Jump to content
Arquitectura.pt


AnaRodrigues

Memória Descritiva

Recommended Posts

Estou a terminar um trabalho e foi pedido pelo meu professor uma memória descritiva para finalizar, alguém me sabe dizer o que devo escrever e que partes relacionadas com o trabalho desde o inicio devo abordar? O trabalho em si consiste na reabilitação de alguns espaços vazios localizados na zona histórica da cidade da Covilhã.:*

Share this post


Link to post
Share on other sites

Uma memória descritiva é tão importante para o projecto como os desenhos ou maquetes. Como tal tens de ser tu a saber o que deverás incluir na memória pois tal como o teu projecto só tu sabes do que se trata.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Esta foi sempre a parte que eu mais detestei e continuo a não gostar de fazer!!! Mas conheço malta muito boa nessa parte... como me disseram... Se fizeres algo que explique muito bem o porque das coisas e ao mesmo tempo explicares pormenores que imaginas mas acabas-te por não por em desenho... são algumas das coisas que costuma dar bom resultado... Mas digo isto porque me disseram... se é ou não... não sei...

Share this post


Link to post
Share on other sites

No meu tempo de estudante, gostaria muito que os nossos professores nos mostrassem elementos concretos (desenhados e escritos) de projectos profissionais reais ... Infelizmente, nunca tive esse privilégio. Se calhar não lhes interessava (eles os professores de arquitectura), pq o objectivo há muito que deixou de ser formar bons quadros, mas sim nulificar teoricamente futuros concorrentes ... Fiquei com uma péssima impressão da qualidade (?) de ensino da arquitectura (e não só!) em Portugal ... As universidades brotam licenciados mto mal preparados para o mercado ... mas isso daria para outra discussão. Face ao pedido de ajuda, envio em anexo um modelo tipo de memória descritiva profissional, actualizado à data c/ a legislação em vigor. Em termos profissionais, hoje em dia, deves seguir esse modelo ... Em termos académicos, podes sempre fazer algo mais "light", mais apelativo para as apresentações ... com "Design", mesmo q o conteúdo não diga nada ... há q impressionar!, certo?! :*

Share this post


Link to post
Share on other sites

resumindo e concluindo...ehehe é como tudo, ou é ou não é, ou se tem algo a dizer ou não, não acredito muito nisso de impressionar. assim como a desenhar não é preciso ser eximio é preciso é que se consiga dizer algo, transmitir a ideia, não é preciso um traço muito certinho, Assim então uma boa memória descritiva em termos académicos será aquela que de uma forma directa e sintéctica se possivel, consiga transmitir e explicar o projecto, a sua ideia, as suas intenções, objectivos etc...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Sinceramente não concordo nada com o Refs, a memória descritiva tipo que a presenta pode até ser boa para apresentar na câmara, mas em termos académicos, da experiência que tive, o importante é transmitir a poética do espaço, o imaginário a que se recorreu para chegar à solução: o ideal é deixarmo-nos enamorar pelo projecto e deixar passar para o papel as relações estabelecidas entre forma e lugar, entre o conjunto na sua volumetria, as tensões, os pontos de harmonia, a busca de referências. Não me parece que a memória descritiva sirva para quantificar em metros quadrados a ocupação.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Cristina ... não vejo nenhum ponto de discórdia. 1 - enviei um exemplo simples de uma Memória Descritiva, com os requisitos daquilo q actualmente é exigido na prática ... (experiência profissional) 2 - fiz as devidas ressalvas para as memórias descritivas dos trabalhos académicos ... q necessariamente terão de ser diferentes Cada um é livre de redigir a sua memória, independentemente do tipo ou fim a q se destina (profissional, académico, concurso, etc). Podemos inclusive escrever poesias, poemas, prosas, compôr músicas, editar filmes, pintar quadros, etc, para complementar a comunicação do nosso projecto ... tudo é valido. Se precisarem de inspiração para escrever as vossas memórias, viajando na "poética do espaço", podem sempre ler o romance Memorial do Convento, do Saramago. :p

Share this post


Link to post
Share on other sites

como e possivel nao gostar de fazer uma memoria descritiva JAG? é o mesmo que nao gostar de fazer uma simples maqueta de trabaho ou ate desenhar um simples desenho... faz tudo parte do mesmo..alias nao deveria ser uma fase imposta tao pouco..a partida sabemos que vamos sentir a necessidade de escrever

Share this post


Link to post
Share on other sites
No meu tempo de estudante, gostaria muito que os nossos professores nos mostrassem elementos concretos (desenhados e escritos) de projectos profissionais reais ...

