Jump to content
Arquitectura.pt


gigi

Lisboa | Novo Museu Nacional dos Coches | Paulo Mendes da Rocha

Recommended Posts

"em 2010 comemora-se o centenário da república portuguesa, e o novo Museu dos Coches irá ser o edifício comemorativo dessa data"

"Comemorar o centenário da implantação da república portuguesa, com "objectos" datados da época da monarquia, é sem dúvida o primeiro passo para mostrar o ridículo deste projecto.

Mas isso é só um aparte... "


Permitam-me outra observação.
Acho que se é sintomático de um timing bem escolhido é precisamente o museu dos coches vs 100 anos de República: ao mostrar aos Cidadãos da Republica que os tesouros que foram antes de reis são hoje de todos.
Acho que é um edificio-marco com um valor altamente simbólico, que homenageia o passado integrando-o no futuro.
Acho que a Res-publica (bem comum) agradece, bem como todos os portugueses que já se esqueceram do que siginifica a palavra.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Imagem colocada
"em 2010 comemora-se o centenário da república portuguesa, e o novo Museu dos Coches irá ser o edifício comemorativo dessa data"

"Comemorar o centenário da implantação da república portuguesa, com "objectos" datados da época da monarquia, é sem dúvida o primeiro passo para mostrar o ridículo deste projecto.

Mas isso é só um aparte... "

Permitam-me outra observação.
Acho que se é sintomático de um timing bem escolhido é precisamente o museu dos coches vs 100 anos de República: ao mostrar aos Cidadãos da Republica que os tesouros que foram antes de reis são hoje de todos.
Acho que é um edificio-marco com um valor altamente simbólico, que homenageia o passado integrando-o no futuro.
Acho que a Res-publica (bem comum) agradece, bem como todos os portugueses que já se esqueceram do que siginifica a palavra.


Dizer que os coches são da monarquia é como dizer que os automoveis são da republica, é preciso lembrar que tivemos um presidente que foi morto num coche.

Share this post


Link to post
Share on other sites

não conheço a obra do arquitecto para dar bitaites com muita importância. mas do projecto apresentado só tenho uma questão a por, e isto é da maior importância, a meu ver, para este lugar. então a relação com o Tejo é única, e simplesmente, visual? existe uma ponte que estabelece a ligação entre as duas margens da linha de comboio...mas uma ponte? uma simples e misera ponte? enquanto não percebermos que a primeira barreira(e talvez a única) barreira do Tejo é a Avenida da India e a Linha de Cascais... as pessoas não vão para o outro lado, não chegam, não tocam, não existem fluxos!!! é dificil perceber isto? é dificil perceber que não é(e desculpem o palavriado) uma ***** de uma ponte que vai resolver o principal ponto de um projecto como este!!e situado num lugar como este! ou vamos ficar todos a olhar para o Tejo... eu estudo naquela zona e por dia são centenas, numa semana no verão eu não digo quantas pessoas estão em belém. quantas passagens existem na zona? 3! como é possivel um projecto com esta dimensão não perceber esta "EXIGÊNCIA!" do lugar isto é uma necessidade que, incrivelmente ninguém disse ao arquitecto!(onde estão os arquitectos portugueses que deveriam esclarecer este ponto IMEDIATAMENTE! absurdo...e, mais uma vez, assustador

Share this post


Link to post
Share on other sites

Caro Tatlin, a coleção apresentada no Museu dos Coches, juntamente com o remanescente da mesma que se encontra em Vila Viçosa, apenas diz respeito aos veiculos cerimoniais da familia real portuguesa. Os coches a que se refere, que fazem parte do pomposo Serviço Hipomóvel da Presidência da Republica (extinto nos anos 30) consistem num landau aberto e noutro fechado, mas não creio que façam parte da coleção exposta. E sim, D. Manuel II foi a sua cerimonia de Aclamação em S. Bento de automóvel, em 1908. O seu tio, o infante D. Afonso, tinha a alcunha popular de "o Arreda" por fazer corridas na Avenida da Liberdade nos seus Peugeots importados de Paris. Por isso tanto houve reis a andar de carro como presidentes de carruagem. O último reparo, o presidente Sidónio Pais foi assassinado em 1918, a revolver, à saida da estação do Rossio (a pé). Quem morreu numa carruagem aberta foi o Rei D. Carlos e o seu principe herdeiro, 10 anos antes. Acredito que são notas um tanto laterais quanto ao tópico da obra analisada, mas que acho relevantes no que diz respeito tanto ao prazo da mesma como ao centenário a ser celebrado ;)

