Jump to content
Arquitectura.pt


RicHardAlmeida

Membros
  • Content Count

    16
  • Joined

  • Last visited

About RicHardAlmeida

  • Rank
    Frequentador
  • Birthday 10/22/1987

Meio Académico

  • Erasmus College
    Politechnika Gdanska
  1. Ahh!! Obrigado Pedro Barradas... Estou muito mais esclarecido!! ;)
  2. Boas pessoal!! No Decreto Lei nº.163_2006 - ACESSIBILIDADES, secção 4.5 diz: "4.5.1. A altura livre de obstruções em toda a largura dos percursos não deve ser inferior a 2 m nos espaços encerrados e 2,4 m nos espaços não encerrados." "4.5.2. No caso das escadas, a altura livre deve ser medida verticalmente entre o focinho dos degraus e o tecto e, no caso das rampas, a altura livre deve ser medida verticalmente entre o piso da rampa e o tecto." A minha dúvida é a seguinte: O que raio querem eles dizer com espaços encerrados e espaços não encerrados?? Serãos espaços com paredes laterais? Serão espaços com portas no início e fim de percurso?? ;) Uma resposta seria útil, não só para mim, mas para todos!! Cumprimentos!!XD
  3. é o que conheço...e nao tenho queixa dos resultados..pode é ficar um pouco lento visto a área ser grande.. :p
  4. boas... em minha casa acontecia mais ou menos o mesmo...a água saia nas tomadas da luz, pois a garagem estava subterranea e piso de habitação por cima...a soluçao passou por rebentar o chão da garagem e colocamos várias caixas em pontos da garagem e tubos de drene...nunca mais tivemos problemas... espero ter ajudado :p
  5. boas, podes sempre importar a planta para archicad.... depois vê este vídeo:
  6. sim...eu percebo o que dize onil... mas a questão é se também podemos argumentar que o terreno não tem aptidão agrícola, pois no artº 22º nº1, diz: "As utilizações não agrícolas de áreas integradas na RAN só podem verificar -se quando não exista alternativa viável fora das terras ou solos da RAN, no que respeita às componentes técnica, económica, ambiental e cultural, devendo localizar -se nas terras e solos classificadas como de menor aptidão, e quando estejam em causa:" :p
  7. Boas pessoal do forum!! Gostaria que me esclarecessem uma dúvida. No caso de desafectação de um lote pertecente à RAN, tem se que enviar um requerimento a "chorar-se" para que esse terreno seja utilizado com outro fim, neste caso para uma habitação unifamiliar. A questão.. Será que podemos alegar também que o solo não tem aptidão agrícola? Pois tive a ver em legislação que agora todos os solos são classificados segundo as suas aptidões, mas neste caso desconheço que esteja classificado :\ Cumprimentos :p
  8. dá uma vista de olhos em documentários, textos, etc. de Alain de Botton, onde fala como podemos fazer com que a arquitectura interaja com as pessoas; existe também uma série da BBC chamada Design Rules mais virada para a arquitectura de interiores que nos dá vários pontos de vista sobre como criar espaços agradáveis às pessoas que vão usufruir do espaço... se pesquisares um pouco irás encontrar coisas muito interessantes..:p
  9. Quanto ao subsídio de desemprego, poderemos dizer que esse arquitecto já efectuou o registo do centro de emprego, ja efectuou o estagio do IEFP e segundo sei (nao tendo exactamente a certeza), para se começar a receber o subsidio de desemprego necessita-se de ter efectuado descontos para a segurança social por um período de 180dias imediatamente anterior. Mas colectar nas finanças não é o mesmo que criar uma "empresa" para si próprio? Então, ao colectar, já não se poderá usufruir de qualquer subsidio do estado, mas sim "o que projectar, ganha", certo? E será possível "descolectar" e voltar a ser desempregado? :palmas: E se não for pedir muito, :p, poderias explicar um pouco o que são e como funcionam os recibos verdes? Pois acho que muita gente já ouviu falar mas não sabe exactamente o que significa.
