Jump to content
Arquitectura.pt


Évora | Remodelação de uma Quinta | Ventura Trindade arq.tos


Recommended Posts

Quinta em Évora
Remodelação
Ventura Trindade arq.tos . 1999 - 2005

A CASA DUPLA
título do texto de José Mateus sobre o projecto

Num loteamento de origem duvidosa, uma casa, executada sem projecto ao longo de muitos anos, apresentava diversos problemas de construção. As partes somadas insistiam em manter a sua independência e o conjunto revelava os vários problemas internos.
A proposta, solicitada para se proceder ao licenciamento da obra, foi quase só um processo de demolição das partes em excesso.

Imagem colocada

Desmontaram-se telhados e mantiveram-se as lajes sob os mesmos, permitindo o isolamento contínuo da cobertura. Transformou-se a garagem em sala e demoliu-se uma sala interior, originando o pátio em torno do qual a nova casa se contorce e articula. Um limite rectangular veio recintar esta forma retorcida, desenhando alpendres que reúnem e abrigam as aberturas da casa.
Entre o interior, quase inalterado, e o exterior confrontado com a proximidade de casas vizinhas, existe agora uma espessura, habitável, que devolve à casa um sentido mais reservado, mediterrânico.

Sobreviveram elementos que faziam parte dos espaços anteriores, como a lareira que agora surge no alpendre a Sul, reivindicando memórias. O pavimento, em madeira reciclada, confere um suporte denso e texturado a estes ‘entreriores’, que constrasta com a austeridade do pavimento interno em betão.

O trabalho de Fernanda Fragateiro veio adensar estes espaços-sombra a partir do texto L’attente L’oubli de Maurice Blanchot, onde a única personagem constrói diálogos entre dois heterónimos imaginados. Como nesta casa dupla.

Fonte: EuropaConcorsi

Imagem colocada Imagem colocada Imagem colocada Imagem colocada Imagem colocada

Imagem colocada Imagem colocada Imagem colocada Imagem colocada

Imagem colocada Imagem colocada Imagem colocada

Imagem colocada Imagem colocada Imagem colocada
Link to post
Share on other sites

E pq n equacionam esta falha na perspectiva programática exigida pela parte do cliente?Estamos a falar de uma recuperação.(não estou a defender ninguém.Apenas tento perceber a posição dos nossos colegas. Devem ter noção da complexidade processual q um projecto de recuperação exige.Envolve mtos actores, mtas opiniões...nem tudo corre como queremos.).

Link to post
Share on other sites

Quase de certeza que foi por "dar jeito" como referes. Mas o respeito pela implantação anterior, e a criação de ambiências interessantes no "core" da habitação em detrimento de uma opção funcional mais profícua (a existência de uma antecâmara de acesso aos quartos pela parte da cozinha e os acessos directos pelo exterior atenuam essa falha)fazem desta recuperação (e insisto na recuperação)uma peça de arquitectura mto interessante.

Link to post
Share on other sites
  • 1 year later...

Estou no 2º ano, na Universidade Lusíada de Lx. No 1º semestre tive como professor o arq. Pedro Domingos que trabalhou durante vários anos no atelier do arq. Carrilho da Graça. Neste 2º semestre tenho como professor o arq. João Maria Trindade que tb foi aprendiz do arq . CGraça. Na semana passada o professor deu uma conferencia para os alunos da faculdade e apresentou o projecto desta casa. Como disseram posteriormente: "O trabalho de Fernanda Fragateiro veio adensar estes espaços-sombra a partir do texto L’attente L’oubli de Maurice Blanchot, onde a única personagem constrói diálogos entre dois heterónimos imaginados" O arq. CGraça fez a mesma coisa com a ajuda da intervenção do artista plástico Michael Biberstein na parede de aço cor-ten da piscina da casa Julião Sarmento uns anos antes da intervenção do arq. JMTrindade na casa dos seus sogros. Estamos perante um legado do arq. Carrilho da Graça?

Link to post
Share on other sites

"dar jeito" é sem dúvida um comentário. Mas creio que um mau comentário. Certamente que o projecto tinha sobretudo como ponto de partida a recuperação do imovel. Creio que se percebe muito bem o porquê desta solução. Creio, mas sou eu, porque os comentários não se fazem apenas para "dar jeito" assim como qualquer solução de projecto não se toma apenas porque "dá jeito".

Link to post
Share on other sites

Please sign in to comment

You will be able to leave a comment after signing in



Sign In Now
×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.