Jump to content
Arquitectura.pt


Casa em Condeixa


marco1

Recommended Posts

Bem, antes de uma critica ao projecto, dou-te os meus parabens por mostrares o teu trabalho...acho que muitos de nós deviamos tirar partido do forum mostrando aquilo que fazemos enquanto estudantes e ou profissionais, mas enfim vivemos num pais do esconde esconde( so eu sei e os outros nao podem ver nem saber) isso é mau muito mau...nao se vai longe com esse tipo de mentalidade, mas enfim... Quanto ao teu projecto não posso dizer que o acho interessante pois estaria a enganar-te, vejo uma composição voluméntrica não muito bem conseguida, com alguns erros formais...não se percebe bem que tipo de linguagem é ( moderna; desconstrutivista, ou ...). vejo um pluralismo um pouco forçado, com intenções timidas...devias assumir uma composição mais pura sem ruido visual, ja que utilizas o cubo e rectangulo...devias explorar mais a composição e levar mais alem o teu projecto...a nivel de plantas não sei o que comentar pois intendo que o programa condiciona a forma do edificio...resumindo acho que é um projecto com pouca exploração a nivel formal e espacial, preocupado apenas a cumprir o programa...

Link to comment
Share on other sites

Gostei do desenho interior! Esta muito fixe. Ate certo ponto concordo do Koolhas, mas eu como gosto muito da arquitectura liniar, apesar de ser um amante da Arte Nova (que estranho não é... tambem acho... lol). Gosto da casa assim. Realmente torna-se um pouco "agreciva" mas ao mesmo tempo esta suave... talvez um pouco a cor ajudaria ai... So uma questão, porque é que tem um quarto no R/C!? Não ficaria ai melhor um escritorio?

Josué Jacinto - Mais Fácil
My web: maisfacil.com | soimprimir.com | guialojasonline.maisfacil.com

Link to comment
Share on other sites

Jag o quarto responde por um lado a uma exigência do programa que eu concordo pois faz muito "jeito "( tipo quarto de hospedes ou quarto quando por razões de saude é mais prático estar no r/c) e por outro é já uma solução que responde ás normas de acessibilidade nas habitações e também o facto de logo á entrada já haver um escritório.

Link to comment
Share on other sites

Koolhas é precisamente por isso que a nossa profissão não chega a todos os quadrantes e se tente evitar o recurso ao arquitecto na construção corrente. ou seja tem que ser tudo tão elitista? linguagem x ou y? tudo com aquele gesto puro que depois não funciona em termos vivenciais? mas de qualquer maneira registo a tua opinião mas era bom que fosse mais especifica, é que consegues ser vago em todos os pontos que frisaste o que não ajuda nada

Link to comment
Share on other sites

  • 2 months later...

Marco, gostava de ver a zona para conseguir ter uma opinião sobre essa decisão do IGESPAR (antigo IPPAR). Já agora, porque é que o IGESPAR tem de dar um parecer? Esse terreno está próximo de algum edifício classificado? Se pudesses, podias por cá umas fotografias da envolvente.

Não é incrível tudo o que pode caber dentro de um lápis?...

Link to comment
Share on other sites

  • 3 weeks later...

Koolhas

é precisamente por isso que a nossa profissão não chega a todos os quadrantes e se tente evitar o recurso ao arquitecto na construção corrente. ou seja tem que ser tudo tão elitista? linguagem x ou y? tudo com aquele gesto puro que depois não funciona em termos vivenciais?

mas de qualquer maneira registo a tua opinião mas era bom que fosse mais especifica, é que consegues ser vago em todos os pontos que frisaste o que não ajuda nada


Parabéns por mostrares o projecto e parabéns pelo mesmo. Apesar de não ter conseguido visualizar as plantas e baseando-me apenas nas prespectivas, apenas te posso dizer que gostei muito do que vi - composição volumétrica cuidada, uma combinação agradável de texturas e dos vários elementos compositivos- e que por serem escassos os elementos em causa e portanto impossível de formar uma opinião mais sustentada, quero acreditar que tudo o mais vai na linha daquilo que vi.
Concordo contigo no que respeita à contestação das leituras meramente formalistas da expressão estética do proposto ou de qualquer obra artísitica .
Esta a opinião de alguém que apesar de ser leigo na matéria (convenhamos que a arte não é só para os do métier ) mas que apesar de tudo não é insensível ao objecto arquitectónico. Vale o que vale.
Pena que o IGESPAR tenha chumbado.
Link to comment
Share on other sites

Koolhas

é precisamente por isso que a nossa profissão não chega a todos os quadrantes e se tente evitar o recurso ao arquitecto na construção corrente. ou seja tem que ser tudo tão elitista? linguagem x ou y? tudo com aquele gesto puro que depois não funciona em termos vivenciais?

mas de qualquer maneira registo a tua opinião mas era bom que fosse mais especifica, é que consegues ser vago em todos os pontos que frisaste o que não ajuda nada


Parabéns por mostrares o projecto e parabéns pelo mesmo. Apesar de não ter conseguido visualizar as plantas e baseando-me apenas nas prespectivas, apenas te posso dizer que gostei muito do que vi - composição volumétrica cuidada, uma combinação agradável de texturas e dos vários elementos compositivos- e que por serem escassos os elementos em causa e portanto impossível de formar uma opinião mais sustentada, quero acreditar que tudo o mais vai na linha daquilo que vi.
Concordo contigo no que respeita à contestação das leituras meramente formalistas da expressão estética do proposto ou de qualquer obra artísitica .
Esta a opinião de alguém que apesar de ser leigo na matéria (convenhamos que a arte não é só para os do métier ) mas que apesar de tudo não é insensível ao objecto arquitectónico. Vale o que vale.
Pena que o IGESPAR tenha chumbado.
Link to comment
Share on other sites

  • 7 months later...
Um projecto não tem de ser elitista. No entanto o ideal era que o resultado final de um projecto de arquitectura fosse, efectivamente, com aquele gesto puro, e que funcione em termos vivenciais.

