Jump to content
Arquitectura.pt


Ordem Dos Arquitectos - Processo Eleitoral Mandato 2008/2010


Em quem vai votar para as Eleicoes da Ordem dos Arquitectos?  

35 members have voted

  1. 1. Em quem vai votar para as Eleicoes da Ordem dos Arquitectos?

    • Lista A > Todos pela Arquitectura - João Rodeia
      9
    • Lista B > Por uma Ordem de valores - Luís Conceição
      26


Recommended Posts

Boa tarde.
Poderá, igualmente, votar presencialmente no dia 18 de Outubro, entre as 17:00 e as 22:00h (de Lx), na secção eleitoral onde o seu nome conste do caderno eleitoral - pf, consulte a comunicação que lhe foi enviada pela Ordem dos Arquitectos conjuntamente c/boletins de voto (têm lá as secções consoante a residência, conhecida pela oa, dos membros); ou vá ao site da Ordem.
Não obstante serem omissos a esse respeito no que ao voto presencial se refere, parece-me do senso comum que deverá ír acompanhado do seu BI.
Rute

Boa tarde.
Poderá, igualmente, votar presencialmente no dia 18 de Outubro, entre as 17:00 e as 22:00h (de Lx), na secção eleitoral onde o seu nome conste do caderno eleitoral - pf, consulte a comunicação que lhe foi enviada pela Ordem dos Arquitectos conjuntamente c/boletins de voto (têm lá as secções consoante a residência, conhecida pela Ordem dos Arquitectos, dos membros); ou vá ao site da Ordem.
Não obstante serem omissos a esse respeito no que ao voto presencial se refere, parece-me do senso comum que deverá ír acompanhado do seu BI.
Rute


PS: reporta-se à questão atempadamente levantada por JVS.
Link to post
Share on other sites
  • Replies 91
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

Ontem chegaram-me os folhetos para o voto por correspondência, mas não percebi uma coisa, porque a informação de como o fazer aparece diferente nos envelopes e no papel com as instruções. Afinal a fotocópia do BI vai dentro do envelope médio, ou vai fora deste dentro do envelope grande?... É a primeira vez que tenho o direito de votar, pelo que ainda me sinto um novato nestas coisas... se calhar nem sequer importa, mas mais vale prevenir :s

Não é incrível tudo o que pode caber dentro de um lápis?...

Link to post
Share on other sites

Ontem chegaram-me os folhetos para o voto por correspondência, mas não percebi uma coisa, porque a informação de como o fazer aparece diferente nos envelopes e no papel com as instruções. Afinal a fotocópia do BI vai dentro do envelope médio, ou vai fora deste dentro do envelope grande?... (...)


Boa pergunta.
Também tenho dúvidas.
Se, na comunicação escrita, é referido explícitamente que «O envelope «voto secreto» e as fotocópias frente e verso do Bilhete de Identidade devem ser colocados no sobrescrito de identificação (leia-se "sobrescrito de votação") (...)», lendo-se mais à frente que «O sobrescrito de identificação, contendo o envelope «voto secreto» e as fotocópias frente e verso do Bilhete de Identidade (...) é introduzido no sobrescrito «RSF» (...)»; presumindo eu que o que refere como sobrescrito grande é o RSF; o texto que está escrito no sobrescrito de votação/identificação, por sua vez, lança, realmente a dúvida...
Tentei esclarecer-me lendo o Regulamento Eleitoral... e fiquei confusa. Mas, e para resumir, da leitura do n.º 9.3 do regulamento, parece-me que a fotocópia do BI deve estar no sobrescrito onde está o nome e n.º de membro, sendo que, comparando isto com o que me chegou, efectivamente, às mãos, leva-me a concluir que a cópia do BI deve, realmente, estar dentro do sobrescrito de identificação/votação.
Não obstante, perante as dúvidas levantadas por estas contradições, e tendo em vista a fiel prossecução do direito de voto, desde que inequívocamente expresso por todos os que têm direito ao mesmo, em igualdade de circunstâncias e sem qualquer tipo de discriminação, julgo que a "comissão eleitoral" não terá outra opção legal (embora eu seja manifestamente incompetente na matéria) e, especialmente, ética, a não ser aceitar ambas as situações.
Rute.
Link to post
Share on other sites

