Jump to content
Arquitectura.pt


Pedro Barradas

Líderes de Equipa
  • Content Count

    1,670
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    7

Posts posted by Pedro Barradas

  1. Boas..
    O q está no descrito no regulamento?
    Normalmente é assim:
    A altura máxima de muros confinantes com a via pública.. é contado a partir da cota do arruamento(desde a cota do passeio)
    Os muros confinantes com outros lotes, normalmente tem de ter o mínimo de 1,50m, conta a partir da cota interior do lote respectivo.

    PS: A sua ultima questão( muro de sustentação) não faz qualquer sentido. E muito menos, fundamentado como descreve e ilustra.

  2. rita... Segundo sei, a cartografia dos PALOPS, existente é feita pelos serviços cartográficos do exercito (de Portugal)... (Escala >1/25000) Mas não está disponivel para venda e/ ou consulta, visto tratar de Paises soberanos e independentes.

  3. sim pode aplicar o que entender... mas o sistema tem de ser pensado para ser compativel com o revestimento pretendido. existem muitas maneiras de constituir o sistema, depende sempre dos requisitos a cumprir. alám do tipo de revestimento, teremos sempre que cumprir requisitos de comportamento térmico, acústicos e de classificação de reacção ao fogo. GRC; em LSF.. não me parece fazer sentido. Em sistema LSF, não tem de utilizar ETICS... normalmente utiliza-se lãs minerais no interior da estrutura da parede. Para mais informação aconselho-a a procurar no site da FUTURENG.

  4. Voltando ao assunto... Não é uma questão de "convencer".. é apenas uma ideia que é SURREAL, UTÓPICA. A Arquitectura é para ser acessivel a todos... não é apenas para os RICOS. Existem nichos de mercado... Nesse nicho, se lá conseguirem entrar.. podem praticar esses valores (30.000€)... mas estamos a falar de construções que regra geral custam dos 500.000€ para cima... PS: Eu é que não percebo a vossa mentalidade.... ( joaocapote e archiimodels)

  5. Teima!?! deve haver alguma razão plausível para o indeferimento. Já falou directamente com o técnico que emitiu o parecer? O que o Regulamento do PDM define como "ESPAÇOS AGRÍCOLAS COMPLEMENTARES"? O terreno está inserido na carta de zonamento do PDM em : ESPAÇOS AGRÍCOLAS COMPLEMENTARES, certo? E na carta de condicionantes? como está enquadrado? ou não tem condicionantes. O regulamento do PDM foi recente alterado em virtude de algum PROT?

  6. Não existe qq regulamento ou indicação dessa condicionante... eu desconheço (modéstia à parte eu conheço muitos regulamentos...). Se for uma IS que dá para cozinha, já é outra história... O problema maior que se coloca será com o sistema de ARD, o qual terá de prever uma estação compacta de bombagem para as aguas residuais da IS. Neste caso, penso que ainda existem regulamentos de alguns SMAS, e/ ou RMEU's que exigem que a drenagem de agua residuais domésticas seja obrigatóriamente através de meios graviticos... Terá de indagar deste possível problema com a equipe de especialidades... PS: ainda por cima trata-se do interior de uma habitação. Onde as regras a observar pouco mais são do que as acessibilidades e RGEU ( SCIE, apenas quanto à compartimentação- se exigido- da garagem) Quantas Habitaçãoes unifamiliares já projectei.. com IS dentro da garagem...

  7. Aos serviços do ambiente...??! Basta-lhe ir aos serviços de urbanismo da Câmara e verificar que parte do seu terreno está em REN. Se todo , se parcialmente. Tem de marcar o atendimento com um técnico da câmara ( Arquitecto, normalmente) só pode construir fora da REN ( salvo algumas excepções, que são dificeis de enquadrar) REN=Reserva Ecologica Nacional.

  8. em principio, se o único problema é o acesso à via pública, não vejo problema. No entanto terá de ser consultado o Regulamento do PDM do Concelho, bem como as Cartas de condicionantes e de Ordenamento por forma a saber a classificação do solo onde se insere e se, sendo possivel construir, quantom como e em que condições. Aconselho-a a efectuar um Pedido de Informação prévia para o terreno em questão. Por forma a ter um documento sólido com a capacidade construtiva do mesmo. O melhor que tem a fazer é: - contactar um gabinete de Projectos para a ajudarem nessa questão. Se tem tempo, desloque-se à sua Câmara Municipal.

  9. Qual o seu papel no meio desta trapalhada toda? é o novo DTO?
    O DTO tem de pretencer aos quadros de pessoal do empreiteiro geral.

    O dono de obra tem de comunicar à Câmara a alteração de empreiteiro geral e do DTO terá de ser efectuado um averbamento à Licença de construção.
    O DTO anterior tem de comunicar à câmara que "abandona" a obra, e tem de efectuar os registos no livro de obra atá essa data. incluido a existência ou não de alterações.

    Se houve alterações de arquitectura que inlcuam alterações de facada, areas de implantação, brutas... deve ser entregue Projecto de alterações de Arquitectura e de especialidades se se justificar... o autor do projecto de Arquitectura terá de se assegurar que as alterações cumprem os indíces urbanisitcos.

