Jump to content
Arquitectura.pt


XXXXX

Membros
  • Content Count

    359
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    19

XXXXX last won the day on April 17 2017

XXXXX had the most liked content!

2 Followers

About XXXXX

  • Rank
    XXXXX

Redes Sociais

  • Blog
    http://um-ponto-de-fuga.blogspot.com
  • Twitter
    https://twitter.com/ricardo_jl_dias
  • Linkedin
    http://www.linkedin.com/pub/ricardo-dias/10/17/5ab
  • Skype
    ricardo_jl_dias

Meio Pessoal

  • Género
    Masculino
  • Country of Origin
    Portugal
  • Qual o software de desenho que utiliza?
    Autodesk Revit

Meio Académico

  • Ano académico
    Nenhum já sou Arquitecto
  • Universidade
    --- Prefiro não dizer ---

Meio Profissional

  • Profissão
    Arquitectura

Recent Profile Visitors

12,606 profile views
  1. XXXXX

    Dwf

    Salva o ficheiro cad numa versão anterior/mais antiga, vai experimentado, versão, após versão imprimir em DWF... Muda de caneta/plot style, uma determinada cor pode estar a imprimir em determinada caneta... Por fim, muda de impressora Dwf, para uma mais recente ou antiga. Salvo erro, primeira imprimes em DWF e só depois quando recorres a assinatura digital é que ele passa para DWFx. P.S. Nunca tentei imprimir diretamente em DWFx!
  2. Software? 170 Euros para a Ordem, para poder assinar como Arquiteto, que já engloba um seguro de RC! 300 Euros para CMVM para poder assinar como Perito Avaliador! (300 euros por ano?) 260 Euros para o seguro profissional RC da Atividade de Perito Avaliador! 100 Euros para seguro de acidentes de trabalho por conta própria. 830 euros, voam da conta, por ano, assim... Para arquiteto, se pedirmos 2000 euros por um projeto, as pessoas acham muito... Para avaliador, se ganharmos 45 euros num processo banal já é muito bom... Os peritos qualificados, também, ganham mal, para o trabalho que tem que fazer... No meio disso tudo, a função pública nos mais diversos ramos tem que ser aumentada, para o eleitorado ficar contente, ter que ceder aos caprichos de um País de vaidosos não é fácil!
  3. 6 euros à hora não é nada, mas temos que começar por baixo... era isto que eu ganhava no 1º ano como Arquiteto e sim, pertenci à geração dos 1000 euros a recibos verdes!
  4. Falarem-lhe que iria ser diretora de obra? Foi a entrevista? Isto deve ser para projetista, mas para dar assistência técnica na obra. Não pode ser diretora de obra e projetista/autora da construção em simultâneo! Acho que alguma empresas não percebem isso... Poderá acontecer, ser diretora de obra de uma empresa e a mesma ser a projetista, mas mesmo assim, terão que ser assinados por técnicos diferentes. Com a falta de caráter e sentido ético que marca os profissionais em Portugal, eu já nem digo nada, muitas câmaras municipais deste país, tem isso de tal forma viciado que eu já nem me atrevo a dizer "não pode ser"! Nota: Entre a cartilha da falta de ética e os estatutos da ordem dos arquitetos, qualquer mui digno arquiteto deste país, colhe doces frutos da primeira!
  5. Eu acho que faz todo o sentido aguardar, dado que o ónus do não fracionamento terá que ser inscrito na conservatória, na nova área/artigo/nº da certidão do registo predial.
  6. Em última instância será sempre a CM a decidir, mas por experiência própria, destaque será para construir, na parte destacada, uma habitação, ou in extremis, um edifício/moradia em PH limitada pelo número de fogos por Ha... e refiro novamente in extremis. Não acho que seja possível destacar para lotear/fazer loteamento na parte destacada. Este prédio misto, tem os 7 artigos todos na mesma CRP? Um notário será de ajuda salutar neste caso, eles tem uma experiência já consagrada a registar este tipo de situações, antes de ir a uma CM pedir um PIP ou afim, ia a um notário. Já agora consultar o normativo da unidade mínima de cultura aqui. Cumprimentos.
  7. "A Sustentabilidade dos Materiais de Construção", livro, que deveria ser condição sine qua non, em qualquer lista bibliográfica das cadeiras de Materiais em Arquitetura é Muito Bom, aborda isso, fala com desconfiança do Granito, como pedra emissora de Radão (Radiotiva) e em certas condições, dependendo do granito e das taxas de renovação do ar, uma pedra perigosa, quando combinada com altas emissividades de radão e baixa renovação do ar... tudo começa com a desconfiança, depois a confirmação de um facto e termina em legislação +/- específica a proibir determinados materiais em determinadas condições e conforme os anos avançam, a legislação torna-se mais exigente... o fibrocimento, recordam-se? Não recomendo granito para os interiores das habitações, porquê arriscar, quando podemos ser cautos?
