Jump to content
Arquitectura.pt


Lisboa | Centro de arte africana contemporânea | David Adjaye


Recommended Posts

  • 4 months later...
  • Replies 51
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

Africa.cont
em 12.7.09 | | Tags Arquitectura, David Adjaye
El resultado, en nuestro caso, es una importante colección de edificios a los que les falta el alma. Son un reflejo del zeitgeist en el que brilla una estética de la indiferencia atroz y una ignorancia recíproca entre los artistas que aterrizan y los posibles usuarios que, una vez terminadas esas arquitecturas, se quejan amargamente por la colección de incongruencias, inconvenientes y despilfarros que albergan esas construcciones megalómanas.

Frederico García Barba, in Islas e Território, 2007. O Blog passa a estar disponível na coluna lateral.

Quem diz isto é Frederico García Barba, arquitecto, habitante da Gran Canária, acerca do (crescente) fenómeno de investimento público na arquitectura da visibilidade (chamemos-lhe assim, por ora) que se observa no arquipélago espanhol.
Os exemplos são conhecidos. Desde os vários projectos da dupla Herzog & DeMeuron ao Auditório de Tenerife (Calatrava, 2003), as Canárias terão, de algum modo, traçado um objectivo que passa pela aposta em obras de arquitectura que tragam, ao arquipélago, o desejado reconhecimento cultural de um território conhecido sobretudo pelo turismo de massas.

Não é que estratégia política que se encontra na origem deste fenómeno seja despropositada (a esse propósito consulte-se Templos des Arte y el ocio e, porque não, Escenarios criminales, ambos publicados no Babélia de 11-07-09; um e outro sobre as réplicas do fenómeno Guggenheim).
De certa forma ela cumpre o desígnio de marcar determinada cidade. Quer-se simbolizar a sua singularidade; mostrando, através dela, a sua ambição em ser competitiva, atractiva, enfim, moderna.
E é evidente: a arquitectura responde, como poucas, a essa ambição. Se for um Museu, tanto melhor.

Não há político que não saiba o suficiente de semiótica - está-lhes no sangue, a semiótica - para, no mínimo, desconfiar que as cidades sempre se usaram da carga simbólica dos edifícios para se fazerem representar.
E lembram-se, esses políticos da semiótica: a London Bridge, claro, nem que seja por causa da música infantil: A Torre Eiffel, sem dúvida. Ou a Ópera de Sidney. Mais? Em Berlim: as Portas de Brandenburgo. Em Deli: O Tah Mahal, que é em Agra, mas pouco importa: o rigor não é para aqui chamado. Toda a gente imagina, fascinada, o Rio de janeiro quando vê o Cristo Rei. Ou Nova Iorque, quanto se fala do Chrysler. E de Barcelona? Fácil. Até sabem como pronunciar o nome de Gaudi. E o de Gehry em Bilbao também.

Seja qual for o significado desta forma de olhar cidade, dela todos nós partilhamos um pouco: imaginamos Viipuri à medida da biblioteca. Sabemos de cor (e salteado) Chandigardh (apenas) pelos desenhos das portas esmaltadas do Capitólio. Ou conhecemos, todos, Vals, só por causa de um edifício onde se tomam banhos.
É tudo, portanto, uma questão de gestão de conhecimento: quanto mais sabemos de arquitectura, mais elitistas se tornam os nossos reconhecimentos simbólicos de uma determinada cidade.
Olhamos, por isso, de lado, com esgar, quando alguém nos diz que vai ver Gaudi a Barcelona: logo respondendo, como que atenciosamente, que mais vale ir visitar o Pavilhão do Mies. E, se por puro acaso, esse alguém desafia violentamente o nosso conhecimento apurado, desarmando-nos - só por momentos, entenda-se -, ao afirmar, despudoradamente, que já o conhece, ao Pavilhão de Barcelona; então, só então, puxamos realmente dos galões, para explicarmos que afinal o edifício não é o do Mies, mas antes uma réplica, barata, feita nos anos oitenta pela mão de Solá-Morales. E, claro, nesse momento temos já preparada a estocada final, caso o nosso interlocutor não se mostre minimamente surpreendido com a lição que acabamos de lhe dar: mandamos-lhe ir ver Pallafols.