Mas, e para resumir, da leitura do n.º 9.3 do regulamento, parece-me que a fotocópia do BI deve estar no sobrescrito onde está o nome e n.º de membro, sendo que, comparando isto com o que me chegou, efectivamente, às mãos, leva-me a concluir que a cópia do BI deve, realmente, estar dentro do sobrescrito de identificação/votação.
Não obstante, perante as dúvidas levantadas por estas contradições, e tendo em vista a fiel prossecução do direito de voto, desde que inequívocamente expresso por todos os que têm direito ao mesmo, em igualdade de circunstâncias e sem qualquer tipo de discriminação, julgo que a "comissão eleitoral" não terá outra opção legal (embora eu seja manifestamente incompetente na matéria) e, especialmente, ética, a não ser aceitar ambas as situações.
Rute.


Pois, nem mais...
De Qq maneira devo só ter lido os documetos na diagonal... e assumi a colocação da cópia BI no RSF (envelope grande), podendo a comissão eleitoral, durante o escrutinio, confirmar se assinatura constante no envelope dos boletins eleitorais está conforme o BI... certo?

Quem cria renasce todos os dias...
Agua-Mestra, Lda
Não sou perfeito, mas sou muito critico...

Link to post
Share on other sites

Supostamente si, mas acho que só não pode votar quem tiver mais de 5 meses em atraso (a confirmar) de qualquer forma, é possível através do método de votação por correspondência, colocar lá o cheque para regularizar a situação...

Não é incrível tudo o que pode caber dentro de um lápis?...

Link to post
Share on other sites

Pois, nem mais...
De Qq maneira devo só ter lido os documetos na diagonal... e assumi a colocação da cópia BI no RSF (envelope grande), podendo a comissão eleitoral, durante o escrutinio, confirmar se assinatura constante no envelope dos boletins eleitorais está conforme o BI... certo?


Parece-me que o processo vai ser assim: o escrutinador abre o envelope RSF, confere a assinatura e o nome constantes da fotocópia do B.I. com os dados que estão escritos no envelope "selado" (que contém o voto). Se o escrutinador não puder conferir estes dados, ou se achar que os dados não batem certo, nem sequer vai abrir o envelope selado, que será logo excluido da votação, para evitar imbróglios.
Link to post
Share on other sites

Parece-me que o processo vai ser assim: o escrutinador abre o envelope RSF, confere a assinatura e o nome constantes da fotocópia do B.I. com os dados que estão escritos no envelope "selado" (que contém o voto). Se o escrutinador não puder conferir estes dados, ou se achar que os dados não batem certo, nem sequer vai abrir o envelope selado, que será logo excluido da votação, para evitar imbróglios.


Para evitar imbróglios, vou votar presencialmente!
Rute
Link to post
Share on other sites