  8. Nunca trabalhei com o vectorworks, notem, ele consegue exportar diretamente para *.dwg, sem trabalho adicional nos ficheiros resultantes? É que existem câmaras que querem layers em *.pdf, isto só se consegue, passando para *.dwg e depois para *.pdf, o que é chato, se o vetorworks conseguir exportar diretamente para *.pdf com as layers, isto seria uma grande ajuda...
  9. Eu... eu... também, também... tenciono.... talvez... |||| INFORMO QUE NÃO ESTAREI PRESENTE DE FORMA VOLUNTÁRIA! ||||
  10. Sinto-me compelido a intervir, com uma resposta prática, pragmática, tipo all in one. Preços de Custo Médios, aos quais se deve adicionar + 8% a 10% para Custos Indiretos (x 1.08 ou x 1.10): Garagens ....... 325 €/m² para coisas em torno dos 20m² Cave para garagens com desaterro..... 250 €/m² para coisas em torno dos 400m² Cave para garagens sem desaterros ...... 200 €/m² para coisas em torno dos 400m² Habitação multifamiliar ....... 550 €/m² para cima para coisas em torno dos 130m² Habitação Multifamiliar isolada ....... 650€/m² para cima para coisas em torno dos 130m² Alpendres/Telheiros abertos lateralmente ....... 175€/m² para coisas em torno dos 8m² Varandas com guardas em Inox ....... 325€/m² para coisas em torno dos 8m² (já com custos indirectos) Varandas com guardas em galvanizado/aço preto ....... 200€/m² para coisas em torno dos 8m² (já com custos indirectos) Não façam a seguinte pergunta: Palerma... quer isso dizer que uma casa nova com 100m² x 650€/m², custa apenas 65000€? Eu responderia NÃO... porque falta adicionar a margem de lucro, os custos indirectos e o preço do terreno. Poderão eventualmente perguntar: O palhaço... mas como é que chegaste a estes valores? O meu imput seria o seguinte... "Sou um picuinhas com anos de experiência e nha, nha, nha, nha, nha, nha, nha, nha, nha, nha, nha, nha, nha, nha, nha, nha, nha, nha..." P.S. NHA, NHA!
  11. Mas, mas, mas... cobertura inclinada, que coisa tão out-of-date e contra o instituído pelas generalidade das escolas de Arquitetura deste País... mas... eu dou-lhe uma ajuda... sem pretensões cavalheirescas... Recomenda-se aplicar telha entre os 36% a 100%, sendo respetivamente 16º a 45º em graus, ou seja, a partir dos 16º telha de encaixe duplo, dos 18º encaixe simples e dos 20º de canudo ou romana... estes limites mínimos recomendam-se a ir nas três respetivas categorias até aos 33º! P.S. Extraído das sebentas...
  12. Fiz um find pela palavra "inclinação", só encontro isto: "Nas coberturas das edificações correntes, com inclinação não inferior a 20º nem superior a 45º, apoiadas sobre estruturas de madeira, poderão empregar-se, sem outra justificação, as secções mínimas seguintes ou suas equivalentes em resistência e rigidez, desde que não se excedam as distâncias máximas indicadas (...)"
  13. Legalize aquela porra para a satisfação pessoal da CM local... e começe a pagar IMI sobre o mesmo se aplicável a armazém/indústria.
  14. Esquecam as áreas para avaliações fiscais...(VPT) nomeadamente utilizadas para efeitos de garantias hipotecárias, vistorias, auto construção e determinação do VPT, servem apenas, strictu sensu para estes efeitos, surgiu um normativo a uns anos, já aqui publicado num post meu, que tinha a impossível tarefa de normalizar estes conceitos para projeto a nível nacional, mas como a tarefa é sempre usurpada pelos planos de domínio municipal, caímos na estupidez de dar importância ao normativo, dado que o que impera é o que está no regulamento municipal respetivo... Decreto Regulamentar nº 9/2009 de 29 de Maio > para ler e infelizmente ignorar.
  15. Existem duas formas, o reparcelamento e o destaque... o que paga em encargos com o terreno varia em torno de 5.8% a 7.5% do preço de aquisição do terreno, dependendo de ser rústico ou urbano... simule aqui: http://apemip.info/info/imt.cfm Leia o DL 60/2007, para melhor se informar acerca do que é o reparcelamento e o destaque com as respetivas cambiantes e condições. Não sei onde é o terreno, mas o preço médio para um terreno (falando de um mercado médio) é de 40.000.00 Euros se rústico urbanizável, com tamanhos entre 400m² e 1500m², fazendo as contas, 40.000.00 Euros x 0.058 = 2320.00 Euros, estes encargos somam IMT + Registos + I.S. P.S. No espírito da lei, o destaque sempre pressupôs construção numa das parcelas, apesar disso já fiz em Torres Vedras um destaque sem construção imediatamente seguinte ao mesmo. Cumprimentos
×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.