Jump to content
Arquitectura.pt


Peter

Praia da Amorosa, Viana do Castelo | Habitação Unifamiliar | João Álvaro Rocha

Recommended Posts

O aço corten é... adorável (estou a exagerar)... Foi o primeiro material que usei numa proposta do 1º ano. A característica de se adaptar (mais ou menos) conforme o ambiente, ficar com características que podem diferir um pouco tanto em tempos de cor como de textura é inesperado dentro do controlável. Claro que foi propositado e uma escolha cuidadosa do material respira-se pormenor neste "barracão" hahaha onde é que vivemos todos? Em barracões uns mais giros que outros ou mais sofisticados... que outros. As escadas de entrada num único elemento formal que quase toca na casa e resolve os problemas que se teria ao encostar aqueles dois materiais estando eles em bruto, e ao mesmo tempo se desenha esse mesmo pormenor/ solução é de uma grande riqueza, na semelhança, entre muitos exemplos temos a casa no Alentejo dos Aires Mateus com a mesma pedra de entrada (um único degrau) monolitizando a forma, deixando também uma fresta desta vez para aquele enorme “portão” deslizar entre este e a habitação. Não percebo tanto os muros mais altos. Se calhar com as plantas percebia. N li todos os comentários... peço desculpa se já foi respondido mas há plantas desta casa? Sem ser no livro... cumps

Share this post


Link to post
Share on other sites

Concordo que essa procura por uma relação com a decadência do sector das pescar seja real e até a acho bem interessante, apenas contesto quando essa intenção esbarra com a existência de outros materiais, que acabam por se degradar em virtude dela. A questão aqui, tanto quanto me parece, não são as bases conceptuais da proposta, mas a forma como elas influenciam a vivência da casa, a menos que a intenção do arquitecto e dos proprietários fosse levar essa relação de decadência tão longe, que as próprias madeiras, como acontecerá nos barracões dos pescadores, revelem essa degradação e inclusivamente funcionem mecanicamente mal.

Seria interessante perceber como é que os proprietários vêm esta evolução do projecto, como encaram a degradação precoce das madeiras, tendo em conta que certamente que já estariam à espera do "babar" do aço corten...

O DREAMER induica a degradação da madeira.... esta seria menos notada se tivesse sido usado um óleo resitente em vez de verniz, que acaba por "estalar".

Share this post


Link to post
Share on other sites

Concordo que essa procura por uma relação com a decadência do sector das pescar seja real e até a acho bem interessante, apenas contesto quando essa intenção esbarra com a existência de outros materiais, que acabam por se degradar em virtude dela. A questão aqui, tanto quanto me parece, não são as bases conceptuais da proposta, mas a forma como elas influenciam a vivência da casa, a menos que a intenção do arquitecto e dos proprietários fosse levar essa relação de decadência tão longe, que as próprias madeiras, como acontecerá nos barracões dos pescadores, revelem essa degradação e inclusivamente funcionem mecanicamente mal.

Seria interessante perceber como é que os proprietários vêm esta evolução do projecto, como encaram a degradação precoce das madeiras, tendo em conta que certamente que já estariam à espera do "babar" do aço corten...

O DREAMER induica a degradação da madeira.... esta seria menos notada se tivesse sido usado um óleo resitente em vez de verniz, que acaba por "estalar".

Share this post


Link to post
Share on other sites

O DREAMER induica a degradação da madeira.... esta seria menos notada se tivesse sido usado um óleo resitente em vez de verniz, que acaba por "estalar".


óleo resistente? óleo? percebes alguma coisa de tratamento de madeiras?

Gonçalo_leite, acho que a minha prof de historias nao se chama assim lol... mas pk esse comentario? tb fiquei curioso.. :)
Utilizei essa expressão apenas porque estou em aprendizagem e ainda me questiono muito sobre questões da arquitectura.. então, isso acontece porque não gosto de desenvolver uma critica sem ter percebido tudo que, nesta situação, fes parte do projecto. Seria necessario ler uma memoria do arquitecto, conhecer o programa e qualquer outra informação pertinente. Isto acontece-me em qualquer projecto, ter a certeza daquilo que falo, que ainda nao tenho.

Abraços

Share this post


Link to post
Share on other sites

O DREAMER induica a degradação da madeira.... esta seria menos notada se tivesse sido usado um óleo resitente em vez de verniz, que acaba por "estalar".


