Jump to content
Arquitectura.pt


Porto Alegre | Fundação Iberê Camargo | Alvaro Siza Vieira


Recommended Posts

Arquitectura: Fundação Iberê Camargo, "a grande paixão do momento" do arquitecto Siza Vieira



Porto Alegre, Brasil, 30 Mai (Lusa) - O arquitecto Siza Vieira apontou a obra da Fundação Iberê Camargo, de cujo projecto é autor, como sendo a sua "grande paixão do momento", em declarações à agência Lusa em Porto Alegre.


"Admito - disse - que a obra da Fundação Iberê Camargo seja a minha grande paixão do momento".

Na opinião do arquitecto, "esta obra vai funcionar como uma janela aberta para o rio Guaíba e a cidade de Porto Alegre".

A partir de sexta-feira, a região sul de Porto Alegre "vai ganhar - prevê - mais vida e dinamismo, porque as pessoas vão querer ver esta obra por dentro, vão querer dar o seu veredicto sobre a nova Fundação Iberê Camargo".

"Esta obra - observou ainda - acaba por ser uma provocação estética e quase que obriga as pessoas a parar para ver".

Por seu lado, Delmar Maciel, director financeiro da instituição, está seguro de que "a nova Fundação Iberê Camargo vai despertar muito interesse nas pessoas, não só pela beleza arquitectónica da obra, mas porque o lugar é fantástico para admirar a cidade de Porto Alegre e o rio Guaíba".

A inauguração oficial da Fundação Iberê Camargo está prevista para hoje à tarde e contará com a presença do ministro da Cultura, Gilberto Gil, a Ministra-Chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, e o ministro da Defesa, Nelson Jobim.

Antes de regressar a Portugal, o arquitecto Siza Vieira ainda vai deslocar-se até ao Pará, para apreciar uma exposição de fotografias da autoria do seu bisavô, Júlio Siza, que no século passado morou em Belém.

© 2008 LUSA - Agência de Notícias de Portugal, S.A.
2008-05-30 09:35:03

in http://ww1.rtp.pt/noticias/index.php?article=348521&visual=26

Link to post
Share on other sites
  • Replies 52
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

Porto Alegre inaugura museu dedicado a Iberê Camargo

http://bn.uol.com.br/event.ng/Type=count&ClientType=2&AdID=87991&FlightID=31381&TargetID=682&SiteID=209&EntityDefResetFlag=0&Segments=134,385,396,500,544,548,566,693,694,866,878,882,1411,2254,2407,2414,2695,2848,2871,2937,3165,3172,3333,3513,3605,3674,3680,3735,3825,3988&Targets=435,682,883,2481,3070,3337,3890,4361&Values=31,51,60,85,100,110,150,200,209,211,346,349,356,358,381,390,406,484,716,958,998,1039,2348&RawValues=&random=cfbhayn,beerysRnxijas
FABIO CYPRIANO
da Folha de S.Paulo, em Porto Alegre


Porto Alegre inaugura, amanhã (30), a nova sede da Fundação Iberê Camargo (FIC), um projeto do arquiteto português Álvaro Siza, criando um dos melhores museus do país.

Ricardo Jaeger/Folha ImagemFachada do prédio da Fundação Iberê Camargo, que será inaugurado amanhã


Na capital gaúcha, ele é o primeiro construído para esse fim, já que as instituições até então existentes, como o Museu de Arte do Rio Grande do Sul (Margs), utilizam prédios históricos criados para outros objetivos.
Com 8.000 m2, todo em concreto branco, de frente para o rio Guaíba, até mesmo as sinalizações e os móveis do museu são desenhados por Siza, criando um conjunto elegante e, melhor, que tem não só ótimas salas de exibição, mas uma reserva técnica que consegue abrigar todo o acervo da FIC: 4.000 obras de Iberê Camargo (1914-1994). Outra referência no país, o Museu de Arte Contemporânea de Niterói, projeto de Oscar Niemeyer, criado em 1996 para receber a coleção de João Sattamini, não tem espaço para guardar tal acervo.