  10. Boas pessoal!! Surgiu me uma dúvida sobre a qual gostaria de ser esclarecido. Aqui vai: Imaginemos a situação em que acabamos o curso e tal, inscrevemo-nos na bem dita ordem, fazemos o bem dito estágio de 9 meses...e voilá: somos arquitectos, podemos assinar projectos e tal. Quem quiser pode seguir em frente e criar a sua empresa enquanto que outros preferem trabalhar para outros arquitectos ou empresas ou até para o estado. Neste último caso, quem não arranjar trabalho pode-se dizer que está no "desemprego". A questao é: estando estes arquitectos no desemprego, a receber o subsídio de desemprego, podem eles desempenhar igualmente a função e podem assinar na mesma os projectos e pô-los na câmara etc?? e assim receber o subsidio de desemprego + valor do projecto em causa? ou seja receber dois salários ou que lhes queirarmos chamar?:p
  11. É para ricos sim senhor!! façamos as contas: pagar pelos menos (porque há quem pague mais) 5.000euros por um curso + despesas de alimentação, transporte, material, plotagens, etc. + uns 500 euros para inscrição na bem dita da ordem = ganhar uns 400euritos por mês (se pagarem) ou tar no desemprego ou esperar que clientes caiam da bananeira!! conclusão se fizessemos a escolaridade obrigatória + trabalho durante esses 5 anos = pelo menos um bom carro + talvez uma casa + quem sabe filhos + de certeza emprego certo....vale a pena pensar....mas uma coisa é certa...se não se arriscar...nao se irão obter frutos de certeza...mas a luz dificilmente se vê no fundo do tunel...
  12. ola camila! olha, eu nao sei se usas archicad, mas existe uma espécie de plugin para este programa: o "Graphisoft EcoDesigner". Só necessitas de ter o projecto em archicad, colocas todas as características do edifício (espessuras e composição das paredes e lajes, etc.) e o EcoDesigner faz te tudo... Ganhos e perdas energéticos durante Inverno e Verão, etc. No entanto podes passar pelo site do programa e ver se aquilo faz o que queres :s
  13. Boas arqueon! Nunca utilizei o revit... já vi imensas vezes trabalharem nele, mas em comparação ao archicad acho que é muito mais fácil de manusear e menos confuso. quanto às possibilidades que cada programa faz, não tendo eu conhecimento aprofundado de nenhum dos dois, tanto um como outro fazem o mesmo, incluindo essa parte de guardar as paredes de acordo com as características que queiras. Ao que me referia, em termos de representação, acontece muitas vezes nos cortes, pormenores de ligações de lajes com paredes, etc. acontecendo muitas vezes em projectos mais complexos. pessoalmente gosto de utilizar apenas o archicad para visualizar em 3d, pois é bastante rápido "levantar paredes" depois de importado de cad pa archicad. Mas é subjectivo, cada um trabalha como quer. Para quem souber MUITO de um desses programas, acho bem que trabalhei so com BIM :s
  14. meus amigos!! nao nos vamos chatear.. uma coisa é certa...é completamente diferente conceber um objecto arquitectónico para uma "malha urbana"/cidade/centro (o que lhe queirarmos chamar) e conceber para um local como o deste projecto. teoricamente é mais fácil integrar o objecto arquitectónico com a "paisagem"/envolvente quando inserido numa malha de edificios num centro de uma cidade. aí vem a história :s Se calhar era porque o plano urbanístico da cidade era como conhecemos hoje (exemplos das grandes cidades europeias) onde havia uma regra, o que nos faz percepcionar a cidade como um todo. Neste projecto em questão é um pouco diferente. É nos dado este espaço. Ao relacionarmos o objecto com a "paisagem", vamos ter e conta a "erva" e as árvores?? não temos uma regra específica, como nos centros das cidades. Penso que em termos de integração com a paisagem, até não está mal de todo. Já vi bem piores!! XD
  15. pois, mas por vezes perde-se imenso tempo no tratamento de imagem 2d em BIM, com erros de representação, o que não acontece com o cad, que é muito mais rápido. :s
×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.