Jump to content
Arquitectura.pt


LFigueiredo

O Arquitecto/a...Que considera ser de maior referência?

Qual considera ser o arquitecto/a de maior referência?  

290 members have voted

  1. 1. Qual considera ser o arquitecto/a de maior referência?

    • Tadao Ando, Japão
      40
    • Luis Barragán, Mexico
      8
    • Gottfried Böhm, Alemanha
      0
    • Gordon Bunshaft, EUA
      0
    • Oscar Neimeyer, Brasil
      38
    • Paulo Mendes da Rocha, Brasil
      6
    • Jacques Herzog and Pierre de Meuron, Suiça
      24
    • Christian de Portzamparc, França
      1
    • Sverre Fehn, Noruega
      1
    • Sir Norman Foster, Inglaterra
      11
    • Frank Gehry, Canadá
      7
    • Zaha Hadid, Iraque
      18
    • Hans Hollein, Austria
      0
    • Philip Johnson, EUA
      1
    • Rem Koolhaas, Holanda
      18
    • Fumihiko Maki, Japão
      0
    • Thom Mayne, EUA
      2
    • Richard Meier, EUA
      2
    • Rafael Moneo, Espanha
      3
    • Glenn Murcutt, Inglaterra
      0
    • Ieoh Ming Pei, China
      0
    • Renzo Piano, Itália
      4
    • Kevin Roche, Irlanda
      0
    • Richard Rogers, Inglaterra
      1
    • Aldo Rossi, Itália
      2
    • Alvaro Siza, Portugal
      95
    • James Stirling, Inglaterra
      0
    • Kenzo Tange, Japão
      1
    • Jørn Utzon, Dinamarca
      7
    • Robert Venturi, EUA
      4


Recommended Posts

Uma coisa interessante, é o fato dos dois arquitetos mais votados serem de Portugal e do Brasil. Isso seria um bairrismo(é como chamamos no Brasil atitudes puramente nacionalistas, sem nenhum embasamento crítico ou argumentação consistente por trás) ou seria apenas o fato de conhecermos melhor a obra dos nossos próprios arquitetos e olharmos pouco para a arquitetura estrangeira?

Share this post


Link to post
Share on other sites
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre



Tadao Ando, em japonês 安藤忠雄 [Andō Tadao], (Osaca, 13 de Setembro de 1941) é um famoso arquiteto japonês e professor emérito da Universidade de Tóquio. Ando foi premiado em 1995 com o Prémio Pritzker (a maior distinção formal para um arquiteto), doando os cem mil dólares do prêmio para os órfãos do Terremoto de Kobe.
Uma das especificidades de Tadao Ando é que ele não recebeu nenhuma qualificação formal (estudos universitários) para exercer Arquitetura. Tendo trabalhado como caminhoneiro e lutador de boxe, autodidata, passou a estudar por sua conta Arquitetura, tendo viajado pela Europa e pela América do Norte para aprofundar os seus conhecimentos na área.
Finalmente em 1969, Ando funda a firma Tadao Ando Architects & Associates. Trabalhando na sua cidade natal de Osaka, o trabalho do autodidata chama, então, a atenção da crítica, dando um empurrão para uma carreira que viria a ser premiada em 1995 com o Prémio Pritzker.




Sem tirar o merito e sem desvalorizar o seu trabalho, lá fora o Tadao Ando é um arquitecto...em Portugal seria um Pato Bravo :rolleyes:

O meu voto vai para todos os arquitectos anonimos deste país, que ali e acolá conseguem fazer uma arquitectura que apesar de não aparecer em revistas, é digno de registo.

Mas como referência votei Christian de Portzamparc

Share this post


Link to post
Share on other sites

não há uma ordem, tem a ver com a frase que uso como assinatura, depende do dia e do projecto, mas todos são referências

por isso agradeço ao:

Siza (por tudo)
Souto Moura ( pelo método que leva a cada projecto e que te procuro em cada um dos meus)
Herzog e De Meuron (pela invenção)
John Pawson (pelo minimalismo)
Foster (pela boa surpresa em Londres)
Luis Barragan (pela poesia, pelo bonito)
Loius Khan (pela índia e a biblioteca)
Mendes da Rocha (obrigado por ainda estares a projectar)
Mies (porque és a base da arquitectura de hoje)
Corbusier (pela unidade de marselha e o que hoje isso ainda significa)
Ruy D´Athouguia (pelas estacas, a gulbenkian e a tua casa)
Peierre Chareau (pela maison de verre)
Zhumtor (pelo atelier pequeno onde tudo controlas)
Távora e C. Ramos (pela escola)
Gropius (pela Bahaus)
Hillberseimer (pelo utopismo)
Duarte Pacheco (por Alvalade)
Matos Ferreira (pelo esquecimento da tua obra que só eu conheço)
Celestino Castro (por trazeres o Corbu ao Porto)
Marquês de Pombal (pela baixa)
e ao SAAL

