Jump to content
Arquitectura.pt


Recommended Posts

Olá Arquitectos. Alguém me poderia indicar pensamentos e teorias na arquitectura sobre o tema de "tempo" (não se faz chuva ou sol). Como este é o tema da composição para a frequencia de Arquitectura Teórica, gostava de saber diversas opiniões ou teorias acerca de... Obrigado!

Share this post


Link to post
Share on other sites

Ok. O que o teu professor te está a perguntar, subrepticiamente, é: o que é a arquitectura? e mais esplicitamente: o que é que a distingue das outras artes? É uma pergunta clássica e vai surgir-te ao longo de toda a tua vida. Pintura, Escultura e Arquitectura. (arquitectura ensinava-se nas academias de Belas Artes, e os velhotes ainda tem esse trauma...) É claro que precisas de tempo para ver uma pintura. Mas ela não implica tempo. Pode querer significar o tempo, como fez Picasso, mas não o implica directamente. Escultura, espera ai. Escultura precisa do tempo: tens de dar a volta à estátua para a ver na totalidade! As estátuas egípcias basta ver de todos os ângulos rectos, mas as estátuas do Rodin... Arquitectura? Deixo pra ti responder... E urbanismo? Ainda mais. E tanto que deixa de se chamar "arte" e passa a ficar guardado noutra gaveta... Então se arquitecura precisa de tempo, se não jogarmos com ele, então não é arquitectura! É uma mausoléu egípcio para os deuses mortos. Que outras artes existem que precisam tempo?? Cinema! Teatro! A magnifica arte de contar histórias. A vida. É nelas que nos inspiramos então. Os Filmes, os documentários são os que podem dar uma ideia, mesmo assim tosca, da arquitectura que não podemos visitar. (Por falar em filmes: Blade Runner, Metapolis, La Ain, os filmes que mostram as casas do Lautner: The Big Lebauski, Golden Eye, etc) Ao percorrer uma obra de arquitectura é como se nos estivessem a contar uma história: tem de ter princípio, meio e fim; uma introdução, tem de ter um auge da história, e saber morrer, pra continuar na natureza o percurso. Uma maneira de dizer tudo isto é a de que a arquitectura joga com o tempo e que por isso se dostingie das outras artes.

Share this post


Link to post
Share on other sites

É claro que precisas de tempo para ver uma pintura. Mas ela não implica tempo. Pode querer significar o tempo, como fez Picasso, mas não o implica directamente.


Sputnik, deixa-me discordar deste ponto, porque se para analisar todas as outras manisfestações de que falas, precisamos de tempo, a pintura não é diferente. Como disseste, o factor tempo pode estar incutido na pintura, mas para a analisarmos e percebermos, ainda que à nossa maneira, é preciso tempo...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Sputnik:

Penso que nao eh essa a duvida dele. Pelo o que eu percebi a duvida dele recai na influencia da dimensao Tempo na arquitectura.


Exactamente!!!
Mas Obrigado áqueles que já tentaram ajudar. Agradeço a quem por boa vontade exponha matéria acerca de... ou pensamentos e teorias!!!
Obrigado!:.(

Share this post


Link to post
Share on other sites

"Qual a influencia da dimensão tempo na arquitectura" é, pra mim, como perguntar: qual a influencia da 3ª dimensão "altura" na escultura.
A menos que te estejas a referir apenas ao processo de envelhecimento do edifício, à sua necessidade de adaptar a diversas necessidade ao longo do tempo... Será?

Não sei se é isto ou não, mas vou continuar, pode ser que acerte em alguma coisa...

Existem realmente uma grande dificuldade em representar e transmitir a arquitectura.
Pessoalmente acho que nunca conseguiria decifrar a espacialidade da Casa da Cascata apenas através das plantas, cortes e alçados, ou mesmo fotos. Possuo alguns filmes e é o que me vale. E ainda fica a faltar a noção de escala, que só se pode ter visitanto pessoalmente aquele objecto.