De facto, umas fotografias da envolvente davam muito jeito. Aliás por que razão, ninguém, ao colocar aqui os seus trabalhos, põem a envolvente dos projectos? Ninguém se lembra que a envolvente é um dos aspectos essenciais para uma melhor compreensão! …

Dirigindo a atenção para o projecto em questão, gosto do projecto no primeiro contacto, embora não me identifique com o modernismo (e embora goste bastante de alguns/bastantes projectos) …

E não percebo muito bem o espaço verde lateral (o das “pedrinhas”) parece que caiu simplesmente ao acaso … A nível geral penso que a envolvente (todo o espaço exterior ao edifício), deveria ser repensado dando outro sentido e valorização ao projecto …

O interior parece-me bastante forçado …

Por outro lado sendo que a habitação pretende responder “ás normas de acessibilidade nas habitações”, por que motivo há diversas situações que não cumprem?...


P.S.
Também concordo que deves ser congratulado pela tua coragem em expor o teu projecto …
Link to comment
Share on other sites

...so agora vi este tópico.. MARCO, mas o oficio do IPPAR (IGESPAR), não diz só "falta de qualidade"... pois não?, qual foi o teor/ justificação do colega para indeferirem o Projecto de Arquitectura?... que rumo, teve o processo? abraço (Não desgosto do projecto. mas também não conheço a envolvente... mas do que depreendo da foto aérea... parece-me mais uma zona descaraterizada?!? ou não?)

Quem cria renasce todos os dias...
Agua-Mestra, Lda
Não sou perfeito, mas sou muito critico...

Link to comment
Share on other sites

O terreno é aquele "estreito" verdinho com as oliveiras.

[/ATTACH]

Luis, este projecto não pretendia ser a obra da minha vida, pois por muita vontade que tivesse, nem o orçamento nem a disponibilidade para tal do cliente me permitiam voar mais alto.
ainda assim cortando aqui e ali acho que nada resultou gratuito e embora respeite a tua opinião o interior parece-me fluido e com uma organização que funciona sem ter sido "tipo encher chouriços".
Em relação á parede com as pedrinhas, foi muito intencional e uma forma que encontrei de "matar"o impacto que teria aquele alçado com uma grande empena e, com o tempo aquela rusticidade conjugada com as futuras trepadeiras conseguir uma certa integração nesta zona de paisagem muito pouco edificada.
Mas tinha interesse em saber onde dizes que este projecto não cumpre com o decreto 163.

Pedro

o oficio não refere explicitamente essa frase mas o nosso douto colega arquitecto que deu o parecer, assim o descreveu tendo até originado uma reunião com o seu chefe e na qual eu fui explicito que não reconhecia os seus argumentos e só não avancei com um pedido de mediação á ordem porque o cliente quis pura e simplesmente aguardar por melhores dias uma vez que não queria alterar sequer uma "linha" ao projecto que no seu entender o satisfazia completamente.
Ainda assim o tal chefe ainda propos que fosse realizado um outro estudo em r/c mas como disse o cliente suspendeu tudo indignado.

Como disse tive, teve, talvez o azar de ser o 1º e ainda por cima na 1ª parcela daquela banda.

Vamos ficar no entanto na espectativa de ver o que vai sair de um loteamento que está parcialmente aprovado para um terreno na proximidade deste.

Link to comment
Share on other sites

Ok, marco.
Não cumpre o 163/2006 no acesso ao QUARTO... BASTA TROCAR a designação de compartimento do quarto com o escritório.
OU
colocas a porta do quarto de correr, ou alteras o sentido de abertura da mesma ( de modo a teres a área livre para manobra da porta)... de resto parece-me bem.

Quem cria renasce todos os dias...
Agua-Mestra, Lda
Não sou perfeito, mas sou muito critico...

Link to comment
Share on other sites

  • 8 months later...

...so agora vi este tópico.. MARCO, mas o oficio do IPPAR (IGESPAR), não diz só "falta de qualidade"... pois não?, qual foi o teor/ justificação do colega para indeferirem o Projecto de Arquitectura?... que rumo, teve o processo?
abraço

(Não desgosto do projecto. mas também não conheço a envolvente... mas do que depreendo da foto aérea... parece-me mais uma zona descaraterizada?!? ou não?)


Pedro tenho por exemplo um primeiro parecer do igespar não com essas palavras mas qualquer coisa parecida mais rebuscada, e sem qualquer explicação assente em legislação, mas lá se resolveu no fim, com muitos mal entendidos por a utilização de essa linguagem.
Link to comment
Share on other sites

Please sign in to comment

You will be able to leave a comment after signing in



Sign In Now
×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.