Share this post


Link to post
Share on other sites

não conheço a obra do arquitecto para dar bitaites com muita importância.
mas do projecto apresentado só tenho uma questão a por, e isto é da maior importância, a meu ver, para este lugar.
então a relação com o Tejo é única, e simplesmente, visual?
existe uma ponte que estabelece a ligação entre as duas margens da linha de comboio...mas uma ponte? uma simples e misera ponte?
enquanto não percebermos que a primeira barreira(e talvez a única) barreira do Tejo é a Avenida da India e a Linha de Cascais...
as pessoas não vão para o outro lado, não chegam, não tocam, não existem fluxos!!!
é dificil perceber isto?
é dificil perceber que não é(e desculpem o palavriado) uma ***** de uma ponte que vai resolver o principal ponto de um projecto como este!!e situado num lugar como este!
ou vamos ficar todos a olhar para o Tejo...
eu estudo naquela zona e por dia são centenas, numa semana no verão eu não digo quantas pessoas estão em belém. quantas passagens existem na zona? 3!
como é possivel um projecto com esta dimensão não perceber esta "EXIGÊNCIA!" do lugar isto é uma necessidade que, incrivelmente ninguém disse ao arquitecto!(onde estão os arquitectos portugueses que deveriam esclarecer este ponto IMEDIATAMENTE!

absurdo...e, mais uma vez, assustador

Concordo que é um grande problema daquela área, mas apesar das várias críticas que podem ser feitas a este projecto, não me parece que esta seja uma delas.
O arquitecto propõe uma passagem elevada para tentar minorar o problema, que mais poderia fazer?... O problema da enorme barreira que a Av. da India, linha de comboio e Av. de Brasília constituem é de âmbito urbano e extravasa claramente a área de intervenção do projecto. Como tal, deveria ser objecto de um estudo próprio e não de várias soluções avulsas. Não é realista pensar que este projecto poderia fazer muito mais do que faz quanto a isso.

Share this post


Link to post
Share on other sites

caro pluto, a sua conversa du-me vontade de ir à casa de banho! ;) tudo neste projecto me dá vomitos... desde um importante edificio que albergará parte da historia portuguesa ser desenhado por um brasileiro, quando temos tão bons arquitectos neste país. se´ra que este senhor arquitecto sabe sequer onde é Lisboa? sabe sequer para que ira servir o seu projecto? meter um coche com centenas de anos num edificio moderno tem tanta logica como meter sal no cafe... mas ja vi que a sua inteligencia nao chega para mais. :icon_pistoles:

Share this post


Link to post
Share on other sites

Caro Rake de Rama, até podes questionar o facto do edifício ser desenhado por um arquitecto brasileiro (para mim não tem nada de mal a nacionalidade de um arquitecto quando se poderá estar a falar de boa arquitectura), mas GARANTO-TE que o arquitecto veio a Lisboa diversas vezes durante as várias fases de projecto! Pela tua lógica, vamos ter que ir demolir o Convento de Mafra, porque foi desenhado por um arquitecto alemão? Ou a Torre dos Clérigos no Porto, porque o arquitecto era italiano? Estes também são ícones da nossa História. Desculpa, mas o que dizes não faz qualquer sentido! Há séculos que vivemos numa aldeia global, não é agora que nos vamos por com esquisitisses!

Share this post


Link to post
Share on other sites

meter um coche com centenas de anos num edificio moderno tem tanta logica


:clap:

Essa lógica... é que é espectacular.

Então lá por ser algo antigo, não se pode meter em algo moderno?
Então o que é antigo tem que ficar em espaços velhos... porque não podem ir para espaços novos?

Não estou a ver a lógica da coisa... sinceramente não estou.

---

Para quem critica o projecto, que ainda pouca informação a nível de plantas e afins, temos... critica porque?

E pergunto a quem critica... se já visitou o museu...

Eu já não vou a este museu a algum tempo, quase a uns 10 anos... mas ainda me lembro bem do museu. Na altura não tinha tantos coches como tem agora, e a malta mal conseguia observar um coche como deve de ser, por estarem todos uns em cima dos outros. Agora como mais coches... imagino como não deve estar.

Eu gostava... de que os que criticam este novo espaço para o museu, dizerem qual era solução que apresentavam ao Ministério da Cultura.

Criticar e mandar abaixo é fácil... apresentar uma solução é que é mais difícil!

Share this post


Link to post
Share on other sites

cara Leonor... ja vi que logico-matematica nao é o seu forte. por isso abstenha-se de fazer deduções. se é curta na compreenção, nao venha a um forum fazer barulho. leia atentamente o que escrevi e talvez perceba mais qualquer coisa. Caro JAG eu gosto do edificio, o que expus foi uma opinião pessoal. concordo que o museu dos coches necessita de um novo espaço, melhores condições e mais espaçoso. mas pessoalmente nao gosto do impacto visual, da diferença entre edificio e o que este alberga... é como comer queijo com bolo rei... são totalmente diferentes. nao ligam. acho que se devia ter em consideração o que se vai expor no novo museu e fazer um edificio que acompanha-se a linha do que esta exposto.

Share this post


Link to post
Share on other sites

cara Leonor... ja vi que logico-matematica nao é o seu forte. por isso abstenha-se de fazer deduções. se é curta na compreenção, nao venha a um forum fazer barulho. leia atentamente o que escrevi e talvez perceba mais qualquer coisa.


Caro Rake... acho que este tipo de comentários, não são apropriados para uma comunidade destas. Agradecíamos que os evita-se. Obrigado.


acho que se devia ter em consideração o que se vai expor no novo museu e fazer um edificio que acompanha-se a linha do que esta exposto.


