Jump to content
Arquitectura.pt


Lisboa | Projectos | Varios Autores


Recommended Posts

Troia Resort:Fotos: Troia resort com um casino-hotel de 14 andares sera pronto em 2008 Mais informação: Amorim Turismo constrói casino-hotel em Tróia Apesar da Sonae ser o principal investidor no projecto de Tróia, a renovação imobiliária da península conta também com um empreendimento da responsabilidade da Amorim Turismo. O projecto, cuja traça foi desenhada pelo atelier Promontório Arquitectos, envolve a criação do Tróia Casino-Hotel, que será parte integrante da estância de veraneio que começou a ser desenvolvida na década de 60 do século passado. O futuro casino-hotel será instalado num dos edifícios que não chegou a ser terminado e que se mantém até hoje um esqueleto de betão. Assim, o projecto da Amorim Turismo apresenta uma área total de construção de 65.000 m2 e, para além do casino e do hotel com a classificação de cinco estrelas, inclui ainda um centro de espectáculos, um centro de conferências e diversos apartamentos turísticos. O casino, que se situará a poente do lote, ocupando a totalidade da área desde o norte ao limite sul, será o principal ponto de atractividade do empreendimento. A importância deste espaço de jogo levou a Promontório Arquitectos a considerar alguns aspectos em particular, nomeadamente a necessidade de integrar o edifício na envolvente e a conjugação arquitectónica e funcional das diferentes funções do projecto. Estrutura do projecto De facto, o espaço interior da futura sala de jogo será constituído por uma nave de grandes dimensões, com 40 m de largura e um pé direito livre de 8,0 m, onde se incluirá uma área de mezzanine. Refira-se que este edifício apresentará uma volumetria individualizada das restantes construções. O centro de espectáculos funcionará como uma infra-estrutura complementar ao casino e será constituído por um palco de média dimensão e respectivos espaços técnicos. A zona destinada ao público, para um total de 500 pessoas, foi concebida de forma a permitir a sua utilização mista como sala de espectáculos e serviço de banquetes. No que respeita ao hotel, este será instalado num edifício já existente, constituído por 14 pisos ao longo dos quais se distribuirão 550 camas. De acordo com a Promontório Arquitectos, a estrutura já existente é caracterizada por um conjunto de volumes de grandes dimensões que se recortam em diferentes direcções, envolvendo superfícies transparentes e opacas, corpos cheios e vazios e salientes e reentrantes. Para a equipa de arquitectos, a transformação desta estrutura passa, sobretudo, pela recuperação das antigas fachadas e pela sua actualização no que respeita a materiais e tecnologias. O centro de conferências ficará situado no extremo nascente do lote, sendo composto por dois grandes espaços de pé direito duplo, um com capacidade para 350 pessoas e o outro vocacionado servir banquetes a cerca de 400 pessoas, bem como por diferentes salas de reunião. As break out rooms ficarão localizadas no centro deste espaço. Destaque para os apartamentos A valência com menor peso no projecto, em termos de construção, respeita aos apartamentos turísticos. Contudo, e devido à sua localização, serão a parte do projecto mais marcante. Na realidade, a área de construção é de apenas 2.991 m2 para 24 apartamentos, sendo parcialmente ampliada ao volume existente do hotel. Assim, o volume proposto pela Promontório Arquitectos desenvolver-se-á adossado ao alçado norte do edifício existente e através da ampliação deste. No que respeita à arquitectura, as varandas propostas para cada um dos pisos permitem criar um efeito plástico de um movimento ondulante dos paramentos. Deste modo, assinala-se a intervenção na estrutura existente, garantindo contudo que se trata de uma composição horizontal. Por último, o projecto da Amorim Turismo incluirá ainda um spa com cerca de 700 m2 e que ficará situado no volume de transição entre o hotel, o casino e centro de espectáculos, funcionando como remate do alçado poente da Praça Central. A coordenação e fiscalização do projecto está a cargo da Ficope, cabendo as estruturas à Quadrante Engenharia e as instalações especiais à LMSA, Engenharia de Edifícios. Dizem como vocez pensam e fixe o é mão feio,10/10 o 1/10,eu acho que é fixe,anima a zona faze aumentar o PIB Nacional dezenvolve o Turismo na Zona Grande Lisboa e ou dou 10/10

