Jump to content
Arquitectura.pt


Numero de arquitectos por 1000 pessoas


Recommended Posts

  • Replies 55
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

Top Posters In This Topic

Popular Posts

Kwhyl... Tenho pena que penses dessa maneira, quando dizes que quem tem dinheiro para andar numa privada também tem dinheiro para estar mais um sem ganhar! Nem todas as pessoas que frequentam privadas

o que eu acho, se o disser levo na cabeça, mas arrisco não há controle, a ordem não controla, o estado não quer saber, pois precisa dos impostos, os arquitectos com poder estão bem na vida e não têm tempo nem cabeça para se preocupar com os demais... o problema a meu ver, acontece sobertudo pela enormidade de cursos de arquitectura que existem em portugal 23, o ano passado, agora não sei e obviamente pelo alargado número de vagas existentes nos cursos há uma privada a cada esquina, e com reputação 0 que o que faz é formar seres humanos com formação informática suficiente para ser um bom colaborador de canto que passa a limpo o original pronto, está dito e vou apanhar.... tem de se perceber, não só na arquitectura, qual o número de profissionais de determinada área que são necessários daqui a x anos e abrir e fechar vagas no ensino superior mediante as necessidades, de outra forma não faz sentido veja-se o número de professores no desemprego,se nem o estado sabe gerir esta situação, que é sua, quanto mais a situação alheia

Link to post
Share on other sites

continuo a nao achar que o numero de arquitectos seja excessivo em Portugal, mas sim que a sua solicitacao e a sua posicao no mercado de trabalho (em grande parte devido a idade) e que sao factores que formam desemprego. por outro lado, nao esquecer, que enquanto a numero de arquitectos esta a eliminar a profissao de desenhador, noutros paises existem centenas ou mesmo milhares de pessoa nao qualificadas a exercer... e acreditem que existem....

Link to post
Share on other sites
Eu concordo em parte com o kwhyl, cerca de 15.000 arquitectos para um país pequeno como o nosso em que o arquitecto não é respeitado e não se faz respeitar, em que baixa as calças por um mísero trabalho (peço desculpa pelos termos usados e que pode ferir algumas susceptibilidades) , acrescento ainda ao que foi dito anteriormente que 15% não tem vocação para ser arquitecto apesar de gostar de o ser, 10% foi para arquitectura porque é filho de desenhador técnico, empreiteiro, promotor imobiliário ou outro relacionado com a construção civil e foi contrariado, 9% porque acha giro, está na moda, e é fácil , 5% foi ao engano e já tem outro emprego noutra área diferente, 3% é actor de novelas da TVI, 2% só assina projectos e alvarás de materiais ou empresas de construção,...etc.
Resumindo a responsabilidade é do estado que permitiu a abertura de cursos de arquitectura em Universidades de vãos de escada ONDE A ÚNICA PREOCUPAÇÃO É O LUCRO e não a qualidade dos futuros arquitectos. Apesar de tudo felizmente têm saído bons profissionais destas ditas faculdades o que para mim é uma vitória dos estudantes que as frequentam!
Link to post
Share on other sites

acho que no fundo, a nossa luta de jovens ou futuros arquitectos passa por um simples acto que funcionará em reacção de cadeia. não trabalhar a borla. é essencial, mas muitos não o fazem, muitos aceitam estar a trabalhar em prol de uma entidade patronal que por mais que nos digam que nós estão a dar formação ou que estamos a aprender pois nada sabemos...no fundo, contribuímos e muito para o beneficio do patronato. e esta luta não deve só ser feita por quem ainda não tem emprego, mas principalmente por quem o tem, uma vez que esses, com esta reacção em cadeia vão consecutivamente perdendo euros no seu ordenado até à perda maior a do posto de trabalho. infelizmente ninguém se preocupa. infelizmente são os que vêm de univs de vão de escada, como diz o gupyna que se dão em troca de um papel assinado, porque se tiveram dinheiro para estar na privada, têm obviamente dinheiro para estar mais um e outro ano, sob a alçada de "ganhar estaleca" e curriculim a trabalhar para aquecer. sou só eu que me preocupo?

