Jump to content
Arquitectura.pt


necessito esclarecimento


Recommended Posts

...visitei varios sites e apercebi-me de algo q me parece um pouco duvidoso, ou seja nao encontro nada esclarecedor sobre a alteraçao do nome actual para estadio Axa. Tb estou um pouco confusa em relaçao à obra de Souto Moura sobre o estadio municipal de Brg e toda a sua polemica:\

Link to post
Share on other sites

Mudou para estádio AXA porque a AXA patrocina o Sporting de Braga, em troca da publicidade no estádio, e mais concretamente assumindo o nome do mesmo. A polémica passa pelo seguinte: o senhor Moura entregou o orçamento da obra mas "esqueceu-se" de avisar que ia partir pedra. Ora partir pedra sai mais caro que escavar terra. (e consequentemente aumenta o custo da obra, e o honorário para o arquitecto ou arquitectos).

Link to post
Share on other sites

Mudou para estádio AXA porque a AXA patrocina o Sporting de Braga, em troca da publicidade no estádio, e mais concretamente assumindo o nome do mesmo.
A polémica passa pelo seguinte: o senhor Moura entregou o orçamento da obra mas "esqueceu-se" de avisar que ia partir pedra. Ora partir pedra sai mais caro que escavar terra. (e consequentemente aumenta o custo da obra, e o honorário para o arquitecto ou arquitectos).



EEEEHEhehehehehehehehehehehehehehehehXD

Não me faças rir!!!

Mas afinal o que sabes tu sobre a projecção e construção do EMB????


NADA!!!

Da tua resposta só posso tirar uma conclusão; "ou és de guimarães ou então és benfiquista!!!!;)

Agora tentando ajudar a Isabel: Nas bibliotecas já há muito material sobre a obra, logo, podes descobrir conteúdo para saberes sobre a projecção e construção dessa grande obra que faz parte do património arquitectónico português.... Para alguns custa.lhes, mas é verdade!!!:palmas:XD:p

Sobre esta matéria eu até fiz uma trabalho no 1º ano de curso...
Link to post
Share on other sites

Olá, tudo bem?? Mera coincidenciaO:) a minha busca exausta e promenorizada é precisamente porque estou a "ajudar" a fazer um trabalho para arquitectura, sobre o estadio e tb sobre o seu "criador" mas,...estou demasiado "atolada" com tanta informaçao.. e "temos" q entregar o trabalho até dia 04 de Dez. Necessito focar mais precisamente a descriçao da visita guiada ao estadio Axa / estadio municipal de Brga. Tem alguma informaçao para mim acerca do acima exposto?? Obg..e desculpe o incómodo:envergonhado: Isabel Abreu

Link to post
Share on other sites

ZGANDULO não estou a discutir afinidades de clubes.

O Estádio de Braga teve uma derrapagem de orçamento de 360%. De 29,9 inicialmente previstos, acabou por custar 108 milhões.

É sem duvida um dos ex libris desportivos e culturais do pais, não estou a meter isso em causa também. Por isso mais ponderação nos comentários.. e pesquisa! Neutralidade também acima de tudo.

Link to post
Share on other sites

Convém lembrar que esse orçamento de 29,9 milhões não era para o estádio que está construído, mas para a ideia inicial de um estádio "convencional" próximo do actual, numa zona de terreno mais plana. Não quero com isto dizer que não houve derrapagem, até porque desconheço o orçamentado para o que foi contruído, mas concerteza que dadas as circunstâncias do terreno e concepção do projecto, terá sido mais elevado do que esses 29,9 milhões de euros.

Não é incrível tudo o que pode caber dentro de um lápis?...

Link to post
Share on other sites
  • 3 weeks later...

Olá, ...mas é fantastico o que me "dizes" estou com o trabalho aos "tombos"..imensas informaçoes recolhidas e agora em fase de selecçao.. o trabalho só é para ser entregue em janeiro, se quisesses partilhar:) comigo o que tens era magnifico, pode ser?? A tua ajuda seria preciosa, aguardo;) Fica bem, Isabel

