Jump to content
Arquitectura.pt


Braga | Novo Hospital Central de Braga | bmm arquitectos


Recommended Posts

NOTICIAS

“Primeira pedra lançada no Verão

Depois do Grupo Escala Braga ter sido escolhido para parceiro privado, o novo Hospital de Braga está agora mais perto da concretização. O lançamento da primeira pedra está a ser programado para o Verão e deverá contar com as presenças do primeiro ministro e da ministra da Saúde.
A conclusão do processo de selecção do parceiro privado para a ‘Concepção, Projecto, Construção, Financiamento, Conservação e Exploração do Hospital de Braga em regime de parceria público-privada” marcou o início de uma nova fase na já longa caminhada para a construção do novo hospital de Braga, que, como é público, será erguido em Gualtar, junto à Escola de Ciências da Saúde da Universidade do Minho.
Depois da opção pela proposta mais rápida (que prevê a construção do hospital em 27 meses), a tutela ultima agora a negociação da minuta do contrato a assinar com o Grupo Escala Braga, liderado pela José de Mello Saúde.
Entretanto, o ‘Correio do Minho’ está em condições de avançar que já há movimentações no terreno no sentido de que o primeiro ministro, José Sócrates, e a ministra da Saúde, Ana Jorge, possam vir a Braga até meados do Verão para a cerimónia de lançamento da primeira pedra do novo hospital.

A proposta da José Mello Saúde (que surge no quadro do consórcio estabelecido com a Somague e a Edifer) além do rápido prazo para a conclusão da obra, teve ainda o mérito de se situar abaixo do custo público comparável.
De acordo com o despacho conjunto dos Ministérios das Finanças e da Administração Pública e da Saúde — publicado em Diário da República na passada sexta-feira — verifica-se que a proposta do Escala Braga “evoluiu de uma situação em que o valor actualizado líquido dos pagamentos do Estado (VAL) era inferior ao Custo Público Comparável em cerca de 167.223 milhares de euros, ou seja em cerca de 14 %, para a existência de uma poupança potencial de cerca de 33 %”.
Com efeito, “o VAL associado à proposta do concorrente Agrupamento Escala Braga ascende, no final da fase de negociação competitiva, a 794.519 mil euros, ou seja, é inferior ao custo público comparável em cerca de menos 391.785 milhares de euros. Estes valores encontram-se actuali-zados a preços de Janeiro de 2006” — frisa o referido despacho.
Temos assim que o parceiro privada vai investir quase 800 mil euros, enquanto que ao Estado caberá despender cerca de 214 mil euros (as verbas não incluem IVA).”

IN “Correio do Minho”

"São Marcos prepara programa comemorativo de cinco séculos



Magalhães Costa

O lançamento da primeira pedra do Novo Hospital de Braga deverá ocorrer durante o terceiro trimestre deste ano, de acordo com a convicção de Lino Mesquita Machado, presidente do Conselho de Administração do Hospital de São Marcos.

Aquele responsável considerou esse acto como uma "prenda" para o São Marcos que, este ano, comemora os 500 anos de existência, depois de fundado, em 1508, pelo Arcebispo D. Diogo de Sousa, e cuja efeméride será assinalada, no próximo dia 27 deste mês, com uma eucaristia, presidida por D. Jorge Ortiga, Arcebispo Primaz de Braga, na Sé Catedral.

Recorde-se que, no início deste ano, o consórcio Escala, composto por José de Mello Saúde, Somague e Edifer, foi o vencedor do concurso internacional para a construção e a exploração da unidade hospitalar, através de uma parceria público-privada que deverá estar concluída em 2010.

Na apresentação do programa dos 500 anos do Hospital de São Marcos, Lino Mesquita Machado disse, na oportunidade, que o hospital bracarense "está de boa saúde", quer do ponto de vista financeiro quer de ordem assistencial.

Questionado sobre o futuro do São Marcos - após a conclusão do Novo Hospital de Braga -, escusou-se, de momento, a traçar qualquer cenário, remetendo tal tarefa para a Santa Casa da Misericórdia de braga, a entidade proprietária do edifício hospitalar.

Bernardo Reis, Provedor da Misericórdia de Braga, admitiu, hipoteticamente, a transferência de alguns serviços do São Marcos para a Santa Casa, através de eventuais negociações com o hospital bracarenses e com o próprio Ministério da Saúde.

"Neste momento, não temos ainda um projecto definido para o espaço do São Marcos, mas é nossa intenção privilegiar instituições, como a nossa, ligadas á saúde e á assistência social", disse.

Relativamente ao programa dos 500 anos do Hospital São Marcos, o mesmo tem início no dia 27 do corrente, com o Dia do Hospital. Em Setembro, será a vez da inauguração de uma exposição alusiva ao hospital bracarense e o encerramento marcado para 20 de Novembro. "

IN "JN"


Novo hospital avança este ano


Denisa Sousa

O novo hospital de Braga "terá obra no terreno ainda este ano", assim que o Governo fechar as negociações do contrato com o vencedor do concurso (Escala Braga, do Grupo Melo) e o Tribunal de Contas o validar. A garantia foi deixada pelo secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Manuel Pizarro, que, ontem, nas comemorações dos 500 anos do Hospital de S. Marcos fez questão de sublinhar que "Braga será um dos grandes centros dos serviços de Saúde em Portugal", combinando academia e investigação com a melhor resposta assistencial.