Link to post
Share on other sites

meus senhores, ainda que sejamos arquitectos em demasia, devo dizer que espero que isto traga mais valias do que desgostos para o pais, primeiro porque se vai ganhar alguma consciencia arquitectonica, depois porque espero que venhamos a ter mais umas estrelas na cena interncional, so falta que as nossas contrutoras que se comecam a estender para o exterior comecem a dar trabalho aos Arquitectos, nao como designers mas como fiscais, gestores de projecto e afins (sim porque isto do design vai ser so para alguns)

Link to post
Share on other sites

Kwhyl... Tenho pena que penses dessa maneira, quando dizes que quem tem dinheiro para andar numa privada também tem dinheiro para estar mais um sem ganhar! Nem todas as pessoas que frequentam privadas são ricos e falo por experiência própria que sou filha de operários que contaram todos os tostões ao fim do mês para me manterem num curso que era o sonho da minha vida desde muito nova mesmo!! E quando o desemprego toca à porta, e se batalha todos os dias para dar um futuro melhor aos filhos, é que se vê como este mundo é cruel e injusto!! Não façam juízos de valor nem ponham toda a gente no mesmo saco! Desculpem... foi um desabafo!! Concordo quando se diz que as privadas só servem para se fazer dinheiro... mas quem lá anda nem sempre é mau profissional nem sempre é rico e nem sempre se sujeita a trabalhar de graça! A vida é uma constante luta, embora só para alguns!!

Link to post
Share on other sites

porque se tiveram dinheiro para estar na privada, têm obviamente dinheiro para estar mais um e outro ano, sob a alçada de "ganhar estaleca" e curriculim a trabalhar para aquecer.

sou só eu que me preocupo?


caro kwhyl, esta tua afirmação (perdoa-me a sinceridade) roça a estupidez do estereótipo e mostra uma tremenda ignorância e um juízo de valor completamente deturpado do que se passa em muitas privadas. conheço pessoas com média para entrar em publicas e preferiram ir para a privada para poupar dinheiro (é verdade) umas porque existem bolsas de mérito nas lusíadas para quem tem mais de 16 valores outras por se encontrarem perto dessas faculdades e assim não terem de pagar deslocações ou alojamentos.

outra coisa, na minha faculdade U. Lusíada de Famalicão existem muitas pessoas que trabalham e tiram o seu curso em horário pós-laboral eu por exemplo tenho um part-time para ajudar a pagar algumas contas. Não venho para aqui fazer publicidade quero é que tu ponhas a mão na consciência e penses um bocadinho antes de dizer disparates que ofendem quem se esforça e luta por um futuro.
e posso-te dizer algumas maneiras de se entrar nas públicas e em alguns casos sem se precisarem de fazer exames nacionais.

quanto a Portugal ser o 5º país da união europeia com maior índice de arquitectos por mil pessoas não me assusta de todo. talvez estejas demasiado preocupado com a concorrência...

e por aqui me fico com o off-topic, estamos aqui para discutir os dados do gráfico.
Link to post
Share on other sites

meus amigos, por isso mesmo referi ao início, pois sabia que me iam cair em cima com tais afirmações, uma vez que muitos de vós estudam em faculdades privadas, e como já deu para ver, pelo menos 50% deste forum, a meu ver tem a visão muitos acertada das coisas, ou pelo menos uma visão. por isso,com afirmações tão polémicas, remeti a meu estilo para com uma grande formalidade e cordialidade nas minhas palavras, o que não é apanágio da minha maneira de escrever. isto é o que acho, obviamente sei também que existe gente com muita qualidade nessas faculdade, gente com dificuldades que persegue o sonho, gente que ficou mais perto de casa(o que de todo o modo não concordo, o que reflecte uma grande aceitação ao comodismo)...mas, e se vos perguntar acredito que todos me responderão que a a maioria do vossos colegas ou ex-colegas de turma são filhos de gente muito rica e filhos de construtores-promotores imobiliários-arquitectos-engenheiros, que seguira o curso que dava mais jeito à família e á carteira futura. já não sei a quem respondo mas sim, estou preocupado com a concorrência, desleal... porque creio que já todos percebemos que a arquitectura é bonita e poética mas insere-se num mundo complicado com desigualdades e lobbys... e é com essa que me preocupo, com essa concorrência desleal que visa a construção e o lucro em detrimento da qualidade,da boa arquitectura. argos, pessoalmente não conheço ninguém que tenha entrado na minha faculdade por cunhas, conheço porém muita gente a trabalhar a borla por cunhas nos tubarões da arquitectura devido ao pai (família) eu não me devia preocupar, sou um privilegiado, tirei uma nota altíssima no secundário, estou quase a concluir o curso, sem grandes dificuldades, aprendi muito e acredito que se me derem as condições necessárias posso vir a fazer boa arquitectura, ou aquilo em que eu acredito que é a boa arquitectura. gostava contudo, de estar num mundo interessado na boa arquitectura, mas não estou...e preocupo-me com a classe, com o estado das coisas, com a dificuldade em projectar bem, em haver bom urbanismo, boa habitação, poucos shoppings, coisas dessas..... quanto as 23 faculdades com vagas a tocar o infinito, digo são demais assim como digo que 120 gajos a sair pela faup por ano é realmente muito, não há ateliers no porto para levar com estes 120 com investimento dos estado.....fico por aqui para não ferir susceptibilidades, pois desde o início não o queria fazer, nem o farei (neste tópico)