Eu há coisas que não percebo, andei a ver os sites das duas listas e tenho pena de não poder ainda votar (e por conseguinte não apoio nenhuma), mas se relativamente à Lista B colocaram no site um capítulo com as faq que é bastante explícito, na Lista A há coisas que me fazem alguma impressão, mas que também não explicam melhor: 1. "Promover a discussão pública, o acompanhamento técnico e, sempre que necessário, emitir juízo de valor sobre todos os grandes Projectos Públicos e/ou Privados, com forte impacto territorial e/ou ambiental." A Ordem a dar juízos de valor não solicitados sobre um projecto de um seu associado quando tal não está previsto na sua estrutura orgânica? Isto não é pouco ético? Quem dará os juízos de valor? É que no Estatuto da Ordem dos Arquitectos não há nenhum organismo que tenha como função pronunciar-se sobre os projectos de outros. O dever da Ordem é suposto ser regular a profissão, para emitir pareceres sobre os projectos já existem as CCDR, as Câmaras, o IPPAR, o ICN e sei lá eu mais quantos e isso juízos não são de valor, são baseados na estrutura legal dos diversos planos. Um juízo de valor pressupõe uma avaliação também a nível estético de um projecto, que é coisa que a Ordem dos Arquitectos não tem, segundo sei dos estatutos, capacidade para fazer. 2. Ajudar a promover a Trienal: Mas a Trienal não é um projecto da Ordem? Se sim, não devia ser "organizar a Trienal"? Se não, de quem é a organização da Trienal? 3. "Acompanhar a conclusão da substituição do Decreto 73/73, procurando inverter as disposições no articulado que penalizam o âmbito do exercício profissional do arquitecto." Segundo veio sendo público, na última proposta de substituição do 73/73, os arquitectos perdiam o papel de coordenadores de projecto passando a ser uma especialidade como águas e esgotos ou estruturas (os coordenadores, não tenho a certeza disto, seriam engenheiros), perdiam a possibilidade de desenhar arranjos exteriores e tudo o que fosse obra com menos de x m2 continuaria a poder ser desenhado por outros que não arquitectos, ou seja, estava-se a trocar um decreto mau por um ainda pior. O que se propõem fazer sobre isto? 4. "Ampliar o Inquérito À Arquitectura do séc. XX em Portugal, iniciando o levantamento dos bens imóveis construídos fora do território nacional". Aquilo foi um inquérito? Quando muito chamar-lhe-ia um Inventário: folhas com uma fotografia, nome de autor e ano e nada mais. O guia de arquitectura na Região de Lisboa e Sul de Portugal desde 1975 editado pela Blau e feito por alemães tem mais obras e mais informação que uma coisa feita pela nossa Ordem e restringe-se a apenas parte do país num espaço de tempo também limitado. O que deviam era contratar estes tipos para fazerem um levantamento a sério, já que o da Ordem é uma vergonha. 5. E apoio aos estagiários? E a responsabilização dos patronos ou entidades acolhedoras quando um estágio é mal feito, passado a tirar fotocópias e cafés? Pode ser que haja alguém aí da lista A que queira responder, acho que seria do interesse de todos. Abraços

Link to post
Share on other sites

1 Li ontem a carta, os manifestos e na altura de votar (nao sabia essa do BI) nao votei nem vou enviar nada por correio. O voto por correspondencia nao eh assim tao secreto como parece. As pessoas que estao na ordem tem meio de saber quem vota em quem e isso cheira mal. Prefiro ir ah Ordem e votar. 2 Como referi anteriormente li os manifestos... na Lista A, a lista de nomes dos subscritores disse tudo. Na Lista B referia numa especie de Revolucao... reestruturacao financeira... serah que temos que pagar mais?. Na outra Lista B tem um professor da Faculdade... Lidos os manifestos deixar de ficar indeciso e se na terca feira vir uma fila de pessoas...vou para casa.

Link to post
Share on other sites

Ninguém da Lista A por aí para responder às dúvidas que pus uns posts acima? Ninguém que faça parte das listas? Do que percebi da Lista B a tal reestruturação financeira é mais uma medida para sanear as contas da Ordem que, segundo consta, estão em péssimo estado, tanto que eles falam em combater o despesismo e não em aumentar as quotas, mas mais não dá para perceber. Quanto aos subscritores de cada lista....o melhor era quem pode votar preocupar-se com os assuntos sérios da Ordem (a revisão do 73/73 que, graças à agora vereadora Helena Roseta, neste momento retira ainda mais poderes aos arquitectos do que os poucos que já têm; o papel da Ordem na divulgação da arquitectura sem ser só das estrelas, a abertura ao público, as perspectivas de futuro para um mercado saturado e com um rácio de arquitectos/habitante incomportável).

Link to post
Share on other sites

fadadolar, estou na Lista A, consulte o blog q eu não estou mandatado para responder a perguntas... quanto à revisão do 73/73, o projecto-lei que conheço não tira "poderes" nehuns aos arquutectos, clarifica as competências. é um a solução de compromisso para todos os tipos de profissionais intevenientes.

Quem cria renasce todos os dias...
Agua-Mestra, Lda
Não sou perfeito, mas sou muito critico...

