XXXXX

Membros
  • Content count

    527
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    19

XXXXX last won the day on April 17

XXXXX had the most liked content!

2 Followers

About XXXXX

  • Rank
    XXXXX

Redes Sociais

  • Blog
    http://um-ponto-de-fuga.blogspot.com
  • Twitter
    https://twitter.com/ricardo_jl_dias
  • Linkedin
    http://www.linkedin.com/pub/ricardo-dias/10/17/5ab
  • Skype
    ricardo_jl_dias

Meio Pessoal

  • Género
    Masculino
  • Country of Origin
    Portugal
  • Qual o software de desenho que utiliza?
    --- Nenhum ---

Meio Académico

  • Ano académico
    Nenhum já sou Arquitecto
  • Universidade
    --- Prefiro não dizer ---

Meio Profissional

  • Profissão
    Arquitectura

Recent Profile Visitors

9786 profile views
  1. Fiz um find pela palavra "inclinação", só encontro isto: "Nas coberturas das edificações correntes, com inclinação não inferior a 20º nem superior a 45º, apoiadas sobre estruturas de madeira, poderão empregar-se, sem outra justificação, as secções mínimas seguintes ou suas equivalentes em resistência e rigidez, desde que não se excedam as distâncias máximas indicadas (...)"
  2. Legalize aquela porra para a satisfação pessoal da CM local... e começe a pagar IMI sobre o mesmo se aplicável a armazém/indústria.
  3. Esquecam as áreas para avaliações fiscais...(VPT) nomeadamente utilizadas para efeitos de garantias hipotecárias, vistorias, auto construção e determinação do VPT, servem apenas, strictu sensu para estes efeitos, surgiu um normativo a uns anos, já aqui publicado num post meu, que tinha a impossível tarefa de normalizar estes conceitos para projeto a nível nacional, mas como a tarefa é sempre usurpada pelos planos de domínio municipal, caímos na estupidez de dar importância ao normativo, dado que o que impera é o que está no regulamento municipal respetivo... Decreto Regulamentar nº 9/2009 de 29 de Maio > para ler e infelizmente ignorar.
  4. Existem duas formas, o reparcelamento e o destaque... o que paga em encargos com o terreno varia em torno de 5.8% a 7.5% do preço de aquisição do terreno, dependendo de ser rústico ou urbano... simule aqui: http://apemip.info/info/imt.cfm Leia o DL 60/2007, para melhor se informar acerca do que é o reparcelamento e o destaque com as respetivas cambiantes e condições. Não sei onde é o terreno, mas o preço médio para um terreno (falando de um mercado médio) é de 40.000.00 Euros se rústico urbanizável, com tamanhos entre 400m² e 1500m², fazendo as contas, 40.000.00 Euros x 0.058 = 2320.00 Euros, estes encargos somam IMT + Registos + I.S. P.S. No espírito da lei, o destaque sempre pressupôs construção numa das parcelas, apesar disso já fiz em Torres Vedras um destaque sem construção imediatamente seguinte ao mesmo. Cumprimentos
  5. Eu quando perguntei, será que isto ainda está em vigor, não sabia que alguns dias depois: Portaria nº 219/2016 Isto iria ser revogado, fica a nota.
  6. Geralmente três zonas, mas penso que o valor/m² nos últimos anos permanece inalterado, ainda não comparei com os anos anteriores, mas recordo-me de ter lido qualquer coisa acerca de não ter alterado. Contudo isto é apenas para apresentar à CM local, para determinar o classe da obra, a que o empreiteiro estará habilitado para efetuar, não deve ser base para qualquer orçamento a apresentar ao cliente. E sim, é pela área útil que está no normativo e nós multiplicamos pela área bruta, não sei bem porquê, "o cego guiando o cego."
