Jump to content
Arquitectura.pt


Against

Membros
  • Content Count

    355
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    2

Posts posted by Against

  1. Isto é no mínimo assustador... ;)

    One Earth just doesn't cut it anymore. As our population grows and we continue to consume resources at an alarming rate, we’ll need the equivalent of a second Earth by 2030 to maintain our current lifestyle. That’s the finding of the latest report from the World Wildlife Fund. And since we don’t have a spare lying around, it’s time to make a drastic change. The WWF, in conjunction with the Zoological Society of London and the Global Footprint Network, released The Living Planet Report 2008, which projects humanity’s ecological footprint relative to the Earth’s biocapacity. And, after looking at factors such as deforestation, water consumption, pollution, climate change, and overexploitation of wildlife, the findings are dire:

    Our global footprint now exceeds the world’s capacity to regenerate by about 30 per cent. If our demands on the planet continue at the same rate, by the mid-2030s we will need the equivalent of two planets to maintain our lifestyles. And this year’s report captures, for the first time, the impact of our consumption on the Earth’s water resources and our vulnerability to water scarcity in many areas.

    But the report isn’t entirely pessimistic. The WWF believes that humanity can alter the path of overconsumption and, by turning toward sustainable practices, close the gap between mankind’s ecological footprint and the Earth’s biocapacity:

    The good news is that we have the means to reverse the ecological credit crunch – it is not too late to prevent an irreversible ecological recession setting in. This report identifies the key areas where we need to transform our lifestyles and economies to put us on a more sustainable trajectory.

    http://io9.com/5074071/humans-will-need-a-second-planet-by-2030
  2. Isto parece-me uma ideia um tanto ou nada disparatada...

    Nuno Teixeira, um designer industrial português, desenhou uma espécie de aparelho televisivo onde podemos cheirar o filme que estamos a ver. Segundo a discrição do designer:

    Imagem colocada
    Imagem colocada

    SMELLIT
    Taste your movies like you never have

    Nowadays we have excellent sound and HD movies in our Home Movie Theatres. But it lacks something of extreme importance, something that will transport you definitely to the center of the action, the sense of smell. So why not go a step forward with SMELLIT?
    SMELLIT can make you drool, like when you see that Chef taking a hot and crispy pizza from the oven. Or make you turn your head and wish you can take that "putrefaction" cartridge out of the smell board.
    Are you ready to feel the smell?

    Eu tenho um largo número de filmes cujo os cheiros dispenso... Por outro lado, imaginem o cheiro do Ratatouille! Lembro-me de haver um programa televisivo em Inglaterra em que era posto à venda um livro que depois ao se assistir ao programa se ia raspando sítios no livro que tinham o cheiro daquela cena, ou daquele cozinhado, ou o que fosse. Isto é mais ou menos a mesma coisa! ;)
  3. Eu acho que está bastante engraçado! :p O painel é que não me convence, por exemplo o tamanho da font onde explicas o que era pedido é exagerado! Só tinham que entregar um painel? É que enfiaste ali tanta informação que ficou muito maçudo, os painéis têm como função uma apreensão rápida do projecto. O teu não permite isso. A tua explicação quase que parece uma memória descritiva, no painel não precisas disso (a não ser que seja o pedido como é óbvio). Mas sem dúvida que gostei da maqueta, não tiveste que desenhar plantas? Esquissos e desenhos que te levaram à conclusão que seria assim e não assado? Era interessante vermos isso! É que assim só podemos "avaliar" o painel, e nós não somos designers, é mesmo arquitectos na maioria! :p Porque mais do que saberes escreveres uma descrição, os desenhos têm que ser uma representação dos que escreves, senão um dos dois está errado! Ah, continuo a gostar mais da Alice no País das Maravilhas Original! XD ;)

  4. Pois bem Luz eu sou aluna da UBI de arquitectura, e é verdade o que o TiCo escreveu. O meu primeiro ano na UBI foi no limiar do razoável e do mau! As exigências eram “patéticas”. A história entregamos um powerpoint que nem apresentação foi preciso, e eu fiz o meu na semana antes, sem orientação do professor e tive 15! Foi uma alegria porque não trabalhei para ele, foi mesmo dado… A Geometria bastava ires a frequência, clara que não eram fáceis, mas isso depende do que dedicaste à disciplina! Não havia qualquer outro tipo de exigência ou de trabalhos, bastava mesmo teres noção de geometria. A projecto, melhorou com a chegada de um novo professor com umas ideias novas! Também ele dava teoria e foi a primeira disciplina teórica em que realmente tivemos que nos esforçar, mas também dava um gozo enorme fazê-lo porque havia o acompanhamento do professor! A desenho o primeiro semestre havia aquela exigência de fazer os desenhos todos na aula, era óptimo porque éramos acompanhados pelos profs e tínhamos noção da nossa evolução. E sim, tivemos que entregar uma apresentação multimédia no final, que até deu um certo gozo fazer, mas também andava um pouco longe do conteúdo da disciplina. No segundo semestre a essa disciplina fiz os desenhos todos na semana antes, e mais uma vez tive uma nota que apesar de estar de acordo com o trabalho que produzi, também não me exigiu grande esforço, tive sorte que as apresentações ficaram bem catitas e ele gostou! Tive oportunidade de mudar de Universidade, não o fiz. Não achei que conseguisse aguentar o ritmo, porque na UBI era tudo muito calminho, sem stress, tudo se faz. No segundo ano o prof de projecto atribui notas até ao 16, o reitor diz que não se pode dar mais porque senão não há “igualdade” entre as universidades… Esta foi a explicação dada pelo professor quando lhe perguntei. Então o 16 é o novo 20 como nós lhe chamamos, ainda pensamos que o prof. ia “taxar” as outras notas a partir do 16, mas afinal não! A nota mais baixa foi um 11! Fantástico! Já percebi porque não há alunos repetentes no segundo ano de projecto… Novamente História, novo trabalho para entregar em powerpoint antes do natal, ah e já sei que no segundo semestre vai ser a mesma coisa, por isso já posso ir adiantando trabalho! Não estou a dizer que a UBI é pior, o nível de exigência é que fica muito aquém do que conheço das outras universidades, sim, já tive que fazer directas a projecto, já tive enrascada com trabalho, mas isso deve-se mais ao meu jeito de deixar acumular (é para lhe dar mais emoção!:)). E não existe biblioteca de arquitectura, eu tenho mais livros em casa. Existe sim uma estante com arquitectura escrita no cimo para dar a ideia que vai haver ali alguma coisa! Agora a verdade é que o curso está agora no sexto ano, ainda tem muito que fazer até começar a levar as pessoas a considerá-lo. Mas se alguém me perguntar eu nego isto tudo e digo que a UBI é a melhor universidade do país! :O

  5. Qual Philippe Starck, qual espremedor? Agora é uma caixinha de madeira, e um martelinho! Isto faz lembrar um mó, não faz? Não é tão súbtil como um espremedor comum, mas a subtiliza é overrated! :)

    O design é do londrino Edward Horsford, e como já li algures, é uma forma fantástica de resolver ou atenuar frustrações depois de um dia de trabalho!

    Imagem colocada

    Imagem colocada

    Imagem colocada

  6. Gosto do conceito da foto do cais do sodré. Acho que precisas de afinar uns truques no que toca à luz (tens demasiado exposição numas e a menos noutras) e cuidado porque tão tremidas. Depois podes sempre recorrer ao PS para puxar algumas cores e tornar a fotografia mais "interessante". :)

×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.