Jump to content
Arquitectura.pt


planificar o crescimento espontaneo


Recommended Posts

bons dias bem, estou a fazer um estudo de como posso planificar uma cidade, quais as condiçoes a criar e as directrizes, de forma a que o urbanismo (ou forma) seja criado pelos proprios usuarios. Claro que essas directrizes (uma especie de RGEU) nao deverão ser tao especificas(como o plano cerda em barcelona) ou tao vagas ao ponto de criar uma cidade caotica. Alguem tem uma ideia de bibliografia ou cidades que seguiram algum modelo destes???????

Link to post
Share on other sites
Acho que não entendes-te o que eu queria dizer. Eu apenas resumi o que tu não explicas-te. A cidade difusa em parte é o que tu referes como, "seja criado pelos próprios usuários", e tente para imagem caótica. Mas caótica é coisa que tu não queres, mas também não queres Cerdá. Não existiram meios-termos, entre a "rigidez"e o "caótico", o planeado sobre ideologias urbanísticas, pensando sempre num todo, e um planeamento que resulta das necessidades de cada utilizador do espaço. Faria sentido o que referes a uma pequena escala, isto é, pensar dessa forma para um bairro ou ate mesmo na própria habitação, mas na cidade? Resumindo ainda mais, o "LOL" seria talvez aplicado ao que se pretende, ao que perguntas. Resume a pergunta, ou melhor para o projecto de faculdade, pretendo isto…………..o que posso eu ler?
Talvez, se eu poder ajudar, não resuma tanto.
Link to post
Share on other sites

pois, entendi, claro que tanbem penso que este caso nao se pode aplicar a uma cidade inteira, mas sim a um bairro, ou casa, e é justamente no caso do bairro que eu quero pegar, gostaria de ver exemplos bons e maus que se aplicam a este caso, caso de bairros que se tornaram caoticos, e casos de bairros que se tornaram um exemplo a seguir. Depois com isso, queria estudar que regras foram estipuladas e ver como elas podem gerar o caos ou a "organizaçao" (nao gosto muito da palavra organização mas acho k percebes o k quero dizer). hã e claro que tb acredito que o proprio povo que vive nesse bairro pode gerar ou nao esse caos (ex: temos o caso dos suburbios de lisboa em que os edificios sempre contornaram o nosso "querido" RGEU, tanto por subornos como por as camaras estarem-se a cagar pa isso) Alguma pagina na web ou livro que me possa ajudar nisto??? p.s: nao te preocupes que eu nao escrevo isto tudo para depois me responderes e eu fazer copy paste po trabalho, te pk isto aki em alicante nao é assim k funciona a entrega de trabalho, e tb nao papo tudo o k oiço, se concordo, oiço e depois modifico para uma maneira que concorde mais ainda

Link to post
Share on other sites

boas, estou a estudar o metodo de planear um bairro ou uma cidade (embora acho que uma cidade neste metodo nao funciona muito bem) de forma a que se forme de uma maneira espontanea, ou melhor, de maneira a que cada cidadão possa tomar algumas decisões/intervir/actuar/ de maneira semi-espontanea e que represente/afecte na forma da cidade/bairro. Com isto posso dizer que é maneira de nos arq. intervimos so na estipulaçao de uma especie de RGEU em que estipulamos umas regras basicas de forma a que cada edificio/casa/bairro construido, seja conforme "a vontande" dos usuarios, assim a cidade se adapta melhor as pessoas ( querendo com isto ir contra os projectos em que tudo é estipulado como o caso do plano de Cerdà) Entao tenho que ver os pontos positivos e negativos deste tipo de crescimento/formação de cidade de forma semi-espontanea gostava de saber se alguem esta interessado em debater isto comigo, e se sim, posso enumerar aqui os pontos negativos e positivos que penso serem continuo a pesquisar na net, mas esta porcaria so é facil encontrar o que queres quando é pornografia fdx, porcaria de net

Link to post
Share on other sites

Please sign in to comment

You will be able to leave a comment after signing in



Sign In Now
×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.