Jump to content
Arquitectura.pt


Portugal | Varios Projectos | Varios Autores


Recommended Posts

Polo de Negocios de Braga

Apresentação
O Pólo de Negócios de Braga é um empreendimento destinado a escritórios e espaços comerciais. Foi projectado para ser um edifício vanguardista e sustentável energeticamente com Certificação Energética Classe A, assegurando a qualidade do ar interior bem como um eficiente consumo energético. Dispõe de uma ampla superfície vidrada nas fachadas e acabamentos de nível superior.

Apetente para as empresas se instalarem ou relocalizarem em espaços mais modernos e com uma maior facilidade de uso, destacando, a este nível, melhores performances quando comparados com a oferta dos edifícios actualmente existente na cidade de Braga.

Com aproximadamente 10.000m2 de comércio, 12.000m2 de serviços e 700 lugares de estacionamento em parque subterrâneo, beneficia de excelentes acessibilidades sendo servido pelas variantes de Lamaçães e Circular de Braga. Insere-se numa zona intensamente comercial e de grande visibilidade próxima do futuro Laboratório Internacional de Nanotecnologia.

http-~~-//polodenegociosdebraga.com/images/imag1.jpg

http-~~-//polodenegociosdebraga.com/images/imag2.jpg

http-~~-//polodenegociosdebraga.com/images/imag4.jpg

http-~~-//polodenegociosdebraga.com/images/imag6.jpg

via http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=763324

Link to post
Share on other sites

Casino Chaves abre dia 19
e aposta no Interface Norte-Galiza


Sala de máquinas com 322 slot-machines e sala mista com máquinas e jogos bancados – duas bancas francesas, três black-jack, quatro roletas americanas, um póquer sem descarte, um ponto e banca e dois Poker Texas Hold’em - constituem alguns dos principais atractivos do Casino Chaves, que a Solverde abre no próximo dia 19 do corrente mês de Janeiro.

Vocacionado também para a animação, a nova unidade do grupo Solverde conta ainda com o restaurante e sala de espectáculos “Península”, que prevê uma programação variada, quer através da exibição de espectáculos diários quer com a realização de concertos com conceituados artistas nacionais e internacionais. Apresentando uma capacidade para seiscentas pessoas, aquela sala está dotada dos mais modernos equipamentos e tecnologias, estando assim apta para acolher quaisquer tipos de concertos e de eventos de natureza musical, cultural ou recreativa, e garantindo as melhores condições de conforto.

Os frequentadores do Casino Chaves encontrarão ainda excelentes estruturas de apoio, entre os quais três bares, o “Gran Via”, na sala das máquinas, o “Black Tie”, na zona dos jogos bancados, e o “Plaza”, no hall, podendo neste último desfrutar da mais atractiva programação musical.

A abertura do Casino, situado junto à saída da A24 para Chaves, precede assim a inauguração do complexo turístico, com um hotel de quatro estrelas, num investimento global de 40 milhões de euros, que prevê a criação de 220 postos de trabalho directos. Com esta nova aposta, a Solverde alarga a sua área de influência aos mercados do interior norte do País e da Galiza.


Grupo Solverde

Vocacionada para a área turística a Solverde foi fundada em 1972 por Manuel Violas, liderando um grupo de investidores da região de Espinho. Actualmente, sob a liderança dos irmãos Manuel Violas e Celeste Violas, a empresa detém a Norte o Casino Espinho, o Hotel Apartamento Solverde e o Hotel Solverde SPA & Wellness Center, e a Sul, os Casinos de Vilamoura, Monte Gordo e Hotel Algarve Casino, na Praia da Rocha.

Com uma moderna política de gestão e de rendibilização de oportunidades e de investimento, a Solverde mereceu já o reconhecimento do Governo, que lhe atribuíu já por duas vezes, mercê de todo esforço efectuado em prol do sector, a “Medalha de Mérito Turístico em Ouro”.

Registe-se ainda que os Casinos Solverde deixaram de ser há muito espaços quase exclusivamente vocacionados para o jogo, para se tornarem numa valência essencialmente virada para os sectores de animação e de cultura, não só porque se tornaram áreas abertas às mais variadas manifestações de natureza cultural, como também porque ali passaram a exibir-se espectáculos que dignificam a música e os artistas portugueses e estrangeiros.


