Jump to content
Arquitectura.pt


Trofa | Habitação Unifamiliar | José Carlos Nunes de Oliveira & Paulo Costa


Recommended Posts

Habitação Unifamiliar - Trofa
José Carlos Nunes de Oliveira & Paulo Costa


O pedido consistia na construção de uma casa económica para um casal jovem, e deveria assegurar uma sala de estar/ jantar e cozinha e dois quartos individuais, um escritório adjacente servidos por casa de banho comum e um quarto de casal. Na cave, garagem e arrumos.
O contexto onde se situa o terreno distingue-se pelos traçados viários estreitos e sinuosos, pela ocupação de pequenas manchas de construção, pela presença de grandes massas arbóreas e de muitas parcelas agrícolas.
Estamos perante uma zona urbanisticamente delicada, de características rurais, o que condiciona a composição espacial e formal do edifício. O terreno é de dimensões modestas (526 m2). A Norte e Poente é envolvido por terrenos agrícolas e a Nascente e a Sul por dois caminhos públicos.
Da leitura do programa perante a área de intervenção, tornou-se clara a necessidade de libertar terreno para expansão da casa ao exterior, submetendo-a ao mínimo de ocupação do lote e ao afastamento obrigatório de 7 metros ao eixo da via.
A casa adossou-se ao extremo Norte/ Nascente do terreno, fechando-se à precária urbanidade do sítio, explorando a altura máxima permitida pelo PDM com os terrenos confinantes (4 m). Cresce em volume acompanhando inicialmente a topografia e contorcendo-se no sentido interior do lote, em direcção ao Sol e à paisagem.
A forma progressiva do volume é a expressão imediata da organização espacial interior da moradia, estabelecendo uma promenade desde a cota mais baixa - a rua - através de um curto lanço de escadas, até ao ponto mais elevado e íntimo da casa, o estúdio.
No centro da planta do piso térreo situa-se um lanço de escadas de tiro para o piso superior, iluminado por um proeminente lanternim, que separa o quarto de casal dos outros quartos, do quarto de banho comum e do estúdio.

Water Supply: Eng. Carla Sofia Gonçalves Silva - GEPEC
Electricity and Telephone: Eng. Manuel Queiroz Rodrigues Cross - GEPEC
Thermal Project and Gas Supply: Eng.ª Carla Sofia Gonçalves Silva - GEPEC
General Contractor: Salvador Construções
Finishings: Almeida & Sousa Lda, Amandino Ferreira & Son, Lda
Carpentry: CarpiCruz, 3M



Fotografias:
Imagem colocada Imagem colocada Imagem colocada Imagem colocada Imagem colocada Imagem colocada Imagem colocada


Imagem colocada Imagem colocada Imagem colocada Imagem colocada Imagem colocada Imagem colocada


Desenhos Técnicos:
Imagem colocada Imagem colocada Imagem colocada Imagem colocada

Imagem colocada Imagem colocada Imagem colocada Imagem colocada


Esboços:
Imagem colocada Imagem colocada Imagem colocada Imagem colocada

Fonte: José Carlos Nunes de Oliveira Arquitecto - EuropaConcorsi
Link to post
Share on other sites
  • Replies 65
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

Gosto bastante deste projecto. Há 3 detalhes que eu teria feito diferente: 1 - Na casa de banho dos quartos teria colocado um vão com vista e não apenas aquela entrada de luz pelo tecto. Ganha-se em vista e em arejamento e julgo que não prejudicaria em nada o alçado onde se rasgaria esse (eventualmente pequeno) vão. Talvez até mantivesse a do tecto. 2 - Eu teria colocado a lareira da sala na parede oposta. Assim não haveria perdas de calor da lareira para o exterior e tornaria mais fácil a utilização de recuperador de calor para o andar de cima, já que a chaminé subiria pela zona dos quartos. 3 - Naquele grande vão em consola, uma vez que está quase virado a Sul tentaria colocar estore de lâminas pelo exterior para reduzir os ganhos solares durante o Verão. Acho curioso o duplo pé-direito na cozinha, por ser uma coisa invulgar. Normalmente opta-se por essa solução nos espaços de estar. Os quartos podiam ter uma saída para a cobertura do andar de baixo? Se sim, era uma opção interessante. Gosto da fuga à ortogonalidade. Um abraço.

Link to post
Share on other sites
Acho a tua critica estremamente fundamentada e com preocupaçoes:clap: de sustentabilidade arquitectonica....como referiste, os ganhos de energia, os sombreamentos....

Sou de opiniao semelhante, no entanto que achas do 1º piso ? Penso que se torna extremamente caótico o facto de haver nenhum dos compartimentos, cujas 4paredes façam 90º! Em termos praticos e espaciais...é caótico mesmo:nervos: .


Penso que a ideia é muito bem consiguida ao longo do projecto, mas nao será um tanto ou quanto exagerado ??



Gosto da fuga à ortogonalidade.

Um abraço.

