Jump to content
Arquitectura.pt


JoaoFernandes

Membros
  • Content Count

    21
  • Joined

  • Last visited

2 Followers

About JoaoFernandes

  • Rank
    Frequentador
  1. Pois mas nao e para arquitectura, até pque eu não vejo no render uma maneira de expressar a arquitectura, e para um atelier de design de interiores para fazer um render para o wall de um hotel.
  2. Boas Tardes a todos, Desde já desculpa por andar meio desaparecido mas época final de aulas , gostaria que me ajudassem se possível, estou a tentar criar um cortinado em Archicad, mas não estou a conseguir se alguém me poder ensinar como se faz ou tiver um modelo para eu recriar dps agradecia. Maiores cumprimentos João Fernandes
  3. http://workshop.45graus.net ve ai estam a acabar o nivel 2 mas iremos abrir novos workshops..
  4. Boa tarde Gostava de saber se algum membro me pode facultar algumas informações sobre a Casa Avelino Duarte do Arquitecto Alvaro Siza, estou actualmente a fazer um trabalho de grupo e tenho que analizar a obra mas todas as informações que recolhemos até agora nao encontramos nenhuma planta com escala ou fotografias com alguma qualidade, se alguem me poder ajudar agradecia.. Maiores cumprimentos João Fernandes
  5. Boa tarde Gostava de saber se algum membro me pode facultar algumas informações sobre a Casa Avelino Duarte do Arquitecto Alvaro Siza, estou actualmente a fazer um trabalho de grupo e tenho que analizar a obra mas todas as informações que recolhemos até agora nao encontramos nenhuma planta com escala ou fotografias com alguma qualidade, se alguem me poder ajudar agradecia.. Maiores cumprimentos João Fernandes
  6. boas, olha se quiseres ajuda em archicad e na boa adiciona me ai e pede, swat_sniperkiller@hotmail.com

