Jump to content
Arquitectura.pt


Ringo

Para pensar...

Recommended Posts

Ocasionalemte enquanto lia um um jornal desportivo, deparei-me com um anúncio publicitário, que de certa forma arrisco a compará-lo com o processo criativo. O Anúncio em questão apresentava o seguinte texto: "Sofres mais quando corres ou quando sais para correr". Associo o anúncio ao processo criativo da seguinte forma: durante o processo criativo por vezes o "sofrimento" não surge na executção do "projecto", antes pelo contrário, a maior complicação, surge, e agora salientando o meu caso, na ideia que nos permite concretizar com sucesso um determinado projecto. Claro que a ideia inicial nem sempre é definitiva, mas, no entanto assume protagonismo!

Share this post


Link to post
Share on other sites

Eu interpreto a frase do jornal de uma maneira diferente... Acho que às vezes você sofre mais pra COMEÇAR a trabalhar no seu projeto do que no próprio processo de trabalho. Comigo funciona assim... a maior luta é pra pegar o lápis, e sentar a mesa com um pedaço de papel... se isso acontece, metade do trabalho está concluído. Mas o que você falou também é um caso a se pensar... no início, eu me apegava a primeira idéia e fazia todo o projeto girando em torno dela. E muitas vezes, essa idéia nem era tão boa. Hoje, já sou bem mais flexível, e não tenho mais medo de recomeçar os trabalhos do zero utilizando novas idéias. Faz parte do processo.

Share this post


Link to post
Share on other sites

agora que estou aprendendo a deixar de lado uma idéia acreditando que exista uma melhor, no meu caso acho que sofro mais para correr.. idéias vem fácil, mas na hora de encaixar as peças é que vem a experiência traumática.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Eu interpreto a frase do jornal de uma maneira diferente... Acho que às vezes você sofre mais pra COMEÇAR a trabalhar no seu projeto do que no próprio processo de trabalho. Comigo funciona assim... a maior luta é pra pegar o lápis, e sentar a mesa com um pedaço de papel... se isso acontece, metade do trabalho está concluído.
Mas o que você falou também é um caso a se pensar... no início, eu me apegava a primeira idéia e fazia todo o projeto girando em torno dela. E muitas vezes, essa idéia nem era tão boa. Hoje, já sou bem mais flexível, e não tenho mais medo de recomeçar os trabalhos do zero utilizando novas idéias. Faz parte do processo.


Thiago 7000, desc mas intrepretaste mal o meu comentário, quando eu me refiro à ideia em concreto, pretendo dizer isso mesmo, concordando contigo, ou seja que há "sofrimento" na tentativa de encontrar uma ideia que nos agrade tendo em conta a aplicação lógica do respectivo projecto. Por vezes aquelas ideias que surgem no inicio nem sempre tem aplicação lógica e nesse sentido e tal como tu salientas não devemos ter medo de experimentar novas ideias, mesmo que a ideia original do projecto nos pareca aquala que possivelmente terá mais sucesso.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Please sign in to comment

You will be able to leave a comment after signing in



Sign In Now

×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.