Divagações à parte, aquilo que importa é exactamente referir esse aparente desejo de visibilidade internacional que só a arquitectura parece ser capaz de trazer às cidades.
É esse mesmo fenómeno que, como nunca, se observa em Lisboa.
Depois de anúncios, falhados, de projectos de Jean Nouvel, de Foster e de Gerhy; vemos a insistência: Paulo Mendes da Rocha, com o (polémico) Museu dos Coches, Charles Correia, com a Fundação Champalimaud, e David Adjaye, com o Africa.Cont.
Sublinhe-se: é uma estratégia consciente; venha ela donde vier.
E é fácil de comprovar, não fosse uma pequena e inócua fuga de informação confirmar(-me) negociações, falhadas, com o gabinete de Herzog & DeMeuron para o projecto de um (outro?) Museu em Lisboa.

Na verdade aquilo que (nos) importa não é tanto a relação entre a política e a semiótica, mas os seus resultados. Arquitectónicos.
Aceitar projectos de arquitectos “de fora” parece ser matéria ausente de qualquer polémica. E no entanto assumir que esses projectos se expliquem simplesmente pela visibilidade que os seus autores possam trazer às nossas cidades é, no mínimo, um erro.

Vem tudo isto a propósito do esboço para o Africa.Cont, apresentado por David Adjaye no final de Junho.

Tínhamos já aqui falado de Adjaye e do Africa.Cont, achando ser a escolha do arquitecto inglês nascido na Tanzânia totalmente demagógica, primária até.
Entretanto Adjaye viria a ganhar o concurso para o Smithsonian’s National Museum of African American History and Culture, em Washington; tornando-se de certa forma o Africa.Cont secundário para o autor; ao mesmo tempo que se confirmava Portugal único no modo displicente com que vai adjudicando projectos de edifícios relevantes sem recurso a concursos.

Dizia-se, aquando do convite a Adjaye que o autor conhecia bem África, mas ainda mais Portugal, ou não tivesse a sua experiência profissional passado pelo gabinete de Souto de Moura.
Aparentemente o conteúdo desse saber resume-se, por ora, a análise, no mínimo académica, do contexto da futura obra, cujo projecto, certamente difícil, não expressa qualquer vontade simbólica que a arquitectura da visibilidade costuma ter.
Adjaye não tinha de o fazer, ao Museu, disparatadamente visível. Ainda bem que o não faz.

Na verdade o projecto vai exactamente no sentido oposto; o que não é garante de vantagem alguma.
Os desenhos de Adjaye revelam um autor ausente, incapaz de gerir eficazmente aquilo que aparenta ser a principal aposta do projecto - a ligação, pública, entre a Rua das janelas Verdes e a Av. 24 de Julho.
O projecto parece ele próprio inseguro dessa opção, obrigando-se à duplicação de programa, às cotas inferior e superior; sem que nunca consiga tornar eficaz essa ligação urbana, nem mesmo dela tirar qualquer proveito a nível expositivo.

Na verdade Adjaye limita-se a gerir os edifícios que encontra no local, ocupando-os, moldando o organograma programático às suas confrangedoras limitações, revelando-se (surpreendentemente) incapaz de os transformar num conjunto uno, funcionalmente ajustado ao programa museológico.
Aqui, ao invés das Salas de Exposição se organizarem segundo um percurso (ascendente ou descendente) objectivo, ligando os patamares inferior (a 24 de Junho) e superior (as Janelas Verdes); o projecto obriga os visitantes a sucessivos turning backs de cada vez que acedem a uma Sala de Exposições.