Chaves - Primeiro-Ministro inaugura sábado Hotel Casino que custou 50 milhões de euros

O complexo turístico Hotel Casino Chaves, que o primeiro-ministro inaugura sábado, representou um investimento do grupo Solverde de 50 milhões de euros e criou 230 postos de trabalho directos

José Sócrates vai assistir a um jantar de gala na sala Península do hotel/casino, onde decorrerá um espectáculo com Rui Veloso, Ana Moura e Paulo Gonzo.

O complexo turístico da Solverde, que fica situado junto à saída da Auto-estrada 24 (A24) para Chaves, a apenas oito quilómetros de Espanha, representa um dos maiores investimentos privados efectuado no Alto Tâmega.

O grande objectivo da Solverde foi, segundo a fonte da empresa, «alargar a sua área de influência aos mercados do interior norte de Portugal e da Galiza», já que o empreendimento do género mais próximo situa-se na Póvoa de Varzim.

O casino abriu portas em Janeiro, com sala de máquinas com 322 slot-machines e sala mista com máquinas e jogos bancados - duas bancas francesas, três black-jack, quatro roletas americanas, um póquer sem descarte, um ponto e banca e dois poker Texas hold'em, quatro bares e uma sala de espectáculos, com capacidade para 600 pessoas.

Os jogos bancados são os mais procurados pelos jogadores, muitos provenientes da vizinha Espanha.

A unidade hoteleira de quatro estrelas abriu em Junho, com 72 quartos e seis suites, distribuídos por três pisos aos quais se chega através de dois elevadores. Possui ainda dois restaurantes, seis salas de reuniões e um business center.

Implementado numa área ajardinada de 340 mil metros quadrados, o hotel está dotado de todas as facilidades tecnológicas, apresentando uma forte aposta no lazer e no bem-estar através de um health club, com piscinas interior e exterior, campos de squash e futebol, circuito de manutenção, driving range e putting green.

Vocacionada para a área turística a Solverde foi fundada, em 1972, por Manuel Violas, liderando um grupo de investidores da região de Espinho.

Actualmente, sob a liderança dos irmãos Manuel e Celeste Violas, a empresa detém a Norte o Casino Espinho, o Hotel Apartamento Solverde e o Hotel Solverde SPA & Wellness Center, e a Sul, os Casinos de Vilamoura, Monte Gordo e Hotel Algarve Casino, na Praia da Rocha.



RENDERS

http-~~-//www.solverde.pt/conteudos/Casino_Chaves_280.jpg

OBRAS

http-~~-//i145.photobucket.com/albums/r235/fer_mars/Villfafila/DSC00780.jpg

http-~~-//i145.photobucket.com/albums/r235/fer_mars/Valencia/17.jpg

Link to post
Share on other sites

ACasa de Saúde de Guimarães e o Hospital da Trofa uniram-se e, juntos, vão investir mais de 15 milhões de euros num novo hospital privado, em Guimarães. Este, que será o maior investimento privado na área da saúde na última década, no Minho, deverá abrir as portas ao público no dia 24 de Junho de 2007, por ocasião de mais um aniversário da Batalha de S. Mamede. As obras arrancam ainda antes do Verão. O complexo não servirá apenas o concelho de Guimarães. O hospital pretende operar uma verdadeira revolução na área da Saúde, ao dar, igualmente, assistência aos concelhos de Caldas de Vizela, Fafe, Cabeceiras de Basto, Celorico de Basto, Mondim de Basto, Póvoa de Lanhoso, Vila Pouca de Aguiar, Ribeira de Pena e Felgueiras. Segundo o presidente da Casa de Saúde de Guimarães, Teófilo Ribeiro Leite, esta unidade surge com o intuito de vencer as carências existentes em algumas especialidades médicas, bem como para proporcionar a cerca de 370 mil pessoas, um serviço de qualidade quer a nível de atendimento quer de acomodações. A construção do empreendimento, que se destacará pela originalidade da sua volumetria e arquitectura, terá lugar na freguesia de São Tiago de Candoso, local estrategicamente escolhido face à proximidade das novas valências desportivas de Guimarães, como a Pista de Atletismo Gémeos Castro e o Complexo de Piscinas. Com uma extensão de 10 155 metros quadrados, o edifício, que promete ser "amplo, confortável e luminoso", integrará quatro salas de bloco operatório, três salas de maternidade, 34 consultórios e 96 camas. Terá, assim, todas as condições necessárias para que "os pacientes recebam a melhor assistência e para que os profissionais trabalhem num ambiente agradável, que lhes permita proporcionar uma atenção personalizada". Oferta alargada de serviços Contrariamente à maioria dos hospitais privados, face à falta de capacidade de investimento, este não se orientará apenas para o desenvolvimento de actividades ambulatórias e fornecimento de meios complementares de diagnóstico. Intervindo na promoção e prevenção, com passagem pelo diagnóstico e tratamento, a Casa de Saúde de Guimarães e o Hospital da Trofa decidiram investir num hospital de serviço integrado, que prestará assistência a todas as fases da vida. Funcionará em rede com outros equipamentos similares, que, pela proximidade, poderão responder em regime de complementaridade e, deste modo, alargar a oferta de serviços médicos. A longo prazo, espera-se a rentabilidade do projecto, que, segundo Teófilo Ribeiro Leite, será "aplicada em novos benefícios" para a comunidade. "Podíamos ter investido em áreas de menor risco e retorno mais rápido. Mas apostámos na prestação de serviços de saúde de excelência porque é para nós uma questão de princípios e de valores", afirmou. via http://www.oconquistador.com/fotos/91/1106.JPG http://www.oconquistador.com/fotos/91/1107.JPG