  7. Unidade mínima de cultura, é a medida padrão, que atesta que um indivíduo, tem um mínimo de capacidades para intervir, trabalhar e viver em sociedade, paulatinamente introduzida na região oeste de Portugal em meados da década de 80, por um conhecido Psiquiatra de Torres Vedras, o epíteto tem origem explícita nas três palavras que o compõe, "unidade mínima de cultura", Torres Vedras foi escolhida para cidade piloto, dada a propensão que os locais tinha para se mascarar de concubinas, beber álcool e celebrar o carnaval ostensivamente desde a tenra idade, costume este, visto pelo vizinhos da Capital, como um misto de idiotice aos quais os saloios se dedicavam... hoje mais do que nunca, ser da geração da unidade mínima de cultura, é ser designado de idiota, daí a necessidade de muitos Torrienses fugirem para a Capital, numa de: "Sou filho de saloios, mas pugno para matar a hereditariedade!" Eu que sou da geração de 80, só muito tardiamente fugi para a Capital... anos a fazer figura de idiota... Mas existem outras definições afins, cito esta, no *.jpg: Será que isto ainda está em vigor?
  8. EDIT: Eu abuso da ironia, de forma invariável, nos meus posts, principalmente quando o tópico é Torres Vedras. Estas estatísticas marginalizam Torres Vedras e não espelham a realidade deste concelho, excedentário em pessoas excecionais, vejamos as principais características de um Torrieense: 1. Ter um filho... porque não ter filhos, constitui crime e sinal de imbecilidade, ora vejamos... ter um filho é algo de inédito, inaudito deste os primórdios da humanidade (não sei como é que nasci), além de ser meio caminho andado para andar com a corda na garganta, ter uma hipoteca voluntária da casa, carro a crédito, despesas na escola, que por vezes redundam em nada na vida prática... ter um filho, é portanto um sinal de status, de que status, não sei... portanto se a pessoa estiver casada aos 18 anos e com um balão na barriga, é sinal que é um indivíduo excecional, note-se, não no sentido da palavra exceção, sim no sentido de ser uma excecional banalidade. É como é banal, merece um prémio. 2. Ter filhos garante, não só a a almejada ajuda quando somos velhos, como a hipótese tantas vezes corroborada, por frases como "Eu tenho filhos!", as pessoas proferem estas palavras quando estão à rasca, não compreendem porque é que tiveram filhos, ou sentem a necessidade de passar por cima de alguém por terem filhos para sustentar. Pelos visto ter filhos, acaba para eles, por ser um ónus e numa uma bênção. 3. "Eu vou comprar uma casa..." isto causa algum impacto nas pessoas, as pessoas pensam "Ele já tem uma casa"... na maioria das vezes não passa de uma hipoteca voluntária, em que o banco está a financiar cerca de 85% da casa a prestações e o cliente entrou com cerca de 15%, portanto, parece que legalmente e de forma hipócrita o proprietário é o cliente do Banco, mas de facto, a quase totalidade da casa foi paga pelo Banco, é discutível dizer quem é o proprietário da casa, para mim é o Banco. Portanto para um Torriense é um orgulho estar a pagar centenas de prestações ao Banco! Não há dinheiro, vivamos das aparências então, já agora, com a bandeira de Portugal no cimo e nunca a meia haste, para festejar os juros do crédito. 4. Sorrir muito, nada de ser discreto, ser simpático é meio caminho andado para esconder as nossas imbecilidades... meter-se na vida dos outros, saber o que os outros andam a fazer, onde é que trabalham, quanto ganham, de onde vem o dinheiro, quem é o patrão... quando mais identificável uma pessoa é... mais um alvo se torna, é a melhor forma de promover um boato sobre uma pessoa é saber onde é que trabalha... ainda bem que existe sigílio bancário (bah)! 