"Poucos artistas deixaram um conjunto tão fascinante para a família, um patrimônio que precisava ser conservado. Percebemos, então, que era preciso buscar um arquiteto com experiência internacional na elaboração de um museu, com conhecimento da melhor tecnologia de preservação e exposição", conta o empresário Jorge Gerdau Johanpeter, presidente da FIC, a respeito da escolha de Siza para o projeto. "Claro que a língua portuguesa também ajudou, eu temia que não fosse fácil a comunicação", diz ainda o empresário.
Segundo Gerdau, o custo para a construção do museu foi de R$ 40 milhões, 40% pagos por patrocínio direto e 60% financiados pela Lei Rouanet. "Creio que essa é uma boa equação para um museu privado que terá entrada gratuita."

Para a crítica e curadora da FIC Mônica Zielinsky, responsável pela organização do catálogo raisonné de Iberê, Gerdau foi figura central para a criação do novo museu: "Se não fosse a dona Maria [Coussirat Camargo, viúva do artista], que preservou toda a obra do Iberê, o dr. Gerdau, que investiu muito no museu, e o Eduardo Haezbaert, que trabalhou com ele e conhecia toda sua obra, nada disso seria possível".

Com o novo museu, Porto Alegre desponta como pólo cultural do país. Com museus como o Masp em crise, o Museu de Arte Moderna de SP sem condições de expor sua coleção e a Bienal de São Paulo nem sequer conseguindo curadores para apresentar projetos (a "Bienal do vazio" de Ivo Mesquita foi aprovada sem concorrentes), a Bienal do Mercosul, sediada em Porto Alegre, anuncia em duas semanas o novo curador, para o qual teve mais de 50 inscritos, incluindo ex-curadores da Documenta de Kassel e da Bienal de SP. "Aqui, quando falamos em cultura, estamos pensando num projeto para a cidade", diz Fabio Coutinho, superintendente cultural da FIC.

in http://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/ult90u406627.shtml

Link to post
Share on other sites

O edificio é bastante interessante e ousado.:clap: Interessante também foi a explicação, que o arquitecto deu no ano passado na trienal de Lisboa, sobre o percurso do desenvolvimento do projecto. Quando uma pessoa pensa que o Siza parou num tipo de linguagem arquitectonica acaba sempre por se surpreender com soluções inesperadas, a mim surpreendeu-me muito.:) Hoje vi um novo edificio que vai executar em bilbao perto do guggenhein acho que se trata da sede da universidade do Pais Basco, a primeira vista parece muito simples mas pelas imagens tem espaços um pouco heterodoxos.

Link to post
Share on other sites

Esta mañana el arquitecto portugués Alvaro Siza ha presentado junto con Iñaki Azkuna el edificio que albergará la sede de la UPV en el centro de Bilbao.El edificio tiene un presupuesto de 18 millones de euros, será propiedad de la BBK que se lo cederá a la UPV, y su construcción empezará a mediados de 2008 y estará terminado a comienzos de 2010.
El edificio de base cuadrada y elevado en forma de "L" está ubicado en Abandoibarra junto a la Biblioteca de la Universidad de Deusto de Rafael Moneo. Precisamente, debido a la altura de su edificio vecino y para equipararlos, se le ha añadido una planta más al mismo llegando a una altura de 4 plantas y una superficie de 9.000 m2. La fachada será de azulejos y piedra gris y sus estructura de hormigón y acero.
Contendrá las Dependencias del Rector y del Consejo de Gobierno de la UPV, oficinas, un auditorio, salas de conferencias y exposiciones además de un aparcamiento subterráneo.

La noticia de la presentación la han recogido El Correo y Deia. Os muestro varios rendes recogidos también de El Correo y un gráfico explicativo de Isabel Toledo a los cuales les doy las gracias por la información y las imágenes:





















http://bilbaoenconstruccion.nireblog.com/post/2007/12/27/alvaro-siza-presenta-el-paraninfo-de-la-upv-en-abandoibarra#more

Não sei se fiz bem em apresentar aqui o projecto do Siza para Bilbao ou se deveria iniciar um novo topico.
Este projecto tem uma caracteristica que me agrada muito na obra do Siza. é um edificio que a principio aparenta uma faceta anonima e monotona (normalmente no exterior)... Mas depois, na sua utilização ("interior") revela-se cheio de espaços diversificados e muito qualificados.