Link to post
Share on other sites

A partir de Novembro, e durante sete meses, o Solar dos Carneiros, edifício que acolhe o Museu, vai sofrer obras de remodelação e ampliação.
Todas as características do edifício original serão mantidas mas, da obra, destaca-se a ampliação para as traseiras do actual edifício, a reestruturação das estruturas existentes e a melhoria das acessibilidades e sistemas de segurança.

Esta intervenção vai permitir a definição do que é espaço público, semi-público e privado, uma clarificação possível devido à ampliação do Museu. Será na nova infra-estrutura que irão funcionar os serviços de restauro, arquivo, entre outros, e também uma área semi-pública, de acesso condicionado para investigadores às reservas do Museu, apoiados por uma sala de biblioteca.

O novo edifício irá libertar espaço no Solar dos Carneiros, que passará a acolher o espólio organizado cronologicamente, adquirindo, assim, um discurso mais lógico. No entanto, a renovação no Museu não será total, pois espaços como a Capela, a Sala de Visitas e a Cozinha, “herdados” da casa senhorial, serão preservados. O edifício vai passar a contar com um auditório, uma cafetaria, novos espaços para exposições e salas para os serviços educativos, fruto da intervenção que será feita no pátio do Museu, que vai passar a contar com uma cobertura envidraçada, garantindo, assim, a entrada de luminosidade solar.

O problema da segurança e das acessibilidades foi uma das razões principais para esta obra. O Solar dos Carneiros é um edifício brasonado, reconstruído na segunda metade do séc. XVIII, e como tal, não se adequava totalmente às suas funções enquanto museu. Pequenos degraus e escadas resultavam muitas vezes em obstáculos para quem visitava o Museu, problema que vai ser agora ultrapassado com a instalação de um elevador e de rampas de acesso entre os dois edifícios. O sistema de segurança será redimensionado, assim como as medidas de controlo e serão criados caminhos de evacuação. A entrada principal para o público continuará a ser na Rua Visconde de Azevedo, onde vai ser instalada uma rampa para melhores condições de acesso. Já o acesso privado será feito através do novo edifício, pela Rua Carlos Alberto.

As características do edifício original serão mantidas, sendo que a nível da fachada se procederá à recuperação dos alçados através da sua limpeza e nova pintura, com reparação da caixilharia existente. No sentido de garantir boas condições de isolamento e impermeabilização, as coberturas em fibrocimento vão ser substituídas, assim como o pavimento existente, que será trocado por um que enobreça o espaço, tornando-o mais acolhedor e cómodo.

RTP

Museu Etnografia e História da Póvoa de Varzim reabre em Fevereiro

Póvoa de Varzim, 12 Janeiro (Lusa) - Depois de ter estado mais de dois anos fechado, o Museu de Municipal de Etnografia e História da Póvoa de Varzim vai abrir em Fevereiro, após ter sido alvo de uma longa intervenção que visou a sua recuperação e ampliação, adiantou à Lusa o vereador com o pelouro da Cultura da Câmara local.