    Se foram apenas alterações interiores, podem ser apenas incluidas nas Telas Finais, no final da Obra.

    O Novo DTO, só é responsaval da data de registo para a frente, pelo que este deve descrever, no livro de obra o estado actual da obra e as inconformidades que possa encontrar.

    No entanto, como cada Câmara tem o seu "procedimento/entendimento", o melhor é deslocar-se ao serviços e perguntar dos procedimentos pretendidos pela mesma.

  10. ...Pois é.... acontece. E cobrou o serivço? Já falou com o autor do projecto de arquitectura?!, para saber se existe problemas no licenciamento dessas alterações.... a pala pode não ser possivel. Eu não assinava qualquer documento até ter algumas luzes sobre o sucedido. Pelos vistos não foi notificado do começo dos trabalhos de construção civil. Eo director técnico da obra?!? já falou com ele? que é que o DTO escreveu, se é que escreveu no livro de obra? PS: Você assumiu apenas a DFO, certo? a DTO é do tecnico no quadro de pessoal do empreiterio geral. Certo?

  11. coloque um projecto de alterações, antes do prazo da licença acabar, com a nova calendarização dessa operação, consegue uma prorrogação para licnça de construção emitida. fale com os serivço te´cnicos e com o seu Projectista. Se não houvesse a questão da alteração de fachada, esse tipo de coisinhas, não me preocupava com a caducidade da licença. O que diz o Directo de Obra e de Fiscalização? Onde param os seus técnicos?

  12. coelho..
    retirado do Glossário do INE, portanto igual à definição de Ah do RGEU:
    Área habitável do fogo (Ah)
    É a soma das áreas dos compartimentos da habitação, com excepção de vestíbulos, circulações interiores, instalações sanitárias, arrumos e outros compartimentos de função similar, e mede-se pelo perímetro interior das paredes que limitam o fogo, descontando encalços até 30 cm, paredes interiores, divisórias e condutas.
    Fonte: Regulamento Geral das Edificações Urbanas. Decreto-Lei n.º 650/75, de 18 de Novembro. Alínea c) do n.º 2 do artigo 67.º.

    AU é diferente de Ah
    Mais uma vez, do glossa´rio do INE:
    Área útil do fogo (Au)
    É a soma das áreas de todos os compartimentos da habitação, incluindo vestíbulos, circulações interiores, instalações sanitárias, arrumos, outros compartimentos de função similar e armários nas paredes, e mede-se pelo perímetro interior das paredes que limitam o fogo, descontando encalços até 30 cm, paredes interiores, divisórias e condutas.
    Fonte: Regulamento Geral das Edificações Urbanas. Decreto-Lei n.º 650/75, de 18 de Novembro. Alínea ;) do n.º 2 do artigo 67.º.

    Portanto não sei onde foram arranjar tanta dúvida XD
    Isto são definições básicas.
    anexo também o documento do INE com as instruções de preenchimento das fichas INE e o glossário....

  13. joaocapote.. e essa casa na suiça, concerteza não são com valores de obra (para os 180m2) de 150.000€ ?! pois não .. talvez andem a partir dos 350.000€ ou mais. Esse tipo de actuação, é a desejável, mas não a REALIDADE, de 99% dos projectos em Portugal... Seja realista e diga qual o cliente que pode pagar, em Portugal um arquiteto a tempo inteiro durante 10 ou 12 meses... ;) a pelo menos 1200€/mês. Está a aplicar conceitos para realidades muito distintas. Caro joão, não baixe preço.. não faz mal. Mas diga-me com sinceridade, se um cliente particular pretende construir uma habitação de 200.000,00€ vai dispender apenas para o projecto de arquitectura e seu acompanhamento em obra, 30.000€ + IVA.... como dizem os Brasileiros.. caia na real!!!

  14. Ninguem trabalha em AUTOCAD 3d. DEVE FREQUENTAR O CURSO QUE SERVIRÁ OS SEUS INTERESSES E PROPOSITOS. Se quer seguir a opção paramétrica, tem o REVIT. ( 2D+ 3D) Se quer apostar em 2D, e não tem conhecimentos, faça o modulo ACAD 2D. Se quer apenas modelar para apresentaçãoe e estudos volumetrico, utilize e aprenda sozinha ou em curso o Sketchup. O Photoshop, poderá ser útil.. ou não. Eu não utilizo porque é caro, é complexo e não se está sempre a utilizar.. Para desenrascar utilizo o COREL suite. Mais econpmico e mais simples de aprender sozinho. O workflow do trabalho no meu atelier é: - Desenho à mão; - Modelação/ maquete virtual de estudo e posterior de apresentação em SKETCHUP + 2D em ACAD LT. - Desenho técnico em 2D, com ACAD LT.( Licenciamento e execução) Em Projectos de execução também utilizo o SU, em determinados esquemas técnicos.

  15. como deve saber, tem uma garantia de 5 anos para as obras executadas. A melhor solução.. parece-me, sem ver o problema, pela colocação de uma sub-telha entre o Isolamento térmico e a telha. Pode ser uma solução da ONDULINE. As infiltrações podem provir de má execução de remates no perimetro e pontos singulares da cobertura e não ser necessário a aplicação da sub-telha.. Ficou termicamente pior, em que sentido , explique quais os sintomas?

×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.