Jump to content
Arquitectura.pt


JVS

Sou Fujimoto | Entrevista

Recommended Posts

Fantasporto 2009: Sou Fujimoto defende um "futuro primitivo" para a arquitectura

Marcadores: Arquitectura , Cinema , Fantasporto , Porto

Primeira conferência do ciclo “Nas Ruínas do Futuro” contou com a presença do premiado arquitecto japonês. Novos conceitos de arquitectura estiveram em debate no Fantasporto.

O arquitecto japonês Sou Fujimoto encheu o Grande Auditório do Rivoli, numa sessão em que foram apresentados os projectos do colectivo “Sou Fujimoto Architects”, incluindo a Casa de MadeiraCasa de Madeira, o projecto vencedor do World Architecture Festival, em Barcelona, que apresenta uma estrutura baseada num tipo de encaixe tradicional japonês.

Sou Fujimoto apresenta uma nova propostaproposta: “no floor, no pillar, no stairs but gradation of field”. Assim, mistura os conceitos como "natureza", "cidade" e "casa", com a noção de que “espaço é relacionamento”.

Um dos grandes projectos da equipa Sou Fujimoto Architechts é o Centro de Reabilitação Psiquiátrica de Crianças, em Hokkaido, no Japão. O espaço desenvolvido não só é uma grande casa, como é também uma pequena cidade. O orador salienta que, apesar de a disposiçãodisposição das caixas não o aparentar, o projecto é o resultado de um design bastante preciso e pensado.

A "House O” e a “House N” são outras propostas deste arquitecto japonês. Conceitos como continuidade, gradaçãogradação, escalas, camadas, interior e exterior são as grandes características destes projectos.

Numa altura em que as questões ambientais estão na ordem do dia, Sou Fujimoto acredita que é tempo para repensar a era moderna de excesso de controlo. Como tal, o ser humano deve aprender a adaptar-se, em vez de tentar controlar.

Na conferência ainda houve tempo para falar sobre os novos planos do colectivo Sou Fujimoto Architechts. No próximo mês, começa a construção de uma biblioteca em Tóquio, que estará pronta na próxima Primavera, e, em Outubro, estará pronto o irreverente "Tokyo Apartment".

in http://jpn.icicom.up.pt/2009/02/18/fantasporto_2009_sou_fujimoto_defende_um_futuro_primitivo_para_a_arquitectura_.html



Fantasporto

Fujimoto defende que o futuro da arquitectura está no relacionamento íntimo com a natureza

O revolucionário e multipremiado arquitecto japonês Sou Fujimoto, 38 anos, defendeu hoje, no Porto que «a arquitectura só terá um papel fundamental no futuro se criar um relacionamento adequado com a natureza»

O arquitecto, que se encontra no Porto para participar no ciclo sobre ‘Cinema e Arquitectura’ que o 29.º Fantasporto organiza conjuntamente com a Secção Regional do Norte da Ordem dos Arquitectos, no âmbito do qual proferiu uma conferência sobre ‘As Ruínas do Futuro’.

Em entrevista, Fujimoto afirmou que o seu objectivo é «combinar a natureza e a arquitectura, explorar de forma a criar um novo relacionamento entre o interior e o exterior e adaptar a tradição japonesa ao conforto da vida moderna».

«A vida moderna é muito complicada, acho que é preciso que a arquitectura melhore a vida dos cidadãos, oferecendo-lhes formas simples para viver» , afirmou.

Preocupado com a ecologia e as mudanças climáticas, Fujimoto, que gosta de trabalhar a ouvir peças para piano de Bach, acha que «é hora de repensar a matriz da cultura moderna de procurar controlar tudo».

«Se construirmos as nossas casas a pensar no ambiente, numa relação mais íntima com a natureza não vamos precisar de usar tanto o ar condicionado ou o aquecimento» , defendeu.

Fujimoto, que cita entre as suas maiores referências no cinema o realizador clássico japonês Yasujiro Ozu (1903/1963) e filmes como Blade Runner (1982) e Metrópolis (1927), pelas visões do futuro que transmitem, cresceu no Norte do Japão, rodeado de florestas, pelo que a natureza é para ele «fundamental».

O seu ídolo era Einstein e queria ser físico como ele «para poder compreender e intervir nos aspectos físicos do mundo».

«Mas não tive notas para entrar em Física, fui para Arquitectura. Hoje acho que há muitas semelhanças na investigação e na prática nestas duas disciplinas, de certa forma estou também a intervir nos aspectos físicos do mundo» , disse.

Qualifica o seu trabalho como «arquitectura primitiva do futuro», porque procura criar espaços que funcionam como cavernas ou ninhos - os dois estados embrionários da arquitectura - «mas onde tudo está concebido de forma muito funcional e onde, ao mesmo tempo, as pessoas possam usar o espaço de forma criativa».

Privilegia a função sobre a forma e nisso a sua arquitectura aproxima-se muito da escola do Porto de Arquitectura e de Siza Vieira, um dos seus ídolos.

Só que Siza trabalha com betão e Sou Fujimoto trabalha sobretudo com madeira, o material fundamental da arquitectura tradicional japonesa, que procura projectar no futuro.

A sua Next Generation House (Casa para a Próxima Geração) é um cubo de quatro por quatro metros, feito com grossos barrotes de cedro japonês, entrecruzados e dispostos como um puzzle de forma a criar espaços para viver.

«O espaço condiciona o relacionamento entre as pessoas e a arquitectura gere as gradações desse relacionamento. Gosto de criar espaços intermédios e não só paredes que separam espaços e pessoas. Por isso, embora as minhas obras pareçam complexas, por causa da sua forma geométrica, são de facto muito simples» , considerou.

Sou Fujimoto faz sobretudo habitação unifamiliar, mas está agora a construir uma grande biblioteca em Tóquio e fez já vários projectos na área hospitalar. Confessa, contudo, que «as obras mais pequenas e com menores orçamentos oferecem maiores possibilidades criativas».

Le Corbusier e Mies van der Rohe são algumas das suas referências fundamentais, a par de Siza Vieira, cuja obra pôde agora ver ao vivo nesta visita, em que também descobriu o Porto, «uma cidade absolutamente fascinante, maravilhosa e única, no seu relevo forte e na sua tridimensionalidade».

O Porto, que para Fujimoto era, até agora, apenas, «a cidade de Siza Vieira», tem «uma forte relação com o seu entorno físico e adapta-se a ele de uma forma admirável, pelo que tem já em si algo da cidade do futuro».

Lusa / SOL

in http://sol.sapo.pt/PaginaInicial/Cultura/Interior.aspx?content_id=126456

Share this post


Link to post
Share on other sites

Please sign in to comment

You will be able to leave a comment after signing in



Sign In Now

×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.