A entrada principal do Museu faz-se pela Avenida 24 de Julho. Aparentemente Adjaye interpreta a Avenida como Boulevard público (que não é), abrindo um auditório exterior naquele que se revela ser o pior local para um espaço dessa natureza.
Adjaye foi concerteza buscar a sua inspiração (para o auditório) na escadaria que se desenvolve logo ao lado, entre a Praça do Museu de Arte Antiga e a Avenida - que é um dos momentos singulares da frente urbana da 24 de Julho -, esquecendo-se, Adjaye, evidentemente, de lhe dar seguimento consonante com a escala que ambiciona para o projecto.

Dir-se-ia que a existência desse auditório (só) se explica pela tentativa (falhada) de dotar com alguma elegância o novo volume que corresponde ao pavilhão a nascente, qualificando-o como imagem de marca de todo o complexo; até por ser a parte do edifício onde Adjaye investe mais a nível formal.
No entanto a maneira como o faz, deselegante, pesada, desajeitada, impõe uma espécie de desajuste que se revela incoerente na gestão da escala do conjunto.

É exactamente aqui, na escala de conjunto, que o projecto falha redondamente. Ao desenhar um embasamento comum ao complexo, Adjaye não faz mais do que cortar horizontalmente as fachadas dos edifícios preexistentes que se encontram em segundo plano, destruindo-lhes a relação com os seus próprios embasamentos, que passam dessa forma a figurar, caricatamente, como planos de fundo do Foyer.
Depois há tudo o resto. Tudo aquilo que fica para próximas fases do projecto, que se esperam distintas da retórica facilitista com que Adjaye lá vai integrando a obra no contexto local, usando-se mais do estereótipo do que propriamente do discernimento que se lhe reconhece noutros trabalhos.

Dir-se-ia que o mais interessante do Africa.Cont é o que lhe é externo: a multiplicação de perspectivas diferentes sobre o Tejo. Mas isso, como a calçada à portuguesa, é Lisboa inteira.

Citando de cor o Desassossego: O pensamento pode ter elevação sem elegância e, na proporção em que não tiver elegância, perderá a acção sobre os outros. A força sem a destreza é uma simples massa.
Um desassossego portanto, este projecto de Adjaye. Mas não creio que seja desassossego suficiente desassossegado para que cumpra a ambição dessas nossas consciências semióticas.


in http://quando-as-catedrais-eram-brancas.blogspot.com/2009/07/africacont.html

Estudo Prévio do Africa.cont apresentado pelo arquitecto David Adjaye

Dia 30 de Junho de 2009 20h:13m
Inserido: 2 anos
Categoria: Cultura

Os terraços das Tercenas do Marquês, à Avenida 24 de Julho, onde será instalado um centro cultural dedicado à arte africana contemporânea, foram o cenário para a apresentação do seu Estudo Prévio, no dia 25 de Junho, pelo consagrado arquitecto David Adjaye, e que contou com a presença do ministro da Cultura, António Pinto Ribeiro, e do presidente da Câmara, António Costa.

Um "ensaio poético de arquitectura e de urbanismo" - foi como José António Fernandes Dias, que dirige o Africa.cont, classificou o Estudo Prévio do projecto de David Adjaye para a instalação de um grande centro cultural dedicado à cultura e arte africanas contemporâneas, no Palacete Pombal e nas adjacentes Tercenas do Marquês. Fernandes Dias lembrou que estes edifícios foram mandados construir "com o dinheiro do comércio de escravos", memória que será incorporada no futuro centro. Mas, mais do que evocar o passado, aquilo que será "uma cidade dentro da cidade" pretende, sobretudo, ser um "modo activo de celebrar o diálogo entre Portugal e África e as suas diásporas", especificou o responsavel pelo Africa.cont.

O ministro da Cultura, António Pinto Ribeiro, felicitou o presidente da Câmara, António Costa, por esta iniciativa, "uma oportunidade única de requalificar e transformar a cidade", posto que, ao mesmo tempo que "promove a recuperação patrimonial e da nossa memória, aproveita o processo para revitalizar espaços de criatividade e identidade que se projectam no futuro da cidade".

