Jump to content
Arquitectura.pt


JVS

Regulamento das Compensações Urbanísticas do Município de Lisboa

Recommended Posts

Empresa acusa Câmara de criar novo imposto

Regulamento vai travar projectos e reabilitação urbana de Lisboa

18.03.2009 - 22h14 Inês Boaventura

O Regulamento das Compensações Urbanísticas do Município de Lisboa, que está em apreciação pública até amanhã, vai obrigar alguns promotores imobiliários a pagar “montantes elevadíssimos e desproporcionados”, conduzindo à “paralisação” de numerosos projectos e comprometendo a recuperação urbanística da cidade. A conclusão é da CPU Consultores, e afirma que “ou as contas não foram feitas ou esta taxa de compensação terá sido concebida como um novo imposto a recair sobre o património imobiliário”.

No parecer enviado ao PÚBLICO, dois técnicos do grupo de empresas de consultoria nas áreas de arquitectura, planeamento urbano e avaliação patrimonial, garantem que a aplicação do regulamento vai ter como “consequência previsível” a “paralisação dos projectos de novas construções, de reconstruções ou ampliações de construções existentes”. E isto, sublinham, terá “efeitos perversos na recuperação dos bairros e do património da cidade de Lisboa”.

Guilherme Antunes Ferreira e João Catela explicam que se o regulamento avançar com a actual formulação “qualquer loteamento ou operação de impacto semelhante a loteamento deverá implicar a cedência ao Município de Lisboa de áreas de terreno para equipamentos públicos, zonas verdes e estacionamentos públicos”. Mas na maior parte dos casos, asseguram, “além destas cedências não serem possíveis em termos aritméticos, não têm interesse útil para a colectividade, traduzindo-se na mera aplicação de um imposto acrescido”.

Segundo o engenheiro do território e o arquitecto urbanista, “em vários casos” as taxas que vão ser cobradas aos promotores imobiliários “quadruplicarão” em relação aos valores actuais, apesar de “para a maioria dos projectos” a taxa municipal pela realização de infra-estruturas urbanísticas ser desagravada. Isto porque “não havendo cedência de terreno (o que é uma inevitabilidade para a grande maioria das parcelas urbanas onde se construam simples prédios) haverá lugar ao pagamento obrigatório de taxas, dando a entender que é esta a solução pretendida pela Câmara Municipal de Lisboa”.

O parecer da CPU contém várias simulações das taxas a pagar nos moldes actuais se o regulamento for avante, em diferentes situações e localizações da cidade. Por exemplo, para a edificação de uma construção com 1800m2 de superfície de pavimentos (área bruta habitável) num terreno devoluto em Carnide as taxas actuais são de 156 mil euros, mas poderão aumentar 202 por cento, atingindo os 470 mil euros. No Chiado, a diferença é maior, podendo as taxas passar de 206 para 931 mil euros, o que representa um acréscimo de 351 por cento.

O PÚBLICO confrontou o gabinete do vereador do Urbanismo com estas críticas, mas não obteve resposta

http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1369827

Share this post


Link to post
Share on other sites

Please sign in to comment

You will be able to leave a comment after signing in



Sign In Now

×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.