Link to post
Share on other sites

nao digo que seja uma questao do momento, mas quando entrei falava-se bastante do factor C para entrar nas Universidades Publicas, mas nesse ponto nao havia uma prova de aptidao (que eu acho que deveria de ser obrigatoria) e tinhas de ter uma media minima de 17.5 patra entrar numa publica. Eu fui um daqueles que nao tendo trabalho decente em Portugal, resolvi sair do pais, e para meu espanto cheguei aqui, e percebi que no geral a nossa formacao nao e nada ma, e que a unica lacuna do meu curso, foi (para meu grande espanto) foi falta de ensino sobre gestao de projectos. nao me parece que se deva de privar alguem da formacao, mas parece que sim devemos de procurar solucoes e expansao para o exterior, A holanda e o unic pais da Europa que exporta arquitectura em massa, e pergunto-me porque e que nos que somos actualmente uma das maiores referencias de arquitectura da europa, nao conseguimos exporta-la mais.

Link to post
Share on other sites

meus amigos, por isso mesmo referi ao início, pois sabia que me iam cair em cima com tais afirmações, uma vez que muitos de vós estudam em faculdades privadas, e como já deu para ver, pelo menos 50% deste forum, a meu ver tem a visão muitos acertada das coisas, ou pelo menos uma visão.

por isso,com afirmações tão polémicas, remeti a meu estilo para com uma grande formalidade e cordialidade nas minhas palavras, o que não é apanágio da minha maneira de escrever.

isto é o que acho, obviamente sei também que existe gente com muita qualidade nessas faculdade, gente com dificuldades que persegue o sonho, gente que ficou mais perto de casa(o que de todo o modo não concordo, o que reflecte uma grande aceitação ao comodismo)...mas, e se vos perguntar acredito que todos me responderão que a a maioria do vossos colegas ou ex-colegas de turma são filhos de gente muito rica e filhos de construtores-promotores imobiliários-arquitectos-engenheiros, que seguira o curso que dava mais jeito à família e á carteira futura.

já não sei a quem respondo mas sim, estou preocupado com a concorrência, desleal...
porque creio que já todos percebemos que a arquitectura é bonita e poética mas insere-se num mundo complicado com desigualdades e lobbys... e é com essa que me preocupo, com essa concorrência desleal que visa a construção e o lucro em detrimento da qualidade,da boa arquitectura.

argos, pessoalmente não conheço ninguém que tenha entrado na minha faculdade por cunhas, conheço porém muita gente a trabalhar a borla por cunhas nos tubarões da arquitectura devido ao pai (família)

eu não me devia preocupar, sou um privilegiado, tirei uma nota altíssima no secundário, estou quase a concluir o curso, sem grandes dificuldades, aprendi muito e acredito que se me derem as condições necessárias posso vir a fazer boa arquitectura, ou aquilo em que eu acredito que é a boa arquitectura.
gostava contudo, de estar num mundo interessado na boa arquitectura, mas não estou...e preocupo-me com a classe, com o estado das coisas, com a dificuldade em projectar bem, em haver bom urbanismo, boa habitação, poucos shoppings, coisas dessas.....

quanto as 23 faculdades com vagas a tocar o infinito, digo
são demais
assim como digo que 120 gajos a sair pela faup por ano é realmente muito, não há ateliers no porto para levar com estes 120 com investimento dos estado.....fico por aqui para não ferir susceptibilidades, pois desde o início não o queria fazer, nem o farei (neste tópico)



Sublinhei a vermenlho o meu caso!!!