5. Gostar de informática... abrir uma loja de informática... tretas trendy, que fazem as pessoas estúpidas... vender CD/DVD Roms que se estragam depois do prazo de garantia terminar (quase imediatamente), firewalls que na prática nada fazem quando o defeito é do sistema operativo (s), usar o google chrome, com flash e java enabled, em suma, uma devassa do que fazemos, eu gosto de informática, acho a atividade de bisbilhotar o pc de outro inconsequente, tanto que até tenho um PC, que nem sequer ligo a internet, só levou updates por ficheiros off line, está virgem e portanto invencível. Engenharia informática, ou como o marketing ensina, vendar tretas aos outros, de forma exploratória. Há que ter respeito por estes tipos de informática, nós não somos enganados e eles não lucram nada com isso. Sempre montei os meus PC sozinhos, nem que tivesse amputado, entregava um PC a um destes tipos. Ainda dizem que os Arquitetos fazem uns desenhos e os Engenheiros fazem uns cálculos, pois fazem, de facto o que fazemos não é mero marketing, ainda por cima é mal pago, as pessoas gostam de pagar por imbecilidades. 6. Temos todos que ter uma namorada e estar casados, um homem casado (common sense em Torres Vedras) leva mais vezes com os palitos, muito mais do que aquelas dores de cabeça que nós realmente temos, (elas até nos riem na cara e dizem, estou apaixonada!) mas em conversas ocasionais, percebemos que quando um Pai diz que o Filho está muito bem casado e nem percebe que há fotos no facebook dela com outro, é caso para dizer, aparências, iludem e são estúpidas. As aparências sempre foram uma filosofia de idiotas para idiotas, com medo de dizerem o que pensam, por dois motivos óbvios, físico pequeno e falta de dedos de testa. Há pessoas que necessitam mesmo de rezar... expiar os pecados... conciliar-se com deus e blá, blá, blá, blá, blá e blá. 7. No que toca a caráter ninguém em Torres Vedras está poluto, ou irá ter a estupidez de tirar uma foto com um qualquer primeiro ministro, de forma vaidosa, ostentosa e exploratória (eles usam-se uns aos outros), idem... ninguém quer favores do presidente da CM de Torres Vedras, seja para ganhar concursos de admissão, concursos de prémios vários, favores, promoções... somos todos iguais e ganham os melhores, as pessoas mais criativas, dotadas, que vieram do nada, de baixo, sem interesses, subiram a pulso, bom currículo escolar e profissional, sem favores, sem o chamado colinho, estes sim, são o grosso da sociedade Torrienese. Desta vez não foi o calor do momento, foi o abuso da ironia. P.S. Na sexta feira, ponto de encontro naquele conhecido Bar de Torres Vedras, vamos todos brindar, socializar, trocar banalidades, uns exibirão os biceps torneados em ginásios (armadura de kevlar por baixo de camisa), outras umas mamas push up (total fake)... tudo isto concorre para o objetivo frugal que é o de apalpar umas .)(. Isto é meio caminho andado para granjear o ódio de um qualquer corta fitas! E se há uma coisa que detesto, é corta fitas!
  9. No calor do momento, compelido pela pressão que é escrever na internet e ter que dizer qualquer coisa, as vezes, saí disparate... As minhas desculpas!
  10. Torres Vedras, constitui uma honorável exceção, aqui há excesso de trabalho....colegas Arquitetos muitas vezes telefonam-me, a solicitar ajuda para redistribuir e dar vazão à quantidade de clientes que eles possuem em carteira, telefonemas do tipo: Colega: Ricardo, Ricardo, tenho aqui um Lar de Idosos e uma Creche de um cliente, queres ficar com o projecto/cliente? Ricardo: Não, não posso meu, estou assoberbado com um Hotel de Cinco Estrelas para a Areia Branca e uma Moradia na Quinta do Fez... Colega: Epá, mas uma creche é de âmbito social, depois de feito, isto é garantidamente Prémio Municipal de Arquitetura de Torres Vedras. Ricardo: Não meu, os holofotes da fama, não me dizem nada, eu gosto é de servir o pequeno privado... Colega: Tens a certeza... isto garantidamente, confere-te direito a uma foto com um qualquer corta fitas! Ricardo: Não meu, obrigado pela tua atenção, mas o meu compromisso, é mais modesto, prémios e salvas de palmas, não me assentam. Assim é Torres Vedras... ajuda mútua, solidariedade, ética, respeito, companheirismo, primazia do social sobre o individual, a realização do socialismo mais prática que eu conheço, um verdadeiro Município de Esquerda. Viva TVD!