Link to post
Share on other sites

Antes havia as casas com mil telhadinhos! Agora a variante é casa com mil recantinhos! Sinceramente não gosto nada do projecto! Acho que nem no primeiro projecto do meu primeiro ano existia algo tão mau!! Para que complicar? Quando a simplicidade é o apogeu de tudo? Há coisas que não percebo! Mas desde que o cliente goste.... (Eu não pagava o projecto)

Link to post
Share on other sites

:nervos: É bom saber que se continua a fazer sempre as mesmas coisas em portugal! Ja dizia o meu professor " Portugal agora ta povoado de Soutinhos e Sizinhas"... Quando é que os arquitectos em Portugal começam a pensar pela propria cabeça, e a deixarem de copiar pelo vizinho do lado? Aserio, ja tou fartos de ver " caixotes" por todo lado,,, Parecem um virus, que se está a alastrar a todo o territorio portugues! :icon_pistoles: :icon_pistoles: Abraços e beijinhos

Link to post
Share on other sites
Fishe LoL! Na minha opinião, aquilo nem caixote nem cópia da casa da musica é! É uma mescla muito estranha que não resulta em harmonia nenhuma!

http://img77.imageshack.us/img77/1044/1649256189uc6.jpg

Nesta primeira foto só aquele 'ressalto' por baixo do dito 'caixote' dá logo a volta ao estomago. Depois a parede a 'sair' num angulo que aparece sabe-se lá de onde, ainda por cima a acompanhar o fim do caixote, em vez do fim do ressalto! Sinceramente demonstra ali uma grande falta de coerencia.
Link to post
Share on other sites

Antes havia as casas com mil telhadinhos!
Agora a variante é casa com mil recantinhos!

Sinceramente não gosto nada do projecto! Acho que nem no primeiro projecto do meu primeiro ano existia algo tão mau!! Para que complicar? Quando a simplicidade é o apogeu de tudo?

Há coisas que não percebo! Mas desde que o cliente goste.... (Eu não pagava o projecto)


estou desejoso de ver o teu trabalho... estou certo que me vai impressionar :clap:
Link to post
Share on other sites

O projecto parece-me 1 bocado "mastigado" demasiados ângulos dá mau feng shui. A evolução em maquete é interessante, faltava meter o projecto no decantador para a depuração final, mas quem sabe é o arquitecto neste caso os arquitectos, mandar bocas só por mandar é mau karma e depois cai-nos em cima a triplicar.

Link to post
Share on other sites
  • 3 weeks later...

":nervos: É bom saber que se continua a fazer sempre as mesmas coisas em portugal! Ja dizia o meu professor " Portugal agora ta povoado de Soutinhos e Sizinhas"...


Quando é que os arquitectos em Portugal começam a pensar pela propria cabeça, e a deixarem de copiar pelo vizinho do lado? Aserio, ja tou fartos de ver " caixotes" por todo lado,,, Parecem um virus, que se está a alastrar a todo o territorio portugues! :icon_pistoles: :icon_pistoles:
Abraços e beijinhos"

:rambo:
Link to post
Share on other sites

Pensava que aqui se falava de arquitectura, e que foi com o intuito de se falar de arquitectura e nao de piadinhas e ataques frustrados pessoais, que se criou um novo forum! Ha quem nao saiba aceitar uma critica , apenas na perspectiva de discutir a arquitectura, e comece logo com piadinhas e coisas do genero! Arkial se tens mente pequena e se para ti isto é boa arquitectura, entao desisite do curso que ainda vais a tempo, porque ja basta os maus arquitectos que andam ai! Abraço

Link to post
Share on other sites

"Aserio, ja tou fartos de ver " caixotes" por todo lado,,, Parecem um virus, que se está a alastrar a todo o territorio portugues!"


Estas a falar de quê sinceramente n percebo, vives mesmo em Portugal?

Eu por exemplo, estou farto é de ver construção sem arquitectura e farto também de ver que os poucos exemplares de arquitectura feita em Portugal são logo banalizados por uns teóricos com falta de oportunidade como deve ser o caso desse teu professor.
Link to post
Share on other sites

Nao , vivo na Tunisia pa! Entao pa refrescares as tuas ideias, toma la so pa aguçares o bico! Se quiseres , depois posso ficar nisto o dia todo, a arranjar te caixotes
'>
Arq. Paula Santos

'>
Esta deves conhecer!! FIca ali pos lados da China!

'>
Esta ha quem digue que fica em Cascais! Mas eu nao acredito! :rambo: ~

Se quiseres mais é so dizeres!
Ha, afinal tava a brincar , sou mesmo de Portugal!

Link to post
Share on other sites

O edificio parece ter espaços interiores muito interessantes, com diversos momentos proporcionados pela rotação/ intersecção dos volumes, a integração no local à primeira vista parece adequada. Gostava de ver a Cozinha e a Sala... PS: como é possivel dizerem que o projecto é muito mau... e desde quando qualquer projecto é perfeito... ( pelo menos e pelas fotos, a construção parece-me de muito boa qualidade e respeitadora do projecto)

Quem cria renasce todos os dias...
Agua-Mestra, Lda
Não sou perfeito, mas sou muito critico...

Link to post
Share on other sites

Houve alguem que referiu o promenor das paredes e a meu ver o provérbio, tal pai tal filho, aplica-se neste caso. Já Siza Vieira (pai) utiliza paredes com aberturas "duvidosas" e tudo isto põem em causa a ideia de conforto e habitabilidade. Pode-se dizer que hoje é um dia de reflexão (para mim), mas poderemos derrubar com o conforto das pessoas em ordem a construir uma obra de arte? Fica a questão. p.s: este é o meu primeiro comentário, alias, inscrevi-me hoje, por isso, não sejam duros comigo.

Link to post
Share on other sites

Please sign in to comment

You will be able to leave a comment after signing in



Sign In Now

×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.