óleo resistente? óleo? percebes alguma coisa de tratamento de madeiras?

Gonçalo_leite, acho que a minha prof de historias nao se chama assim lol... mas pk esse comentario? tb fiquei curioso.. :)
Utilizei essa expressão apenas porque estou em aprendizagem e ainda me questiono muito sobre questões da arquitectura.. então, isso acontece porque não gosto de desenvolver uma critica sem ter percebido tudo que, nesta situação, fes parte do projecto. Seria necessario ler uma memoria do arquitecto, conhecer o programa e qualquer outra informação pertinente. Isto acontece-me em qualquer projecto, ter a certeza daquilo que falo, que ainda nao tenho.

Abraços

Share this post


Link to post
Share on other sites

Era o que estava a escrever!
Estou em crer que a escolha do aço corten foi mesmo propositada: o Rocha não costuma deixar estes aspectos ao acaso. Talvez uma analogia com os cascos dos navios abandonados no porto de Viana?


Quem eh que gosta de morar numa habitacao enferrujada?

E qual eh a sensacao de mexer naquelas portas? E a moradia nao tem um espaco privado em redor da habitacao?

Parece muito vulneravel.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Era o que estava a escrever!
Estou em crer que a escolha do aço corten foi mesmo propositada: o Rocha não costuma deixar estes aspectos ao acaso. Talvez uma analogia com os cascos dos navios abandonados no porto de Viana?


Quem eh que gosta de morar numa habitacao enferrujada?

E qual eh a sensacao de mexer naquelas portas? E a moradia nao tem um espaco privado em redor da habitacao?

Parece muito vulneravel.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Sá:Helio "óleo resistente? óleo? percebes alguma coisa de tratamento de madeiras? " Por acaso até posso perceber algo sobre madeiras. Alguma coisinha. Pelos vistos Sá.Helio , é como dizes, estás em aprendizagem de arquitectura.. e não só. Se tens alguma dúvida que o óleo resiste muito mais que um verniz...pergunta-te porque será que muitos fabricantes estão a enveredar pelos óleos em detrimento dos vernizes...deve ser por delírio não? E quando passares por uma casa com madeiras no exterior acabado a verniz, comtempla o seu estalar..deve ser bonito.... PS:Sá. Hélio não te aconselho a meter óleo do motor do carro nas madeiras....podes gripar o motor... VDCDL

Share this post


Link to post
Share on other sites

Sá:Helio "óleo resistente? óleo? percebes alguma coisa de tratamento de madeiras? " Por acaso até posso perceber algo sobre madeiras. Alguma coisinha. Pelos vistos Sá.Helio , é como dizes, estás em aprendizagem de arquitectura.. e não só. Se tens alguma dúvida que o óleo resiste muito mais que um verniz...pergunta-te porque será que muitos fabricantes estão a enveredar pelos óleos em detrimento dos vernizes...deve ser por delírio não? E quando passares por uma casa com madeiras no exterior acabado a verniz, comtempla o seu estalar..deve ser bonito.... PS:Sá. Hélio não te aconselho a meter óleo do motor do carro nas madeiras....podes gripar o motor... VDCDL

Share this post


Link to post
Share on other sites

Quanto ao óleo na madeira já o siza o fazia quando projectou as piscinas de leça... há 40 anos!!


Sem dúvida que sim.
Esta técnica do óleo já era usada há séculos para proteger as madeiras no exterior.

Actualmente os óleos tem uma diferença que é a de aguentarem muito mais tempo as condições atmosféricas. Permite que este penetre na madeira e não crie película e não descasque como os vernizes.
VDCDL

Share this post


Link to post
Share on other sites

Quanto ao óleo na madeira já o siza o fazia quando projectou as piscinas de leça... há 40 anos!!


Sem dúvida que sim.
Esta técnica do óleo já era usada há séculos para proteger as madeiras no exterior.

Actualmente os óleos tem uma diferença que é a de aguentarem muito mais tempo as condições atmosféricas. Permite que este penetre na madeira e não crie película e não descasque como os vernizes.
VDCDL

Share this post


Link to post
Share on other sites

O tratamento de madeiras com oleos (de origem vegetal ou mineral) é o que aconselho, não formam peliculas, são resistentes à intempéries, "hidratam a madeira", podem ter aditivos (protectores UV; pigmentos, etc...)
O senão, precisam de manutenção anual... mas é uma coisinha rápida, passar com panos, esponjas embebidas em óleo e já tá pronto para mais 12meses.