  11. O que não faltam são pessoas com estas dúvidas. E o ar condicionado, seja split ou centralizado, sentem-se seguros? Nem os últimos modelos recomendo... não há certezas acerca do assunto, mas na dúvida só deveria ser aplicado excecionalmente... não há nada como a ventilação natural.
  12. Pedreiros, empreiteiros, malta com 30 anos de experiência em obra, que defende o PVC com veemência... think again!
  13. Os honorários não são tabelados, pormenor que presumo que deve saber... dois mil euros para o projeto de licenciamento + cerca de dois mil euros para as especialidades, para quem trabalha a partir da casa, sem custos adicionais (rendas ou imi´s, luz, água, informática variada, colaboradores, estas tretas todas sobre a forma de custos) é um preço que garante margem de lucro assaz, se for praticado tipo patrão a frente de uma empresa, o preço é diferente para mais geralmente embora existam gabinetes, que cobram 700 euros por um projeto de arquitetura, tipo copy paste, pega na moradia que fizeste ali em Peniche e cola em Torres Vedras, troca janelas, muda uma coisitas ao jeito do cliente e como inteligência é coisas que não abunda por estas bandas, o patrão diz, "Estou-lhe a fazer um desconto", o cliente responde "Obrigada", é assim que ganha 700 euros numa semana apenas no projeto de arquitetura... eu para fazer porcaria, merdas horrorosas, por favor ao próximo, prefiro não fazer, é preferível fazer uma moradia de 10 em 10 anos, mas que fique bem feita e cobrar 6000 Euros ao cliente, mas incluímos, Arquitetura + Especialidades + Assistência Técnica na Obra + Plano de Segurança e Saúde + Caderno de Encargos + Orçamentos, tudo com contrato, escrito a assinado... porquê as porcarias que se faz, por preços de Merda, nunca valem o sacrifício, tipo: Vou olhar para aquele mono o resto da minha vida, cujo autor fui eu, mas que foi feito ao gosto do cliente? É deprimente! Quanto é suposto um arquitecto cobrar para ir à Câmara pedir e preencher um formulário para saber o que pode ser feito em termos de projecto, num dado terreno? Isto pode ser preço de custo, além de ir passear à CM local, as taxas obviamente ficam por conta do cliente (PIP). As despesas de deslocamento, alimentação, portagens, são calculadas à parte? Deverá ser cobrado um valor à hora quando se trata de trabalhos pontuais p.ex. requesição de documentos para o dono de obra? Portagens e deslocação = 0.3 Euros/Km, era o que pagavam para Avaliações Imobiliárias para empresas privadas em 2010 (agora simplesmente não pagam nada), se trabalhasse para o estado a custa do dinheiro dos contribuintes, aí escuso de falar, seria gozar ainda mais com a cara dos Portugueses... que ainda se levantam, para ir votar! E, no caso de um novo projecto para uma moradia, depois de estimados os custos da obra, i.é, tendo um primeiro orçamento em mãos para o custo estimado da obra, que percentagem devemos levar para o projecto de arquitectura? Faseado de que forma. Não há regras, mas o bom senso obriga a que a maior fatia seja na fase de licenciamento + especialidades (que engloba orçamento e caderno de encargos). A "nossa fatia do bolo é equiparável às restantes especialidades? Hoje em dia os engenheiros, com os programas de estruturas, já perdem a sensibilidade para os cálculos, existem projetos de especialidades, cujos pilares são de forma indistinta todos iguais, acredito mesmo, que nem as armaduras mudam de pilar para pilar, qualquer Arquitecto