Jump to content
Arquitectura.pt


xtamine

complexo de piscinas cobertas em betão

Recommended Posts

ok, obrigado por todas as sugestões...vou ter que rever o trabalho, porque a minha ideia é uma imposição que está a condicionar aspectos importantes do mesmo. será que poderia ter todo o edificio revestido a pedra?porventura o problema acustico manter-se-ia, não?ou lajetas de betão? abraço

Share this post


Link to post
Share on other sites

A estrutura do edificio pode ser o que quiseres mas visto de dentro tem que existir material a absorver som.... ou entao tens aberturas para o exterior que funcionam como elementos de absorção perfeitos mas acho que não é esse o objectivo. A pedra, como a alvenaria, pladur, betao sao materiais reflectores

Share this post


Link to post
Share on other sites

ok, compreendo. A nivel acustico deve confessar que nao entendo muito, ha as questões de absorção, dissipação, isolamento, etc....mas será que tendo aberturas resolve?ou pelo menos atenua esse efeito?eu tenho uma "tripa", com as duas piscinas, dividido por um claustro interior em vidro, com um patio exterior. quando fala em aberturas refere-se a este exemplo, ou teriam que ser aberturas no verdadeiro sentido?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Em Acustica basicamente tens tres fenomenos relativamente a acustica interior : reflexao, absorçao e difusao. Depois tens o isolamento acustico que tem a ver com a transmissao de som. Reflexao : o som bate numa superficie e é reenviado para a sala. O angulo de incidencia é igual ao angulo de reflexao Absorçao : o som bate numa parede e é absorvido... convertido em calor. Nao é reeenviado para a sala Difusao: o som bate numa superficie e é reenviado para a sala. Mas o som é espalhado pela sala pois o som é dispersado para várias direcções Transmissão: uma parte do som que bate numa parede, nao é absorvida nem reflectida por esta e é transmitida para o espaço exterior ou interior (conforme a localizaçao da fonte sonora). Uma janela, deixa escapar a 100 % o som que é gerado numa sala. Funciona como um material 100 % absorsor (coeficiente de absorçao igual a 1).

Share this post


Link to post
Share on other sites

como disse, o projecto para a nave das piscinas é composto por piscina de aprendizagem+pátio exterior+piscina de competiçaõ. Tenho um vão que abre para o exterior, na piscina de competição, com 2,5x12,5m, e no pátio que divide os dois tanques, as dimensões sao as mesmas, funcionando numa espécie de claustro fechado todo em vidro. Na piscina de aprendizagem não há qualquer tipo de abertura para o exterior, a nao ser os lanternins...No entanto, dentro desta "tripa", chamemos-lhe assim, ha algumas aberturas nas paredes laterais, onde se encontram gabinetes, e arrumos...será suficiente?e havendo estes espaços, tipo nichos, nas paredes laterais, poderão atenuar a reflexão do som?

Share this post


Link to post
Share on other sites

bom dia Deixo em anexo uma planta da nave das piscinas, que espero seja suficientemente compreensivel para explicar o projecto. Será com alguma mágoa que terei que alterar as premissas do trabalho por problemas acusticos, mas pelo menos gostaria de saber se com esta solução o problema poderá ser atenuado. abraço

Share this post


Link to post
Share on other sites

Se aquela zona do patio exterior for aberta terá em principio o problema resolvido. Digo em principio porque teria que executar o projecto para confirmar as minhas suspeitas. Mais vale alterar o projecto e ter o espaço funcional do que depois ter surpresas no fim, depois da obra estar acabada

Share this post


Link to post
Share on other sites

ok, mas sendo um projecto académico penso que prevalecerá o conceito em relação á funcionalidade. No entanto, sendo patio é aberto para o exterior, encerrado para o interior atraves de panos de vidro, pelo menos atenua o efeito?

Share this post


Link to post
Share on other sites

vou tentar saber quais os valores aconselhados...tenho essa informação, e assim que souber colocarei os mesmos aqui, para tentar perceber se será suficiente o esquema que tenho... obrigado

Share this post


Link to post
Share on other sites

oi xtamine: vi aqui a planta a piscina e acontece q tenho uma familiar ex-federada em natação q fez parte de uma aquipa pelo q faço algumas chamadas de atenção em relação aos espaços de piscinas com dimensões para natação pura: - as pistas tem "bloco", de onde os nadadores efectuam a entrada na piscina (na imagem não os vi indicados, será q a escala da imagem .jpj não permite serem vistos? ou não estão contemplados?) - normalmente as piscinas que têm treinos de competição também têm provas de competição, o q obriga a ter bancadas para os elementos das equipas visitantes, treinadores e amigos/familiares e geralmente estão divididos em dois espaços, um para atletas outro para público geral. compreendo q a imagem anexada é apenas uma pequena parte do projecto onde não estão todas as opções, mas sendo estes aspectos importantes para o funcionamento deste tipo de equipamento refiro-os. quanto à acústica tenho possibilidade de pedir a opinião de um técnico de som sobre os materiais q se podem utilizar neste tipo de ambiente onde existem fontes de barulho pouco usuais como aquele som característicode de sprint q os atletas fazem durante os treinos e q se assemelha muito ao motor de um barco, hehe. sei q a aplicação de pedra com acabamento bujardado muito irregular é possivel em algumas superfícies bem como a de placas de madeira perfurada mas assim q tiver mais fundamentada sobre a questão da aplicação de materiais em piscina e a relação com a qualidade acústica direi mais alguma coisa.