Usulamente utilizam-se Óleo de Linhaça cru ou fervido (o fervido é melhor porque penetra mais profundamente nos poros da madeira este também pode ser utilizado para pré-preparação da madeira e consequente protecção durante a obra, protegendo-a de ataques de argamassas e outro produtos quimicos), oleo de cedro, oleo de teca (muito em voga nestes dias)...

Por curiosidade... o oleo mineral usado na industria automóvel tembém é um optimo protector... mas utilizo principalmente em estruturas de madeira exteriores...

Pronto cá vai mais uma bocas... sem ser sobre o BETON...

Share this post


Link to post
Share on other sites

O tratamento de madeiras com oleos (de origem vegetal ou mineral) é o que aconselho, não formam peliculas, são resistentes à intempéries, "hidratam a madeira", podem ter aditivos (protectores UV; pigmentos, etc...)
O senão, precisam de manutenção anual... mas é uma coisinha rápida, passar com panos, esponjas embebidas em óleo e já tá pronto para mais 12meses.

Usulamente utilizam-se Óleo de Linhaça cru ou fervido (o fervido é melhor porque penetra mais profundamente nos poros da madeira este também pode ser utilizado para pré-preparação da madeira e consequente protecção durante a obra, protegendo-a de ataques de argamassas e outro produtos quimicos), oleo de cedro, oleo de teca (muito em voga nestes dias)...

Por curiosidade... o oleo mineral usado na industria automóvel tembém é um optimo protector... mas utilizo principalmente em estruturas de madeira exteriores...

Pronto cá vai mais uma bocas... sem ser sobre o BETON...

Share this post


Link to post
Share on other sites

O óleo de linhaça fervido era muito utilizado há uns anos. Mas por experiência própria sei que é pouco resistente. Um amigo meu colocou-o nas paredes da casa e deck piscina e durou 10 meses. A casa ficou com um aspecto de "velha". Seria necessário fazer a manutenção muitas vezes. Há actualmente óleos no mercado bem mais resistentes e que contém na sua composição com óleo de linhaça, óleo teca, óleos de madeira e microceras . Também sendo um produto 100% natural. Foi dado em cima da madeira " comida" onde dantes estava o óleo de linhaça. É um produto natural Biofa. O óleo da industria automóvel não deixa as superficies respirar, isola a madeira. E em caso de incêncio é muito mau. VDCDL

Share this post


Link to post
Share on other sites

O óleo de linhaça fervido era muito utilizado há uns anos. Mas por experiência própria sei que é pouco resistente. Um amigo meu colocou-o nas paredes da casa e deck piscina e durou 10 meses. A casa ficou com um aspecto de "velha". Seria necessário fazer a manutenção muitas vezes. Há actualmente óleos no mercado bem mais resistentes e que contém na sua composição com óleo de linhaça, óleo teca, óleos de madeira e microceras . Também sendo um produto 100% natural. Foi dado em cima da madeira " comida" onde dantes estava o óleo de linhaça. É um produto natural Biofa. O óleo da industria automóvel não deixa as superficies respirar, isola a madeira. E em caso de incêncio é muito mau. VDCDL

Share this post


Link to post
Share on other sites

VerdeDaCorDoLimão, tem razão, os produtos à base de oleo aditivados, são melhores, pois colmatam uma série de problemas, entre os quais o alargamento dos ciclos de manutenção. O óleo mineral, que recomendo a aplicação, utilizo( como tinha dito antes) em estruturas exteriores (paliçadas, decks, pergolas, postes, portões) executados normalmente em pinho tratado em auto-clave...

Share this post


Link to post
Share on other sites

VerdeDaCorDoLimão, tem razão, os produtos à base de oleo aditivados, são melhores, pois colmatam uma série de problemas, entre os quais o alargamento dos ciclos de manutenção. O óleo mineral, que recomendo a aplicação, utilizo( como tinha dito antes) em estruturas exteriores (paliçadas, decks, pergolas, postes, portões) executados normalmente em pinho tratado em auto-clave...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Please sign in to comment

You will be able to leave a comment after signing in



Sign In Now

×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.