Jump to content
Arquitectura.pt


Recommended Posts

Boa Tarde, Gostava que alguém me ajudasse a tirar umas duvidas: A que altura se deve realizar (cortar horizontalmente) uma planta? E as escadas devem ser cortadas a uma altura de 0,90m (representação numa planta)? Aonde eu posso ver legislação, ou alguma coisa parecida que explique e/ou informe sobre as normas e o que está estipulado para desenho arquitectónico?

Link to post
Share on other sites

A altura que se deve cortar uma planta é de 1.2m, dado que de forma inequívoca apanha sempre as janelas... foi o que me foi ensinado, nunca encontrei normas acerca do assunto.


Correcto, mas não quer dizer q não se corte a Qq outra altura, se fôr para melhor descrever o projecto.... O melhor mesmo, para não haver dúvidas é colocar um tag, com a altura do peito/ soleira ao piso respectivo, medido no limpo.

PS: Cara FLopes, "Aonde"... não existe.,..aiai... esse protuguês!!!!

Quem cria renasce todos os dias...
Agua-Mestra, Lda
Não sou perfeito, mas sou muito critico...

Link to post
Share on other sites

Não creio que exista qualquer normalização nessa matéria. Obviamente que para além dos princípos gerais indicados pelo ARQ há que pressupor sempre que os desenhos serão destinados a orientar uma construção e que muitas vezes o pessoal que a eles recorre não tem, em matéria de desenho técnico a facilidade de leitura que seria desejável.
A técnica da etiquetagem dos vãos, referida pelo Pedro, é uma forma de minorar erros. Daí entender que no caso de ter uma janela 0.40 m de altura a 2.20 m de altura se deva representá-la juntamente com as demais, ainda que com isso não se respeite a regra do "corte horizontal a 1.10 m" . Nesta situação a etiquetagem em planta da cota do peitoril e da altura da janela é uma forma de acautelar um muito provável erro na fase de construção.

Em tempos tive uma obra em que o arquitecto optou por colocar em vários compartimentos uma solução que passava pelo "encaixar" três janelas numa mesma vertical, do tipo:

1. - janela fixa 1.20 x0.40 m junto ao chão;
2.- janela 1.20 x 1.10 e com o peitoril à altura de 0.90 m
3.- janela fixa igual à primeira, rente ao tecto.

O facto de não ter havido na planta qualquer nota que chamasse à atenção para esse facto levou a que o encarregado da mesma não tivesse acautelado, no lançamento das alvenarias, as janelas rentes ao chão. Obviamente que ele deveria ter feito a prévia leitura das plantas, cortes e alçados antes de fazer a marcação das alvenarias, mas muitas vezes não é isso que acontece e por isso, parece-me, que a representação gráfica deverá acautelar esses factos.

Creio que emn tempos houve um post em que foi (e bem) abordada esta questão.


-----------

PS: Pedro, "onde" e "aonde" são palavras que fazem parte do português. Uma tem caracter estático e outra tem carácter dinâmico. No caso da colega ela deveria ter empregue o "Onde" - no qual lugar, em que, em que lugar, em qualquer lugar que - e não "Aonde" - lugar a que ou ao qual . :)

Link to post
Share on other sites
  • 3 weeks later...

Correcto, mas não quer dizer q não se corte a Qq outra altura, se fôr para melhor descrever o projecto.... O melhor mesmo, para não haver dúvidas é colocar um tag, com a altura do peito/ soleira ao piso respectivo, medido no limpo.

PS: Cara FLopes, "Aonde"... não existe.,..aiai... esse protuguês!!!!


Olá a todos :D

Peço desculpas. Não fiz registo no fórum para participar, só para poder procurar alguma informação com a função de pesquisa. E estava a seguir este tema e vi esta resposta do protuguês e é tão injusta que, bem, é mais forte que eu esta mola que me faz responder:

"Aonde" existe. Em bom Português. Excelente Português. Há muito tempo. "For" não leva acento circunflexo. Qualquer dicionário confirma o que acabo de dizer.

Ba.
Link to post
Share on other sites
  • 3 weeks later...