Share this post


Link to post
Share on other sites

oi som e acustica: é verdade q a pedra é reflectora e longe de mim estar a sugerir a sua aplicação extensiva a grandes áreas numa piscina até porque tudo depende da conjugação de materiais e mesmo a pedra, dependendo da sua forma de aplicação, dimensões e relação entre as placas pode ser incluída, por exemplo num painel onde além d ser bujardado apresente angulos entre as placas (não sendo portanto um plano uniforme mas dinâmico) q permita a anulação de "fase" e contrarie o efeito reflector. estas e decerto muitas outras ideias associadas às soluções técnicas já avançadas aqui podem ser um bom exemplo de colaboração entre as diferentes especialidades q intervêem num projecto. quanto às placas de madeira já existem materiais para aplicar em zonas húmidas e se bem q o seu custo seja elevado, julgo q por se tratar de um projecto académico, esse não deverá ser um factor limitador da criatividade do aluno, até porque julgo q o q se pretende é abordar diferentes possibilidades e eventualmente comparar custos para se ter noção da realidade, mas num projecto académico os objectivos a atingir são diferentes dos q um arquitecto licenciado terá de cumprir. quanto à uniformidade q se pretende na lage de cobertura na sua transição de zona exterior para a zona interior, o melhor mesmo é a utilização como camada de acabamento final o tal betão "leve" q já aqui foi abordado e existe também betão estrutural q tem incluída na sua composição materiais q lhe conferem propriedades de isolamento acústico (uma pesquisa na net resolve o assunto e existem actualmente uma série de livros no mercado sobre novos materiais q podem ser discretamente consultados nas grandes superfícies, alguns deles com os endereços para sites na net). na questão dos materiais reflectores/absorsores uma forma simples de abordar a questão é pensar no seguinte: estes factores estão associados à densidade do material, logo quanto mais denso for mais reflector, e quanto menos denso ("leve" para simplificar) menos reflecte. esta é uma questão entre outras questões q poderiamos exaustivamente abordar e muitas delas já o foram pelo som e acustica ( e muito bem), outra tem a ver com a rugosidade do acabamento da superficie: se o material ficar com um acabamento completamente liso, as ondas de som ao baterem voltam para trás como se fossem um espelho, se for um acabamento mais rugoso ou mesmo completamente irregular (imagine-se uma parede com piramides ou cubos em diferentes ângulos) as ondas ao chocarem com a superfície são refectidas em diferentes direcções, e com o estudo apropriado até podem "embater" umas nas outras e anularem-se ( a tal anulação de fase), outras voltam a embater nas saliencias e vão-se dissipando, mas a aplicação de um material absorsor continua a ser válida e indispensável, e por exemplo, se estiver em questão a aplicação de placas de betão onde se decida tirar partido visual e estético de furos ou circulos nessa superfície para criar a tal irregularidade, isso não funcionará se não for aplicado um material absorsor por detrás dessas placas. mas, tudo depende dos materiais e zonas, pelo q compreendo q refira q só com a execução do projecto acústico se poderia validar ou não o projecto, e q podem ser necessárias alterações e rectificações, por isso a colaboração é tão importante e pena é q as faculdades não ofereçam essa possibilidade de intercâmbio de conhecimento entre os diferentes cursos. por esse mesmo motivo é louvável e muito positiva a troca de ideias q o fórum permite e desde já a disponibilidade do som e acústica para ajudar e divulgar as soluções q tem apresentado neste e noutros tópicos. obrigada.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Uma correçao apenas. O facto da parede ter diferentes profundidades, como sugere, torna a parede num difusor acústico. Um difusor acústico continua a ser reflector. Mas espalha o som pela sala. É bastante usado em salas de uso musical como auditórios para manter a sala viva, e no entanto livre de defeitos acústicos.

Pode ver vários tipos de difusores e as suas especificações técnicas em :

http://www.someacustica.com/someacustica/index.php?page=difusores-2


Numa piscina o objetivo é reduzir a reverberação, logo é fundamental a colocação de material absorvente.

na questão dos materiais reflectores/absorsores uma forma simples de abordar a questão é pensar no seguinte: estes factores estão associados à densidade do material, logo quanto mais denso for mais reflector, e quanto menos denso ("leve" para simplificar) menos reflecte.