Link to post
Share on other sites
  • 1 month later...

Quando vi o projecto inicial esperava mais, acho o interior um pouco pobre para as potencialidades que aqueles braços do edificio poderiam produzir. Penso tambem ser dos projectos mais marcantes dele, em que a linguagem se torna diferente da que, por cá (europa) no habituou, só não sei se não a ver Lina Bo Bardi a mais que resultou naquele toque formal mais vistoso...

Link to post
Share on other sites

Coloco aqui um comentario de uma brasileira sobre este edificio:

Reedito hoje este material da Fundação Iberê Camargo, sob a emoção de ter participado da inauguração, sexta-feira, e de ter feito uma primeira visita, neste sábado em que o museu abre ao público. Os primeiros visitantes foram um pai e seus dois filhos, mostrando o interesse de duas gerações pelas duas obras de arte incontestáveis: a de Iberê Camargo e a de Álvaro Siza.

Estou preparando um material especial sobre a Fundação. Enquanto não entra no ar, atualizo este que, segundo o engenheiro Canal, foi o momento em que ele (Canal) se deu conta da obra feita. Ou o sonho realizado, como diria Siza.

Conversei hoje sob o sol do meio-dia com Siza, Canal e o arquiteto Pedro Polonia, para uma reportagem em Casa&Cia da próxima terça-feira, focada mais no mobiliário da Fundação, obra também de Siza, um perfeccionista que não deixaria a cargo de outro sequer um detalhe da sua obra de arte.
Abaixo, o post original de 25 de março:

Se vocês entrarem na capa de zerohora.com, podem acessar um slideshow (um passeio de fotos, feitas pelo Carlos Edler) com áudio meu, mostrando um pouco mais da Fundação Iberê Camargo, num passeio que fiz ontem a partir do meio-dia com o engenheiro José Canal, por todo o prédio, inclusive na área de estruturas como ar-condicionado e outros sistemas que impressionam pelo detalhamento minucioso, resultado de 10 anos de trabalho.

É um edifício feito para durar "mais do que nós", como diz Canal, professor de uma disciplina de Projeto da Arquitetura da UFRGS e o profissional que chegou antes do próprio autor, o arquiteto português Álvaro Siza. Todas as escolhas recaíram sobre o que há de melhor, mais resistente, mais seguro no mercado nacional e internacional. Foram feitos testes com o cimento branco, a exemplo do que ocorreu com diversos materiais.

O trabalho de engenharia arrepia, não apenas o de arquitetura, esplêndido. Só de gesso há cinco tipos empregados, cada um numa finalidade diferente. As paredes não são apenas paredes e ponto final. Por dentro passam sistemas de refrigeração e outros. E não se vê nada. Nada. É tudo embutido, automatizado. É um prédio à prova, por exemplo, de enchente. Se ocorrer um desastre como a de 42, durante uma semana o nível de água pode subir que o prédio está formatado para resistir heroicamente. Fogo? Também não vinga. E não se vê nenhum elemento exposto.

Ontem foi um dia para guardar na minha memória, que acompanho o sonho desta fundação desde as conversas do maestro Iberê com a dedicada Maria Camargo, seus amigos e advogados para garantir que fosse viabilizado. O prédio é sólido, como sua obra. E, apesar das deliciosas curvas e alças, é expressivo como sua pintura, com as delícias dos seus desenhos e a técnica de suas gravuras.

Obrigada, arquiteto Álvaro Siza, obrigada Iberê Camargo.
A Fundação foi escolhida como a obra arquitetônica mais significativa de Porto Alegre por um júri técnico, com representantes de entidades do setor. Vejam a reportagem em Zero Hora de hoje, no projeto Porto Alegre 360°, para homenagear a nossa cidade pelo aniversário.

in http://www.clicrbs.com.br/blog/jsp/default.jsp?source=DYNAMIC,blog.BlogDataServer,getBlog&uf=1&local=1&template=3948.dwt&section=Blogs&post=57938&blog=231&coldir=1&topo=3944594.dwt

Link to post
Share on other sites
  • 2 weeks later...

Please sign in to comment

You will be able to leave a comment after signing in



Sign In Now

×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.