Corbusier concebeu a Vila La Roche como um percurso dinâmico, parece-me que corresponde à letra a essa necessidade que a arquitectura tem de se desenvolver no tempo.
Também Fernando Távora, na tese da Organização do Espaço, começa por definir o seu objecto de estudo e as condições em que ele ocorre: um ponto no espaço, elevado a 1,6m do chão, móvel. Móvel implica, naturalmente, o tempo. Esta noção, aparentemente óbvia e evidente, traduziu-se em espaço e em construção - na casa de Ofir, o espaço de circulação é uma entidade própria que não termina na casa, mas continua...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Em resposta ao Dreamer, queria só dizer que apenas me referia ao facto da pintura ser Bidimensional. Como tal, tem apenas duas dimensões, e duas dimensões chegam-lhe perfeitamente para ser arte (Mondrian), se desprezarmos a espessura da tela mais a espessura da tinta (que no caso de Tapiés pode ser bem grossa). Ao contrário, a arquitectura nunca se nos apresenta de uma vez só. Tal como a escultura, é preciso dar a volta. E, como nem a escultura, é presico entrar. A Arquitectura apresenta-se-nos em sequencias de percursos. E ainda varia no sentido do percurso (entre a porta e o quarto, ou entre o quarto e a porta). Bom, Sem um feed back do Zgandulo, nada feito

Share this post


Link to post
Share on other sites

Sputnik, ainda que compreenda o teu ponto de vista, permite-me discordar.

É verdade que uma pintura é vista completamente à primeira, mas tal como a arquitectura, é preciso esse tempo para a apreender, para ver os detalhes, para formularmos uma história à volta dela, a forma como cada um de nós interpreta a obra a determinado momento da nossa vida.

Tens também o exemplo clássico, ainda que não sendo pintura, o livro principezinho de Exupéry, podes lê-lo uma vez, apreendes a história, mas mais tarde, passados uns anos, ao ler a mesma história, aquilo que apreendes é completamente diferente.

Logo aqui, em dois suportes bidimensionais, percebe-se o quanto o factor tempo pode influenciar a percepção daquilo que estamos a apreender.

São formas diferentes de entender o "tempo", tão válidas quanto o tempo que se demora a percorrer uma "arquitectura".

Share this post


Link to post
Share on other sites

Bem, nós vivemos no tempo. Estamos permanentemente presos no presente, por isso toda e qualquer realidade que nos chegue através dos sentidos, existe ao mesmo tempo que o observador. Mas não vamos cair em jogos de palavras. Para o caso, o que importa é que, face aos diferentes métodos de criação de Arte, o Músico parte de uma idéia inicial de Ritmo que regula o tempo. Igualmente o arquitecto encontra o módulo que lhe convém. O pintor não tem de pensar em termos de tempo, a menos que a sua pintura procure intencionalmente isso, como tentaram os Futuristas e os Cubistas. Pode simplesmente pensar em manchas, imóveis e eternas.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Não são jogos de palavras, são formas diferentes de se entender o "tempo".Estás a falar, futurismo e cubismo incuídos, da forma como o autor "constrói" a obra, do tempo nesse contexto, como factor "motivador" da obra.Outra coisa é como o observador interpreta a obra, o "tempo" que ele demora a apreendê-la.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Nao tenho a certeza se isto te pode ajudar mas e de um trabalho que fiz ontem.

''Seminários 1
Dia 19 de Dezembro de 2007 – Arquitecto António Menéres
Qual para ti a importância que pode ter, actualmente, uma arquitectura popular