Link to post
Share on other sites

Retirar a coordenação de projectos aos arquitectos e passar a tratar a arquitectura como uma especialidade sujeita a aceitação por engenheiros não é uma solução de compromisso, é uma idiotice, sobretudo quando as directivas europeias e o Estatuto da Ordem dos Arquitectos claramente atribuem a coordenação de projectos aos arquitectos.
Até já houve um grupo de engenheiros que fizeram um abaixo-assinado contra esta proposta (e por conseguinte contra o seu próprio bastonário) por acharem que nessa tal "clarificação de competências" é absurdo um engenheiro supervisionar um projecto de arquitectura por não terem preparação para isso.
Essa "clarificação de competências" é tão má que até o candidato da Lista A, João Rodeia no debate que houve na Sexta-Feira admitiu que a situação era muito complicada.
Quanto aos arranjos exteriores, não estamos a falar de desenhos de parques, jardins ou coisas do género, estamos a falar de casas com logradouros mínimos onde os arquitectos deixam de poder escolher os pavimentos ou se querem ter caldeiras de árvores.
Já fui a blog, as minhas dúvidas nasceram precisamente disso, do programa ser vago em alguns pontos, e volto a transcrever as dúvidas:

1. "Promover a discussão pública, o acompanhamento técnico e, sempre que necessário, emitir juízo de valor sobre todos os grandes Projectos Públicos e/ou Privados, com forte impacto territorial e/ou ambiental."
A Ordem a dar juízos de valor não solicitados sobre um projecto de um seu associado quando tal não está previsto na sua estrutura orgânica? Isto não é pouco ético? Quem dará os juízos de valor? É que no Estatuto da Ordem dos Arquitectos não há nenhum organismo que tenha como função pronunciar-se sobre os projectos de outros. O dever da Ordem é suposto ser regular a profissão, para emitir pareceres sobre os projectos já existem as CCDR, as Câmaras, o IPPAR, o ICN e sei lá eu mais quantos e isso juízos não são de valor, são baseados na estrutura legal dos diversos planos. Um juízo de valor pressupõe uma avaliação também a nível estético de um projecto, que é coisa que a Ordem dos Arquitectos não tem, segundo sei dos estatutos, capacidade para fazer.

2. Ajudar a promover a Trienal: Mas a Trienal não é um projecto da Ordem? Se sim, não devia ser "organizar a Trienal"? Se não, de quem é a organização da Trienal?

3. "Acompanhar a conclusão da substituição do Decreto 73/73, procurando inverter as disposições no articulado que penalizam o âmbito do exercício profissional do arquitecto." Segundo veio sendo público, na última proposta de substituição do 73/73, os arquitectos perdiam o papel de coordenadores de projecto passando a ser uma especialidade como águas e esgotos ou estruturas (os coordenadores, não tenho a certeza disto, seriam engenheiros), perdiam a possibilidade de desenhar arranjos exteriores e tudo o que fosse obra com menos de x m2 continuaria a poder ser desenhado por outros que não arquitectos, ou seja, estava-se a trocar um decreto mau por um ainda pior. O que se propõem fazer sobre isto?

4. "Ampliar o Inquérito À Arquitectura do séc. XX em Portugal, iniciando o levantamento dos bens imóveis construídos fora do território nacional". Aquilo foi um inquérito? Quando muito chamar-lhe-ia um Inventário: folhas com uma fotografia, nome de autor e ano e nada mais. O guia de arquitectura na Região de Lisboa e Sul de Portugal desde 1975 editado pela Blau e feito por alemães tem mais obras e mais informação que uma coisa feita pela nossa Ordem e restringe-se a apenas parte do país num espaço de tempo também limitado. O que deviam era contratar estes tipos para fazerem um levantamento a sério, já que o da Ordem é uma vergonha.

5. E apoio aos estagiários? E a responsabilização dos patronos ou entidades acolhedoras quando um estágio é mal feito, passado a tirar fotocópias e cafés?

Quanto a não estar mandatado para responder a perguntas, é pena, pensava que fazer parte de uma lista pressuponha conhecer a fundo as opções estratégicas da Lista e tirar dúvidas a quem as tem...além de que seria útil em vésperas de eleições as pessoas que vão votar ter resposta a este tipo de coisas, porque mais do que quem apoia quem, o importante é saber com que propostas se concordam mais e qual a lista que melhor corresponde aos desejos de cada eleitor.
Se houver aí alguém da lista B que queira comentar sobre estas dúvidas também está à vontade, era bom ver as coisas pelos dois lados.
Bem, che sera, sera.

Link to post
Share on other sites

Retirar a coordenação de projectos aos arquitectos e passar a tratar a arquitectura como uma especialidade sujeita a aceitação por engenheiros não é uma solução de compromisso, é uma idiotice, sobretudo quando as directivas europeias e o Estatuto da Ordem dos Arquitectos claramente atribuem a coordenação de projectos aos arquitectos.
Até já houve um grupo de engenheiros que fizeram um abaixo-assinado contra esta proposta (e por conseguinte contra o seu próprio bastonário) por acharem que nessa tal "clarificação de competências" é absurdo um engenheiro supervisionar um projecto de arquitectura por não terem preparação para isso.

