Jump to content
Arquitectura.pt


Porto | Torres da Pasteleira | ?


Clive Sinclair

Recommended Posts

http://img123.imageshack.us/my.php?image=torresdapasteleiradw0.jpgBoa tarde.

Tenho aqui uma duvida que me anda a moer a cabeça: quem é o autor das "torres da Pasteleira"?

Imagem colocada

É que quando se fala da Pasteleira, todo conhecem os edifícios mais em baixo, em frente à ANJE e pousada da juventude, mas estes da foto?
Parece que foi um empreendimento feito ao abrigo da Segurança Social; por isso o arquitecto poderá ter sido "da casa", mas mesmo assim não consigo descobrir mais nada.
Alguém é capaz de ajudar?
Link to comment
Share on other sites

  • 1 year later...

http://img123.imageshack.us/my.php?image=torresdapasteleiradw0.jpgÉ que quando se fala da Pasteleira, todo conhecem os edifícios mais em baixo, em frente à ANJE e pousada da juventude, mas estes da foto?

Boa noite a todos.
Estas torres estão mal "etiquetadas", pois "Pasteleira" é a zona a partir da rua Gomes Eanes de Azurara para lá. Ora, estes prédios altos assim como os prédios brancos que estão perto deles e que fazem parte da mesma urbanização, estão situados na "Foz Alta" (zona assim conhecida), não falando da classe social, mas falando geograficamente.
Os edificios mais em baixo, fazem parte do Bairro Social Rainha D. Leonor, uma parte pertencendo à Freguesia de Lordelo do Ouro, e a outra parte pertencente à Freguesia da Foz do Douro.
O Bairro da Pasteleira, fica a Norte e um pouco afastado das "Torres Vermelhas", este sim o seu original e verdadeiro nome.
:p
Link to comment
Share on other sites

Obrigado pela correcção, contudo as torres são universalmente "etiquetadas" por "torres da pasteleira" ou quando muito "torres vermelhas da pasteleira"... Voltando ao assunto, no entretanto descobri que o autor do projecto poderá ser um tal Arquitecto Eça de Almeida, de alguma maneira ligado à família do Arq. Pedro Ramalho. Infelizmente, são todas informações que carecem de confirmação. :p

Link to comment
Share on other sites

  • 1 year later...

Em 1974, à data da Revolução de Abril, um dos maiores escritórios portugueses de arquitectura situa-se na cidade da Beira, em Moçambique. O Gabinete de Arquitectura, Urbanismo e Decoração Ldª (GAUD) existe desde 1968 e é então dirigido pelos arquitectos Bernardino Carlos Vareta Ramalhete e Eduardo Escudeiro da Naia Marques. Funciona num quarto andar do edifício da Associação Comercial na praça do município, empregando 42 pessoas: oito arquitectos, seis engenheiros e 16 desenhadores, entre medidores-orçamentistas, maquetistas, e outros profissionais do sector. Até ao seu encerramento, passam pelo escritório os arquitectos José Augusto Moreira, Fernando Condesso, José Pacheco, Leonor Figueira, João Bento de Almeida e António Janeira, destacando-se principalmente a figura de Emídio Simões. Alguns são recrutados na metrópole; outros estão radicados na cidade ou cumprem serviço militar em Moçambique. Esta organização, marcadamente empresarial, surge como resposta ao aumento de encomendas públicas e privadas que se verifica no antigo território ultramarino português com o início da guerra colonial, em 1964. O GAUD resulta da reestruturação do Gabinete de Arquitectura e Urbanismo (GAU), originalmente formado como exigência para um financiamento bancário. O primeiro gabinete é criado em 1962, por Bernardino Ramalhete com o arquitecto Paulo de Melo Sampaio, nascido em 1926, numa época de menor actividade construtiva em Moçambique e que antecede o surto de investimento imobiliário decorrente da guerra. Em 1966, Eduardo Naia Marques ingressa no escritório e, com a morte de Melo Sampaio em 1968, torna-se sócio. É também neste período que o grupo de engenharia se autonomiza, gerando o Gabinete de Computação e Engenharia, Ldª (GACE).

Link to comment
Share on other sites

Please sign in to comment

You will be able to leave a comment after signing in



Sign In Now
×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.