Eu não sou rico, não sou filho de empreiteiro/engenheiro/arquitecto!!!

Persigo o sonho e trabalho todos os dias para poder pagar as propinas, na Lusiada!!!

Concordo com o que dizes mais ou meno no restante texto!!!
Link to post
Share on other sites

Meus amigos, há ainda um factor importante a ter em conta, com o qual tenho grandes dúvidas.

se por um lado todos concordamos que há demasiadas universidades,públicas e privadas a lecionar arquitectura e um consecutivo enorme número de vagas, uma solução aparece.

li aí algures pelo meio

testes psicotécnicos
testes psicotécnicos? sim isso iria poder, ideológicamente, acabar com aqueles que não eram marrões no liceu e queriam mesmo ser arquitectos....aparentemente

durante o curso, e ja vai longo, longe demais, deparei-me com uma enormidade de inergumenos que (ainda) nada percebiam de arquitectura, que nada percebiam de sociedade, não tinham ideias, por mais utópicas que sejam para, bá lá, mudar o mundo.
.......que só tiveram 19 no liceu, como é possível?
(são contudo belíssimos colaboradores a passar a limpo projectos e a tratarem de burocracias com simpatia, ética e bons modos, eu não tenho)

deparei-me contudo, com uma quantidade ainda maior de filhos de lavradores, sem qualquer aparente formação extra, que após uma dura batalha nos primeiros anos, que nada percebiam da coisa, muito menos se conseguia encontrar neles aquela coisa do futebol do diamante em bruto que é preciso lapidar, que ao fim das contas se tornaram gente muito valiosa com um know how tremendo, resumindo, excelentes futuros arquitectos.......chama-se evolução

os testes psicotécnicos iam decerto deixar de fora o primeiro grupo, mas iam também deixar de fora o 2º, com prejuízo para a nossa sociedade.

resumindo, ou deixamos a lei natural trabalhar, salvando-se além dos realmente bons, o grupo das cunhas e dos ricos, deixando a parte aqueles, onde me situo, que até são bons mas que não conseguem competir com a concorrência desleal

ou, começamos de uma vez por todas a avaliar o ensino superior por um lado, fechando cursos e por outro lado, fechando vagas, menos um gajo por ano já era bom....
em portugal morrem mais pessoas do que nascem e a imigração barata não precisa de casas....

Link to post
Share on other sites

Concordo com o Agros... Não se deve privar ninguém da formação! Educação é um direito! Agora de certeza que há coisas que estão mal a nível do ensino e das saídas profissionais, já para não falar das leis do código de trabalho que permitem que exista uma grande precariedade laboral, como recibos verdes! Estou a ponderar fortemente ir para fora... serei menos uma aqui para fazer concorrência!

Link to post
Share on other sites
A selecção natural no caso da arquitectura não é tão linear, por exemplo tive um colega que na faculdade era uma "nódoa" e que estranhamente acabou o curso e hoje tem uma empresa de arquitectura e urbanismo com o nome dele e que tem obra alguma interessante inclusive publicada em alguns anuários de arquitectura portuguesa e ibérica (outras nem por isso) à custa de colaboradores e estagiários escolhidos a dedo, "os melhores alunos de diversas faculdades públicas e privadas", e ele simplesmente gere o gabinete e angaria os clientes, ou seja um autêntico relações públicas!
Obviamente que o curso que ele deveria ter escolhido era gestão de empresas!

Mas é arquitecto e usa mão-de-obra barata para ser um grande arquitecto!