Link to post
Share on other sites
  • Replies 115
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

portugese, o joaopedrosilva tem toda a razão. Se desejas ter alguma resposta dos teus colegas, motiva-os, cria tópicos ou assuntos interessantes sobre o mesmo tema, "puxa" conversa.
Pedinchar ou insistir para que respondam apenas faz as pessoas ficarem saturadas e tensas, e evitam prolongar o assunto. Com certeza que os teus colegas se tivessem mais informação irão disponibilizar a seu tempo, até aguarda ou tenta criar novos assuntos.
Link to post
Share on other sites
O Resort da península de Tróia representa tudo aquilo que não se deve fazer em Portugal. E como arquitecto que tem algumas preocupações com o ambiente e com a herança das próximas gerações, lamento que a vaidade e o lucro fácil se tenha colocado no topo das preocupações de colegas e que não tenham discutido com frontalidade - num debate nacional - e clareza outras opções de investimento da parte da Sonae e do Grupo Amorim para a Península de Tróia. A propaganda politica da implosão de edifícios existentes e a afirmação de que a nova Tróia será ecologicamente um exemplo internacional, é mais uma vez um absurdo. A densidade prevista de construção mais os Greens para o desporto mais praticado a nível nacional (o golf!!?) arrasam por completo qualquer estudo de impacto ambiental favorável e sério, porque o estudo que existe é favorável como tinha que ser porque quem paga tem que “ouvir o que quer”. Desde já deixo esta mensagem neste Fórum que a arquitectura não serve só para ser fotografada pelos melhores fotógrafos (sic) e sair na revista da especialidade, arquitectura é também cidadania.
Q. Gupyna
Link to post
Share on other sites

Desculpa de te contrariar mas o projecto é de uma qualidade arquitetonica muito alta e mais issa vai trazer gente rica na zona e o PIB nacional vai aumentar graças ao Turismo, e se fosse eu erra pior para ti,porque teria la uma Las Vegas portugesa.LOL:)

Link to post
Share on other sites

O que está em causa não é a qualidade dos projectos ou dos seus projectistas mas sim o local, só quem não conhece Troia é que pode afirmar que o que interessa é o PIB ? É por estas afirmações que temos o que temos! Já agora Las Vegas foi construido no deserto, e a Peninsula de Troia sempre foi local de atracção paisagístico, por exemplo os Fenicios que se fixaram na outra margem,em Setubal, e os Romanos que tinham um pequeno porto de pesca.

Link to post
Share on other sites

As zonas mais produtivas são as industriais e agrícolas... quanto muito as zonas de serviços... Hotéis e casinos são lazer... casino Lisboa já tem, hotéis não digo que não são importantes, mas a avaliar por quem conhece a zona, talvez não seja a forma mais correcta de o fazer.

Não é incrível tudo o que pode caber dentro de um lápis?...

Link to post
Share on other sites

Nova torre aprovada hoje em Lisboa
Fotos:

Imagem colocada

e tambem o hotel altis marques:
Foto:

Imagem colocada

E mais um projecto que ja esta constuido:
Fotos:
Norfin Office Park - (Arquitectos: Nuno Leónidas; Miguel Rocha e Saraiva; Frederico Valsassina) - Parque das nações - em construção-conclusão:2007/8 - U/C conclusion: 2007/8

Imagem colocada


torre de escritórios, 17 pisos: ~ 75m. Office tower, ~75m
Imagem colocada

Imagem colocada
alguem teria fotos actual do projeco,faz favor

Link to post
Share on other sites

Please sign in to comment

You will be able to leave a comment after signing in



Sign In Now

×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.