  7. Tenta alguma casa de Modelismo (carros Telecomandados) e de Kits custumam ter esses artigos.
  8. em coimbra tens uma loja de kits que tem td isso a tds as escalas
  9. Boas vou deixar aqui um render mt manhoso enquanto fui ao escritorio aproveitei para faxer uma parede inclinada sem rigor nem paciencia para a por no lugar com a ferramenta cobertura.
  10. imorgado se calhar nao me expresei da melhor maneira, se quiseres fazer uma ''parede inclinada'' em archicad 9 teras de a desfarçar criando-a como uma cobertura onde teras de dar as caracteristicas da parede mas nao e facil. a verdade e que a versao 11 ja as tras... Peço desculpa se me expresei mal. :*
  11. Este topico esta a ser interessante, , como prometi hj no escritorio estive a testar as paredes e as maneiras de criar paredes inclinadas, na verdade pura nao da para fazer paredes inclinas mas utilizando a ferramenta coberturas e possivel fazer paredes inclinadas com o objectivo de render mas cuidado as coberturas nao vao aparecer na planta se o objectivo e plottar, mas para isso aconcelho o AutoCad... Quanto aos renders e verdade que a maioria e feita pelos CPU mas quanto melhor for a grafica melhor ficam os renders porque se nao fosse assim nao vinham nas recomendaçoes minimas do programa.. mas isso não e o importante aqui. Quanto a licença a verdade e que podes sacar da pagina da graphisoft a versão 11 para teste. Quanto ao revit nunca o utilizei dai nao sei se o layout e igual ou parecido. agora volto a insistir o importante e que eles fiquem todos melhor, pois são a nossa ferramenta de trabalho como Arquitectos.
  12. concordo plenamente, qualquer um deles e ate o Autocad sao excelentes programas, agr a que treinar em todos eles, antigamente todos usavam o ''paint'' era o melhor para fazer fotos hj tds usao o photoshop, quanto ao problema de tecnologia eu gostava tambem de saber qual e o problema, so se for a fazer renders em qualidade maxima que nem todas as graficas aguentam mas tirando isso o archicad da para fazer tudo, em relaçao a versao nove, eu amanha confirmo a questao da parede, vou ter de ir ao escritorio para abrir o 9 mas dps postarei aqui qualquer coisa, mas segundo o que me lembro existe uma maneira de faxer paredes inclinadas em Archicad 9
  13. Nao tenho a certeza se isto te pode ajudar mas e de um trabalho que fiz ontem. ''Seminários 1 Dia 19 de Dezembro de 2007 – Arquitecto António Menéres Qual para ti a importância que pode ter, actualmente, uma arquitectura popular Entre 1955 e 1960, seis equipas distribuídas por outras tantas zonas do país empreenderam um levantamento fotográfico e tipológico que passou a figurar como «Inquérito à Arquitectura Regional Portuguesa». Coordenado por Francisco Keil do Amaral, presidente do então Sindicato Nacional dos Arquitectos, e subsidiado pelo Ministério das Obras Públicas, o levantamento teve uma primeira publicação em 1961, em dois volumes. O Arquitecto António Menéres esteve presente numa das seis equipas, transmitindo-nos assim a sua vasta paixão por este estilo Arquitectónico particular de Portugal. Este Estilo Arquitectónico ao qual chamamos ‘’Arquitectura Popular’’ aos conceitos de ‘’arquitectura vernacular’’, ‘’arquitectura anónima’’ ou ‘’arquitectura sem arquitectos’’, como a caracteriza o espanhol Pedro de Llano. Este tipo de arquitectura marcou a arquitectura portuguesa dos anos 50 e prevaleceu até ao final do Salazarismo. Era uma arquitectura do Povo, do ‘’Popular’’, tinha o objectivo principal a funcionalidade da habitação ou edifício, era construído segundo os conhecimentos populares, e segundo a região. Normalmente encontra-se a maioria de edifícios de Arquitectura Popular na zona Rural e Interior do nosso País, zonas estas que apesar do seu baixo nível de estudos académicos, financeiros, tinha um vasto conhecimento das necessidades a que eram sujeitos. Como fora demonstrado no Seminário dado pelo Arq. António Menéres, a arquitectura portuguesa começou ainda na Idade do Bronze quando as primeiras aldeias começam a surgir de forma minimamente organizada, com casas, assembleias, balneários e muralhas em seu redor. Foi posteriormente, no séc. III, com a ocupação romana, que as primeiras cidades começaram a desenvolver-se de forma organizada com inúmeros edifícios públicos e estradas pavimentadas que melhoram as comunicações em certas partes. Com a queda do Império Romano do Ocidente o panorama artístico ficou quase esquecido. Apenas no séc. VIII, com a invasão muçulmana a arte voltou a ser praticada de forma mais organizada e uniforme. Mesquitas e palácios apareceram nas principais vilas e cidades do país. No séc. XII começou a Reconquista. Transformaram-se as mesquitas em igrejas, como se fez com a Mesquita de Mértola, e de forma progressiva passou-se para o românico. As grandes igrejas pesadas começaram a povoar o território até que o gótico, e depois o Manuelino as transformaram em edifícios mais esbeltos e decorados. No séc. XVI, inicia-se em Itália o Renascimento, que começa a racionalizar todas as formas, e os edifícios ficam mais pragmáticos em detrimento da sua decoração. De forma natural passa-se para o maneirismo que segue os passos da arquitectura renascentista. A Igreja de São Vicente de Fora é um dos melhores exemplos desse tempo. Nesta época, e desde o românico, a principal produção da arquitectura eram as igrejas, e assim seria até ao rococó. No barroco, séc. XVIII as igrejas e conventos tornam-se mais luxuosos e ornamentados, exemplo disso é o Convento de Mafra. No início do séc. XIX vêm influências de vários países europeus que culminam no neoclassicismo. Poucas décadas depois aparece, como reacção, o romantismo. A Estação do Rossio ou o Palácio da Pena são obras românticas. No final desse mesmo século, os engenheiros tomam conta dos projectos com a arquitectura do ferro. O Elevador da Glória é exemplo disso. A arte nova e a art déco tiveram pouco expressão em Portugal. Mais tarde, durante o Estado Novo (Salazarismo), foi aplicada uma arquitectura mais contida, mas sobretudo funcional, a ‘’Arquitectura Popular’’. Com o fim da ditadura, e abertura ao meio internacional, a arquitectura enriqueceu o seu espólio tanto em quantidade como em qualidade. Assiste-se hoje, em Portugal, a um fenómeno complementar e inovador, a arquitectura contemporânea, no âmbito da arquitectura portuguesa que, contrapõe a, conceitos velhos e conservadores de tradições e modos de operar, a uma intenção afirmada, de inovar o espaço e construí-lo com conceitos, materiais e técnicas que permitam viver em pleno a contemporaneidade. A arquitectura contemporânea cruza várias gerações em simultâneo que marcaram e continuam a marcar arquitectura portuguesa, desde meados do século XX até aos nossos dias. Fernando Távora, Manuel Tainha, Álvaro Siza, Victor Figueiredo, Gonçalo Byrne, Eduardo Souto Moura, Filipe Oliveira Dias, Tomás Taveira e Carrilho da Graça são os arquitectos que traduzem o que de melhor se produz, de arquitectura, em Portugal. Em suma, a ‘’Arquitectura Popular’’ teve bastante importância no nosso País para poder-se chegar a esta ‘’Arquitectura Contemporânea’’ (Arquitectura Moderna) a que se presencia hoje em dia, apesar de não me identificar com o estilo de Arquitectura Popular (talvez devido a não ser dessa época), aceito-a como sendo uma das bases para o nível Actual da Arquitectura Portuguesa. '' Como o meu professor de Arte e Cultura diz, ''O tempo é aquilo que todos sabemos o que é quando não nos perguntam o que é''
  14. Muito obrigado, eu estou so a acabar um projecto para la colocar, mas irei certamente ver os trabalhos e comentar. Podem Fechar o Topico.
  15. Boa Noite Peço imensa desculpa, mas vou descordar, no Archicad e possivel criar paredes inclinadas, e na realidade bastante facil, para tal basta ir a Paredes e Editar parede, posteriormento na escolher o Icon de Parede Inclinada e depois escolher o Grau de Inclinaçao. Qualquer duvida Extra sobre Archicad e so Avisarem Maiores cumprimentos João Fernandes
×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.