P.S. obviamente ser filho de empreiteiro/promotor/especulador teve alguma influência.
Link to post
Share on other sites

"Saidinho de uma universidade privada, estando a trabalhar num sitio com que muitos podem apenas sonhar, resta-me apenas rir muito com o quão redutível pode ser o argumento da universidade privada." parabens ivo, vejo que estás bem na vida, ajuda-nos então a perceber o teu sucesso... em vez de te rires na discussão, discute connosco, importa-te com os da tua classe que não têm a tua sorte. por curiosidade, onde trabalhas?quero saber onde se está bem para o ambicionar

Link to post
Share on other sites

Gupyna...pessoalmente acho o teu colega tem merito na coisa...se teve a humildade de aceitar que era uma "nodoa" e que para vencer no mundo cruel da arquitectura, optou por contratar os melhores e assim, produzir uma arquitectura aqui e ali :rolleyes: interessante...pois parece-me que tem algum merito. Antes isso, do que ser arrogante e por ter o titulo de arquitecto ser dono da verdade suprema e andar por aí a fazer barbaridades... ( e destes casos conheço alguns e são bem mais dificeis de lidar, sobretudo quando estão em lugares de decisão, tais como Câmaras). Quanto à concorrência...sinceramente não me preocupa nada. Seja por cunhas, por conhecimentos, por sorte, seja por merito, seja por que motivo for... a concorrência só irá valorizar o nosso trabalho final... E se perder um projecto para um recem licenciado em arquitectura, por ele cobrar metade do meu preço...qual é o stress?? será que isso também não aconteceu quando eu me iniciei e tinha medo de pedir dinheiro pelo meu trabalho. Cabe-me a mim como profissional, mostrar ao cliente quais as mais valias em me entregar o trabalho. Fico pior que estragado ( para não dizer *****) quando perco um trabalho para um desenhador qualquer que trabalha numa Câmara, ou por um agente tecnico que mais não faz que fotocopiar e ajeitar projectos que logrou compilar ao longo dos anos?? Não acham que isso sim é concorencia desleal? Relativamente a um arquitecto ter saído de uma privada ou de uma pública...hoje em dia penso já ser irrelevante...pois muitos dos docentes que estão na pública...correm para fazer o mesmo na privada. e acredito piamente que existem muito bons docentes em ambos lados e péssimos também. E também não é por um aluno saír com média de 19 que vai ser automaticamente um Souto Moura:)...se assim fosse...:) Vejam as coisas deste prisma... se há 1000 portugueses por cada arquitecto....como faço para conquistar os outros 950:P

Link to post
Share on other sites

Saidinho de uma universidade privada, estando a trabalhar num sitio com que muitos podem apenas sonhar, resta-me apenas rir muito com o quão redutível pode ser o argumento da universidade privada.


:rolleyes::palmas::):palmas:XD

Talvez essa seja uma forma de certas pessoas se mentalizaram de que não têm capacidade para perseguir os seus objectivos. De facto é um argumento ridículo digno de quem sente alguma frustração ou revolta por qualquer coisa mal curada da faculdade...
Link to post
Share on other sites

nao se esquecam que um licenciado em Arquitectura nao tem de obrigatoriamente fazer arquitectura, ha muitas saidas profissionais para este curso, ainda que nos insistamos em ser arquitectos. mas Gupyna, metade dos tipos sobre quem les nas revistas, sao tal e qual isso, os verdadeiros Arquitectos estao sempre no Background, e isso tamebma contece com uns poucos dos portugueses Por ultimo, muito honestamente, a porcaria da media de fim de curso nao vale de nada, basta dizer que niguem tira a mesma nota com professores difrentes (ainda que com os mesmos trabalhos), chegamos ao comulo de professores difrentes dizerem que quem passa-se com um nao passaria como outro... o que significa que a unica forma de um aluno passar e precisamente colar-se, imitar e prostituir-se aos caprichos de um professor. Ha professores que ate so veem a arquitectura atraves da referencia de alguem. depois, e a julgar pelo meu curso, a obcecao por projecto e tal, que a maioria doa alunos piora a sua prestacao as outras cadeiras por causa de projecto (nao e que eu me possa queixar muito). e depois, nao ha nada mais importante que os primeiros anos de trabalho, sim eu preferi ficar 2 anos a ganhar o ordenado minimo mas a trabalhar num atelier, do que ir para uma camara e perder um ano da minha vida.

Link to post
Share on other sites

Please sign in to comment

You will be able to leave a comment after signing in



Sign In Now

×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.