Embora na maior parte dos casos os materiais leves sejam mais absorventes, o que define a absorçao porosa (porque existem vários tipos de absorsores) é o fluxo de resistividade e não a densidade. Mas isto era um tópico de dava "pano para mangas" e muitas formulas matemáticas.

quanto às placas de madeira já existem materiais para aplicar em zonas húmidas e se bem q o seu custo seja elevado, julgo q por se tratar de um projecto académico, esse não deverá ser um factor limitador da criatividade do aluno, até porque julgo q o q se pretende é abordar diferentes possibilidades e eventualmente comparar custos para se ter noção da realidade, mas num projecto académico os objectivos a atingir são diferentes dos q um arquitecto licenciado terá de cumprir.

Eu concordo consigo, mas o meu alerta era igualmente relativo à la de rocha e não à madeira... a madeira nao absorve som, quem absorve é a la de rocha que com execesso de humidade ou em contacto com a água nao conjuga muito bem, pelo menos dos exemplos que vi. Pode-se sempre pensar em usar espuma acústica conjugado com as placas de madeira, mas a unica que conheço e que é eficaz contra a humidade (Quash) tem uma absorção acústica muito fraca. Existem neste momento soluções de material absorvente que já são resistentes ao fogo e à humidade (ver http://www.someacustica.com/someacustica/index.php?page=espacos-publicos) que não precisam de la de rocha ou espumas acústicas.

esta é uma questão entre outras questões q poderiamos exaustivamente abordar e muitas delas já o foram pelo som e acustica ( e muito bem), outra tem a ver com a rugosidade do acabamento da superficie: se o material ficar com um acabamento completamente liso, as ondas de som ao baterem voltam para trás como se fossem um espelho, se for um acabamento mais rugoso ou mesmo completamente irregular (imagine-se uma parede com piramides ou cubos em diferentes ângulos) as ondas ao chocarem com a superfície são refectidas em diferentes direcções, e com o estudo apropriado até podem "embater" umas nas outras e anularem-se ( a tal anulação de fase)

Essa anulação de fase que refere só acontece em algumas frequências, enquanto noutras o som é amplificado. Alias isso é comum ocorrer em paredes lisas (efeito comb filtering observado em estúdios de música) e nao em difusores acústicos.

Share this post


Link to post
Share on other sites

boa tarde... Lamento não ter respondido ás questões levantadas mais cedo, mas estou cheio de trabalho, uma vez que o prazo para a entrega está a aproximar... Agradeço a ajuda disponibilizada, e quão importante é ouvir as opiniões dos outros... Vou tentar responder ás questões levantadas por Aaliz... O caracter que propus para este complexo seria de lazer, não dando muita importancia ao caracter competitivo, mas sem o colocar inteiramente de parte...Isto porque a piscina tem 25x12,5m, o que permite apenas competições regionais, mas não tem bancada para o efeito. Sendo de lazer, decidi dotar este espaço com um tanque que possibilita-se a realização de competições, e o espaço destinado a bancada poderia ser colocado, ora no patio interior, ora no exterior... Essa questão da bancada foi um grande "problema" para resolver, devido a certas incongruencias que possam existir na leitura do projecto, mas a realidade é que não existe...Posso dizer que quero impor um costume, em que se retorna ao espaço piscina para habitar, usufruir, e não tanto para assitir.Pretendia que fosse algo comunitário (faço referencia ás termas romanas pelo caracter social e ludico desses espaços), familiar, de convivio. Relativamente aos blocos de partida, eles estão desenhados, apenas disimulados com a esteriotomia do pavimento... Como disse, o caracter do complexo piscinas é de lazer, mas tem as infra-estruturas para qualquer tipo de utilização, com excepção de saltos e polo aquático. Tentarei o quanto antes colocar o projecto todo aqui, mas espero que comprendam que nesta altura é complicado...falta um mês para terminar... No entanto, e relativamente á minha intenção de desenhar todo o edificio em betão, gostaria de manter essa mesma imagem...e para isso pensei em duas opções conjugadas...Primeiro, as interiores seria feitas em betão celular, dito leve, e em segundo, a cofragem seria desenhada de modo a ter uma superficie com algumas saliencias na parede....A cofragem seria em reguas de madeira, mas com espessuras diferentes, de modo a criar "vazios" na parede contínua...Será que é suficiente para defender a minha ideia? Abraço...

Share this post


Link to post
Share on other sites

sim senhor xtamine, perfeitamente suficiente a explicação sobre o conceito da piscina. entendido e parece-me muito bem, além do q as questões q foram aqui levantadas estão perfeitamente contempladas e resolvidas com muita arquitectura, astúcia e engenho,hehe:palmas:, aprendemos todos com este projecto e deu azo a uma boa troca de ideias, quero agradecer mais uma vez os esclarecimentos q o som e acustica deu. xtamine, espero q corra tudo bem com a entrega de trabalho e q possamos ver aqui o projecto completo quando for possível.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Please sign in to comment

You will be able to leave a comment after signing in



Sign In Now

×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.