A altura da secção em planta está convencionada para Portugal a 1.50m, no entanto no Brasil essa altura passa para 1.20m. A altura de 1.50 faz mais sentido pois algumas janelas como "gateiras" por vezes se encontram com um peitoril acima do 1.50m. No entanto pode-se em caso especiais representar nos cortes a linha da secção em planta de forma a dar a compreender o critério de corte (inclusive mudança de altura) , existindo situações de construções que possuem um pé-direito elevado, a necessidade de várias plantas apesar da vista ser semelhante. Assim o meu conselho para estas situações é usar um critério de 1.50m e caso haja necessidade de alterar essa altura marca-la em planta tal como se faria num corte vertical, o conceito é o mesmo. Espero que tenha esclarecido a duvida.

Link to post
Share on other sites

Existe mesmo uma flexibilidade na altura, e a que reune consenso e é aceite é aquela que melhor explicitar o projecto. Uma nota: quando a representação em planta corresponde ao plano sob a cobertura a sua representação é um corte horizontal efectuado a uma altura de 1,30m acima da cota do pavimento, devendo assinalar-se a tracejado as zonas da planta onde o pé-direito for inferior a 2,00m. Com isto pretende-se ilustrar a real habitabilidade do espaço.(A fonte é a mesma da imagem anexada: Calvat, Gérard - Edições Cetop - ISBN 972-641-525-1)

Link to post
Share on other sites

Julgo poder constactar que a temática da a/representação de uma peça de arquitectura tem registado evoluções, mantendo contudo o essencial. Subscrevo o conceito de alguma flexibilidade, designadamente no sentido de melhor definir a coisa projectada com vista à sua execução física. Soluções de pé direito duplo ou triplo carecem porventura de várias plantas. Em situações correntes, mais ou menos 10 cm, penso que a representação em planta se pode empíricamente associar à de um corte horizontal efectuado à altura da vista do observador. O princípio da escala humana e da anatomia do ser é para ser usada em todos os sentidos. Será assim?

Link to post
Share on other sites

A normalização da altura a que se deve cortar uma planta é desnecessária e contra-producente. Um desenho técnico, tal como qualquer outro desenho é uma representação e deve ser moldado e adequado de modo a conter o máximo de informação e de maneira que esta seja lida da forma mais clara possível. O que é fundamental é perceber de que maneira se pode representar aquilo que projectámos. A representação em planta tem muitas limitações e é óbvio que se deve previligiar a informação que só se consegue perceber em planta. Distâncias e ângulos entre paredes, eixos ou alinhamentos, localizações de portas, janelas e escadas, armários, etc... Quanto mais se escrever nas plantas mais baralhado vai ficar o empreiteiro. A informação deve ser sucinta. Há situações em que a representação de elementos arquitectónicos em planta é muito difícil, por exemplo quando duas janelas se sobrepõem. Nestes casos não me parece producente desenhar muitas plantas e é por isso se desenham alçados, cortes, cortes construtivos, mapas de vãos e pormenores. Se as representações forem simples, qualquer empreiteiro sem grande formação as consegue perceber. E se não conseguir lá estará o arquitecto para prestar esclarecimentos técnicos à obra. Há, inclusivamente, a possibilidade de usar maquetas e modelos virtuais. Que em tipos de arquitectura mais complexos é mesmo indispensável. O que é importante é que esteja tudo claramente representado e sem incoerências, porque se não estiver até problemas legais podemos vir a ter.

Link to post
Share on other sites
  • 1 month later...

:clap: Desde já agradeço a todos, as contribuições dadas (incluindo as correções do 'português') para me ajudar a tirar a duvida sobre a que altura se deve cortar uma planta. Descobri recentemente, melhor dizendo, indicaram-me um livro sobre normas arquitectónicas. Neste livro vem indicado na página 620: "...a planta corresponde ao corte feito por um plano horizontal situado a 1 m do chão ou 0,10 m acima do peitoril das janelas." O livro é o seguinte, se alguém o quiser consultar, "Desenho Técnico", de Luis Veiga da Cunha, Fundação Calouste Gulbenkian.

Link to post
Share on other sites
  • 2 weeks later...

O Veiga da Cunha é uma boa referência sim, onde também podes encontrar na bibliografia outros livros de referência sobre códigos e procedimentos de representação. Mas é consensual que a planta (que também é um corte) deva ser feita de forma a representar os vãos, tomando estas como referência para estabelecer a altura da secção.

Link to post
Share on other sites
  • 1 month later...
  • 3 months later...

Please sign in to comment

You will be able to leave a comment after signing in



Sign In Now
×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.