A união entre a Escola de Ciências da Saúde, Instituto Ibérico de Nanotecnologias e o futuro hospital, cuja construção está aprazada para 2010, devem ser, considera, "motivo de exaltação por parte da comunidade" e a oportunidade perfeita para a convergência num plano comum das entidades que participaram na cerimónia Administração Regional de Saúde do Norte, Universidade do Minho, Santa Casa da Misericórdia e Câmara Municipal de Braga.

Apontando o "elevadíssimo nível tecnológico e humano" do S. Marcos, Manuel Pizarro não deixou de mencionar a premência de uma mudança almejada há duas décadas. O presidente do Conselho de Administração, Lino Mesquita, deu conta dos números da mudança, dos investimentos avultados e remodelações nos últimos três anos, mas não se esqueceu de "repreender" os "profetas da desgraça" e os "padrinhos de ocasião que aparecem à luz do dia querendo ocupar o espaço dos que realmente têm feito algo" pela celeridade do processo do novo hospital.

Num discurso optimista, o responsável frisou que "todos devem continuar a acreditar nas virtualidades do serviço público, permanecendo vigilantes para que tudo continue a ser o que tem sido", "independentemente do modelo de gestão". Já o Presidente da Câmara de Braga, Mesquita Machado, considera "assegurado um futuro risonho" que fará esquecer os "acidentes burocráticos" que atrasaram a construção do futuro hospital.

JN, 29/04/2008

Sócrates garante hospital em 2011

Um sonho com 24 anos foi concretizado este domingo com a assinatura do contrato de construção e gestão do novo Hospital de Braga, em cerimónia presidida pelo primeiro-ministro, José Sócrates, na sua deslocação ao Minho.


"Espero não me reformar sem que este hospital esteja construído", a vontade determinada do primeiro-ministro, José Sócrates, ontem manifestada, em Braga, durante a cerimónia da assinatura do contrato de construção e gestão do futuro Hospital Central e Universitário, cujas obras se iniciam em Janeiro de 2009, prevendo-se a sua entrada em funcionamento em 2011.

O chefe do Governo reagiu, assim, ao gracejo feito por Mesquita Machado, presidente da Câmara de Braga, ao relembrar que a decisão e anúncio para a construção do novo Hospital de Braga remonta a uma época anterior à entrada de José Sócrates na vida política (aconteceu em 1987). Ou seja, um processo que levou 24 anos, com impasses, atrasos, indecisões, e só agora concretizado após a parceria público privada com o consórcio "Escala Braga".

José Sócrates defendeu um hospital que "seja referência" no Sistema Nacional de Saúde (SNS), ao mesmo tempo que enalteceu a sua vertente universitária, no domínio da Investigação e das Ciências da Saúde, em parceria com a Universidade do Minho. "Queremos construir um dos hospitais mais modernos do país", sustentou.

A ministra da Saúde, Ana Jorge, disse que o novo Hospital de Braga vai representar "um salto qualitativo" na gestão e eficiência dos serviços de cuidados de saúde, revelando, na oportunidade, a importância futura da nova unidade hospitalar na área da cirurgia do ambulatório e hospital de dia. Por outro lado, aludiu às novas especialidades médicas consideradas "de ponta" ao nível da medicina moderna, tais como, entre outras, Radioterapia, Quimioterapia, Medicina Nuclear e Cardiologia Pediátrica.

O hospital, que servirá uma população aproximada de um milhão de pessoas (distritos de Braga e de Viana do Castelo) terá, como o JN avançou ontem, uma capacidade de 704 camas, nove salas do Operatório, três do Ambulatório e 59 gabinetes de Consulta Externa.

A José de Mello Saúde, um dos parceiros do consórcio "Escala Braga" considerou esta parceria público-privada "um compromisso de longo prazo e uma grande responsabilidade perante o país.

De resto, o contrato assinado entre o Estado e o consórcio "Escala Braga" tem uma duração de 30 anos e uma gestão durante 10 anos, estando a construção do novo hospital orçado em 794 milhões de euros.

"O contrato que acordámos, após uma negociação detalhada, coloca-nos perante metas exigentes de qualidade e de eficiência. Estamos seguros de que só será bem sucedido se existir uma efectiva parceria entre o operador privado e o Estado", disse Salvador de Mello, presidente do Conselho de Administração da José de Mello Saúde.

JN


MAQUETA

http-~~-//www.norigem.pt/imagens/esc_0500_03_1.jpg
Link to post
Share on other sites

Please sign in to comment

You will be able to leave a comment after signing in



Sign In Now
×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.