Quanto aos arranjos exteriores, não estamos a falar de desenhos de parques, jardins ou coisas do género, estamos a falar de casas com logradouros mínimos onde os arquitectos deixam de poder escolher os pavimentos ou se querem ter caldeiras de árvores.
Já fui a blog, as minhas dúvidas nasceram precisamente disso, do programa ser vago em alguns pontos, e volto a transcrever as dúvidas:


A Minha opinião pessoal:

Pq é q haveria de haver exclusividade na coordenação dos Projectos por parte do ARQUITECTO?! a exclusividade nunca existiu... ou existe? parece-me q não.

Ninguém tira competências a ninguém.

Arranjos exteriores: concordo consigo e tb não, os paisagistas pretendem um lugar na construção, é do seu direito, tal como o arquitecto procura o seu lugar...
O colega,só não escolhe o revbestimento exterior se não quiser... Se fôr o coordenador de projecto (O clinte é q vai escolher o coordenador de projecto, ou a Empresa que faz a adjudicação dos serviços) é para isso que tem o pode de decisão/ negociação, tal como num projecto multidisciplinar... é esse o conceito. Ninguem é rei e senhor, mas existe um coordenador do TODO, que fará a ponte com o cliente (dono de obra), analisa os desejos e estipula mimites afim de conseguir a melhor realção qualidade/ custo...

a arquitetura faz parte dum bolo multidisciplinar... esta orienta muitas frentes de trabalho, mas também é orientada por outras. em certos casos com mais peso que a propria Arquitectura.

Por exemplo, não me parece bem que numa obra de Engenharia hidraulica, como é o caso de uma barragem, seja um arquiotecto a coordenar o projecto geral... é possivel, e acontece concerteza que o porjecto deva ser coordenado por um Engenheiro civil, do ramo de estruturas ou de hidráulica...

Tal como um grande parque urbano, com grande componente do âmbito do paisagismo, urbanismo e do meio fisico , possa e deva ser coordenado por um arquitecto Paisagista.

Não podemos ter uma visão redutora do mundo.

Quem cria renasce todos os dias...
Agua-Mestra, Lda
Não sou perfeito, mas sou muito critico...

Link to post
Share on other sites

A Minha opinião pessoal:

Pq é q haveria de haver exclusividade na coordenação dos Projectos por parte do ARQUITECTO?! a exclusividade nunca existiu... ou existe? parece-me q não.

Ninguém tira competências a ninguém.

Arranjos exteriores: concordo consigo e tb não, os paisagistas pretendem um lugar na construção, é do seu direito, tal como o arquitecto procura o seu lugar...
O colega,só não escolhe o revbestimento exterior se não quiser... Se fôr o coordenador de projecto (O clinte é q vai escolher o coordenador de projecto, ou a Empresa que faz a adjudicação dos serviços) é para isso que tem o pode de decisão/ negociação, tal como num projecto multidisciplinar... é esse o conceito. Ninguem é rei e senhor, mas existe um coordenador do TODO, que fará a ponte com o cliente (dono de obra), analisa os desejos e estipula mimites afim de conseguir a melhor realção qualidade/ custo...

a arquitetura faz parte dum bolo multidisciplinar... esta orienta muitas frentes de trabalho, mas também é orientada por outras. em certos casos com mais peso que a propria Arquitectura.

Por exemplo, não me parece bem que numa obra de Engenharia hidraulica, como é o caso de uma barragem, seja um arquiotecto a coordenar o projecto geral... é possivel, e acontece concerteza que o porjecto deva ser coordenado por um Engenheiro civil, do ramo de estruturas ou de hidráulica...

Tal como um grande parque urbano, com grande componente do âmbito do paisagismo, urbanismo e do meio fisico , possa e deva ser coordenado por um arquitecto Paisagista.

Não podemos ter uma visão redutora do mundo.