Entre 1955 e 1960, seis equipas distribuídas por outras tantas zonas do país empreenderam um levantamento fotográfico e tipológico que passou a figurar como «Inquérito à Arquitectura Regional Portuguesa». Coordenado por Francisco Keil do Amaral, presidente do então Sindicato Nacional dos Arquitectos, e subsidiado pelo Ministério das Obras Públicas, o levantamento teve uma primeira publicação em 1961, em dois volumes. O Arquitecto António Menéres esteve presente numa das seis equipas, transmitindo-nos assim a sua vasta paixão por este estilo Arquitectónico particular de Portugal.
Este Estilo Arquitectónico ao qual chamamos ‘’Arquitectura Popular’’ aos conceitos de ‘’arquitectura vernacular’’, ‘’arquitectura anónima’’ ou ‘’arquitectura sem arquitectos’’, como a caracteriza o espanhol Pedro de Llano.
Este tipo de arquitectura marcou a arquitectura portuguesa dos anos 50 e prevaleceu até ao final do Salazarismo. Era uma arquitectura do Povo, do ‘’Popular’’, tinha o objectivo principal a funcionalidade da habitação ou edifício, era construído segundo os conhecimentos populares, e segundo a região. Normalmente encontra-se a maioria de edifícios de Arquitectura Popular na zona Rural e Interior do nosso País, zonas estas que apesar do seu baixo nível de estudos académicos, financeiros, tinha um vasto conhecimento das necessidades a que eram sujeitos.
Como fora demonstrado no Seminário dado pelo Arq. António Menéres, a arquitectura portuguesa começou ainda na Idade do Bronze quando as primeiras aldeias começam a surgir de forma minimamente organizada, com casas, assembleias, balneários e muralhas em seu redor. Foi posteriormente, no séc. III, com a ocupação romana, que as primeiras cidades começaram a desenvolver-se de forma organizada com inúmeros edifícios públicos e estradas pavimentadas que melhoram as comunicações em certas partes. Com a queda do Império Romano do Ocidente o panorama artístico ficou quase esquecido. Apenas no séc. VIII, com a invasão muçulmana a arte voltou a ser praticada de forma mais organizada e uniforme. Mesquitas e palácios apareceram nas principais vilas e cidades do país. No séc. XII começou a Reconquista. Transformaram-se as mesquitas em igrejas, como se fez com a Mesquita de Mértola, e de forma progressiva passou-se para o românico. As grandes igrejas pesadas começaram a povoar o território até que o gótico, e depois o Manuelino as transformaram em edifícios mais esbeltos e decorados. No séc. XVI, inicia-se em Itália o Renascimento, que começa a racionalizar todas as formas, e os edifícios ficam mais pragmáticos em detrimento da sua decoração. De forma natural passa-se para o maneirismo que segue os passos da arquitectura renascentista. A Igreja de São Vicente de Fora é um dos melhores exemplos desse tempo. Nesta época, e desde o românico, a principal produção da arquitectura eram as igrejas, e assim seria até ao rococó. No barroco, séc. XVIII as igrejas e conventos tornam-se mais luxuosos e ornamentados, exemplo disso é o Convento de Mafra. No início do séc. XIX vêm influências de vários países europeus que culminam no neoclassicismo. Poucas décadas depois aparece, como reacção, o romantismo. A Estação do Rossio ou o Palácio da Pena são obras românticas. No final desse mesmo século, os engenheiros tomam conta dos projectos com a arquitectura do ferro. O Elevador da Glória é exemplo disso. A arte nova e a art déco tiveram pouco expressão em Portugal. Mais tarde, durante o Estado Novo (Salazarismo), foi aplicada uma arquitectura mais contida, mas sobretudo funcional, a ‘’Arquitectura Popular’’. Com o fim da ditadura, e abertura ao meio internacional, a arquitectura enriqueceu o seu espólio tanto em quantidade como em qualidade. Assiste-se hoje, em Portugal, a um fenómeno complementar e inovador, a arquitectura contemporânea, no âmbito da arquitectura portuguesa que, contrapõe a, conceitos velhos e conservadores de tradições e modos de operar, a uma intenção afirmada, de inovar o espaço e construí-lo com conceitos, materiais e técnicas que permitam viver em pleno a contemporaneidade. A arquitectura contemporânea cruza várias gerações em simultâneo que marcaram e continuam a marcar arquitectura portuguesa, desde meados do século XX até aos nossos dias. Fernando Távora, Manuel Tainha, Álvaro Siza, Victor Figueiredo, Gonçalo Byrne, Eduardo Souto Moura, Filipe Oliveira Dias, Tomás Taveira e Carrilho da Graça são os arquitectos que traduzem o que de melhor se produz, de arquitectura, em Portugal.
Em suma, a ‘’Arquitectura Popular’’ teve bastante importância no nosso País para poder-se chegar a esta ‘’Arquitectura Contemporânea’’ (Arquitectura Moderna) a que se presencia hoje em dia, apesar de não me identificar com o estilo de Arquitectura Popular (talvez devido a não ser dessa época), aceito-a como sendo uma das bases para o nível Actual da Arquitectura Portuguesa. ''

Como o meu professor de Arte e Cultura diz, ''O tempo é aquilo que todos sabemos o que é quando não nos perguntam o que é''

Share this post


Link to post
Share on other sites

Não são jogos de palavras, são formas diferentes de se entender o "tempo".Estás a falar, futurismo e cubismo incuídos, da forma como o autor "constrói" a obra, do tempo nesse contexto, como factor "motivador" da obra.Outra coisa é como o observador interpreta a obra, o "tempo" que ele demora a apreendê-la.