Share this post


Link to post
Share on other sites

Acredito que a votação em Niemeyer e Siza seja bairrista sim, mas com fundamento pois as escolas de arquitetura exaltam (com grande justiça digamos) o produto nacional ou mesmo da mesma cultura. Já passam longos anos de formado mas lembro-me que na época de faculdade ao citar arquitetos internacionais Siza era o primeiro da listagem seguido por Mies. Gosto muito da arquitetura de Frank Gehry, mas sendo bairrista escolhi "Paulinho" Mendes. :)

Share this post


Link to post
Share on other sites

Olá. Concordo com alguns que outros arquitectos poderiam ser acrescentados (ainda q entenda a lógica, e tem o seu sentido para filtrar um pco a discussão), mas talvez fosse ainda mais importante poder votar-se em 3 e não apenas 1 que é segregador... Tou no voto solitário ao Richard Rogers, e com mais dois votos, talvez os gastasse nele tb (se pudesse). Não há (para mim) outro igual, com a mesma simplicidade de princípios, o sentido social, económico, e ecológico que ele, e com obras sobrias mas que permitem cor, e aquele ambiente (de excepção) industrial pelo qual tenho tanto apreço. O centro George Pompidou é de longe a melhor obra de arquitectura que vivi (a tal cm alma que fala o zumthor e outros), duma continuidade com o exterior, facilidade de percursos, o sentido social sempre presente, dinâmico formalmente, ainda q acente numa base mto simples...Bahhh não acabava a descrição... O meu conhecimento de Rogers não fica por aqui, nem eu o sigo, como um muçulmano Meca, conheço muitas outras obras sensacionais de outros arquitectos... Gostava de dar uma saudação especial ao Lobão e ao Kwhyl pelas suas participações, e no sentido oposto ao Sputnik ;) e ao comentarios que não perderei instantes a pensar em adjectivos, nos comentarios ao movimento brutalista da arquitectura, ou o infeliz Archigram "q não sei o que é"... Tal petulância na ignorância, fico a pensar se não será algum grupo de criminosos...é triste de ver, independentement de se gostar ou não, mas é um momento da história da arquitectura, único até então!!...e hoje continuado, até aos mais subtis revivalismos, da arquitectura ao cinema, passando pelas artes plásticas... Como sugestão, podiamos fazer um debate de obras de arquitectura que mais nos marcam, e talvez não fosse por votação, mas cada um diria 5 exemplos... Fika a sugestão, deixo as minhas, e talvez podessemos acrescentar as q mais nos desiludiram ao vivo... Centro George Pompidou de Paris (Piano e rogers) Guggenheim de Bilbao (Gehry) Biblioteca de Delft (Mecanoo . Erick Van Egeraart) Museu do Rodin - Seoul (Kohn Pedersen Fox) Ville La Roche . Paris (Corbusier) Vels & Vents - Valencia (Chipperfield) Ginger & Fred - Praga ( Gehry) Faup (Sizinha) Haia City Hall (Richard Meier) Sede de Control Marítimo (Edgar Cardoso (ou tlv não) cm a recuperação Miguel Tomé) ... Musac (mais pelo sistema modular e a relação com a cidade q pela "alma" q transmite) desilusões... Instituto do Mundo Árabe do Jean Nouvel, há mais, mas ja não me lembro... Só falei d obras q vi ao vivo e tao mais ou menos por ordem...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Eu votei no Siza porque considero o mais completo arquitecto vivo da actualidade e também o mais sério, de seguida votaria no Moneo por ser um dos melhores da sua geração e ter uma personalidade mais acessivel que eu conheci até hoje no mundo da arquitectura mundial, que eu tive a oportunidade de o conhecer num Workshop e entrevistar na Faculdade de Arquitectura de Madrid, e do David Adjaye como representante de uma nova de geração que por acaso tive a felicidade de conheçer aqui no Porto quando esteve no gabinete do Eduardo Souto Moura!;)

Share this post


Link to post
Share on other sites

Isto do mais é sempre discutível... se formos falar em termos ecológicos (um tema q se considera determinante na arquitectura actual) o Siza têm um conceito muito à portuguesa de sustentabilidade, em que o factor de edifício gerador ou pelo menos rentabilizador ao máximo de energia é sempre deixado um pouco para segundo plano, quando comparamos com outros arquitectos que essa preocupação é uma das permissas da sua arquitectura, e os edifícios são dotados dessa capacidade desde a sua origem. Isso não mostra alguma falta de seriedade nesse campo?? (lá vão todos cair-me em cima) hehe Quanto ao Moneo é um historicista contemporâneo, tenho d fazer um grande esforço por gostar de alguma coisa dele. Considero desadequado ao nosso tempo... ou a forma como eu vejo o nosso tempo, é uma vertente que apenas "respeito", mas longe de considerar magistosa a sua arquitectura, e talvez o mais apuradinho desses clássicos juntamente com o Scarpa. O David Adjaye... é ...magnífico, e concordo completamente com a tua análise. Só tou a levantar discussão, nada contra qq um...o Siza é notável em imensos aspectos.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Please sign in to comment

You will be able to leave a comment after signing in



Sign In Now

×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.