Acho que o debate se começa a centrar muito na revisão do 73/73 e não nas outras propostas todas (gostaria que nos elucidasse sobre as dúvidas de pus uns posts acima), mas de qualquer das formas há coisas que continuo a não entender:
Se este decreto foi uma solução de compromisso, então porque é que só a parte respeitante à arquitectura saiu lesada?
Senão vejamos:

a) A última proposta de revisão afirma que projectos com áreas de construção inferiores a 400m2 e menos de 4 pisos, desde que não seja reabilitação de edifícios, possam ter projectos assinados por agentes técnicos de arquitectura - ora tanto quanto sei, em Portugal só as pessoas inscritas na Ordem dos Arquitectos têm, segundo o ponto 42 do Estatuto da Ordem, as habilitações para fazer projectos de Arquitectura:

Artigo 42º - Exercício da profissão

1. Só os arquitectos inscritos na Ordem podem, no território nacional, usar o título profissional de arquitecto e praticar os actos próprios da profissão.
3. Os actos próprios da profissão de arquitecto consubstanciam-se em estudos, projectos, planos e actividades de consultadoria, gestão e direcção de obras, planificação, coordenação e avaliação, reportadas ao domínio da arquitectura, o qual abrange a edificação, o urbanismo, a concepção e desenho do quadro espacial da vida da população, visando a integração harmoniosa das actividades humanas no território, a valorização do património construído e do ambiente.
4. A intervenção do arquitecto é obrigatória na elaboração ou avaliação dos projectos e planos no domínio da arquitectura.


Portanto, quanto a isto, a solução arranjada pela direcção da Ordem (e, tanto quanto sei, defendida pela Lista A) foi ir contra o seu próprio estatuto.


:D A revisão dá ao cliente poder de escolher que o coordenador de projecto seja um engenheiro mesmo nos projectos em que a maior componente programática seja a arquitectura, que passa a ser tratada como uma especialidade.
Faz sentido ter um arquitecto a coordenar uma barragem? Tanto quanto a possibilidade de dar a um engenheiro a coordenação do projecto de um edifício de habitação.
Mas de novo, deve ter sido uma situação de compromisso que permite a um engenheiro ter entrada num campo para o qual não tem preparação à custa dos arquitectos.

Há uns anos ouvi um engenheiro holandês de largo currículo responder à típica pergunta da relação entre arquitectos e engenheiros, afirmando que o papel do arquitecto é desenhar, o do engenheiro é construir o que o arquitecto desenha, mas parece que a Ordem não entendeu que dar terreno a áreas que, mesmo complementare à arquitectura não têm a mesma preparação na definição dos problemas da cidade não é um caminho a seguir.

Não estou a dizer que os arquitectos devam ser donos e senhores dos projectos, mas cada macaco no seu galho, e dar a hipótese de ter alguém que não o autor do projecto de importância principal a coordenar o projecto é um tremendo tiro no pé.
Noutro thread perguntava porque é que um engenheiro agrónomo não devia poder coordenar o projecto de um parque. A resposta é fácil: porque um engenheiro agrónomo não tem preparação ao nível do urbanismo para tal.
É uma questão de competências.
Não podemos ter uma visão redutora do mundo, mas também devemos ter visão suficiente para reconhecer quando aquilo que estamos a aceitar é mau para toda uma classe de trabalho.

E quanto às outras dúvidas que pus? O Inquérito, os estágios, a Ordem dar juízos de valor sobre projectos, mesmo quando não solicitada?
Link to post
Share on other sites

A Minha opinião pessoal:

Pq é q haveria de haver exclusividade na coordenação dos Projectos por parte do ARQUITECTO?! a exclusividade nunca existiu... ou existe? parece-me q não.

Ninguém tira competências a ninguém.

Arranjos exteriores: concordo consigo e tb não, os paisagistas pretendem um lugar na construção, é do seu direito, tal como o arquitecto procura o seu lugar...
O colega,só não escolhe o revbestimento exterior se não quiser... Se fôr o coordenador de projecto (O clinte é q vai escolher o coordenador de projecto, ou a Empresa que faz a adjudicação dos serviços) é para isso que tem o pode de decisão/ negociação, tal como num projecto multidisciplinar... é esse o conceito. Ninguem é rei e senhor, mas existe um coordenador do TODO, que fará a ponte com o cliente (dono de obra), analisa os desejos e estipula mimites afim de conseguir a melhor realção qualidade/ custo...

a arquitetura faz parte dum bolo multidisciplinar... esta orienta muitas frentes de trabalho, mas também é orientada por outras. em certos casos com mais peso que a propria Arquitectura.