Ok, tens toda a razão. Alteramos a nossa percepção da obra ao longo do tempo, é verdade. Existem algumas obras que conseguem, de facto, parecer sempre novas, e parece que a sua mensagem não se esgota (ou somos nós que mudamos, o que vai dar ao mesmo). É tb um ponto de vista interessante.

E agora surgiu ainda mais uma forma de interpretar "o tempo na arquitectura", desta vez como tempo histórico, ou como a qualidade atemporal da arquitectura, que diz que ao longo de toda a história da humanidade a arquitectura procura sempre resolver os mesmos problemas, daí que há um laço que unifica todas as épocas (pelo menos foi assim que interpretei).

Talvez o Zgandulo deveria cingir um pouco o tema...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Aproveito para fazer um pequenao reparo (fora do tema do tópico) sobre o teu trabalho.
A Igreja de São Vicente de Fora (fora das muralhas), tinha a convicção que pertencia à Ordem dos Agostinhos, portanto Românica, e não Manuelina, com a típica torre dianteira que pode ter dado origem ao Nartex das Igrejas paroquiais. E, de todos os exemplos, utilizas uma Igreja da qual existe apenas um desenho e uma suposição da Planta...
Tb não há Gótico.
E também dizer que, a certa altura, Portugal abdicou da sua própria cultura para se dedicar às ciências de navegação e ao esforço herculeano dos descobrimentos, que nos levam, desde ai, a importar culturas estrangeiras, para logo nacionalizá-las, adaptá-las à nossa realidade.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Olá Amigos Arquitectos.

Vejo que se estão a esforçar para me ajudarem no tema do "tempo" em que pedi.
Pois cá vai então o inicio do texto que terei de comentar em género de composição de um futuro arquitecto:

"Todas as coisas tém o seu tempo e tudo o que existe debaixo dos céus tem a sua hora.
Há tempo para nascer e tempo para morrer;
Tempo para plantar e tempo para arrancar o que se plantou;
Tempo para matar e tempo para dar vida;
Tempo para destruir e tempo para edificar;
Tempo para chorar e tempo para riri;
Tempo para se afligir, e tempo para dançar;
Tempo para espalhar pedras e tempo para as juntar;
Tempo para dar abraços e tempo para fugir deles;
Tempo para adquirir e tempo para perder"
... e por aí fora...

O que tenho que fazer, é comentar...

Agradeço a todos os que me dêem algumas ideias ou perpectivas para o tema!!! Obrigado!:clap:

Share this post


Link to post
Share on other sites

Zgandulo, que tal dares tu o início aos comentários e explicares o que para ti é cada uma dessas coisas.


Pois, mas ainda não comecei a desenvolver nada de concreto sem que antes tenha a percepção e directrizes que me levem direito áquilo que o professor quer...

"A organização do espaço" de Távora, já li e até já sublinhei tudo aquilo que se refere a "tempo" mas falta- me mais assim como o contexto ao que o texto dado se refere...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Bom, os Egípcios fizeram as pirâmides já em forma de ruina, pra durar pra sempre. Hoje fazem-se as coisas para durar 30 anos. O Souto Moura penso que propôs uma demolição ou restruturação de um mercado que tinha feito, falou exactamente disso: as coisas tem um tempo de vida, depois morrem, e ainda bem que morrem. Já ningué, edifica para a eternidade, porque mesmo que a obra dure, somos nós que alteramos as nossas exigências - perspectiva que os egípcios não tinham.

Share this post


Link to post
Share on other sites

A velocidade a que a nossa sociedade evolui no tempo é em tudo superior àquela que existiria no tempo dos egípcios. Cada um de nós pode experimentar formas diferentes de percepcionar o tempo, basta ver que quando estamos a fazer algo que gostamos, o tempo passa a voar, no caso contrário, nunca mais passa... não é o tempo que varia, mas a percepção que cada um de nós tem dele.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Desculpa, Zgandulo. Não tenho nada contra as pessoas virem aqui em busca de auxílio para realizar os seus trabalhos, mas lançar um tópico e ficar de perninha cruzada à espera que lhe façam a papa, e nem sequer participar no próprio tópico, é uma coisa que me irrita profundamente. Tens de melhorar essa técnica de investigação. Sublinhar "tudo o que diga tempo" é de um primitivismo assustador. Sorte pó trabalho

Share this post


Link to post
Share on other sites

Please sign in to comment

You will be able to leave a comment after signing in



Sign In Now

×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.