Infelizmente, nunca tive esse privilégio. Se calhar não lhes interessava (eles os professores de arquitectura), pq o objectivo há muito que deixou de ser formar bons quadros, mas sim nulificar teoricamente futuros concorrentes ...

Fiquei com uma péssima impressão da qualidade (?) de ensino da arquitectura (e não só!) em Portugal ... As universidades brotam licenciados mto mal preparados para o mercado ... mas isso daria para outra discussão.

Concordo plenamente contigo .Na faculdade os professores, parecem que teem medo de ensinar , porque sabem que hoje para amanha somos arquitectos e arquitectas que nos faz logo os novos concorrentes para eles.
Infelizmente esta é a realidade , os professores de projecto pedem muita coisa, não ensinam nada, e porque que estão lá a dar aulas ?!
São poucos , os bons professores de projecto.
Não ajudam em nada , ate qualquer leigo pode ir dar aulas , porque estar o professor e não estar é a mesma coisa e ganha-se assim um ordenado ao final do mês sem suar muito.
E também sao poucas as pessoas na faculdade que ajudam colegas do mesmo curso , o curso de arquitectura basicamente é lixar o próximo , e quanto menos estiverem acabar o curso , melhor ainda .
Essa não é a minha politica , mas sim da maioria .

Em relação à memória descritiva ,tens muitos exemplos nas revistas de arquitectura ,vê o que eles escrevem e como escrevem e faz a partir daí a tua .

Share this post


Link to post
Share on other sites

Existe legislacao para a elaboracao de memorias descritivas. Muito honestamente aos trabalhos que se fazem em Projecto, tambem nao vejo grande necessidade da mesma, acho porem, que quanto menos tivermos de escrever na memoria descritiva, melhor, o nosso trabalho e desenhar, e aquilo que escrevemos deve de sobretudo orientar as pecas desenhadas e assinalar aquilo que nao conseguimos transmitir nos desenhos, essencialmente alguma decisao mais controversa. a parte disto, o melhor e esquecer. lembro-me de alguem dizer que uma memoria descritiva deve de caber num A4

Share this post


Link to post
Share on other sites

As Memorias Descritivas, são a redenção Artística possível, no trabalho de Arquitecto. Um mau projecto, pode ser salvo, por uma Memória Descritiva digna. Quem não tem talento para projectos, deve esmerar-se na Memória Descritiva, de tal forma, que seja incompreensível para os técnicos camarários (brio!). P.S. A frustração é tanta, que de facto, o que importa é uma boa Memória Descritiva.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Para que conste... o que considero uma boa MD: - situação Académica - MD o mais sintética possivel (1 A4, chega e sobeja) - situação profissional - MD o mais pragmática, analitica e descritiva construtivamente e legislativamente possível. [As minhas MD, tem sempre no mínimo 12 paginas (letra 10)... para o licenciamento/ comunicação prévia] PS: É uma tristeza, é indignante, a q habitual e qualidade técnica de muitas MD, elaboradas por Arquitectos (dos outros técnicos, nem falo...), que continuam a copiar e a elaborar MD, com textos tipos utilizados à 20 e 30 anos atrás... completamente descontextualizados da realidade actual e até da legislação em vigor.. e que para cúmulo.. para nada servem ( nem sequer para uma caracterização sumária da construção) Abraços

Share this post


Link to post
Share on other sites

Doze páginas Pedro Barradas... o técnico, quando se depara com uma das suas memórias descritivas deve sentir-se compelido para fazer um deferimento automático/tácito. Acho que sim, devemos induzir tédio pela extensão e chatear com vocábulos que não dispensam a consulta de um dicionário. Agora a sério, acho que devem ser muito objectivas e explicarem que as coisas são como são, não apenas porque sim!

Share this post


Link to post
Share on other sites

Please sign in to comment

You will be able to leave a comment after signing in



Sign In Now

×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.