"A falta de espaço era o principal problema do edifício que foi aumentado, de forma a permitir melhores condições de trabalho, alargar as áreas de exposição e acondicionamento de espólio", justificou Luís Diamantino.

O solar dos Carneiros, um edifício do século XVII, onde está aquartelado aquele equipamento, foi ampliado para a zona das traseiras, onde havia terreno disponível, sendo que ao nível da fachada não houve qualquer alteração, apenas foram feitos trabalhos de manutenção.

Para além deste novo edifício, as obras abrangeram também o interior do Museu, onde foi implementada uma biblioteca, mais salas de exposição, a reformulação das áreas de reservas para "permitir visitas de historiadores ou de pequenos grupos", disse o vereador.

O investimento para esta intervenção foi de um milhão e 200 mil euros, sendo que 54% foi comparticipada pelo Programa Operacional da Cultura (Modernização e Dinamização dos Museus Nacionais) e resultou de uma candidatura da autarquia que, nos últimos 10 anos, viu aprovadas mais de meia dúzia de propostas ligadas à manutenção e animação de edifícios e sítios históricos, num total de dois milhões e 300 mil euros.

A Câmara Municipal vai aproveitar o Correntes d` Escritas, que decorre de 11 a 14 de Fevereiro, para cortar a fita ao novo espaço que também servirá para acolher "actividades culturais diversificadas, uma forma de captar mais visitantes".

O Museu Municipal da Póvoa de Varzim foi fundado pelo poveiro Santos Graça, um autodidacta, político e etnógrafo e sempre funcionou no Solar dos Carneiros, um edifício brasonado e que foi reconstruído na segunda metade do século XVIII, tendo sido posteriormente adquirido pelo Município em 1974. Em 1985 foi declarado Imóvel de Interesse Público.

Ao longo dos vários anos em que esteve a funcionar, o Museu foi acolhendo diversas colecções que foram adquiridas ou oferecidas à edilidade.

A maioria do espólio presente naquele espaço tem a ver com as tradições e costumes das gentes do mar e inclui as artes dos pescadores, a faina, os modelos de barcos de pesca e salva-vidas, a religiosidade e as crendices.

De resto, uma das peças que mais desperta o interesse dos visitantes é uma Lancha Poveira do Alto, a "Cego do Maio", que tem realizado várias viagens em Portugal, Espanha e França e que vai continuar e exposição numa das salas daquele equipamento.

Paralelamente a esta actividade do Museu, situado no coração da cidade, a autarquia vai continuar a "dinamizar os pólos museológicos localizados na Cividade de Terroso e na vila de S. Pedro de Rates", concluiu Luís Diamantino.

MYV.

Lusa/Fim

via http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=618065

Link to post
Share on other sites
  • 2 weeks later...

Será mais um edifício construído sob o conceito do grupo Mateus “Residencial & Resort” onde terá como principal característica a sua inserção na envolvente. Os volumes do edifício desdobram-se e articulam-se em função da rua e do declive do terreno dando um maior equilíbrio ao espaço onde se insere. O sentido de conjunto levou-nos a optar pela relação volumétrica entre os corpos que compõem o edifício, onde a diferença de alturas entre o volume superior e o volume inferior permitem uma boa transição formal ao longo do declive do terreno.

O edifício está dotado das melhores condições funcionais e espaciais, bem como de acessibilidade, onde se pretendeu dar uma nova imagem ao conjunto transpondo um claro sentido de modernidade.

Todas as habitações terão um forte relacionamento com o exterior através das várias varandas e terraços que compõem o edifício. Estas permitirão aos moradores desfrutar do horizonte visual e do conjunto edificado que claramente está voltado para a piscina e zonas comuns.

via http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=794432

Link to post
Share on other sites
  • 1 month later...

Esses 3 edifícios perpendiculares em pedra branca chamam-se Boapor II e são da autoria do arquitecto Emanuel Fernandes Silva, do atelier de arquitectura da empresa J.Camilo, também conhecido como dEMM. No site www.jcamilo.com tem algumas imagens desse edifício e de muitos outros bastante conhecidos na cidade do Porto

Link to post
Share on other sites

Please sign in to comment

You will be able to leave a comment after signing in



Sign In Now
×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.