Por exemplo, não me parece bem que numa obra de Engenharia hidraulica, como é o caso de uma barragem, seja um arquiotecto a coordenar o projecto geral... é possivel, e acontece concerteza que o porjecto deva ser coordenado por um Engenheiro civil, do ramo de estruturas ou de hidráulica...

Tal como um grande parque urbano, com grande componente do âmbito do paisagismo, urbanismo e do meio fisico , possa e deva ser coordenado por um arquitecto Paisagista.

Não podemos ter uma visão redutora do mundo.


Acho que o debate se começa a centrar muito na revisão do 73/73 e não nas outras propostas todas (gostaria que nos elucidasse sobre as dúvidas de pus uns posts acima), mas de qualquer das formas há coisas que continuo a não entender:
Se este decreto foi uma solução de compromisso, então porque é que só a parte respeitante à arquitectura saiu lesada?
Senão vejamos:

a) A última proposta de revisão afirma que projectos com áreas de construção inferiores a 400m2 e menos de 4 pisos, desde que não seja reabilitação de edifícios, possam ter projectos assinados por agentes técnicos de arquitectura - ora tanto quanto sei, em Portugal só as pessoas inscritas na Ordem dos Arquitectos têm, segundo o ponto 42 do Estatuto da Ordem, as habilitações para fazer projectos de Arquitectura:

Artigo 42º - Exercício da profissão

1. Só os arquitectos inscritos na Ordem podem, no território nacional, usar o título profissional de arquitecto e praticar os actos próprios da profissão.
3. Os actos próprios da profissão de arquitecto consubstanciam-se em estudos, projectos, planos e actividades de consultadoria, gestão e direcção de obras, planificação, coordenação e avaliação, reportadas ao domínio da arquitectura, o qual abrange a edificação, o urbanismo, a concepção e desenho do quadro espacial da vida da população, visando a integração harmoniosa das actividades humanas no território, a valorização do património construído e do ambiente.
4. A intervenção do arquitecto é obrigatória na elaboração ou avaliação dos projectos e planos no domínio da arquitectura.

Portanto, quanto a isto, a solução arranjada pela direcção da Ordem (e, tanto quanto sei, defendida pela Lista A) foi ir contra o seu próprio estatuto.


:D A revisão dá ao cliente poder de escolher que o coordenador de projecto seja um engenheiro mesmo nos projectos em que a maior componente programática seja a arquitectura, que passa a ser tratada como uma especialidade.
Faz sentido ter um arquitecto a coordenar uma barragem? Tanto quanto a possibilidade de dar a um engenheiro a coordenação do projecto de um edifício de habitação.
Mas de novo, deve ter sido uma situação de compromisso que permite a um engenheiro ter entrada num campo para o qual não tem preparação à custa dos arquitectos.

Há uns anos ouvi um engenheiro holandês de largo currículo responder à típica pergunta da relação entre arquitectos e engenheiros, afirmando que o papel do arquitecto é desenhar, o do engenheiro é construir o que o arquitecto desenha, mas parece que a Ordem não entendeu que dar terreno a áreas que, mesmo complementare à arquitectura não têm a mesma preparação na definição dos problemas da cidade não é um caminho a seguir.

Não estou a dizer que os arquitectos devam ser donos e senhores dos projectos, mas cada macaco no seu galho, e dar a hipótese de ter alguém que não o autor do projecto de importância principal a coordenar o projecto é um tremendo tiro no pé.
Noutro thread perguntava porque é que um engenheiro agrónomo não devia poder coordenar o projecto de um parque. A resposta é fácil: porque um engenheiro agrónomo não tem preparação ao nível do urbanismo para tal.
É uma questão de competências.
Não podemos ter uma visão redutora do mundo, mas também devemos ter visão suficiente para reconhecer quando aquilo que estamos a aceitar é mau para toda uma classe de trabalho.

E quanto às outras dúvidas que pus? O Inquérito, os estágios, a Ordem dar juízos de valor sobre projectos, mesmo quando não solicitada?
Link to post
Share on other sites

Please sign in to comment

You will be able to leave a comment after signing in



Sign In Now

×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.