percebe se a carga não é a mesma em todos os pilares, porque razão os pilares não poderão ser mais finos de forma a poupar betão caso a caso conforme a solicitação de cargas, eles ainda pensam, que nós nas pescamos nada disso... nem com meios informáticos as vezes conseguem escamotear pilares nas paredes, o que é frustrante, num projeto simples sem SADI e AVAC, não há razão para que a nossa ponderação não seja superior a deles. Em relação aos projectos de estabilidade, incêndios, águas e esgotos, térmica e acustica, somos apenas mais uma especialidade? Ou como coordenadores destas especialidades e diretores técnicos da obra podemos e devemos cobrar mais? Cobrar o quê, fazer um projeto de Arquitetura, sempre se pressupôs as especialidades e repectiva compatibilidade, se tudo estiver bem feito, não haverá problemas (raras vezes). Nota, não pode fazer Direção Técnica de Obra ou Fiscalização e ser o Autor de Projeto, a Ordem não deixava (Necessito de confirmar no novo estatuto, mas penso que contínua igual) e penso que continua a não deixar, coisas que estes estúpidos nas CM´s as vezes não percebem. Isto era a mesma coisas que fazer projeto para uma Câmara e depois ir aprová-los internamente como funcionário da mesma. Apenas como diretor de obra, ganha o seu salário de diretor de obra, a partir da empresa de construção, garanta o cumprimento do projeto de acordo com o aprovado na CM e dentro do budget. Mas você vende casas, tipo gaja gira e comunicativa com outdoors pendurados nas fachadas? Eles gabam-se muito do verdinho que ganham... cá em Portugal as pessoas não se medem em altura física, capacidades e conduta, é pela conta bancária e o carro que ostentam pago ou não. Já ouviu falar dos PQ e dos PAI? Esqueça isso da Remax, andou na melhor escola do País de Arquitetura para vender casas?
  14. De forma a atestar o que digo sobre a excelência (?) invariavelmente plasmada no Concelho de Torres Vedras, veiculada por jornais locais, elogios inflamados das notas dos filhos, feitos dignos de quadros de honra nas escolas secundárias, constato, para minha surpresa, que os Torrienses apenas são bons entre pares, quando se submetem ao escrutínio nacional, onde o vício de resultados é menor, os burros são descobertos! Com os católicos à frente, a chamada classe dos fuinhas, a vergonha é patente, como é que almas tão dedicadas não passam do 11.74. Até eu que andei a passear livros com enfado fiz melhor, não obstante, medíocre. No meio da mediocridade é difícil não ser medíocre. Este concelho precisa de uma review, de um espelho e de alguma humildade. Não vale a pena ser muito ambicioso, lutar, isto é para fracos de espírito... existe sempre lugar para esta malta num qualquer hipermercado da zona... ou para singrar na política local, a CM de Torres Vedras promove bons concursos de contratação pública, requisito fundamental ser um "yes sir", sorrir no momento adequado e pedir "por favor". Viva TVD, Viva TVD, Viva TVD, Viva TVD!!! EDIT KNOWLEDGE IS POWER but more and more IGNORANCE IS STRENGTH!
  15. O setor da construção em Torres Vedras, está num regime de salutar cordialidade, franco crescimento, larga expansão....os Arquitetos, não tem mãos a medir com tanto trabalho, por conseguinte, tem que partilhar os clientes, tout court com os seus colegas de profissão, aqui, há espaço para todos, não é apenas o comum idiota com os seus amigos da CM que se safa, aqui também há lugar para pessoas sérias, que se pautam pela lei, ética, cordialidade, sociabilidade e salutar concorrência. É um orgulho pertencer a este gente, simples, trabalhadora, séria...e...e... e quem fala com orgulho não pode ser calado! É com estas palavras de treta, que um dia, serei convidado para ser Deputado... e respeitosamente declinarei.