Jump to content
Arquitectura.pt


Erazor

Membros
  • Content Count

    10
  • Joined

  • Last visited

  1. Olá, Qual a vossa interpretação relativamente à alínea j do ponto 15. 15 — No caso de obras de edificação, para efeitos de aprovação do projeto de arquitetura: j) Termo de responsabilidade de técnico autor do projeto de condicionamento acústico que ateste da conformidadeda operação com o Regulamento Geral do Ruído, aprovado pelo Decreto -Lei n.º 9/2007, de 17 de janeiro Parece-me que não é um termo de responsabilidade relativo ao projecto acústico mas sim do técnico que irá subscrever após a aprovação do projecto de arquitectura que operação ( ex: Construção de moradia ) está conforme o Regulamento Geral do Ruído. No caso de uma legalização de uma construção penso não fazer sentido este termo.
  2. Bom dia, Estou a tratar de 2 legalizações de moradias de 2 familiares em que ambos possuem garagens encostadas e com terraço sobre as mesmas acessíveis por escadas exteriores e naturalmente ambos têm vistas para o familiar. A minha questão prende-de em saber se é possível ambos os proprietários renunciarem à servidão de vistas que recai sobre cada um dos prédios ( 2 renúncias ) para assim não ter de garantir os 1,5 m de afastamento entre ambos que iria inviabilizar o acesso a cada um dos terraços ou em última instância inviabilizar o acesso aos terraços com a demolição das escadas. Obrigado desde já, António
  3. Obrigado pelas respostas. Entretanto já tinha telefonado para a câmara e já têm um novo pdf com os parâmetros e nomes de ficheiros actualizado para as várias operações urbanísticas. António
  4. Olá, Estou com uma dúvida que é a seguinte. Consigo juntar vários ficheiros .dwf assinados digitalmente ou não uns aos outros com o "merge" e pdfs com um pdf merge, no entanto pelo que li numa informação da câmara de Odivelas eles querem: "Um ficheiro DWF referente a uma especialidade, deverá conter todas as peças escritas e desenhadas relativas a essa especialidade (projeto, memoria descritiva, termo de responsabilidade, etc);" Juntar pdfs a um ficheiro .dwf é que não estou a ver como fazer. Obrigado desde já, António
  5. Encontrei entretanto um video que era exactamente o que pretendo, mas não é cá em Portugal. Bifolding Corner Set http://www.bifoldingdoorsdevon.co.uk/ Cá em Portugal há quem faça isto ?
  6. Olá, Gostava de saber se algum de vós já alguma vez já aplicou este tipo de janela ( sem pilar no canto ) em alumínio ou PVC e se sim qual foi o perfil e custo ( já agora quais as dimensões que tinham ). No nosso projecto a altura da janela terá 2,50 m e o canto terá as medidas de 2,25 m e 4,55 m, sendo que será para permitir que a cozinha abra completamente para a zona do churrasco e logradouro. O que pretendemos é algo similar a isto: http://www.alwindows.com.au/products/aluminium-doors/aluminium-corner-bifold-doors/ só que o canto é exterior e não para o interior como nas imagens do site. Obrigado desde já, António
  7. Olá, Estou com as seguintes dúvidas que pela leitura do DL 163/06 não consegui esclarecer que são as seguintes: Temos uma moradia unifamiliar térrea, em que existe um acesso automóvel para o interior do terreno e um acesso pedonal desde o portão de homem até à porta principal de acesso à moradia. O acesso pedonal ( percurso acessível ) tem uma inclinação de 3.16 % < 5 % logo, julgo que responde ao ponto 4.7.5. No entanto este acesso no exterior até à porta de entrada não cumpre com o ponto 3 do 4.7.7 no que respeita a espaços não encerrados ou estarei a interpretar mal este percurso acessível ? É necessário garantir a acessibilidade desde o lugar de estacionamento, descoberto neste caso, até ao interior da moradia ou basta ter o acesso desde o portão de homem até ao interior da moradia pelo percurso acessível ? É que iria ter a zona de estacionamento uns 30 cm abaixo da soleira da moradia que seria vencido por 2 degraus. Obrigado desde já, António
  8. Obrigado Olga, já foi uma boa ajuda. Espero que o vosso licenciamento corra bem.
  9. Olá, Procurei mas não encontrei tópicos sobre esta dúvida. Fomos contactados para projectar um edifício para Angola, no entanto gostava de saber como se processa a parte relativa à autoria dos projectos e regulamentos. É necessário o projecto ser subscrito por um arquitecto inscrito na ordem de Angola ? E relativamente aos projectos de engenharia também é a mesma coisa ? Que projectos são solicitados a nível de engenharia para um edifício em Angola ? Alguém que já tenha tido esta experiência pode dizer-me quais as principais dificuldades que teve neste tipo de processos ? Obrigado desde já, António
  10. Gabinete sediado na margem sul procura arquitecto com 1 ano de experiência em processos de licenciamento de moradias, loteamentos, comércio. Enviar CV e portfólio para geral.op@sapo.pt
×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.