Para isso teríamos de voltar ao Barroco... e acho que isso não sé torna muito apropriado. Depois as informações que dispomos sobre o futuro museu, são pouco esclarecedores.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Sinceramente não percebo o porquê da crítica que é usual se fazer quando um arquitecto estrangeiro vem projectar algo a Portugal... ...então e os portugueses não vão projectar "lá fora"?... será que cada um de nós arquitectos só deveria projectar para a sua área de influência, quiçá apenas para as redondesas do nosso gabinete?... ...não gostar do projecto é uma coisa, mas este tipo de críticas gratuítas não acrescentam nada...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Desculpe-me a ignorância, mas houve concurso público?


Se houve deve ter sido muito "escondido".
Porque a noticia... chegou assim como está ao publico e aos media.

Pelo o menos eu nunca tinha ouvido falar em tal iniciativa...

Share this post


Link to post
Share on other sites

^^ Por isso é que digo... andamos a especular sobre algo que, a meu ver, ainda nem definido esta. Ainda sou capaz de questionar... se o projecto será mesmo este.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Embora desconheça os pormenores todos, mas gostei da forma como se chegou á escolha no caso do CCB e hoje em dia o resultado até merece um amplo consenso.


E foi amplamente criticado!
É mais uma prova, que por vezes as coisas no papel e nas maquetas parecem uma coisa e depois na realidade são outras. Umas vezes positivamente outras negativamente...

Share this post


Link to post
Share on other sites

ao comentador rake de rama
1.
obviamente nao tera percebido qual e a diferenca entre um forum de troca de opinioes e uma vulgar troca de insultos; sugiro-lhe que procure qual e a diferenca.
2.
para poupar trabalho, ou por simples caridade dou-lhe ja uma resposta: uma opiniao assenta em razoes concretas, um insulto em devaneios de agressividade.
3.
ja que nao conseguiu validar nenhuma das suas opinioes, ou responder as perguntas que lhe foram feitas, deduzo que sejam apenas comentarios infundados ou baseados no seu gosto pessoal...
4.
que pelo nivel do seu portugues nao acredito que tenha sido especialmente desenvolvido.
5.
por isso talvez quando quiser soltar as suas frustacoes seja melhor procurar o sistema das prank calls do que escrever disparates num forum de arquitectura (ou culinaria ou futebol)
6.
quanto as suas necessidades intestinais/sanitarias existe medicacao que
ajuda.
7.
e acredito que a psicanalise do seculo XXI pode ajuda-lo no resto.
8.
outra dica: saber insultar sem ser vulgar nao e para todos; e preciso ter a escola feita.
9.
para insultar e ser vulgar:
o rake, vai pastar...

cumprimentos aos demais

pluto
londres 2008

Share this post


Link to post
Share on other sites
pluto... Digo o mesmo que disse ao rake...

Esse tipo de comentários, não são apropriados para esta comunidade. São totalmente desapropriados e não se enquadram de todo nesta comunidade.
Por isso, peço em nome de toda a comunidade, que evite este tipo de comentários.
Obrigado!

Share this post


Link to post
Share on other sites
Museu dos Coches, Belém - Lisboa
Paulo Mendes da Rocha, Arquitectos Lda

Dados Gerais
25 303 m2
35 000 000.00 €

Descrição
O Novo Complexo para o Museu dos Coches a construir em Belém é constituído, para além do edifício principal (Pavilhão de Exposições), por um Edifício Anexo, por um Silo Automóvel e por uma Ponte Pedonal que estabelece a ligações entre os 3 edifícios.

O Pavilhão de Exposições, que se destina a albergar as salas de exposições dos coches, é composto por uma estrutura elevada a 4,50m do solo com dimensões em planta de 126x48m e 12m de altura.

O Edifício Anexo garante o apoio necessário ao funcionamento do museu, incluindo zonas destinadas a Escritórios, Restauração e ainda um Auditório. As áreas de Escritórios e Restauração localizam-se em 2 “passadiços” elevados com 46x14m e 46x10m respectivamente, suportados por uma estrutura de betão periférica também elevada com 46x46m apoiada em apenas 4 pilares. O Auditório situa-se ao nível do piso térreo.

A Ponte Pedonal e as respectivas rampas de acesso estabelecem o percurso de 180m entre os dois edifícios e o silo destinado ao estacionamento de automóveis.



Link:
http://www.afaconsultores.pt

Share this post


Link to post
Share on other sites

Peço desculpa caro JAG, mas eu acho o comentário da Leonor igualmente ofensivo. Eu simplesmente limitei-me a emitir uma opinião a qual tem de ser respeitada e não gozada e não acho que foi isso que a Leonor fez no seu primeiro comentário. Eu compreendo que voltar ao barroco pode não ser o mais fácil neste momento. Não sugiro voltar ao barroco, apesar de achar que seria muito interessante, mas sugiro algo mais vanguardista, acho, pelas poucas imagens conhecidas um edifício muito contemporâneo. Mas obviamente é uma mera opinião.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Please sign in to comment

You will be able to leave a comment after signing in



Sign In Now

×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.