Jump to content
Arquitectura.pt


tatlin

Pavimento alijeirado?

Recommended Posts

Um pavimento aligeirado é uma laje de piso. Existem dois tipos de pavimentos aligeirados: O primeiro é a vulgar laje constituída por vigotas pré-esforçadas dispostas paralelamente umas às outras, estando o espaço entre elas preenchido por blocos de aligeiramento (daí o seu nome) os quais servem de cofragem perdida a uma camada de betão complementar, a qual costuma ter cerca de 5 cm. A resistência à flexão é dada unicamente pelas vigotas. No entanto, para que as mesmas possam funcionar como laje. têm que receber a tal capa de betão - betão complementar ou camada de compressão - a qual é armada com uma malha de aço (usualmente Malhasol) para proceder a uma distribuição espacial das cargas aplicadas. Como blocos de aligeiramento mais usuais destacam-se as abobadilhas cerâmicas, os blocos de betão e os blocos de esferovite. Estas lajes trabalham numa direcçã e a sua deformada é do tipo cilindrico. O outro tipo de pavimentos aligeirados são aqueles constituídos por nervuras de betão resistente moldadas, in situ, intercaladas por elementos aligeirantes, que podem ser moldes de plástico recuperáveis, também designados de "cocos" e que vulgarmente são empregues em estacionamentos e em caves; existem também moldes de esferovite, blocos de betão leve do tipo Ytong e de argila expandida do tipo Leca, conferindo estes últimos um tecto absolutamente horizontal, contrariamente aos cocos que uma vez retirados deixam a sua marca no betão. À semelhança dos pavimentos com vigotas, deverá também existir uma camada de betão por cima dos blocos aligeirantes de 5 cm, devidamente armada. Estas lajes usualmente apoiam-se em 3 ou mais lados (paredes ou vigas) e têm uma deformada diferente da cilíndrica; habitualmente estas lajes costumam designar-se por lages nervuradas ou lajes maciças aligeiradas para se distinguirem das do primeiro tipo.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Os pavimentos aligeirados não favorecem o isolamento sonoro, porque os blocos de aligeiramento ou abobadilhas são ocas, fazendo delas uma caixa de ressonância. O mesmo acontece aos soalho flutuante, que por estar assente sobre uma estrutura reticulada de madeira, e caso nao seja devidamente isolada, faz com que se ande em cima de um tambor. Uma forma de melhorar seria encher os espaços vazios do interior das abobadilhas com um material leve tipo poliuretano. P.S. - Também uma forma de minimizar é aplicar o pavimento sobre uma tela, evitando-se que o efeito sonoro de percussão não passe também para as paredes.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Existe aqui outra questão que será a devida massa do piso versus isolamento exigido.



Já agora podes desenvolver qual a conclusão a tirar?


no exame perguntavam porque é que o pavimento aligeirado é mal no isolamento sonoro. e como se poderia melhorar esse aspecto



...e já que estás com a mão na massa, como é que se poderia responder a esta pergunta?

Share this post


Link to post
Share on other sites

pode ser por questões de ressonancia nas caixas de ar ou simplesmente porque a laje nao tem a espessura ou massa para atingir o valor de isolamento pretendido. Qual é a densidade e peso da laje ? E que tipo de isolamento estamos a falar ? Aereo, percussao ?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Já agora podes desenvolver qual a conclusão a tirar?





...e já que estás com a mão na massa, como é que se poderia responder a esta pergunta?




A segunda questão já foi respondida pelo Rui Fernandes mas de qualquer forma, uma das forma mais simples de "melhorar" mas nunca resolver, será aplicar o pavimento sobre uma tela ou uma folha de aglomerado de cortiça, que faz com que o efeito sonoro seja absorvido praticamente da sua totalidade (excepto os tacões das senhoras :D)
A cortiça é um dos melhores materiais para resolver problemas acusticos.

Share this post


Link to post
Share on other sites

A cortiça é um dos melhores materiais para resolver problemas acusticos.


Says who ? Na minha opinião a cortiça está completamente ultrapassada por novos materiais já existentes no mercado, com melhor rendimento e até eventualmente melhor preço. A cortiça tem uma vantagem que é a sua durabilidade e pode ser eventualmente eficaz a nivel de isolamento a sons de percussão mas isolamento sonoro a sons aéreos nem por isso.

Para te dar um exemplo, os dias de hoje por exemplo ninguem usa cortiça (que eu conheça e conheço muitos designers de estúdios) para a construção de estúdios de musica onde o isolamento necessário é bastante elevado.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Eu não disse que o aglomerado de cortiça é o melhor material de isolamento acustico ou disse?