O presidente da autarquia, António Costa, considerou este projecto como um daqueles em que "1+1=3, tanto mais importante num período de crise", por recuperar património degradado ao mesmo tempo que cria um espaço cultural de grande qualidade e, sobretudo, pelas potencialidades que o futuro centro terá em gerar benefícios para a cidade. O autarca recordou que, no início do seu mandato, visitando os espaços degradados das Tercenas do Marquês, que são propriedade municipal, de imediato constatou a necessidade de os recuperar e se interrogou sobre que destino lhes poderia dar: "resposta veio pouco depois quando, em conversa com o ministro dos Negócios Estrangeiros, Luís Amado, este se referiu à necessidade de Lisboa ter um local que honrasse as históricas ligações entre Portugal e África". António Costa, na convicção de que "África é um continente de presente e de futuro", terá então pensado, para este local, na "criação de um centro multidisciplinar que pudesse irradiar a cultura africana contemporânea, que não apenas um museu".

O edil lisboeta evocou então o convite ao arquitecto David Adjaye, "que rapidamente percebeu que o projecto não poderia limitar-se apenas a reabilitar estes edifícios, sendo necessário demolir o edifício contíguo, que agora acolhe a Direcção Geral da Administração Pública", o que veio implicar um ainda maior envolvimento do Estado neste projecto. Do ponto de vista urbanístico, António Costa salientou o facto de o projecto vir permitir "redescobrir os antigos cais e os armazéns de José António Pereira, que ocuparam as tercenas, e criar um amplo espaço público sobre o Tejo". Do ponto de vista cultural, o autarca sublinhou que "a ideia não é fechar aqui a cultura africana, mas fazer deste projecto o seu catalizador em toda a cidade". Sintetizando, este é um "projecto que honra a nossa história, uma opção estratégica da diplomacia portuguesa e que consolida a identidade de Lisboa".

Coube ao arquitecto britânico, de origem nigeriana, David Adjaye, apresentar o Estudo Prévio deste seu projecto, que considerou ser "um dos mais significantes" da sua carreira, que lhe permite voltar a Portugal (onde chegou a trabalhar, no início dos anos 90, no atelier de Souto Moura) e "uma incrível oportunidade de trabalhar noutros contextos", criando um centro para "acolher todo o espectro das artes, da pintura às artes performativas e ao cinema". Mais do que um museu, trata-se de projectar "um centro de fruição pública que revela este magnífico espaço que tem estado fechado ao olhar e em degradação". Para o arquitecto, "a decadência actual destes edifícios é uma oportunidade e uma mais valia para o projecto" que, para além de os reabilitar, irá permitir a construção de um edifício contemporâneo adjacente.

O projecto prevê a utilização do edifício do Palácio Pombal, na Rua das Janelas Verdes, e do conjunto de edifícios das Tercenas do Marquês que caem para a Avenida 24 de Julho, criando amplos espaços museológicos para exibição de colecções permanentes e temporárias, biblioteca, auditório, restaurante, cafetaria e espaços performativos, administrativos e técnicos. Uma ampla praça central conjugada com outros espaços de usufruto público permitirão criar um "microcosmo pedestre inserido no contexto urbano", com ligação ao rio.

David Adjaye é um rnomado arquitecto, distinguido com vários prémios e obra espalhada em vários continentes, com destaque para os centros de arte que projectou para Londres, Denver e Oslo. Muito recentemente, acaba de ganhar o concurso para a construção do Museu da Memória Afro-Americana, em Washington.

Sobre o projecto, consultar o primeiro link; sobre o arquitecto, consultar os restantes:


in http://anossalisboa.cm-lisboa.pt/index.php?id=1885&tx_ttnews%5Btt_news%5D=3226&tx_ttnews%5BbackPid%5D=1885&cHash=8054d96cf7

PDF
Link to post
Share on other sites

Please sign in to comment

You will be able to leave a comment after signing in



Sign In Now

×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.