Link to post
Share on other sites
O estádio de Braga (2000), em fase de acabamento depois de dificuldades de execução 6 do lugar e a implantação do edifício, que nasce por ocasião dos campeonatos europeus de 2004 entregues a Portugal, são as bases do projecto e condicionam as escolhas arquitectónicas. Souto de Moura propõe uma implantação diferente da inicialmente prevista pela administração municipal, situando-o, porém, no interior do jardim desportivo a norte da cidade. Da implantação original num vale, marcada pela passagem de uma linha de água, o estádio é deslocado para poucas centenas de metros em direcção a oeste, amparado pela encosta norte do monte Castro, limite histórico da cidade. Esta escolha permite evitar os riscos devido ao aumento das torrentes durante os frequentes períodos chuvosos que caracterizam a zona e a deslocação impõe um estudo cuidado da relação entre o edifício e a montanha, com um espectro de hipóteses que viram o estádio aproximar-se ou apoiar-se à encosta, até à decisão de engastá-lo.
Uma reflexão sobre a arquitectura em negativo, da escavação , que define a forma mediante uma subtracção da matéria em diálogo e contrapondo com o construído, mas também a procura de uma durabilidade da obra para além do artificio humano uma vez que a marca da obra na terra permanecerá bastante mais do que a vida da arquitectura.
O desaparecimento das bancadas, as referidas “curvas” , são uma alteração da tipologia habitual que situa todos os espectadores em condições de visibilidade óptimas, distribuídas nas duas bancadas compridas subdivididas em duas categorias sobrepostas. Isto equivale à violação de um tabu, fundamentado na hipótese de uma transformação do fenómeno social futebolístico com um declínio do carácter tribal e colorido do fanatismo em favor de um publico de entendidos. A fenda na montanha, que fecha um dos dois lados mais pequenos, contribui a formar um conteúdo invadido que se abre para noroeste com um grande rasgo na paisagem do vale. A orientação paisagística poderá também produzir um efeito de diluição da concentração e, portanto, da tensão, dos espectadores.
Uma perspectiva alterada em relação aos rituais futebolísticos, de facto, uma verdadeira redefinição do programa típico de um estádio que , se pensar no ímpeto do fanatismo futebolístico português, arrisca de ser interpretado como um acto de ofensa. O carácter do espaço fechado entre duas vistas panorâmicas é acentuado pela cobertura, que atravessa todo o campo de jogo reduzindo a secção aberta da dupla cávea . “Inicialmente – conta Souto Moura – a cobertura deveria ter sido um grande alpendre contínuo, como o do Siza para a Expo, depois condicionados por uma viagem ao Peru, optamos por uma forma que faz referência às pontes incas”.
A assunção do lugar como elemento de projecto, que como se viu é um dos temas directrizes da obra de Souto de Moura e em Braga conduzido às suas extremas consequências, é o fundamento também de um projecto importante antigo e ainda em curso: o metropolitano do Porto (1997)
Pela posição em relação à estrutura urbana e graças a uma secção que o torna parte do monte Castro, o estádio “poderá funcionar de âncora para a ordenação do território na expansão emergente da cidade em direcção ao norte”. As entradas do estádio abrem-se sobre duas praças. Uma à cota baixa, à frente da bancada noroeste, conecta-se com as outras instalações desportivas, com o estacionamento e com as novas zonas residenciais a norte da cidade. A segunda, quarenta metros mais para cima, esta situada em correspondência com um terraço panorâmico preexistente e apenas se pode aceder com transportes públicos. Daqui pode-se subir ainda cerca de quarenta metros se se pretender alcançar o centro da cidade.
A escavação da montanha comportou grandes dificuldades geotécnicas e foi necessário adaptar a posição da implantação e a rotação do eixo longitudinal do campo de jogo, de forma a não contrariar as linhas de fractura naturais da rocha. Para seguir exactamente a secção do projecto, o corte do granito foi obtido com séries progressivas de pequenas explosões, produzindo uma fenda na rocha que fica À vista por trás da porta sudeste, com uma altura de cerca de trinta metros. Observando os desenhos e as imagens das maquetas tem-se a sensação de encontrar-se diante de uma concepção do estádio futebolístico não convencional, pelo menos por dois motivos: a inserção na paisagem e a eliminação das bancadas por trás das portas. As duas invenções isentam o projecto das classificações estéticas comuns e requerem um juizo baseado em diversas referencias históricas e mais longínquas no tempo. O anfiteatro romano, o Coliseu como caso exemplar, é o progenitor dos estádios modernos de atletismo e de futebol, independentemente da sua forma elíptica ou rectangular.
O mesmo conceito de edifício como maquina complexa deriva directamente daquele modelo, composto por vários níveis, apenas alguns visíveis e acessíveis ao publico, outros ocultados nas vísceras da construção e destinados aos adictos, outros ainda abertos apenas aos actores do evento. Como os estádios modernos, os grandes edifícios romanos para espectáculos, anfiteatros e circos, estavam geralmente isolados e construídos em elevações em relação ao terreno .O estádio de Braga destaca-se da imagem habitual da cavidade realizada no terreno limpo, assim como a protuberância que organiza e centraliza a paisagem circundante, inserindo-se pelo contrário, numa uniformização já estruturada da paisagem, que o acolhe e com isso interage encontrando uma nova definição e novos valores. A referencia mais imediata é a relação que as grandes obras da Grécia clássica instauram com a paisagem e especialmente o teatro de Epidauro , como testemunhado pela entrevista que fecha o presente volume.

Bibliografia

Revista “El Croquis Eduardo Souto de Moura ,1995 2005 “

Esposito , antoni e Leoni ,Giovanni ,”Eduardo Souto de Moura “, Editora Gustavo Gili ,S.A, 2003

Link to post
Share on other sites

Please sign in to comment

You will be able to leave a comment after signing in



Sign In Now
×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.