Jump to content
Arquitectura.pt


A privacidade na Arquitectura


Lichado

Recommended Posts

Já tenho pensado várias vezes nesta questão. Na minha opinião, qualquer projecto deveria ser instruído apenas com a planta de implantação e os alçados. Enviar plantas do interior da minha casa é como convidar para lá entrar pessoas que não conhecemos de lado nenhum. Porque é que tudo quanto é funcionário de uma autarquia tem de ficar a saber se eu uso bidé ou não, se a cozinha é maior do que a sala, se tenho suites, etc.? Já tenho ouvido muito comentário jocoso sobre os meus clientes, da parte de quem não tem nada que opinar sobre as opções de vida que, queiramos ou não, ficam estampadas no projecto da moradia. Ah, pensarão logo os "control freaks" de plantão, então e como é que a gente sabe se esses malandros não andam para lá a pôr corredores com menos de 1,10m? Ou mesmo quichinetes? Pois, isso leva-nos a outras considerações. Se a Ordem dos Arquitectos não funcionasse tanto como o Clube do Bolinha, e começasse a pugnar mais pelos interesses da Arquitectura, já os arquitectos poderiam chegar ao nível de um cirurgião, de quem depende a vida das pessoas, e não constam que tenham de submeter à Câmara do hospital onde trabalham, projecto da cirurgia, para ser analisado por um colega (ou mesmo um médico de outra especialidade) com metade da sua experiência e que nunca na sua carreira pegou num bisturi.

Link to comment
Share on other sites

Lichado isso é quase a mesma coisa que ires ao supermercado e não quereres que a empregada da caixa saiba o que tu levas para casa! Sabes lá o que ela pode dizer á familia dela qunado passares por ela na rua! :)

Porque é que existe fiscalização? muito simples, para que tu quando vas construir uma moradia pelo menos possas garantir que os teus vizinhos laterais não sejam um aviário, uma pocilga, uma discoteca... etc! Os alçados de uma moradia são a cara para ocultar o interior, e se com a fiscalização que já existe, se faz barbaridades e um multiplicidade de 'workarounds' aos projectos imagina se só tivessemos de apresentar os alçados :rolleyes:
Link to comment
Share on other sites

Por falar em "control freaks"... Não é por apresentar apenas alçados que uma licença de utilização para habitação permite que se faça depois lá dentro um aviário e uma pocilga. E não é por apresentar as plantas, com compartimentos que dizem arrumos que aquilo depois não passa a ser quarto, ou escritório ou o curral das cabras. O desenho do interior deveria ficar entre o arquitecto e o seu cliente. Mas claro, há sempre quem fique stressado por alguém algures estar a fazer alguma coisa fora do seu controlo. Calculo os Xanaxes que o pessoal da ASAE deve tomar só a pensar que deve haver pessoas que, nas suas casas, usam a mesma faca para cortar o peixe e o bife...

Link to comment
Share on other sites

Os responsáveis pela obra são responsabilizados pelo facto do cliente ter dado a um espaço um uso diferente do indicado no projecto? Não me parece. Até há pessoas que dormem nas salas, comem nos quartos e fazem sala nas cozinhas. A vida é mais forte do que os regulamentos. Quanto aos chips, se não forem opcionais, oponho-me, claro....

Link to comment
Share on other sites

Ó Lichado... se calhar quando se vai ao banco levantar dinheiro o bancário devia tapar com a maosinha o valor que la tens depositado ... ou nem sequer divia saber quanto la vais depositar .. o que tem ele haver com isso nao é ? Concordo com uma maior responsabilização do Arquitecto sobre a sua obra, mas acho que deve sempre haver um controlo sobre aquilo que se vai constuir. Certo ? Concordo com o TiCo.

Link to comment
Share on other sites

Ai meninos....
que mesquinhice de assunto.
muito gosta o português do seu belo individualismo, escondido de toda agente,
o orgulhosamente sós continua, agora, na escala individual, porra....
que retrogridade, que mesquinhez, que treta de problema....


Pardon me, as I'm off to play the grand piano. Quando eu acho que um tópico não é suficientemente digno da minha excelsa opnião, abstenho-me de mandar posts a insultar os intervenientes. Mas pronto, quando não se bebe chá em pequenino...

Já conheci técnicos camarários incomodados pelo facto de, quando se fazem alterações numa fracção, presentarem-se telas finais apenas dessa fracção, o que impede que, a longo prazo, a câmara tenha as telas finais completas de todo o edifício.

Agora, com o novo RJUE, as pessoas nem precisam de entregar peças desenhadas das alterações interiores! As câmaras vão ficar sem saber como são as casas por dentro! O drama! O horror! A tragédia!

Quando dizem que é preciso controlo, referem-se a quê? Décadas de regulamentos, RGEU's, PDM's e afins, resultaram em quê? O controlo serve sobretudo para sustentar o negócio da venda da facilidade. Para que alguns criem a sua capelinha e agora, ou isto é como eu, que sou iluminado, quero, ou não assino.

Já agora, banco e bancário, posso escolhê-los. Ou até escolher não ter. E nunca ouvi nenhum a comentar os saldos dos clientes.
Link to comment
Share on other sites

Please sign in to comment

You will be able to leave a comment after signing in



Sign In Now
×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.