"A cortiça é um dos melhores materiais para resolver problemas acusticos"

e não estou a defender esta ou aquela solução ou material, subentenda como quiser...
acredito que existam materiais actualmente com melhores qualidades e comportamentos, não falo porque não conheço. Cumprimentos

Share this post


Link to post
Share on other sites

O meu comentário não foi procurar ofender ninguem mas saber o porque dessa afirmação, já que em Portugal se assume que o material X ou Y é bom apenas porque se ouviu dizer e não devido a factos cientificos. Se acha que é um dos melhores materiais diga então porque e qual a sua aplicação. Comecemos pelo inicio que é a questão de resolver problemas acústicos, quais exactamente ? Isolamento a sons de percussao ? A sons aéreos ? Isolamento de baixas frequências ? Absorção ? Difusao ? Que problemas em concreto ? Em quais destes problemas a cortiça é aplicada ?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Já agora tenho uma dúvida, será que utilizar um material mais leve na substituição do inerte do betão armado, estou pensando num tipo "Leca" ou mesmo pedra-pomes, para além de reduzir o peso da laje dando-lhe talvez uma menor espessura, pode reduzir a propagação de sons de percussão?

Share this post


Link to post
Share on other sites

O inconveniente de usar esse material mais leve é a perda de isolamento a sons por condução aérea. Relativamente a sons de percussão, eventualmente pode haver algum melhoramento mas nunca ao ponto de se atingir valores abaixo dos limites legais. Esse tipo de material continua a ser um material rigido e continua a deixar passar vibrações.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Obrigado Som e Acustica... "contra factos não à argumentos"...rsrsrsr Realmente o estudo vem desmistificar muitas das ideia preconcebidas, no entanto deixa a duvida sobre a melhor forma de isolar, sendo as soluções testadas muito variadas, levanta um problema em que demonstra que este tipo de laje é ineficiente. Gostava de saber qual seria a solução com melhor desempenho no que se refere a custo/beneficio? O estudo não esclarece se as vigas usadas são pré-esforçadas... eu penso que sim.

Share this post


Link to post
Share on other sites

O tipo de isolamento acustico que me referia é precisamente igual a este exemplo;

http://www.isocor.pt/pt/regranulado.pdf

Em relação ás questões que me colocou, confesso que não estou á vontade nem tenho conhecimento suficiente para lhe responder a todas as questões, apenas tenho umas noções sobre isolamentos acusticos e termicos, quando uma situação especifica requer outra abordagem e respostas objectivas eu naturalmente contacto pessoas especializadas.

Eu pessoalmente considero que o aglomerado de cortiça tem melhores caracteristicas do que muitos outros materiais novos que são comercializados actualmente, é um produto natural logo "amigo" do ambiente, 100% natural, é inalterável e eficiente, é reciclável, não inflamavel, e não absorve agua.

Acredito que existem outros materiais artificiais com caracteristicas parecidas ás da cortiça, mas tem que assumir que é um material muito bom, como naturalmente haverá outros.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Dei uma olhada no documento que colocou aqui.

A maior parte dos exemplos dados nesse PDF sao referentes a piso e concordo que seja talvez a única solução onde a cortiça terá a sua grande aplicação. No entanto no PDF nao vejo nem um único valor referente a Ln,W, logo nao se pode pronunciar nada sobre o mesmo.

Os coeficientes de absorção acústica estão mal caracterizados, devendo estar ou explicitados em frequencia ou pelo valor de NRC. No entanto pressupondo que os "graves médios e agudos" sao as bandas de oitava de 125-250, 500-1000 e 2000-4000 posso dizer que os valores indicados sao relativamente baixos quando comparados com outros produtos que têm basicamente valores de 1 entre os 500-4000 Hz

http://www.someacustica.com/imagens/rpg/Reapor.pdf


Mutos dos antigos estúdios de música usavam cortiça, como disse anteriormente quase nenhum deles actualmente usa.

Outra questão que me incomoda é saber se de facto o produto é resistente ao fogo e ao fogo/água. Aqui na empresa temos material sintético resistente ao fogo (classe 0) que NÃO é resistente à agua. E temos material que é resistente tanto a água como ao fogo. E sinceramente nao vejo como este tipo de material à base de cortiça possa por exemplo ser usado numa piscina (mas posso estar enganado pois nao existem elementos suficientes para dizer que sim ou que nao, é apenas a minha opinião pessoal, mas nao tenho informação suficiente para ter uma opinião correcta). Mas pelo menos o material que usavam nos estúdios de música (que nao sei se é igual a este ou nao) certamente nao é à prova de água pela minha experiencia.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Please sign in to comment

You will be able to leave a comment after signing in



Sign In Now

×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.