Jump to content
Arquitectura.pt


Peneda-Gerês | Casa no Gerês | Graça Correia + Roberto Ragazzi


Recommended Posts

Não consigo ter informação suficiente sobre este projecto para dizer grande coisa sobre ele. O que se vê nas imagens parece muito interessante e não me choca a relação com a envolvente, pelo pode considerar-se bem integrado. No entanto, há um aspecto que não posso deixar de destacar, mais uma vez: o betão aparente, embora esteticamente agradável, afigura-se-me como um erro grosseiro em termos térmicos. Qual é o isolamento térmico que pode ter uma parede assim? Vai ou não ser sempre uma parede fria pelo interior, logo passível de condensar humidade? ZM

Link to post
Share on other sites
  • Replies 81
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

Fiquei maravilhado.
Mas gostava de salientar um pormenor curioso: a relação de tamanhos da escada com a porta. Muito curioso.


Muito bem visto... eu lanço outro, onde ficam as questões da mobilidade neste projecto?...

Não é incrível tudo o que pode caber dentro de um lápis?...

Link to post
Share on other sites

o mesmo serve de cofragem perdida entre os panos interiores e exteriores de BA

Exacto :)

asimplemind o que pelo menos eu costumo ver mais (por causa dos custos) é BA+ pladur com isolamento.

Mas não deixa de ser viável se 'contrarem destes senhores' para colocar o isolamento:
http-~~-//www.joytravelonline.com/egypt.2.large.jpg

:PP
Link to post
Share on other sites
  • 4 weeks later...

Agora fazem destas casas por todo o lado:tired: principalmente no Norte. Parece uma solução directa para quem tem carta branca e um grande orçamento como já foi dito. Na minha terra há uma em tudo igual, que custou só em estrutura mas de cem mil contos (uma casa de ferias com trés quartos uma sala e cozinha)! No entanto há coisas que me agradam imenso neste projecto e que ja são caracteristicas desta arquitecta, como a escolha e modo de utilização dos materiais. :icon14: Poderia dizer mais sobre o projecto mas sinto-me um pouco :p por ser aluno do terceiro ano da lusiada.:)

Link to post
Share on other sites

Sim, também estou curiosa quanto à casa dos 100 000 contos... Quanto à casa em questão, concordo um pouco com quem defende a saturação que se começa a evidenciar de "caixotes" e eu pessoalmente nunca gostei muito de betão em bruto à vista. Com o tempo acaba por se degradar um pouco, aquelas manchas que vão ficando nunca ajudaram a que fosse grande fã deste material.

Link to post
Share on other sites

Sim, também estou curiosa quanto à casa dos 100 000 contos...
Quanto à casa em questão, concordo um pouco com quem defende a saturação que se começa a evidenciar de "caixotes" e eu pessoalmente nunca gostei muito de betão em bruto à vista. Com o tempo acaba por se degradar um pouco, aquelas manchas que vão ficando nunca ajudaram a que fosse grande fã deste material.

A ideia é em parte essa... a unificação da casa com a envolvente passa também pela aparente degradação do exterior. Pelo menos é a opinião do arquitecto Guilherme Machado Vaz num texto relativo a uma casa por si projectada em vieira do minho.
Link to post
Share on other sites

A ideia é em parte essa... a unificação da casa com a envolvente passa também pela aparente degradação do exterior. Pelo menos é a opinião do arquitecto Guilherme Machado Vaz num texto relativo a uma casa por si projectada em vieira do minho.


Acredito que sim, mas confesso que em grande parte dos casos não me atrai particularmente.
Link to post
Share on other sites
  • 3 weeks later...
  • 2 months later...
Boas!!


Depois de ter visto as fotos e lido o que se foi escrevendo, penso que a integração foi o que esta dupla de arquitectos tentou evitar ao máximo, assumindo só o "pousar" do volume, portanto tentando evitar ao máximo conectá-la ao local.
Outro aspecto é o diálogo que este volume tem com o sítio, a permanente tensão criada por aquele enorme binóculo suspenso.
Mas sem dúvida uma grande peça de arquitectura e tomara muitos de nós algum dia termos as condições para conseguir este tipo de projecto.

Cumps.
Link to post
Share on other sites

Acho engraçado q a partir dum problema - a impossibilidade legal de sobre-impermeabilizar o solo - a razão mais forte para a configuração volumetrica da habitação,etc e tal, se consiga dissertar tão filosoficamente sobre a mesma...as questões de gosto não se põem aqui, porque o objecto de estudo é tão simplesmente arquitectura.

Link to post
Share on other sites

Please sign in to comment

You will be able to leave a comment after signing in



Sign In Now
×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.