamos os animais que nos rodeavam, na forma de encontrar ou escavar abrigos, uma época em que éramos 100% ecológicos e com custos muitos baixos, a força física. Fomos evoluindo na construção dos abrigos, aumentarmos em número e os abrigos também, a quantidade destes tornaram-nos poluentes. Como a quantidade é um parametro intocavel, resta-nos a qualidade, para reduzir a poluição. A poluição pode ser reduzida, nas formas que concebemos, no tipo de materiais que usamos, assim como nos consumos energéticos necessários para as nossas noções de vida e conforto. As soluções existem, a sua divulgação e aplicação é uma necessidade. A dificuldade está sempre na introdução da evolução, para que todos os intervenientes no imobiliário incorporem as soluções propostas. Soluções, que são pequenos passos, existentes isoladamente há décadas, e quando usados em conjunto tornaram os abrigos menos poluente. A pergunta que surge é: Porque é não foram aplicadas anteriormente!? - Eram novidades no passado, a novidade tem custos, por isso não se aplicavam. Esse custo evitou a massificação. - O futuro Habitante, pouco sensibilizado, não exigia dos Promotores Imobiliários esta premissa, e estes não as equacionavam pelo custo. Sendo este, sempre um parametro importante para o utilizador final, com a qualidade ecológica imposta por lei, a massificação de técnicas existentes vai tornar os custos acessíveis para os utilizadores. Os agentes deste sector comportam novas necessidades, e agora aplicam a expressão de “Arquitectura Sustentável” como norma de marketing, e não como noção de intervenção. Eis que, pouco nos diz esta expressão, serve para todos imaginarem ser “sabe-se lá o que!?”, e para todos querem comprar. Ana Araújo / Fernando Dionísio

  4. A procura de uma menor poluição no uso dos nossos abrigos (edifícios), leva ao aparecimento de novas noções, que alguns formulam novas directrizes, exemplo disso é o que designa por Arquitectura Sustentável. No passado longínquo imitamos os animais que nos rodeavam, na forma de encontrar ou escavar abrigos, uma época em que éramos 100% ecológicos e com custos muitos baixos, a força física. Fomos evoluindo na construção dos abrigos, aumentarmos em número e os abrigos também, a quantidade destes tornaram-nos poluentes. Como a quantidade é um parametro intocavel, resta-nos a qualidade, para reduzir a poluição. A poluição pode ser reduzida, nas formas que concebemos, no tipo de materiais que usamos, assim como nos consumos energéticos necessários para as nossas noções de vida e conforto. As soluções existem, a sua divulgação e aplicação é uma necessidade. A dificuldade está sempre na introdução da evolução, para que todos os intervenientes no imobiliário incorporem as soluções propostas. Soluções, que são pequenos passos, existentes isoladamente há décadas, e quando usados em conjunto tornaram os abrigos menos poluente. A pergunta que surge é: Porque é não foram aplicadas anteriormente!? - Eram novidades no passado, a novidade tem custos, por isso não se aplicavam. Esse custo evitou a massificação. - O futuro Habitante, pouco sensibilizado, não exigia dos Promotores Imobiliários esta premissa, e estes não as equacionavam pelo custo. Sendo este, sempre um parametro importante para o utilizador final, com a qualidade ecológica imposta por lei, a massificação de técnicas existentes vai tornar os custos acessíveis para os utilizadores. Os agentes deste sector comportam novas necessidades, e agora aplicam a expressão de “Arquitectura Sustentável” como norma de marketing, e não como noção de intervenção. Eis que, pouco nos diz esta expressão, serve para todos imaginarem ser “sabe-se lá o que!?”, e para todos querem comprar. Ana Araújo / Fernando Dionísio

  5. "- A CML sabe o que é uma norma ISO. O formato DOC (ficheiro Word), ou os PDF's vários (excepto o pesado e raro PDF-A), por exemplo, não são norma ISO e são usados em quase todas as Administrações Públicas do Mundo."


    Os erros passados não justificam erros presentes. Os erros do passado não são direitos aduequiridos, para errar no presente.

    "- O formato DWF ainda não é uma norma ISO"

    Esta é questão, o principio básico, um conceito Europeu, onde o normalizado é uma meta a atingir.

    Sim existem vários tipos de pdf´s, até porque o formato tem história própria e evolução, mas existem pdf´s que são normas iso.
    http://www.adobe.com/pdf/release_pdf_faq.html
    http://www.adobe.com/cfusion/search/index.cfm?loc=en_us&term=pdf+iso

    Falas de uma forma redutora, focando o archicad e vectorwork,s, preciso de fazer uma lista de todos os outros em Linux, MacOs e windows.
    Para pdf, quando o programa não guarda em pdf, temos as impressoras virtuais da adobe, que resolvem o problema. Tens alguma coisa parecida da Autodesk?

    Tens Leitores gratuitos de DWF para todas as plataformas, para pdf´s tens.

    É bom saber e de louvar, que te empenhas em ajudar os gabinetes (nem sempre é assim noutros lugares públicos).
    Era mais lógico em vez de ajudar, ter evitado criar o problema.

    Nada me move contra a CML ou seus funcionários.
    Mas não suporto, a atitude de inventar problemas, para justificar necessidades.

    Por ultimo, (não me refiro a CML), mas tudo o que envio para qualquer organismo público vai sempre em pdf (ISO), e vou continuar a enviar sempre e somente em formatos ISO.
  6. "Já é possível apresentar projectos urbanísticos para aprovação e licenciamento na autarquia lisboeta em formato electrónico e com base em ficheiros DWF, uma medida que segunda a câmara é "pioneira a nível Mundial".

    Desta forma, a Câmara Municipal de Lisboa torna-se o primeiro organismo público no Mundo a colocar em funcionamento uma aplicação de software à medida para aprovação e licenciamento de projectos urbanísticos.

    Depois de quatro anos a desenvolver soluções que permitam desburocratizar este tipo de processos, a Câmara Municipal de Lisboa colocou em funcionamento a aplicação "ePaper" desenvolvida para conseguir uma mais fácil gestão e uma maior segurança dos ficheiros ao longo de todo o processo de aprovação dos projectos urbanísticos.

    "A Câmara Municipal de Lisboa é um dos primeiros Organismos Públicos do Mundo a implementar um processo electrónico de aprovação de projectos e ainda uma solução para aprovação e cálculo de impostos utilizando o Autodesk Design Review" - refere Amar Hanspal, Vice-Presidente da Divisão PSEB da Autodesk.

    "Disponibilizando o Design Review a mais de (…) 2 000 colaboradores (…) e integrando electronicamente os projectos submetidos a aprovação directamente no seu sistema de aprovação e revisão de projectos, a Câmara Municipal de Lisboa desenvolveu uma solução de baixo custo e de fácil utilização que permite uma rápida revisão e aprovação dos projectos urbanísticos, indo assim ao encontro das necessidades de uma Comunidade autárquica em rápido crescimento", sublinha o mesmo responsável."


    Tópico colocado alguns dias atrás por João Morgado, leva-me a três perguntas:

    1 - Sabe a CML o que é uma norma ISO?
    2 - Sabe a CML que o DWF não é uma norma ISO?
    3 - Sabe a CML que o PDF vectorial é uma norma ISO?
    Pergunto eu, que gosto de perguntar coisas.......

    Fernando Dionisio
×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.